Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Esterilização a Vapor

Aula com a graduação 2012
by

Leonel Nascimento

on 4 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Esterilização a Vapor

Esterilização a Vapor Leonel Nascimento Conceitos Esterilização a Vapor Controle de Qualidade GLUTARALDEÍDO
FORMALDEÍDO
RDC 8/2010


ÁCIDO PERACÉTICO
Endoscópios MÉTODOS QUÍMICOS CALOR ÚMIDO: AUTOCLAVE

CALOR SECO: ESTUFA

RADIAÇÕES IONIZANTES: COBALTO,RAIO GAMA

RADIAÇÕES NÃO ONIZANTES: ULTRAVIOLETA MÉTODOS FÍSICOS MÉTODOS
DE ESTERILIZAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO A limpeza eficiente reduz 99,9% dos microorganismos do material.
É o processo que se utiliza de agentes químicos ou físicos para destruir toda forma de vida microbiana e aplica-se especificamente para objetos inanimados. Não existe esterilização parcial, pois, a presença de qualquer microorganismo, indica que o objeto não está estéril.

( PADOVENESE,2003) ESTERILIZAÇÃO “É O PROCESSO PELO QUAL OS MICROORGANISMOS SÃO MORTOS A TAL PONTO QUE NÃO SEJA MAIS POSSÍVEL DETECTÁ-LOS . UM ARTIGO É CONSIDERADO ESTÉRIL QUANDO A PROBABILIDADE E SOBREVIVENCIA DOS MICRORGANISMOS QUE O CONTAMINAM É MENOR QUE 1:1000000.

(GRAZIANO;SILVA;BIANCHI,2000) ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZAÇÃO ÓXIDO DE ETILENO

PLASMA DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO

AUTOCLAVE DE FORMALDEÍDO MÉTODOS FISICO-QUÍMICOS Entende-se por valor D o tempo de exposição necessário para reduzir a população bacteriana á 10 %.Este tempo representa a velocidade de morte microbiana frente á uma determinada temperatura. VALOR D Os microorganismos não morrem todos ao mesmo tempo.

A morte de tais agentes ocorre numa curva exponencial, no qual num primeiro momento chamado de valor D, 90% dos microorganismos desaparecem.
Em um segundo instante do valor D 90% dos 10% restantes são eliminados e assim por diante. VALOR D Procedimentos Cirúrgicos Processos de esterilização CERTIFICAR-SE DA COMPLETA DESPRESSURIZAÇÃO DA C.INTERNA (MANUVACUÔMETRO NO 0)
ABERTURA DA PORTA
LAVAGEM MÃOS
USO DE MÁSCARA
COLOCAR PACOTES EM CARRINHOS PROTEGIDOS E COBERTOS CUIDADOS AO TÉRMINO DO CICLO LIMPEZA E DESCONTAMINAÇÃO ADEQUADAS
SELEÇÃO DA EMBALAGEM
SELECIONAR OS ARTIGOS (DENSIDADE, SUPERFÍCIE E BORRACHA)
IDENTIFICAR PACOTES (Etiqueta)
ESPAÇOS ENTRE OS PACOTES
NÃO ENCOSTAR OS PACOTES NA PAREDE DA CAMÂRA CUIDADOS NO CARREGAMENTO CALOR LATENTE:
“É O CALOR NECESSÁRIO PARA CONVERTER UMA GRAMA DE AGUÁ EM VAPOR NA MESMA TEMPERATURA.”
CONTATO DIRETO DO VAPOR SATURADO COM O MATERIAL Á SER ESTERILIZADO Princípios de esterilização pelo calor úmido PAPEL GRAU CIRÚRGICO

ALGODÃO CRU

MANTA POLIPROPILENO

TYVEC EMBALAGENS – AUTOCLAVE RESPEITAR A CAPACIDADE (80 %)
PACOTES MAIORES NO FUNDO
TAMANHO ADEQUADO DO PACOTE (30X40X50 CM) E PESO DE 8 KILOS
ARTIGOS CONCÂVOS: PARTE CONCÂVA PARA BAIXO
REALIZAR OS TESTES CONFORME PADRONIZAÇÃO. CUIDADOS NO CARREGAMENTO REMOÇÃO VACÚO
AQUECIMENTO DE AGUÁ NO GERADOR DE VAPOR
FORMAÇÃO DO VAPOR SATURADO
PASSAGEM DO VAPOR SATURADO DA CAMARA EXTERNA PARA A INTERNA
PERÍODO DE EXPOSIÇÃO
CONDENSAÇAO > CALOR LATENTE E UMIDADE
TEMPO DE EXPOSIÇÃO PROPRIAMENTE DITO
MORTE MICROBIANA
EXAUSTÃO DO VAPOR E SECAGEM SEQUÊNCIA CONDENSAÇÃO:

“ Passagem do estado gasoso para o liquido. O vapor saturado ao encontrar com uma superfície fria do material se condensa liberando calor latente e umidade.” PRINCIPIOS DE ESTERLIZAÇÃO PELO CALOR ÚMIDO DESVANTAGENS Presença ar câmara interna dificulta penetração do vapor
Riscos ocupacionais
Não esteriliza óleos e pós.
Espaço físico tem que ser grande AUTOCLAVE VANTAGENS Aquecimento rápido e fácil penetração nos tecidos têxteis e algodão
Destrói esporos bacterianos curto espaço de tempo
Fácil controle de qualidade
Não deixa resíduos tóxicos AUTOCLAVE CONVECÇÃO
EXISTE TRANSFERENCIA DE MATÉRIA CUJO CONTEÚDO ENERGÉTICO DIFERE ENTRE SI. A TRANSFERENCIA DE CALOR OCORRE QUANDO CORRENTES DE AR OU DE AGUÁ SE MOVIMENTAM SUBSTITUINDO AS MOLÉCULAS MAIS QUENTES PELAS MAIS FRIAS. Condução
“ Transferência de energia cinética de uma molécula á outra através de um gradiente de temperatura,isto significa que o calor sempre passa de um objeto mais quente para o outro.” Transferencia de Calor “FORMA DE ENERGIA CAPAZ DE TRANSFERIR DE UM CORPO Á OUTRO, QUANDO EXISTE DIFERENÇA DE TEMPERATURA, ATRAVÉS DOS MECANISMOS DE CONDUÇÃO, CONVECÇÃO E RADIAÇÃO.” DEFINIÇÃO DE CALOR ESTERILIZAÇÃO PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO - AUTOCLAVE MORTE MICROBIANA – CALOR ÚMIDO O EFEITO LETAL OCORRE PELA LIBERAÇÃO DO CALOR LATENTE, COAGULAÇÃO DAS PROTEÍNAS (INATIVANDO AS ENZIMAS VITAIS)



DESNATURAÇÃO PROTEICA. RADIAÇÃO:TRANSMISSÃO DE ENERGIA RADIANTE NA FORMA DE PARTICULAS OU ONDAS ELETROMAGNÉTICAS.
RADIAÇÃO IONIZANTES : COBALTO:RAIO GAMA
RADIAÇÃO NÃO IONIZANTES:ULTRAVIOLETA Baseia-se numa reação entre uma enzima e um substrato.
ENZIMA: alfa-d-glucosidase + esporo
MEIO DE CULTURA: SUBSTRATO NÃO FLUORESCENTE ( 4 metil-lumberiferil-alfa-d-glicosideo)
Interação enzima + substrato : produto fluorescente (58 á 60 ºc) > luz ultravioleta > leitura visual.
Leitura por fluorescência.
Mudança de côr : teste positivo : amarelo
teste negativo: roxo TESTES BIOLÓGICOS 3ª GERAÇÃO - LEITURA BACILLUS STEAROTHERMOPHYLUS
CALDO NUTRIENTE : CONTÉM AÇUCAR.O PRODUTO DO METABOLISMO DOS ACUCARES É ÁCIDO > SENDO INDICADO ATRAVÉS DO INDICADOR (ÁCIDO\BASE) DE PH PRESENTE NO CALDO NUTRIENTE.
A MUDANÇA DO PH DO CALDO NUTRIENTE É QUE ALTERA A COR NO CASO DE CRESCIMENTO MICROBIANO TESTES BIOLÓGICO - 2ª GERAÇÃO São IB autocontidos nos quais as tiras ou disco com esporos é acondicionada em uma ampola separada do meio de cultura. (caldo nutriente) .Apos a esterilização a ampola com o meio de cultura é quebrada entrando em contato com os esporos. Em seguida é incubado por 24 hs (1ª leitura) e 48 horas (2ª leitura) á 56 º c. TESTES BIOLÓGICOS – 2ª GERAÇÃO “São tiras de papel impregnada com esporos contido em um envelope de papel de seda ou ampola. Este IB é colocado no meio do pacote que será processado e após enviado para o laboratório onde deve ser retirado a fita de forma asséptica e inoculada em um meio de cultura próprio após ser incubado para se determinar se existe algum esporo viavél. A leitura definitiva ocorre após 7 dias. TESTES BIOLÓGICOS
1ª GERAÇÃO “ Também conhecido como de verificação de ciclo, pois os controles são mais precisos que os indicadores anteriores e oferecem uma margem importante de segurança, pois o mesmo não reagirá até que aproximadamente 95% do ciclo esteja concluído. ” SIMULADOR OU EMULADOR CLASSE 6 INTEGRADORES QUÍMICOS – CLASSE 5 MONOPARAMÉTRICOS:
“È UM INDICADOR QUE RESPONDE A UM ÚNICO PARÂMETRO ESCOLHIDO NO PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO, QUE É A TEMPERATURA .SÃO GERALMENTE UTILIZADOS PARA SE AVALIAR A TEMPERATURA MINIMA FOI ATINGIDA.” INDICADORES QUÍMICOS –CLASSE 3 EFICIÊNCIA DA BOMBA DE VACÚO

EXAUSTÃO DO AR

PENETRAÇÃO UNIFORME DO VAPOR INDICADORES QUIMICOS - CLASSE 2 CLASSE 1
CLASSE 2
CLASSE 3
CLASSE 4
CLASSE 5
CLASSE 6 INDICADORES QUÍMICOS – CLASSIFICAÇÃO – ISO 11140 INDICADORES FÍSICOS

INDICADORES QUÍMICOS

INDICADORES BIOLÓGICOS CONTROLE DE QUALIDADE NA ESTERILIZAÇÃO Embalagens Algodão: 7 dias


Papel Grau Cirúrgico: 30 dias PRAZOS DE VALIDADE LEITURA RÁPIDA : 1-3 HORAS
BACILLUS STEAROTHERMOPHYLUS TESTES BIOLÓGICOS - 3ª GERAÇÃO TESTES BIOLÓGICOS - 2ª GERAÇÃO 7 Minutos em 134ºC
20 Minutos em 121ºC SIMULADOR OU EMULADOR CLASSE 6 APROVADO INTEGRADORES QUIMÍCOS CLASSE 5 APROVADO - MARGEM INTEGRADORES QUIMICOS CLASSE 5 MULTIPARAMÉTRICO: VAPOR SATURADO,TEMPO,TEMPERATURA INTEGRADORES QUÍMICOS- CLASSE 5 INDICADOR QUIMÍCO MONOPARAMÉTRICO INDICADORES QUIMÍCOS – CLASSE 3 BOWIE-DICK : PACOTE INDICADOR QUIMICO-CLASSE 2 BOWIE-DICK – FOLHA DE PAPEL INDICADOR QUÍMICO-CLASSE 2 “ É UM DISPOSITIVO PARA MONITORAMENTO DO PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO PROJETADO PARA RESPONDER COM UMA CARACTERÍSTICA FÍSICA OU QUÍMICA A MUDANÇA DE UMA OU MAIS CONDIÇÕES FÍSICAS DENTRO DA CAMÂRA DE ESTERILIZAÇÃO”
APECIH - 2004 INDICADORES QUÍMICOS INCUBADORA
LEITURA RÁPIDA TESTES BIOLÓGICOS - 3ª GERAÇÃO SPORTEST:
BACILLUS SUBTILLIS TESTES BIOLÓGICOS – 1ª GERAÇÃO 1ª GERAÇÃO

2ª GERAÇÃO

3ª GERAÇÃO INDICADORES BIOLÓGICOS BOWIE-DICK: ANTES E DEPOIS........ INDICADOR QUIMICO - CLASSE 2 FITA INDICADORA
INDICADORES IMPRESSOS NA EMBALAGEM INDICADORES QUÍMICOS - CLASSE 1 REPROVADO INTEGRADORES QUIMÍCOS - CLASSE 5 PRESENÇA DE VAPOR E TEMPERATURA “Responde a 2 ou mais parâmetros, porém somente a uma temperatura determinada, que geralmente está especificada no indicador.” INDICADORES QUIMICOS MULTIPARAMÉTRICO CLASSE 4 controle do
inventário mas ...
Joint Commission on Accreditation of Hospitals (JCAH)
recomenda: “a data de validade deve ser assegurada”
….. “o tempo aumenta o risco de manipulação e práticas
de armazenamento inapropriadas”. contaminação
do ar tráfego manipulação localização temperatura
(18-22oC) umidade
(35-50%) qualidade da
embalagem Contaminação
do produto Quando um produto é embalado e armazenado
adequadamente, a arcaica prática de estabelecer
prazo de validade não é necessária (JEVITT, 84)
Full transcript