Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Patrimônio histórico e cultural

No description
by

Arare Junior

on 21 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Patrimônio histórico e cultural

patrimônio histórico e cultural
Pedro Paulo Funari
Paulistano
Graduação em História, Mestre em Antropologia Social, Doutor em Arqueologia (USP), Livre-docência (Unicamp)
Illinois State University e Universitat de Barcelona:
Professor associado
USP:
Programa de Pós-graduação em Arqueologia
Unicamp:
Professor titular
Coordenador associado do Núcleo de Estudos Estratégicos
Pesquisador do NEPAM e Doutorado Ambiente e Sociedade
Grupo de pesquisa no CNPq
Publicação de artigos científicos e livros
Estudioso do patrimônio e atuante na preservação digital
Sandra Pelegrini
Paulistana
Graduada e Mestre em História (Unesp)
Doutora em História social (USP)
Pós-doutorado (Unicamp)

Universidade Estadual de Maringá:
Docente do Departamento de História
Coord. Programa de Estudos e Pesquisas do Espaço Urbano

Unicamp:
Pesquisadora do Núcleo de Estudos Estratégicos

Comissões municipais de cultura:
Defesa do patrimônio cultural no Norte do Paraná

Memória e patrimônio cultural

Publicação de artigos, coedição de livros
do indivíduo
à coletividade
A diversidade leva a uma multiplicidade de pontos de vista, interesses e ações no mundo.
O que para uns é patrimônio,
para outros não é.
Os valores sociais
mudam com o tempo
Origens
Antiguidade
O que pertence ao pai
Contexto privado - direito de propriedade
Valores aristocráticos
Idade Média
Valores religiosos, simbólicos e coletivos
Lugares, objetos e rituais
Foge ao controle aristocrático
Renascimento
Humanismo mantém e reforça caráter aristocrático
Edição de obras clássicas (imprensa)
Antiquariado: coleta e catalogação de antiguidades
Invenção do conceito moderno: Estados Nacionais
1789: Revolução Francesa - cidadania e igualdade
Compartilhar valores e costumes, solo e origem "comuns"
Escola: língua, cultura e território
Introjeção e doutrinação
Invenção do cidadão

Patrimônio é a base material da cultura nacional (do povo)
Duas tradições do direito
Romano (civil)
A propriedade privada é sujeita a restrições
Mais atenta ao Estado Nacional
Consuetudinário (anglo-saxão)
A limitação ao direito de propriedade é tênue
Proteção aos direitos privados
Patrimônio e nacionalismos
Bem material concreto, valor material e simbólico para a nação
Excepccional, belo, exemplar
Representa a nacionalidade
Instituições patrimoniais, legislação, serviços de proteção
Administração e burocracia

Auge: 1914-1945
Superação dos nacionalismos
1937: Sociedade das nações
Carta de Atenas e salvaguarda do patrimônio cultural da humanidade

1945: ONU e Unesco
Abordagens mais abrangentes, menos restritivas de cultura

Lutas sociais pelos direitos civis
Lutas contra as potências coloniais

Patrimônio: heterogêneo, amplo
Diversidade como valor
Ampliação das legislações
Gestão participativa

Preservação: conjuntos, o comum, o imaterial
Patrimônio Cultural da Humanidade - Convenção de 1972 da Unesco
Monumentos
Conjuntos/ grupos de construções
Sítios
Monumentos naturais
Formações geológicas e fisiográficas
Sítios naturais

Campanhas internacionais, catalogação de sítios ameaçados,
combate ao tráfico ilícito de bens, incentivo à gestão participativa
Chancela incentiva o turismo
Atrativo cultural e econômico
Predomínio do interesse das potências
e dos sítios cutlurais
Recente valorização da diversidade
Novos desafios
Manancial de criação humana, imensa área de bens
Meios de preservação frágeis
Direitos autorais (copyright) x preservação e acesso ao patrimônio digital
Mundo digital
Convenção sobre a diversidade cultural (2005)
América Latina
Séculos XIX e XX: crescimento industrial e urbano:
demolições em áreas históricas

Políticas recentes - urbanismo moderno
Desenvolvimento sustentável das cidades:
valorização do patrimônio + reabilitação dos centros históricos

Contexto territorial e paisagem urbana
Ampliação da noção de patrimônio -> cultural
Referências culturais dos povos, testemunhos do cotidiano, realizações intangíveis
Patrimônio como construção social histórica
Não apenas monumentos isolados, antiguidades e construções históricas associadas ao poder
Desafios específicos
Diversidade do patrimônio
Território vasto
Urgências sociais
Carência de recursos

Situações catastróficas
Avanço das estratégias de preservação
Contextualização estética, social e cultural
Discussão sobre as áreas envoltórias
Integração dos centros históricos na dinâmica das cidades
Cartas patrimoniais
1964 - Carta de Veneza, 1975 - Declaração de Amsterdã
Restauração e normas internacionais de proteção
Ampliação do conceito de monumento
Papel do poder público municipal
Cartas patrimoniais
Anos 1970: recuperação de fachadas

1977: Declaração de Machu Picchu incorpora valores socioculturais
1982: Declaração de Tlaxcala: pequenas aglomerações
1985: Declaração do México: tradições e formas de expressão, identidade

Anos 1990: Centros de Lima e Quito: orientações opostas
Brasil: impasses e realizações
Concepções e diretrizes nem sempre transparentes
Constituição de 1934

Abranda o direito de propriedade nas cidades históricas mineiras

Trata da evasão de bens culturais
1936: Criação do Sphan

Constituição de 1937
Propriedade privada submetida ao interesse coletivo viabiliza o tombamento
Atuação do Iphan e seus intelectuais:
critérios artísticos

Constituição de 1946
Proteção de documentos históricos

Anos JK
Campanhas patrimonialistas, folclore
1967: Novas categorias de bens patrimoniais - diversidade

1968: AI-5 - impasses

Anos 1970: Currículos escolares, turismo, cidades históricas

Anos 1980: Saberes populares, ampliação do patrimônio

Anos 1990: Marketing cultural, incentivo fiscal, espetacularização

Anos 2000: Bens imateriais
Novos enfoques
Anos 1980: Abertura democrática, revisões teóricas

Constituição de 1988
Ações em prol do patrimônio independem do tombamento; base na referencialidade dos bens

Proteção às manifestações indígenas e afro-brasileiras
cidadania + preservação = meio ambiente + qualidade de vida urbana + pluralidade cultural
Anos 1990
Cidade como documento
Espetáculo de consumo cultural
Simulacro de preservação
Gentrificação
Efeitos visuais
Padronização urbana
Turismo
Pseudossustentabilidade
Cenário de entretenimento
Atualmente: gestão associada de políticas ambientais, urbanísticas e habitacionais com a memória sócio-histórica
Século XXI
memória social
preservação
do patrimônio cultural
desenvolvimento urbano
Enfrentar a expropriação cultural da maior parcela da população
Implementação de políticas públicas deve partir dos anseios da comunidade e ser orientada pela delimitação democrática dos bens a serem preservados, portadores das marcas identitárias reconhecidas pela comunidade.
Integração entre público e privado e envolvimento das comunidades
Globalização e inovações tecnológicas:
novas disputas
Full transcript