Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Lembranças da passada Glória

No description
by

Carolina Franco

on 21 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Lembranças da passada Glória

Os Sonetos de

Luís Vaz
de Camões Doces lembranças da passada Glória Doces lembranças da passada glória,
que me tirou Fortuna roubadora,
deixai-me repousar em paz u`a hora,
que comigo ganhais pouca vitória.

Impressa tenho n`alma larga história
deste passado bem que nunca fora;
ou fora, e não passara; mas já agora
em mim não pode haver mais que a memória.

Vivo em lembranças, mouro de esquecido,
de quem sempre devera ser lembrado,
se lhe lembrara estado tão contente.

Oh! Quem tornar pudera a ser nascido!
Soubera-me lograr do bem passado,
se conhecer soubera o mal presente. Trabalho Realizado por : Carolina Franco
Turma :10ºB
Disciplina: Português
Escola: ESSMM Luís Vaz de Camões De Os Sonetos Hoje em dia , ninguém sabe ao certo quantos sonetos foram escritos por Camões.


Os sonetos de Luís Vaz de Camões foram profundamente marcados pela estética clássica. Estética clássica, como o próprio nome diz, vem do Classicismo, movimento literário que começou no século XVI e que se baseou nas ideias renascentistas. Análise e interpretação Tema : O tema presente ao longo deste soneto é o sofrimento das lembranças do passado causado ao sujeito poético. Estrutura : Externa : Este texto poético , como é um soneto, têm uma apresentação de duas quadras e dois tercetos. Cada quadra é constituída por quatro versos e cada terceto por três versos, isto equivale a um total de catorze versos.
Quanto á rima, obedece o seguinte esquema rimático : ABBA// ABBA//CDE//CDE , havendo rima interpolada e emparelhada nas quadras e cruzada nos tercetos.
Em relação á métrica deste soneto podemos dizer que cada verso é composto por dez sílabas métricas, ou seja, são versos decassílabicos .(Exemplo: escansão do primeiro verso - Do/ces/ lem/bran/ças/da/pa/ssa/da/gló/ria,). Os versos decassílabos podem ser classificados como heróicos ou sáficos dependendo da acentuação nas diversas sílabas. Neste soneto , existem versos heróicos e sáficos. Um exemplo de um sáfico é o primeiro verso , acentuado na 4ª , 8ª e 10ª silaba, e de um heróico por exemplo o último verso do poema, acentuado na 6ª e na 10ª silaba. ( Se/co/nhe/cer/sou/be/ra o / mal/pre/sen/te .) Interna : Quanto á parte interna do poema, podemos dividí-lo em duas grandes partes. Uma primeira parte constituida pelas duas quadras e a segunda parte composta pelos tercetos. A 1ª parte descreve o passado do sujeito poético, usando sempre a contradição entre o passado-glorioso e o presente-sofrimento. A 2ª parte mostra o sofrimento que o passado lhe causou.


Podemos ainda dividir estas duas partes mais concretamente, passando da análise por partes , para as estrofes.



Figuras de Linguagem Síntese : Neste soneto existem vários tipos de figuras de linguagem, cada uma com a sua intenção.
Uma figura presente e a mais predominante é a antítese, que consiste na exposição de ideias opostas. Um exemplo é no 1º terceto entre as palavras "vivo" e "mouro", que ao serem opostas estão a descrever o estado do sujeito poético.

Outra antítese presente é no 2º terceto entre as palavras "bem passado" e "mal presente" , pois mostra que enquanto o presente em que se encontra é mau, este já passou por um passado bom.

Uma outra figura é a apóstrofe , que consiste no discurso a alguém. Neste caso é dirigido às lembranças ( V.1 - " Doces lembranças da passada glória" )

No verso referido anteriormente , também pode ainda estar outra figura ,esta chamada de personificação, pois as lembranças não são "doces", mas sim boas . O soneto " Doces lembranças da passada Glória" , foi escrito por Camões no ano de 1595. É um soneto recorrente na lírica camoniana , pois o tema (sofrimento das lembranças do passado), é comum a vários poemas escritos pelo mesmo autor.
Tomemos por exemplo , o poema que já analisamos em aula , " O dia em que nasci, moura e pereça "(p.148 do manual), que relata o sofrimento causado pelo dia em que nasceu. Como síntese posso dizer que este soneto relata um presente de saudade e tristeza , a recordação dos doces momentos de glória passada, do bem passado, junto de quem o esqueceu. Mas a saudade desse bem passado, longe de o alegrar, mais contribui para o sofrimento.
Daí , o desejo de voltar a trás, de nascer de novo ,pois talvez assim soubesse gozar melhor o bem, a felicidade passada, uma vez que conhecia agora que o presente era o mal. Os famosos versos de Dante : " Não há maior dor / que recordamo-nos dos tempos felizes, na miséria" ( Divina Comédia, Inferno) , mostram bem o tema este soneto.
Considero este soneto como tendo um tema atual, pois toda a gente tem o desejo de poder voltar atrás na vida, aproveitando-o de uma maneira diferente podendo recuperar os erros cometidos no passado, para não "amargar" o presente. Sonetos de Camões Para além destas, ainda existe uma hipérbole , ou seja, um exagero de uma ideia - ( V.9-" Mouro d `esquecido"). É uma hipérbole porque ninguém morre sendo esquecido por alguém, neste caso, pela sua amada". A 3ª estrofe quer dizer que o sujeito poético vive das recordações do passado, sendo estas boas, mas "morre" esquecido por quem era para si importante, ou seja , a sua amada. A 4ª estrofe , iniciada por uma interjeição de desejo "Oh!" , mostra que o sujeito poético, desejava, sabendo que é impossível, voltar a trás e a nascer de novo, podendo assim aproveitar o bem, a felicidade do passado ,tendo a possibilidade de recuperar os erros cometidos, uma vez que sabia agora que o presente era o mal. A 2ª estrofe quer dizer que essas boas lembranças do passado, estão gravadas na sua alma. Não são bem lembranças do passado ("passado bem que nunca fora " "ou fora e não passara"), porque elas não acabaram totalmente , continuam a existir no presente , mas para o sujeito poético essas refletem-se na sua memória . A 1ª estrofe quer dizer que o sujeito poético tem boas recordações do passado glorioso, caracterizando-as como sendo "doces". Mas estas lembranças foram "roubadas" pelo destino, por isso ele pede para o deixarem descansar, porque ao relembra-las, faz com que ele sofra.
Full transcript