Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Cópia de Rede de

No description
by

victor lucas

on 10 October 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Cópia de Rede de

Rede de
atenção
à pessoas
doenças crônicas
com
PORTARIA Nº 483, DE 1º DE ABRIL DE 2014
Redefine a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e estabelece diretrizes para a organização das suas linhas de cuidado.
Portaria GM nº252, 19 de fevereiro de 2013.
Objetivos da Rede:
- Fomentar a mudança do modelo de atenção à saúde, fortalecendo o cuidado às pessoas com doenças crônicas.
- Garantir o cuidado integral às pessoas com doenças crônicas.
- Impactar positivamente nos indicadores relacionados às doenças crônicas.
- Contribuir para a promoção da saúde da população e prevenir o desenvolvimento das doenças crônicas e suas complicações.
Desafios para implatação
operacionalização
Plano de enfrentamento
Componentes da Rede
Financiamento
Atenção Básica
- caractér estratégico
- identificação das necessidades
- ações de promoção, proteção, prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos e manutenção da saúde.
Atenção Especializada
Sistemas de apoio
Sistemas Logísticos
- Operacionalizar a implantação de sistemas de informação que permitam o acompanhamento, decisões clinicas e regulação, assim como o monitoramento e a avaliação das ações e serviços.




- Organizar sistema de transporte sanitário
Regulação
- Responsavel por qualificar demanda e a assistência prestada, otimizar a organização da oferta e promover a equidade no acesso às ações e serviços de saúde, especialmente os de maior densidade tecnológica, e auxiliar no monitoramento e avaliação dos pactos intergestores.
Governança
Relacionado capacidade de intervenção que envolve diferentes atores, mecanismos e procedimentos para a gestão regional compartilhada da Rede.

Portaria nº 483, 1º de abril de 2014.
- DiagnósticoTerapêutico



- Assistencia Farmacêutica


- Além dos recursos dos fundos nacional, estaduais e municipais de saúde, fica facultado aos gestores de saúde utilizar outras fontes de financiamento, poderão ser pactuados , nas instâncias intergestoras , incentivos especificos para ações de promoção, prevenção e recuperação dos usuários.

- Avanços: Criação de grupos.
- Desafios: Resistência por parte do paciente.


Relato da implantação da RAS
Usuário
UBS

PASSOU MAL
CONSTATOU DIABETES
Usuário inserido no Sistema
HiperDia
Assitência Farmacêutica
Orientação com Nutricionista
Grupos de apoio
Apoia e complementa a Atenção Básica
Ambulatorial especializado
Hospitalar
Urgência e Emergência
Voltados para as internações eletivas e/ou de urgência de pacientes agudos ou crônicos agudizados.

Ex: HU Onofre Lopes, HU Ana Bezerra, Liga Norte-rio-grandense contra o câncer
Ex: UPA, Hospital: Monsenhor Walfredo Gurgel, Deoclécio Marques, Giselda Trigueiro
Prestar assistência e o primeiro cuidado às urgências e emergências, em ambiente adequado, até o encaminhamento dos indivíduos com complicações agudas decorrentes das doenças crônicas a outros pontos de atenção, quando necessário, com a implantação de acolhimento e classificação de riscos e vulnerabilidades;
conjunto de ações e serviços eletivos de média e alta densidade tecnológica, com a finalidade de propiciar a continuidade do cuidado.
- Criação de cultura e de práticas de trabalho em rede;

- Financiamento ainda insuficiente;

- Capacidade gestora ainda insuficiente;

- Formação, capacitação, qualificação e educação permanente dos trabalhadores.
Capítulo II da Portaria Nº 483/14 - competências das esferas da gestão.
Unidade Central de Agentes Terapêuticos (UNICAT) e as farmárcia das UBS,Hospitais, UPAS
Ex: RX, Ultrassonografia, Ressonância Magnética
Ex: Prae - Programa de Acessibilidade Especial - Porta a Porta
Pequisa feita na UBS do conjunto Jiqui. Foi informado quais os procedimentos realizados após a identificação, de uma doença crônica, e como é feita a inclusão em sistemas de apoio (HIPERDIA), retirada de medicamentos, consultas com nutricionista e grupos de apoio.
Ex: Farmácia popular,
Responsavél por cerca de 72% dos obitos no Brasil e em 2008 foi responsável por 63% dos obitos no mundo
Por que os cuidados vão além das pessoas que já tem doenças crônicas?
Ex: Cartão de identificação dos usuários, Prontuário clínico (informatizado ou manuscrito)
O quê?
Por quê?
Quem?
Onde?
Quando?
Como?
Quanto?
Fortalecer os sistemas de informação em saúde e produzir analise de saúde de DCNT e seus fatores de risco
Com o sistema funcionando será mais fácil monitorar a saúde da população e onde se encontram as areas em que se relatam mais casos de DCNT e tentar reduzir estes
Orgãos da saúde
Nos municipios
?
Iniciando em setembro de 2016 até a base de dados estar completa e o sistema estiver funcionando
Ampliar os trabalhos contra as causas (fatores de risco)

Ex:Fumantes
Quando foi averiguado que o fumo é responsável por 71% dos casos de câncer de pulmão, 42% dos casos de doença respiratória crônica dentre outras doenças foram tomadas medidas para reduzir seu uso
Município
(Atenção Básica)
Todo o território nacional
Desde a década de 80
Por meio de legislações como a que proibe fumar em locais fechados e aumento no preço dos cigarros
?
Principais fatores de risco
-Fumo

-Alimentação inadequada

-Inatividade física
Através de ações de promoção á saúde, como palestras, eventos e mobilizações
Ampliar a atenção primaria á saúde
É nela que ocorre o primeiro contato o que é importante para auxiliar no tratamento da doença através não só do encaminhamento correto para cada tipo de DCNT, mas para um relação de confiança do paciente e familia com a equipe de saúde
Ministério da Saúde
Em todo o Brasil
Iniciando em setembro de 2016 até cobrir área suficiente para reduzir os casos de doenças crônicas
Por meio de investimentos do governo na área da atenção primaria e também com incentivo e concientizações para que a população vá em busca deste serviço
?
Aumentar o consumo de frutas e verduras
A ingestão de alimentos saudáveis contribui para o não desenvolvimento das DCNT.
Governo
Federal
Todo território nacional
Imediato
Retiando os tributos destes alimentos
Custo Beneficio elevado
Garantia da integralidade do cuidado
EX: UBS - ESF - NASF (3)
Ex: Políclinicas, Centros Clínicos, LACEN
Ex: SISREG
Incentivar atividade física para a toda a população
Constitui importante
Transetorial (Saúde, Educação, Segurança, Infraestrutura)
Diminui os riscos em desenvolver DCNT
Inicialmente no município de Natal -RN. como projeto piloto.
Educação - Imediato
Saúde - Imediato
Segurança e Infraestrutura - Nos próximo 10 anos
Educação - Educadores físicos desde primário.
Saúde - Campanhas e projetos
Infraestrutura - construção de ciclovias
?
REFERÊNCIAS
http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?pid=S1679-49742011000400001&script=sci_arttext

http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v22n1/v22n1a18.pdf

http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S2237-96222014000300389&script=sci_abstract&tlng=es

http://www.suvisa.ba.gov.br/sites/default/files/vigilancia_epidemiologica/doencas_n_transmissiveis/arquivo/2013/06/07/Plano%20De%20Enfrentamento%20DCNT%20Bahia.pdf

http://www.suvisa.ba.gov.br/sites/default/files/vigilancia_epidemiologica/doencas_n_transmissiveis/arquivo/2013/06/07/Plano%20De%20Enfrentamento%20DCNT%20Bahia.pdf

http://www.suvisa.ba.gov.br/sites/default/files/vigilancia_epidemiologica/doencas_n_transmissiveis/arquivo/2013/04/25/VIGIL%C3%82NCIA%20DAS%20DCNT_0.pdf

http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v34n5/a07v34n5.pdf

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/DCNT.pdf

http://apsredes.org/site2012/wp-content/uploads/2012/06/Condicoes-Cronicas_flavio1.pdf

http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Materiais_por_assunto/manual_promoprev_web.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0483_01_04_2014.html

http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/diretrizes_doencas_cronicas.pdf
Full transcript