Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Viagem

analise do poema para portugues
by

sofia.raquel grupo7

on 9 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Viagem

Viagem Poema de: Miguel Torga Análise da segunda estrofe Viagem Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro,
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar...
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos). Escola Básica e Secundária de Salvaterra de Magos Disciplina: Português Trabalho realizado por:
Raquel Elvas Nº17
Sofia Monteiro Nº20 Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar.
E
E
F
F
G
H
G
H A
A

B
B
C
C

D
D Miguel Torga Análise da primeira estrofe
Esta estrofe fala da fé que o sujeito poético tem em mudar a vida, partir numa aventura e começar um novo capítulo na sua vida. A utilização de parênteses é para assinalar uma pausa, em que o sujeito poético reflete, criando uma certa cumplicidade com o leitor. A segunda estrofe é uma Décima, e existe a presença de rimas na forma emparelhada e cruzada. Nesta estrofe encontra-se outras duas palavras que têm um sentido conotativo: "cais" que representa o ponto de partida e "ondas" que representam os obstáculos que se enfrenta para se chegar ao nosso destino.
O suujeito poético nesta estrofe reforça que por mais difícil que seja a vida, temos que continuar a lutar e que o que importa é "o hoje" e não "o amanhã". O título do poema significa um novo começo.
A primeira estrofe é uma de versos irregulares e as suas rimas encontram-se emparelhadas. Nesta primeira estrofe encontramos duas palavras que têm um sentido conotativo: "marinheiro" que representa a pessoa (o sujeito poético); "mar" que representa a vida;
Full transcript