Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Educação para a Democracia - UFVJM

Didática Fundamental - Prof. Geovane Máximo - Discentes: Tatiana Brant, Mariana Brant, Isadora Cordeiro e Lidiane Silva
by

Tatiana Brant

on 26 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Educação para a Democracia - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Licenciatura em Geografia - Didática Fundamental
Prof. Dr. Geovane Máximo

Contexto Histórico
Século XVIII

Século XIX

Conflitos do século XX

Movimentos sociais de contestação

Uma mudança vertiginosa
Educação
Pedagogia
Educação para a Democracia

Isadora Cordeiro

Lidiane Silva

Mariana Brant

Tatiana Brant

1 - A contribuição das ciências
Forte influência das ciências humanas: sociologia, psicologia, economia, linguística, antropologia e etc.
2 - Positivismo e Pedagogia
Surgiu no século XIX com Augusto Comte;
Confiança no conhecimento científico e o único capaz de descobrir as leis do universo;
Interferiu nas concepções de:
2.1 - Durkheim (Sociologia):
enfatiza a origem social da educação;
"a educação satisfaz, antes de tudo, as necessidades sociais" e "toda educação consiste num esforço contínuo para impor à criança maneiras de ver, de sentir e de agir aos quais a criança não teria espotaneamente chegado".
2.2 - Psicologia: behaviorismo
Pavlov (1878 - 1936): mecanismo do reflexo condicionado;
John Watson (1878 - 1958)
Friedrich Skinner (1904 - 1990): reforço positivo e negativo;
Wilhelm Dilthey (1833 - 1911): criticava a tendência naturalista das ciências humanas.
Fonte: www.sasico.com
Fonte: alcineresresponde.blogspot.com
Fonte: www.nndb.com
Fonte: revistaescola.abril.com.br
Fonte: www.sk.wikipedia.org
2.3 - O tecnicismo: tecnocracia na organização
"dominar a natureza";
formação de técnicos especializados;
organização do trabalho;
aumento da produtividade;
"Nova escola": tendência tecnicista;
Teoria do Capital Humano (TCH).
3- Fenomenologia e pedagogia
filosofia e método;
contrapõe a filosofia positivista;
propõe a "humanização" da ciência;
os objetos do conhecimento são tratados como aparecem, ou seja, como se apresentam à consciência;
estava na base do existencialismo de Jean-Paul Sartre: ocupava-se da liberdade, justamente o que distingue os humanos dos animais;
Contribuição para a pedagogia.
Fonte: www.fernandagimenez.com.br
Jean-Paul Sartre
Émile Durkheim
Pavlov
John Watson
Friedrich Skinner
Wilhelm Dilthey
4 - O pragmatismo
Opõe-se a filosofia idealista e o conhecimento contemplativo;
é anti-intectualista;
privilegia a prática e a experiência;
3.1 - Crítica ao naturalismo: a gestalt
Psicologia da forma;
critica a tendência empirista;
não existe excitação sensorial isolada, mas complexos em que o parcial é função do conjunto;
ideia de "insight" (Köhler);
recusa o processo mecãnico de aprendizagem.
4.1 - William James (1842 - 1910)
O pragmatismo volta-se para o concreto e o adequado, para os fatos, a ação e o poder;
Uma proposição é verdadeira quando "funciona";
A verdade não é rigidamente estabelecida de uma vez por todas, mas está sempre se refazendo;
Como tudo se baseia na experiência, nada é estável.
1 - Tempos de crise: tempos de mudança
O contexto histórico do século XX propiciou uma crise na educação;
a educação assumiu um caráter político;
a escola representava a esperança de democratização da sociedade.
2- A expansão do ensino
Ampliação de três de ensino (fundamental, médio e superior) e melhor integração entre eles;
ampliação das oportunidades de estudo, maior mobilidade e ascensão social, sobretudo a classe média.
3 - Realizações da Escola Nova
Tentativa de superar o viés intelectualista da escola tradicional;
Precurssores: Feltre, Basedow e Pestalozzi (Métodos ativos de educação, tendo em vista a formação global do aluno).
4 - A educação de inspiração socialista
A partir da Revolução Russa (1917), os teóricos que propuseram o modelo socialista (Marx e Engels) e Lênin, o líder da revolução, passaram a enfrentar problemas decorrentes da implantação do socialismo.
A União Soviética transformou-se em uma potência industrializada, conseguindo resolver problemas sociais.
Os países socialistas conseguiram erradicar o analfabetismo.
A política de partido único impedia o pluralismo, impossibilitando crítica ao sistema.
4.1 - A educação na União Soviética
Dividida em duas fases de governo:
Lênin - ligou a pedagogia a uma estratégia política revolucionária, que defendia a importância de não se desprezar a cultura do passado burguês, sobretudo as conquistas da ciência e da tecnologia, por outro lado reforçava a consciência da luta de classes e priorizava a instrução politécnica, voltada para o trabalho;
Stálin - O ideal da relação estreita entre trabalho e educação foi de certo modo descuidado pela prioridade dada à formação cultural cientifica. A escola voltava a ser intelectualista, adequando-se a modelo tradicional com programas, provas, disciplina, manuais. O dualismo escolar voltou a prevalecer com a criação de escolas profissionais separadas de escolas de formação.

4.2 - O embate das ideologias
Capitalismo x Socialismo
4.3 - Outros países socialistas:
China;
Cuba;
Países socialistas do leste europeu (Hungria, Albânia, Alemanha Oriental, Romênia, Bulgária, Tchecoeslováquia, Iugoslávia);
África.
4.4 - Após a queda do muro de Berlim
 Taxas insignificantes de analfabetismo na União Soviética, Alemanha Oriental e países do leste europeu (Hungria, Polônia, Romênia, Bulgária e Tchecoeslováquia);
 O socialismo entrou em colapso provocando a desagregação das repúblicas socialistas;
5 - O desvio do totalitarismo: nazismo, facismo e stalinismo
 O Estado é a instância hierárquica superior à comunidade, sem precisar denenhuma legitimação para exercer sua soberania absoluta, interfere na totalidade da vida humana: na vida familiar, escolar, econômica, religiosa, de lazer, nada restando de propriamente privado e autônomo;
 Reforma no ensino que acentuou o dualismo escolar;
 O ensino secundário tornou-se seleto, o que correspondia a intenção de criar “poucas escolas, porém, boas”;
 Nas escolas eram valorizadas as disciplinas de moral e cívica, para formar o caráter, a força de vontade, a disciplina e o excessivo amor a pátria;
 Valorizavam a cultura física em detrimento do intelectual.
5.1 - Um alerta para o futuro
 Desenvolvimento de tendências antiautoritarismo;
 Crítica à escola tradicional (papel de imposição);
 Defesa da escola não-diretiva (o aluno torna-se o centro do processo educativo, livrando-o do papel controlador do professor).
6 - Paris, maio de 1968
A revolução de maio de 1968 teve inicio na Universidade de Nanterre em Paris, em meio a crise dos regimes totalitaristas. De caráter anárquico e antiautoritário, o movimento começou com questões internas de crítica ao sistema de exames e estendeu-se a razão de punição de alguns alunos e recrudesceu com os protestos contra a separação de alojamentos femininos, o que significava também reivindicação à liberdade e crítica à moralidade burguesa.
7 - A escola e a sociedade da informação
 Introdução de novos recursos audiovisauis em sala de aula;
 Revolução tecnológica: Cibernética;
 Sociedade da Informação X Analfabetos digitais;
4.2 - John Dewey (1859 - 1952) e a escola progressista
Preferia usar as expressões instrumentalismo ou funcionalismo;
Escreveu "Meu credo pedagógico", "A escola e a criança" e "Democracia e educação";
Contribuiu com os princípios da Escola Nova;
O conhecimento é uma atividade dirigida e não tem um fim em si mesmo, porém está voltado para a experiência;
As ideias são hipóteses de ação;
Pretendia estimular os alunos a aprederem fazendo;
Valorizava as atividades manuais;
A escola é a própria vida;
Vida - experiência-aprendizagem não se separam;
A criança tem o papel central enquanto o professor deve selecionar as influências que agirão sobre o aluno;
iniciativa e independência autonomia e autogoverno = virtudes da sociedade democrática (Democracia é uma forma de vida).
5 - A Escola Nova
Renovação pedagógica;
práticas educativas eficazes;
pretendia estimular o processo de socialização da criança;
desenvolver a individualidade, a autonomia e o aprender fazendo;
capacidade de aplicar o conhecimento às situações vividas.
5.1.1 - Maria Montessoni (1870 - 1952)
Estimulava a atividade livre baseado no princípio da autoeducação;
o aluno utiliza o material na ordem que quiser;
o papel do professor é dirigir a atividade;
destaca o ambiente adequado ao tamanho da criança;
utiliza rico e abundante material didático voltado para a estimulação sensório-motora;
dava atenção prioritária à escrita, que deveria preceder a leitura.
5.1.2 - Ovide Decroly (1871 - 1932)
Fundou a Escola da rua Ermigate (1907);
o indivíduo aprende como uma totalidade que percebe, pensa e age conjuntamente;
Sugeria que o ensino da leitura iniciasse pelas frases inteiras.
5.2 - Escola do trabalho:
Georg Kerschensteiner (1854 - 1932)
Criticou durante a educação tradicional;
a educação é um produto da sociedade e tem função social;
Incentivo ao desenvolvimento da individualidade e cultivo dos valores espirituais;
As três etapas da escola são: educação profissional, moralização da profissão e moralização da sociedade.
Celestin Freinet (1896 - 1966)
Preocupava-se com a educação popular;
valorizava a atividade manual e de grupo;
imprensa na escola e cultivo da expressão por meio do texto livre.
5.3 - Avaliação do Escolanovismo
Foi muito criticada;
supervalorizava o papel do aluno e minimizava o papel do professor;
intensificação do individualismo;
falta de disciplina;
descuidou da transmissão de conteúdos;
contribuiu para o enriquecimento e discussão dos métodos pedagógicos.
6 - As teorias socialistas
relacionam-se dialeticamente educação e sociedade;
estreita ligação entre educação e política;
destacam a centralidade do trabalho.
6.1.1 - Moisei Pistrak (1888 - 1940)
Buscava o engajamento dos alunos e o estudo da realidade;
defendia a escola dinâmica, ativa, que prepara para a ação, baseada na auto-organização dos estudantes, sem desvaloriza o papel do professor;
educação para o trabalho aparece como fundamental;
superação da dicotomia entre atividade manual e intelectual;
o trabalho deve ser real e não simbólico.
6.1.2 - Anton Marakenko (1888 - 1939)
Embora sua pedagogia tivesse uma proposta democrática, ele exercia a autoridade não vacilante;
enfrentava os alunos corpo a corpo;
recorria a castigos físicos;
pretendia levar o grupo a formar uma comunidade;
valoriza o trabalho, a disciplina e o dever;
educação exercia um importante papel de politização;
valorizava a formação politécnica;
Promovia a autogestão educativa.
6.2 - Antonio Gramsci (1891 - 1937)
Crítico do marxismo oficial;
Conceito de hegemonia: uma classe é hegemônica não é só quando exerce a dominação pelo poder coercitivo, mas também quando o faz pelo consenso, pela perssuasão. Essa tarefa cabe aos intelectuais;
a educação está centrada no valor do trabalho e na tarefa de superar as dicotomias entre fazer e o pensar, entre a cultura erudita e a cultura popular;
a escola classista burguesa precisaria ser substituída pela escola unitária, oferecendo a mesma educação para todos;
Prepara o homem para a hegemonia cultural e, posteriormente, a hegemonia política.
7 - As tendências não-diretivas
Crítica ao autoritarismo da escola tradicional;
o professor deve acompanhar o aluno e não dirigi-lo. Sua função é ser um facilitador da aprendizagem.
7.1 - Representantes da tendência antiautoritária
Carl Roger (1902 - 1987)
A relação entre as pessoas que promove o crescimento de cada um;
Alexander Neill (1883 - 1973)
Fundador da Escola Sumerhill, na costa sul da Inglaterra;
confiava na possibilidade de desenvolver a capacidade de auto-regulação individual e de autogoverno coletivo;
os exames e a obrigatoriedade de assistir aula foram suprimidos;
não há ênfase à instrução;
as questões de disciplina são resolvidas pela Assembleia Geral da Escola, em que os próprios alunos decidem sobre as regras;
avesso às maneiras de sufocar os instintos e as emoões;
pouca atenção dada ao conteúdo das informações;
valorização dos processos que encaminham as crianças para vida livre e feliz.
Ivan Illich (1926 - 2002)
"Por que não descolarizar a sociedade?"
Criação de "redes de comunicações culturais" que facilitariam o encontro de pessoas interessadas no mesmo assunto;
Troca de experiências com base na aprendizagem automotivada.
7.2 - A educação anarquista
O anarquismo é um movimento que surgiu paralelamente ao socialismo de Marx e Engels, no século XIX;
Os anarquistas criticam o estado, a igreja e todas as instituições hierarquizadas.
7.3 - Avaliação da educação não-diretiva
As teorias antiautoritárias são de certa forma ingênuas e românticas, por sonhar com uma ordem natural.
8 - Teoria crítica: a Escola de Frankfurt
A escola de Frankfurt é responsável pela formulação da teoria crítica da sociedade.
9 - Teorias crítico-reprodutivas
A Escola está de tal forma condicionada pela sociedade dividida que, em vez de democratizar, reproduz as diferenças sociais, perpetuando o status quo.
10 - Teorias progressistas
Revela-se na ênfase aos conteúdos do ensino, resgatando uma dimensão da escola tradicional tão criticada pela Escola Nova.
Superação da clássica dicotomia entre trabalho manual e intelectual.
11 - Teorias construtivas
Representam esforço na busca de caminhos que deem conta da complexidade do processo de conhecimento.
O construtivismo realça justamente a capacidade adaptativa da inteligência e da efetividade, dando condições para que o processo de amadurecimento não seja ilusório, o que acontece quando resulta de pressões externas sem a gestação por parte do sujeito.
Dentre os representantes clássicos desta tendência destacamos:
Considerações Finais
Cronologia do Período
Primeira Guerra Mundial (1914 - 1918)
Revolução Russa (1917)
Fascismo na Itália (1922 - 1945)
Quebra da bolsa de Nova York (1929)
Portugal: ditadura de Salazar (1932 - 1968)
Nazismo na Alemanha (1933 - 1945)
Brasil: Estado Novo (1937 - 1945)
Espanha: ditadura de Franco (1939 - 1969)
Bomba atômica: Hiroshima e Nagasaki (1945)
Criação da ONU (1945)
República Popular da China (1949)
Revolução Cubana (1959 - )
Descolonização da África e da Ásia
Guerra do Vietnã (1963 - 1973)
Golpe militar no Brasil (1964 - 1984)
Queda do Muro de Berlim (1989)
Desagregação dos Estados socialistas (a partir de 1991)
Atentado terrorista em Nova York (11 - 09 - 2001)
Guerra do Iraque (2003 - )
Fonte: www.issocompensa.com201305maio-de-68-liberdade.html
Fonte:www.zazzle.com.br
Fonte: httpvozconsciencia.blogspot.com.br:
Fonte: www.zazzle.com.br
Referências Bibliográficas
ARANHA, M. L. A. Educação para a Democracia. In: História da Educação e da Pedagogia. - Geral e Brasil, 3ª ed. rev. ampl. São Paulo: Moderna, 2006, p. 239 - 292.
Fonte: www.membres.multimania.com
Fonte: pt.wikipidia.org
Fonte: www.tupinago.blogspot.com
Fonte: http://www.northgarlandmontessorischool.com/whatismontessori/dr-maria-montessori.htm
Fonte: www.apostasemei.blogspot.com
Fonte: www.sociologiaparaeducadores.blogspot.com
Fonte: www.russiapedia.rt.com
Fonte: opensamentopedagogicosocialista.blogspot.com
Jean Piaget
Fonte: www.notablebiographies.com
Emilia Ferreiro
Fonte: revistaescola.abril.com.br
Lev Vygotsky
Fonte: www.psicosmcia.com
Outros representantes mais recentes, que seguiram caminhos diferentes, ou seja, uma linha pós-construtiva são:
Lawrence Kohlberg
Fonte: relong.myweb.uga.edu
Edgar Morin
Fonte: revistavirtualpro.com
Phellippe Perrenoud
Fonte: www.futuroeventos.com.br
A educação e a pedagogia do mundo contemporâneo foram marcadas por intensas transformações envolvidas em ambiguidades, contradições e perplexidades.
Além das tentativas de mudanças metodológicas, é a própria instituição escolar que se acha em crise.
Nesse início do século XXI, nota-se que o modo contemporâneo de agir, pensar e sentir está posto em questão, o que exige novas modificações na pedagogia e na forma de educar.
http://prezi.com/mpacofth1zrg/edit/#13_40945373
Full transcript