Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Migrações, redes e território

No description
by

Pedro Martins

on 16 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Migrações, redes e território

Pedro Martins
Karitta Lopes
Felipe Stahlhoefer
Amanda Nunes

MOBILIDADE
“a complexidade dos movimentos destes corpos se dá devido às inúmeras mediações para o seu deslocamento [...] O porquê de um indivíduo se deslocar está relacionado a vários aspectos: de ordem política, social, afetiva, moral, etc”. ROCHA (1998, p.9)
Reflexões sobre as redes sociais de migração
Migração, Rede e território
PRIMEIROS ESTUDOS ESFERA ECONÔMICA


TERRITÓRIO
“O produto de uma relação desigual de forças, envolvendo o
domínio
ou
controle político
do espaço e sua
apropriação simbólica
", reconhecendo que "a dominação tende a originar territórios puramente utilitários e funcionais, sem que um verdadeiro sentido socialmente compartilhado e/ou uma relação de identidade com o espaço possa ter lugar” (HAESBAERT, 1998, p. 61).
MIGRAÇÕES, REDES E TERRITÓRIO
mobilidade no território
Ratzel define dois tipos de migração:

“VERDADEIRAS” movimentos incessantes de deslocamentos, forma simples de mobilidade de ocupação dos espaços (exemplo dos povos primitivos)

“MOBILIDADE DAS FRONTEIRAS” ou mobilidade comandada por processos políticos-territoriais. Esta que só ocorre por meio de guerras
Ao priorizar tão somente a estrutura econômica, a
migração
se viu limitada à análise de oferta e procura de empregos, ou na teoria da repulsão e atração de determinadas regiões (SANTOS, 2007, p. 52).
São as redes de relações sociais que formam parte, e que constroem e que estruturam as oportunidades. É nesse sentido que certas oportunidades estão socialmente determinadas. (...) A análise da composição das redes e de suas formas se torna o ponto central porque nos parece a chave explicativa. Em efeito, são esses elementos que abrem e fecham o acesso às oportunidades (RAMELLA, 1995, p. 21).
FATORES:

SOCIAIS
CULTURAIS
POLÍTICOS
D. Massey e C. Tilly (apud SANTOS, 2007) apontam em suas análises que a presença e o fortalecimento das
redes sociais
são tão decisivos quanto à oferta de trabalhos como impulso para a
migração
.
A rede de migrantes consiste em ligações sociais que ligam comunidades de origem e pontos específicos de destino nas sociedades receptoras. Esses laços ligam migrantes e não migrantes dentro de uma complexa teia de papéis sociais complementares e relações interpessoais que são mantidos por um tipo informal de expectativas mútuas e comportamentos prescritos.
As relações sociais que constituem as redes sociais de migrantes não são exclusivas aos migrantes, mas se desenvolvem como um resultado de laços humanos universais que são moldadas por circunstancias especiais na migração internacional. Esses laços sociais não são criados pelo processo migratório mas adaptado a ele, e ao longo do tempo são reforçados pela experiência comum da própria migração (MASSEY, 1987, apud SANTOS, 2007, p.54).
Todo indivíduo está preso a uma rede de comunicação, da mesma forma que todo grupo e toda sociedade. [...] Todas as redes que interessam à comunicação de massa e à comunicação interpessoal, obedecendo a uma estrutura formal, são instrumentos de poder, estreitamente controlados na maioria dos casos, pois permitem encerrar uma população numa trama informacional que as superdetermina em relação às estratégias das organizações (RAFFESTIN, 1993, p. 218).
Os processos de desterritorialização originados no contexto das redes podem provocar a criação de novos territórios, ou da sobreposição destes.

Desta maneira percebe-se que os próprios territórios se deslocam na medida em que rompem com a ideia de fixação no espaço.
A migração, na maioria dos casos, coincide com um processo de construção e interação territorial em rede. Desse modo, a mobilidade espacial da população produz, através de uma interação em rede, a construção de territórios interligados entre si tanto econômica como cultural e politicamente.
Há territórios em rede.
Na mobilidade, as relações são construídas entre os territórios de origem e de destino, e são acionadas, buriladas e mantidas pelos vínculos e contatos tecidos e construídos entre migrantes e não-migrantes através de uma interação em rede. As relações agenciam a trama de forças que produzem os territórios e as redes na migração (SAQUET, M. A; MONDARDO, M. L. 2008, p. 119).
Assim, o território carrega uma dupla dimensão: os atributos espaciais – contiguidade e dispersão; e os atributos simbólicos – memória e identidade coletiva (SANTOS, 2007, p. 59).
Nessa perspectiva, Piselli (apud SANTOS, 2007) considera que por meio das redes os migrantes desenvolvem identidades múltiplas. Ou seja, a partir do momento que um migrante parte em direção a outro lugar, suas relações construídas no local de origem são a base para sua instalação e estadia, no entanto, este indivíduo na condição de imigrado, reconstrói sua identidade. Sendo assim, as migrações são amparadas especialmente por laços dos seus locais de origem.
Clandestino - Manu Chao
Tipos de Mobilidade
Segundo Rocha (1998), a mobilidade humana é constituída por três ordens: a mobilidade física, a mobilidade centrada no trabalho e a mobilidade social.
A mobilidade centrada no trabalho é excluída dos estudos dos autores clássicos. Para Gaudemar (1977) a mobilidade é a capacidade dos trabalhadores em se adaptarem as variações das jornadas de trabalho, à permutação de postos de trabalho entre cidades, lugares, países, graças aos efeitos de uma divisão do trabalho cada vez maior.

Segundo Rocha (1998) a mobilidade do trabalho é uma mobilidade horizontal, ou seja, o deslocamento se dá no ambito da qualificação dos indivíduos, de seu status profissional, da produtividade do trabalho, de sua submissão à lógica capitalista de acumulação.
A explicação parte da contradição entre trabalho e natureza, da apropriação histórica da natureza pelo homem. Essa força de trabalho é entendida como uma mercadoria que se desloca em função da dinâmica no mercado. A mobilidade do trabalho intensifica-se devido à necessidade de intensificar a produtividade e os lucros.
MIGRAÇÃO ILEGAL
A migração ilegal também deve ser abordada, já que atualmente leis e normas juridicas impedem que imigrantes circulem livremente de um país para outro. Independente das leis que proíbem a entrada de imigantes em alguns países, as migrações ainda assim se intensificam, como no caso dos EUA em que desde 1996 uma série de leis restritivas barram a entrada de imigrantes.
Alguns optam pela entrada ilegal utilizando a passagem clandestina perigosa e violenta pelo México. A rede de migração ainda faz conexões com diversos outros pontos através de agenciadores, coiotes, falsificadores de documentos e outros laranjas na violência que caracteriza a migração ilegal.
Os sentidos da migração
No início do século XXI, a migração tornou-se um dos temas mundiais de primeiro plano, passando a ocupar um lugar de topo na agenda política a nível
nacional, regional e internacional.

Quase todos os países são afetados pela migração, quer como países de origem, de trânsito ou de destino e, freqüentemente, pela conjugação dessas três situações.
Segundo (Santos, 2007, p. 61) a palavra migrante designa grupo ou individuo que se desloca de um lugar para outro. Em outro sentido podemos dizer que migrante significa
mão de obra barata
ou
prestador de serviços de baixa qualidade
. Ela provém do latim migratione, que significa “mudar de habitação, passar de um lugar para outro, ir-se embora, sair”.
O geógrafo Max Sorre explica que esse termo, no campo científico, foi usado na biologia para descrever deslocamento de animais, aves e peixes, e também no sentido “de movimento, de mudança de lugar e de moradia” (SORRE, Apud SANTOS, 2007).
Fluxos migratórios
Dentre os principais fatores que impulsionam as migrações podem ser citados :

Econômicos, políticos e culturais.

Organização internacional do trabalho estabeleceu distinção entre diferentes tipos de migrações de pessoas:

Migrações permanentes;
Migrações temporárias;
Migrações sazonais.
Quando imigrante está entre dois lugares, a condição de imigrante lhe traz as marcas de ser outro lugar, de outro país, de um exterior - a população que o recebe. Segundo a citação de Geiger (2002, Apud Santos, 2007 p. 64), observamos que migração é o:

“o cruzamento por estrangeiros nas fronteiras entre os Estados - nações.” O uso dessa definição nos traz dois indicativos:


Primeiro, migrante equivale a estrangeiro;
segundo, a palavra “migração” é sobretudo carregada de variáveis espaciais

“Os Migrantes” (Os Alquimistas estão chegando - Jorge Ben)

Os migrantes estão chegando, estão chegando os imigrantes, os emigrantes estão chegando, estão chegando os imigrantes... oh,oh,ho,ho

Eles vão em busca de oportunidades.
Fixam-se em outros lugares

Quebram a lei em busca do seu precioso trabalho
São clandestinos, sem direitos e identidade

Viajam seguindo as regras globais
Desde comunicação á fixação

Da cooperação e associação
Trazem consigo destinos, laços de vida, redes sociais

Evitam qualquer situação de deportação

E as autoridades ê,ê,ê
Paródia
Full transcript