Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Realismo e Naturalismo na obra "Os Maias"

No description
by

Danny Tomás

on 26 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Realismo e Naturalismo na obra "Os Maias"

Realismo e Naturalismo na obra "Os Maias"
índice
Realismo
O realismo foi um movimento artístico e literário que surgiu nos finais do século XIX em França em reação e oposição ao Romantismo.
Surgiu em Portugal com a chamada Questão Coimbrã que durou de 1865 até 1867.
Os seguidores deste movimento abandonaram a artificialidade do Neocatolicismo e do Romantismo, porque sentiam a necessidade de refletir acerca da vida, dos problemas e dos costumes das classes média e baixa, que não seguiam os modelos do passado.
O movimento manifestou-se também na escultura e, principalmente, na arquitetura.

Introdução
Conferências Democráticas no Casino

Era no casino que a “Geração de 70”, o grupo de estudantes de Coimbra envolvido na dita “Questão Coimbrã”, se reunia para debater as novas ideias, de modo a abater o espírito romântico.
Estas sessões públicas, chamadas também de conferências eram destinadas a divulgar as “novas ideias” trazidas pelo movimento realista, agitando assim a Europa no campo da política, da religião, da filosofia, da educação, da literatura e também da arte.
Por toda a agitação causada pela actividade deste grupo o governo proibiu de se reunirem.
Questão Coimbrã
A “Questão Coimbrã” é o nome pelo qual ficou conhecido o conjunto de episódios que, em 1865, opuseram Antero de Quental a António Feliciano de Castilho e foi a partir daqui que surgiu o grupo de protestantes mais tarde apelidados por “Geração de 70”.
Num comentário a um livro de Pinheiro Chagas, Castilho, o poeta que representava o gosto oficial do Romantismo, critica Antero de Quental e Teófilo Braga, dois jovens estudantes de Coimbra que se ousaram a publicar à margem dos gostos oficiais.
Após este confronto direto, Antero responde à provocação feita por Castilho com o folheto “Bom-Senso e Bom-Gosto” e depois com “A Dignidade das letras e as Literaturas Oficiais”.
Foi o combate entre o Romantismo envelhecido e o Realismo que nascia cheio de uma nova energia, de novas ideias.

Realismo na Literatura
Na literatura o realismo destaca-se principalmente na prosa.
O romance social, psicológico e de tese é as principais formas de expressão.
Esta forma de expressão começa por ser apenas uma atividade de lazer, de distração, contudo torna-se rapidamente um meio para criticar as instituições da época, nomeadamente a Igreja Católica e a hipocrisia por parte da Burguesia.

Características do Realismo
Veracidade - demonstra o que ocorre na sociedade sem encobrir ou deturpar os factos;
Contemporaneidade - Descrição fatual no tempo da sua ocorrência;
Retrato fiel das Personagens - Caráter, aspetos negativos da natureza humana;
Gosto pelos detalhes - Lentidão na narrativa;
Materialismo do Amor - Mulher objeto de prazer/adultério
Denúncia das injustiças sociais - Torna pública a realidade dos factos;
Linguagem - Simples, natural, clara, equilibrada e próxima à realidade;

Realismo na obra
O que nos chama mais a atenção na obra Os Maias não é a sua trágica história de amor com todo o seu sofrimento ou a sua visão platónica, mas sim o seu realismo, pois Eça não oculta nada acerca dos ditos “podres da sociedade” em que vive.
A obra de Eça continua atual e nós podemos ver o nosso reflexo em cada uma das personagens.
Provavelmente se Eça de Queirós fosse vivo escreveria bastante acerca da sociedade atual que continua repleta de mentiras, de ilusões e de maneiras de ocultar o que realmente acontece nos dias de hoje.

Exemplos de críticas feitas por Eça na obra
Críticas feitas por Eça na obra
Corridas no hipódromo

O episódio das "Corridas no Hipódromo", é uma forma de ridicularizar o desejo do povo português imitar o que se faz no estrangeiro.
Através das corridas podemos apreciar de forma irónica e caricatural uma sociedade burguesa que vive de aparências. Não faziam parte das tradições portuguesas como, por exemplo, as touradas, mas surgiram por imitação do que sucedia noutros países.
Eça de Queirós constrói este episódio para chamar à atenção acerca da mentalidade e do comportamento da alta burguesia lisboeta, onde se percebe um verdadeiro contraste entre o ser e o parecer.
A situação descrita no episódio parece ridícula, pelo facto de que havia falta de entusiasmo pelo acontecimento, o mais importante, a essência das corridas de cavalos era admirar as espécies e os corredores, as pessoas que compareciam neste evento iam apenas por ser um local social.

Naturalismo
Movimento literário conhecido por radicalismo do Realismo, baseando-se na observação fiel da realidade e na experiência, mostrando que o indivíduo é determinado pelo ambiente.
Constitui um dos pilares da ciência moderna.
O Naturalismo amplia as características do Realismo, acentuando-as e acrescentando-lhe certas marcas que o tornam inconfundível.
Características
• O Determinismo – o homem é visto como uma máquina guiado por um conjunto de leis físicas e químicas, pela hereditariedade e pelo meio físico e social;
• A preferência por temas da patologia social: - miséria, adultério, criminalidade, desequilíbrio psíquico, problemas ligados à sexualidade, entre outros;
• O objetivismo científico e a impessoalidade: - o romancista assume uma atitude de frieza perante os factos e as personagens, devendo registar impessoalmente e com precisão científica a realidade que se lhe apresenta.

Porque razão falhou Carlos?
Hereditariedade;

Meio inserido;

Educação.


Questões de Hereditariedade
Geneticamente, Carlos recebeu dos seus antepassados a tendência para o diletantismo e para o sentimentalismo.
São precisamente dois dos aspectos que mais o vão desviar dos seus ideias e projectos iniciais, acabando mesmo por os abandonar.
O diletantismo levou-o para uma dispersão de atividades de caráter lúdico e boémio que em nada o aproximava da sua vida profissional.
O sentimentalismo opõe-se sempre a todo e qualquer projeto de natureza profissional.

Educação de Carlos
A educação de Carlos valorizou apenas a vertente física. Consequentemente, a vertente espiritual ou ética foi descurada, na medida em que não lhe foram transmitidos os princípios e valores que lhe permitissem a estruturação de uma “consciência”.
Assim, Carlos evoluiu de idealista para parasita social sem nunca ter tomado uma atitude impeditiva de tal percurso pessoal. E tal deve-se ao facto de Carlos “conscientemente” não ter tido a perceção de que evoluía num sentido negativo, capaz de o destruir ou, pelo menos, de o reduzir a uma verdadeira nulidade social.

Meio inserido
O meio em que se enquadrou Carlos foi uma Lisboa da segunda metade do século XIX.
A capital representava todo o país e pode-se concluir que se caracterizava pela ociosidade, ignorância, apatia e decadência generalizada.
Ora, se Carlos, inicialmente, pretendia alterar este meio pela qualidade dos seus projectos e prática profissional, rapidamente acabou por se conformar e deixar influenciar pelo marasmo típico e crónico que o cercava, entregando-se à inutilidade e ociosidade que caracterizavam a vida social, económica e cultural da época.

Conclusão
Webgrafia

http://www.citi.pt/cultura/literatura/romance/eca_queiroz/maias_jantar.html
http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.pt/2007_12_01_archive.html
http://www.escolavirtual.pt/assets/conteudos/downloads/11por/11por1601pdf03.fh11.pdf?width=965&height=600
https://prezi.com/hkvyfjqvjyo1/realismo-e-naturalismo-nos-maias/
http://www.priberam.pt
http://pt.slideshare.net/MissBlackBerryBush/o-realismo-2940739
http://portugues-fcr.blogspot.pt/2012/04/episodio-do-jantar-no-hotel-central.html



Trabalho realizado por:
Daniela Tomás nº10
Sandro Santos nº26
11º5ª

Vida e obra de Eça de Queirós
Como bem sabemos o realismo e o naturalismo são marcas presentes na obra de Eça de Queirós, "Os Maias".
A partir desta apresentação iremos transmitir conhecimentos adquiridos não só em aula como também por pesquisas efetuadas durante o decorrer do trabalho.





Introdução
O Realismo
Questão Coimbrã/Geração de 70
Conferências democráticas no casino
Realismo na Literatura
Características do Realismo
Críticas feitas por Eça na obra
Corridas no hipódromo

Jantar no Hotel Central
Naturalismo
Características do Naturalismo
Naturalismo na obra
Questões de Hereditariedade
A educação de Carlos
Meio inserido
Conclusão
Webgrafia
Full transcript