Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS POR DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS POR DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
by

Carlos Eduardo Pietro Biasi

on 12 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS POR DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Conclusão
As interversões no aterro dependem das características físicas, químicas, históricas e sociais do aterro.
RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS POR DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
Considerações Gerais
Ações de Recuperação de
Áreas Degradadas
Situação Atual de Disposição de Resíduos Sólidos
A destinação dos resíduos sólidos compreende um problema atual que afeta todas as cidades. De acordo com dados do IBAM (2004), identificou-se que 59% dos municípios brasileiros destinam seus resíduos sólidos urbanos em lixões.
Requalificação da Área
Na recuperação de aterros objetivando o encerramento, independente do desempenho do tratamento dos resíduos, faz-se necessária a conformação da superfície final e dos taludes do aterro, pois ao final de seu uso são as áreas mais vulneráveis a recalques e erosões.
Introdução do Artigo
Devido ao grande volume de lixo produzido pela população em quantidades cada vez maiores, a destinação final adequada de RSU, atualmente, é considerada como um dos principais problemas de qualidade ambiental das áreas urbanas no Brasil.
É evidente a necessidade de se promover uma gestão adequada das áreas de disposição de resíduos, no intuito de prevenir ou reduzir os possíveis efeitos negativos ao meio ambiente ou à saúde pública. A busca de soluções tem envolvido, sobretudo, a recuperação técnica, social e ambiental de áreas de depósitos de RSU inadequadas. Metodologias de recuperação de lixões e aterros são desenvolvidas devido
à necessidade de implantação de mecanismos de inertização da massa de lixo objetivando o fechamento do lixão e/ou aterro ou o prolongamento da vida útil dos mesmos. Os termos lixão e aterro são intercambiáveis nesse artigo.
A transferência de conhecimento nesta temática, no âmbito da realidade brasileira, torna-se fundamental. A aplicação dessas metodologias possibilita o tratamento mais eficiente da massa de lixo e dos efluentes líquidos e gasosos, além de promover um melhor aproveitamento das áreas disponíveis para destinação final dos resíduos sólidos.
O presente artigo apresenta o estado-da-arte das técnicas utilizadas na recuperação das áreas degradadas por resíduos sólidos urbanos no Brasil e os empecilhos que desafiam os administradores públicos no desenvolvimento de uma gestão eficiente.
Introdução ok!
Vamos conferir a introdução denovo...
Etapa Inicial
Segunda Etapa
Tratamento Secundario
Tratamento Primário
Concepção Anaeróbica
Concepção Biológica
Concepção Semi-Aeróbico
Tratamentos terciários
Tratamento de sólidos
Resíduos Gasosos
Águas Superficiais
Monitoramento Ambiental
Segurança
- Inclinação máxima de 33%; Havendo restrições, faz-se necessária a realização de estudos especiais para um dimensionamento adequado e seguro.

- Os taludes devem ser cobertos por vegetação adequada, assim que a célula de lixo seja encerrada.
Revegetação
A vegetação final a ser implantada não será a mesma da vegetação pioneira.
Vegetação Pioneira
O objetivo da vegetação pioneira é de minimizar a erosão com o rápido crescimento das raízes, uma vez estabelecida, a vegetação final a ser implantada deve requerer menos manutenção e menor demanda hídrica.
Vegetação Final
O Ambiente em questão é inadequado para boa parte da vegetação, sobretudo àquelas que possuem raízes profundas.
O uso de vegetação com raízes profundas pode ser viabilizado.
Uso Futuro da Área
- Considerações:
- Proposta de uso:
Além de adequar a ambientalmente a área, o aterro recuperado deve suprir os anseios e expectativas da população.
- Os resíduos aterrados ainda permanecem em processo de decomposição após o encerramento das atividades.
- Resistência do maciço semelhante a turfa.
- Possibilidade de infiltração de gases com alto podre combustível e explosivo.
- Áreas verdes;

- Praças esportivas;

- Campos de futebol;

- Áreas de convívio
Problemática social
O Poder Público deve liderar, financeiramente e politicamente, as ações de assistência às populações carentes (badameiros e catadores de lixo).
Gestão Integrada
Dificuldades financeiras
Interdisciplinaridade
A gestão integrada e participativa dos orgãos responsáveis pelo aterro e a comunidade diretamente afetada pela sua presença é fator fundamental para a obtenção e manutenção de bons resultados.
Sabendo das dificuldades financeiras que se encontram a maioria dos municípios brasileiros, é necessário adoção de instrumentos econômicos para viabilizar a recuperação desses lixões e aterros, como:
- ICMS ecológico
- Créditos para reciclagem
- Taxas de lixo
- Imposto sobre produtos não recicláveis
A interdisciplinaridade das questões ambientais requer uma equipe multidisciplinar atuante e qualificada em várias áreas do conhecimento.
A etapa inicial de recuperação de áreas degradadas por disposição de RSU corresponde à
avaliação das condições de comprometimento ambiental do local.
A segunda etapa consiste na seleção de atividades remediadoras.
Essas atividades têm o
objetivo de reduzir a mobilidade, toxicidade e volume dos contaminantes e estabilização do solo.
O tratamento primário do aterro consiste na aplicação de controles físicos que não alteram
as características químicas e biológicas dos resíduos e dos contaminantes existentes no local. Esses processos correspondem às ações primárias ou básicas voltadas à estruturação do aterro para a realização do tratamento dos seus resíduos
O tratamento secundário consiste na aplicação de processos bio-físico-químicos objetivando a redução de volume, toxicidade e mobilidade dos contaminantes nos resíduos.
Nesse tipo de tratamento as células são providas de sistemas
operacionais de drenagem de gases e chorume, com ou sem o sistema de tratamento do maciço
baseado na recirculação do chorume.
Nesse tratamento o processo de decomposição da matéria orgânica é acecelerado com a aplicação de cultura de bactérias e microorganismos específicos desenvolvidos em reatores, que realizam a transformação da fração orgânica sólida em líquidos e gases.
Nesse tratamento, além da necessidade obrigatória de sistema
de drenagem de gases e chorume (como na concepção anaeróbica), também envolve a condução
de ar para a célula de lixo, visto que a digestão é feita por condição aeróbica.
O escopo do tratamento terciário
envolve atividades direcionadas ao tratamento de cada tipo de resíduo (sólido, liquido ou gasoso).
Estas ações têm por objetivo
ampliar a vida útil do aterro
e inertizar a massa de sólidos
da célula. Esse processo se
baseia na lixiviação de
soluções alcalinas na
própria célula do aterro.
Neste caso, o tratamento compreende basicamente na destruição de
contaminantes gasosos através da combustão controlada (queima).
O tratamento de resíduos
líquidos tem por objetivo
impedir a percolação de contaminantes pelo solo, minimizando sua atuação impactante nos aqüíferos
subterrâneos.
Resíduos Liquidos
O processo de recuperação dos lixões
limita a percolação e maximiza a
remoção das águas superficiais
do aterro. Conseqüentemente, afim
de minimizar a introdução de
materiais suspensos nas vias
hídricas, é necessário dimensionar
lagoas de retenção para chuvas
de 25 ou 100 anos.
Nesta fase, considerada de grande
importância no processo, é realizada
a avaliação da influência do aterro
sobre o meio ambiente e, principalmente,
a aferição da eficiência do plano de
recuperação do aterro nos três meios
afetados pelos impactos do aterro
(solo, água e ar).
Referências
ALBERTE, Elaine P. V. Análise de Técnicas de Recuperação de Áreas Degradadas por Disposição de Resíduos Sólidos Urbanos:Lixões, Aterros Controlados e Aterros Sanitários. Bahia – Brasil, Faculdade de Tecnologia e Ciências, Salvador, 2003.

CARNEIRO, Alex P.; MASCIA, Eleonora L. Projetos de Recuperação dos Lixões na Gestão participativa Integrada e Compartilhada de Resíduos Sólidos Urbanos dos Municípios da Bacia do Rio Jiquiriça - Ba. In: V SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 2002, Belo Horizonte. 2002.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (FEAM). Como destinar os resíduos sólidos urbanos. Belo Horizonte: FEAM, 1995. 47 p.

JUCÁ, José F. T.; MELO, Vera L. A; BELTRÃO, Keila G. Q. B.; PAES, Roberta F. C. Sistema de Tratamento de Chorume Proposto para o Aterro de Muribeca. Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003b.

JUCÁ, José Fernando Thomé. Disposição Final dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOTECNIA AMBIENTAL REGEO’2003, 5, 2003. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 2003a.

LIMA, Luiz Mario Queiroz. Saneamento Ambiental de Canabrava, Salvador – BA. LM Tratamento de Resíduos Ltda: 1997.

LIXO MUNICIPAL: MANUAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO / COORDENAÇÃO: Niza Silva Jardim... et al.. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas: CEMPRE, 1995.

MANUAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. José Henrique Penido Monteiro ... et al; Coordenação Técnica: Victor Zular Zveibil. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.


MOTTA, Ronaldo S. da; SAYAGO, Daiane E. Propostas de Instrumentos Econômicos Ambientais para Redução do Lixo Urbano e o Reaproveitamento de Sucatas no Brasil. Rio de Janeiro, 1998.

O CENÁRIO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL. IBAM: Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: <http://www.ibam.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm>. Acesso em: 28 jan. 2005.

Reciclagem de Entulho para Produção de Materiais de Construção. Organizado por Alex Pires Carneiro, Irineu Antônio Schadach de Brum e José Clodoaldo da Silva Cassa._Salvador: EDUFBA; Caixa Econômica Federal, 2001.

UNIVERSIDADE FERDERAL DA BAHIA / CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (UFBA/CAIXA). Relatório Técnico: 2ª etapa do projeto de pesquisa aproveitamento de resíduos sólidos para a produção de materiais de construção de baixo custo. Salvador, 1998.

As dificuldades
As dificuldades enfrentadas pelos gestores municipais são (CEMPRE, 1995):

- Limitação financeira.
- Falta de capacitação técnica e profissional.
- Descontinuidade política e administrativa.
A disposição de RSU nos lixões é um dos métodos mais difundidos para a grande maioria os municípios pois:

- Apresenta menor custo.
- Exige poucos equipamentos.
- Não exige mão-de-obra especializada.
Preferência por lixões
Ambiental e Social
Em termos ambientais, os lixões agravam a poluição do ar, do solo e das águas, além de provocar poluição visual.
Em termos sociais, os lixões atraem as populações de baixa renda, que buscam uma alternativa de trabalho.
Teoricamente, a recuperação de uma área degradada por deposição inadequada de lixo envolve a remoção total dos resíduos depositados, transportando-os para um aterro sanitário, seguida da deposição de solo natural da região na área escavada. Contudo, ações deste porte compreendem elevados custos, inviabilizando economicamente este processo e forçando a adoção de soluções mais simples.
Soluções
- Intervir em um aterro com o intuito de encerrar a sua operação, requalificando-o ambientalmente.
- Transformar um aterro comum (lixão) em aterro controlado/sanitário. Esta prática promove a recuperação gradual da área degrada mantendo sua operação. Objetiva prolongar a vida útil do aterro e minimizar os seus impactos sócios-ambientais.
Essa primeira alternativa é adotada nas áreas de aterro comum que não possam ser transformados em aterros sanitário. O fechamento do lixão deve ser realizado em paralelo com o estudo de alternativas de novos locais para disposição de lixo.
A segunda alternativa é adotada principalmente devido a dificuldades em se encontrar novas áreas para disposição de resíduos na região.
Problemas a se considerar
Em ambos os casos, deve se considerar os problemas sanitários e ambientais envolvidos, seguindo esta ordem de prioridade. Há também os problemas operacionais de manutenção do aterro.
Condições sanitárias
As ações necessárias correspondem à movimentação e conformação da massa de lixo; eliminação de fogo e fumaça; delimitação da área, identificação dos locais onde houve ou não disposição de lixo e, por fim, a limpeza da área de domínio.
Condições Ambientais
Os aspectos ambientais são tratados através das seguintes ações: drenagem das águas superfíciais; drenagem, coleta e tratamento de gases e chorume; cuidados para evitar/minimizar a contaminação do lençol freático e arborização do entorno da área.
Problemas Operacionais
Os problemas operacionais são aqueles gerados pela realização de atividades inadequadas de operação na disposição do lixo de modo a influenciar nos aspectos sanitários e ambientais ao longo do tempo. Ex: Área de domínio totalmente ocupada por lixo.
RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS POR DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Elaine Pinto Varela Alberte
Alex Pires Carneiro
Lin Kan
Full transcript