Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of PALESTRA ESPÍRITA - ESCOLHA DAS PROVAS

PALESTRA ESPÍRITA - ESCOLHA DAS PROVAS
by

Vanderli Pantolfi

on 23 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of PALESTRA ESPÍRITA - ESCOLHA DAS PROVAS

ESCOLHA DAS PROVAS “Ele escolhe as [provas] que lhe possam servir de expiação [reparação], segundo a natureza de suas faltas, e o faça progredir [aprendizagem, evolução] mais depressa. [...]” KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 264. O que guia o Espírito na escolha das provas que queira sofrer? “Todas não é bem o termo, porque não escolhestes nem previstes tudo o que vos sucede no mundo, até as menores coisas. Escolhestes apenas o gênero das provações; os detalhes são consequência da posição e, muitas vezes, das vossas próprias ações. [...]” KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 259. Se o Espírito pode escolher o gênero de provas que deve sofrer, seguir-se-á que todas as tribulações que experimentamos na vida foram previstas e escolhidas por nós? Não. “Entre ambas as classes [Espíritos superiores e inferiores], [...] contamos com milhões de Espíritos medianos na evolução, portadores de créditos apreciáveis e dívidas numerosas, cuja reencarnação exige cautela de preparo e esmero de previsão.” XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos.
Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 19. p. 174. O planejamento reencarnatório é o mesmo para todos os Espíritos? “Os Espíritos categoricamente inferiores, na maioria das ocasiões, [...] entram em simbiose fluídica com as organizações femininas a que se agregam [...] em moldes inteiramente dependentes da hereditariedade [...].” “Os Espíritos categoricamente superiores [...] podem plasmar por si mesmos [...] o corpo em que continuarão as futuras experiências [...]” XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 19. p. 173-174. Todos os Espíritos estão em condições de planejar sua própria reencarnação? “Deus lhe supre a inexperiência, traçando-lhe o caminho que deve seguir, como fazes com uma criança, desde o berço. Contudo, pouco a pouco, à medida que seu livre-arbítrio se desenvolve, Ele o deixa livre para escolher e só então é que muitas vezes o Espírito se extravia, tomando o mau caminho, por não ouvir os conselhos dos bons Espíritos. [...]” KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 262. Como pode o Espírito que, em sua origem, é simples, ignorante e sem experiência com conhecimento de causa e ser responsável por essa escolha? “Ele próprio escolhe o gênero de provas que deseja sofrer e nisso consiste o seu livre-arbítrio” KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 258. No estado errante, e antes de começar nova existência corporal, o Espírito tem consciência e previsão das coisas que lhe vão acontecer durante a vida? A Espírito: ANDRÉ LUIZ
Psicografia: CHICO XAVIER
Obra : “MISSIONÁRIOS DA LUZ”
Edição: FEB
Desenho: RODVAL MATIAS
Estúdio: CENA & AÇÃO
Produção: S.E. MÃOS UNIDAS PLANEJAMENTO REENCARNATÓRIO XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) André Luiz XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Pavilhão de Desenhos XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) O Instituito de Planejamento das Reencarnações André Luiz XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Centro de Planejamento de Reencarnações Cidade Espiritual “Nosso Lar” B Úlcera planejada XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro:
FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Outro projeto de reencarnação Manassés André Luiz XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Josino André Luiz Alexandre XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Projeto de reencarnação de Anacleta Manassés André Luiz Anacleta XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Projeto de reencarnação de Silvério Silvério Manassés André Luiz Nada é por acaso. Possivelmente, o médium foi contatado por Stella por ser a pessoa que poderia lhe ajudar e que no passado pode ter tido vinculações com ambos e veio nessa reencarnação com o propósito de ajudá-los nessa tarefa de reajustamento. 9. Será que o médium Edgar Cayce estaria, de alguma forma, vinculado à problemática evidenciada na história? Possivelmente, a necessidade mútua de perdão e de reparação do mal cometido era o verdadeiro motivo do refazimento do enfermo. Talvez, não houvesse, entre os parentes, um compromisso tão forte com o doente como o de Stella, que cumpriu com amor a sua tarefa para sublimar o mal que antes unira os dois. Considerando que se tratava de uma reencarnação planejada e que o móvel da questão era a reaproximação dos dois, tão logo ela apareceu, tratando o doente com afeto e carinho, as condições foram criadas para o refazimento do enfermo e a reparação do mal feito entre ambos. 6. Por que o afeto de Stella, em especial, teve o poder de melhorar as condições espirituais do doente? 4. Seria correto afirmar que todos os personagens citados na história conceberam, por livre iniciativa, o próprio planejamento reencarnatório? Por quê? Os esclarecimentos do médium Edgar Cayce, ao revelar para Stella sua missão, seus motivos e o final esperado nessa reencarnação; Como a prova da riqueza na reencarnação passada foi mal aproveitada anteriormente, então, nesta reencarnação, ele teve a mesma prova, porém sem poder aproveitá-la, uma vez que estava incapacitado mentalmente para gerir a fortuna. No entanto, agora a riqueza poderia ser usada para atrair Stella, por meio do ofício de enfermeira. 8. Um ponto – que não escapa à história – diz respeito ao enfermo: ter renascido em uma família rica, a qual poderia assegurar-lhe conforto e recursos materiais. Que explicação espírita poderíamos dar para tal fato? 7. Por que outras pessoas, inclusive os familiares do enfermo, não conseguiram obter os resultados alcançados por Stella? 5. Tendo como referência as informações que os Espíritos transmitiram a Cayce, que hipóteses poderiam ser concebidas para justificar o estado de debilidade mental do enfermo? 3. Que parte da história indica que, efetivamente, não há improvisação nos procedimentos que antecedem as experiências reencarnatórias? 2. Que idéias a história oferece para justificar as evidências indicadas na resposta anterior? ESCOLHAS DE PROVAS HISTÓRIA , STELLA KIRBY A responsabilidade dos pais do enfermo pode ser fruto de prova ou de expiação. A provação deles poderia ser, por exemplo, a de propiciar condições para o resgate das encarnações passados de ambos, Stella e o filho doente. Quanto à sua ligação com Stella, pode ter sido advinda de relacionamento anterior, mas num grau menor do que aquele que tiveram com o enfermo. a) A condição de Stella como enfermeira e em dificuldades financeiras; b) O homem doente, em completo estado de retardamento mental e nascido em uma família rica; Respostas b) O aconselhamento de amigos na escolha da profissão por Stella; a) As dificuldades que moveram Stella na busca da sobrevivência da filha, apesar da timidez; Vamos testar o que aprendemos sobre a escolha das provas? ESCOLHA DE PROVAS
FINALIZANDO FEB. Estudo sistematizado da doutrina espírita. Org. Cecília Rocha. Rio de Janeiro: FEB, 2007. v.1, Módulo VI, Roteiro 3, p.200-211. Recapitulando (cont.)... Enfim, os planejamentos reencarnatórios são muito diversificados, pois diversas sãos as necessidades humanas. O planejamento reencarnatório está ligado às consequências do uso do livre-arbítrio e do nível de evolução moral e intelectual do reencarnante; Independentemente de quem fez o planejamento, não há garantias de que ele será cumprido, total ou parcialmente; O planejamento reencarnatório prevê, em geral, apenas os principais acontecimentos que poderão ocorrer no mundo físico; Mensagem final... XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003, p.193. [...] a existência humana não é um ato acidental [...], a justiça exerce seu ministério, todos os dias, obedecendo ao alto desígnio que manda ministrar os dons da vida “a cada um por suas obras” FEB. Estudo sistematizado da doutrina espírita. Org. Cecília Rocha. Rio de Janeiro: FEB, 2007. v.1, Módulo VI, Roteiro 3, p.200-211. Recapitulando ... O planejamento pode ser feito pelo próprio Espírito ou por outros mais adiantados, dependendo das condições do reencarnante; A escolha das provas merece cuidados especiais por parte dos Espíritos planejadores; Existe, na verdade, uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade; Não há improvisações nos procedimentos que antecedem as experiências reencarnatórias; c) O encaminhamento de Stella ao trabalho; c) O reencontro de ambos, na presente encarnação, buscando o perdão mútuo para se reajustarem perante a lei de Deus. f) A necessidade de cuidados especiais pelo homem, em completo retardamento mental. 10. E os pais do enfermo? Teriam eles alguma ligação com Stella? Por que tiveram que passar pela provação de receber aquele Espírito, em especial, como filho?. Cap. V - E.S.E Resposta Pergunta 10 Resposta Pergunta 9 Resposta Pergunta 8 Resposta Pergunta 7 Resposta Pergunta 6 Resposta Pergunta 5 Respostas Pergunta 4 Resposta Pergunta 3 e) A persistência de Stella para cumprir adequadamente a missão; d) A dificuldade de Stella na execução da tarefa e a busca pela ajuda esclarecedora; Pergunta 2 Respostas Pergunta 1 1. Onde, na história, encontramos evidências de um planejamento reencarnatório, com escolhas de provas? Destaque: XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 12. p. 167-193 (Desenhos de Rodval Matias: Estúdio Cena & Ação. Produção S. E. Mãos Unidas) Em relação à Stella, não resta dúvida que a reencarnação foi planejada. Em relação ao doente, na hipótese dele possuir bons sentimentos, pois houvera sido um rico filantropo, podemos considerar que ele tenha se arrependido dos graves desvios morais e pedido para vir na situação de um dementado para resgatar os seus erros e conseguir o perdão de uma de suas vítimas, bem como, ficar incapacitado de cometer os mesmos erros. No caso de Espíritos menos adiantados, seu planejamento pode ficar na responsabilidade de outros Espíritos mais esclarecidos. Na reencarnação, existe uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade; O planejamento pode ser elaborado pelo próprio Espírito, desde que ele tenha condições morais e intelectuais para tanto; Poderia ser de uma reencarnação compulsória, ou seja, sem a participação do espírito, que não compreendeu e nem se arrependeu dos atos cometidos, e que certamente voltaria a cometê-los, por isso veio sem capacidade de monitorar suas próprias decisões, em condições sub-humanas, para causar a mesma repulsa que havia despertado nas suas vítimas em encarnação pretérita. Vou lhe responder conforme o Livro dos Espíritos: Escolha das Provas Parte A Interessante... queria ter
uma idéia de como acontece esse processo. Ok, vamos então ver umas imagens: Escolha das Provas
Parte B. Muito bom, continue... Escolha das Provas
Parte C Escolha das Provas Parte D Nossa, nunca imaginei que fosse assim A história de Stella Kirby F F F V F V V V Muito boa sua apresentação, mas onde posso aprofundar mais ainda esse assunto ? Veja alí no livro sobre a mesa e bom estudo! Finalizando... *KARDEC, Allan. O livro dos Espíritos - Livro II Cap VI *XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 19. p. 173-174. BIBLIOGRAFIA André Luiz Alexandre Josino Pavilhão de Desenhos André Luiz Manassés Silvério Anacleta Manassés André Luiz André Luiz Manassés * http://www.febnet.org.br Blog divulgador do Espiritismo em Feira de Santana, Salvador e Região. Obrigada!
Vanderli Pantolfi Como acontece a escolha das
provas no plano espíritual? Então vamos recapitular? vanderlipantolfi@yahoo.com.br http://vanderlipantolfipsicanalista.blogspot.com.br/ http://www.cr03.blogspot.com.br/ * Xavier, Francisco Cândido.
Missionários da Luz - André Luiz
Full transcript