Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of ÍNDIOS E NEGROS NA CONSTRUÇÃO DA NAÇÃO BRASILEIRA

No description
by

on 16 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of ÍNDIOS E NEGROS NA CONSTRUÇÃO DA NAÇÃO BRASILEIRA

ÍNDIOS E NEGROS NA CONSTRUÇÃO
DA NAÇÃO BRASILEIRA

Medicina Africana
Medicina Indígena
O negro na construção da nação brasileira
Os índios na construção da nação brasileira
organização social e política
educação, cultura e medicina
resistências
Os negros na construção da nação brasileira
organização social e política
educação, cultura e medicina
resistências
Cultura Africana
TRÁFICO NEGREIRO
FINS ECONÔMICOS DE PRODUÇÃO DE AÇUCAR E COMÉRCIO
IMPOSIÇÃO DA CULTURA - PADRÃO COLONIAL
- LÍNGUA, RELIGIÃO ETC
- RESISTÊNCIAS:
Escravos souberem reviver suas culturas de origem
Ex. sincretismo religioso
Recriaram novas práticas culturais através do contato com outras culturas, branco e o índio
A INFLUÊNCIA AFRICANA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA CULTURA AFRO- BRASILEIRA
NÃO HOUVE UMA HOMOGENEIDADE CULTURAL
Heterogeneidade: origens distintas dos povos africanos

- Destacam-se na diáspora brasileira dois povos,
-Bantus e Sudaneses

- Sudaneses provenientes da África ocidental
- Bantos provenientes de Angola, Congo e Moçambique
- relativa unidade linguística
- tanto na linguística, costumes e, principalmente, no campo religioso mesclou aspectos do cristianismo com suas tradições religiosas.
“MÃES-PRETAS”, AMAS DE LEITE
NEGRAS COZINHEIRAS e QUITANDEIRAS
- Alimentos
- Histórias, memórias e práticas religiosas
- Língua
- Hábitos
- Misticismo:
Fada dos Djins
Curandeiros - uso de ervas e bichos (ex. Sapo)
Cinema - Diretor francês Michel Ocelet de lendas africanas
Música - Antifona
Ex. Michel Ocelet (françês que retrata lendas africanas da feitiçeira – Kiriku I e II, Príncipes e princesas e As aventuras de Azur e Asmar ( uma ama negra e um filho negro que cria uma criança branca na sua primeira infância)
O NEGRO NA FORMAÇÃO DE CRIANÇAS E ADULTOS BRANCOS
Cuida que haja o afago
E todo amor que ele tem
Que os corações que andam vagos
Encontrem logo o seu bem
Nessa vida sem carinho
O nosso destino é vão
Que é que na vida sozinho
Tem feliz seu coração?

Sinhá Preta seja abrigo
Nas horas de precisão
Que a gente saia do umbigo
E viva mais comunhão
Batendo menos cabeças
Fica leve a nossa cruz
Tua bênção Sinhá nas encrenca
Tua glória nos dias de luz!
Nossa Senhora, Mãe Preta do Paraíba
Dá tua bênção pra gente ir cantando em frente
E pela frente põe gente em nosso caminho
Pra nóis cantá e ter sempre alguém ouvindo

Nossa Senhora vigia
Esparrama o teu amor
Pra que na vida a poesia
Nos seja causa maior
Não seja a raspa do tempo
Que ele voa ligeirinho
Seja a poesia o alimento
A sustança no caminho
Antífona - Zé Modesto
(música) com legenda

Matriz negra africana, indígena e portuguesa (entre outros europeus)
- língua, costumes, modos, comidas, danças , forma de pensar e práticas religiosas.
- De acordo com Paiva (2001, p. 185),
- As trocas culturais e os contatos entre povos de origens muito diversa é algo que, então, fazia parte do dia- a – dia colonial, desde a chegada dos portugueses. Isto, porque, era ampla a vivência cultural da população negra no Brasil colonial, refletindo amplamente na sociedade do período.
INTERCULTURALIDADE NO BRASIL

Disponível em : <http://2.bp.blogspot.com/_K_nHaLhAaNk/S

Disponível em : <http://2.bp.blogspot.com/_K_nHaLhAaNk/S
Disponível em : <http://2.bp.blogspot.com/_K_nHaLhAaNk/S

A contribuição do índio na construção da nação brasileira

SOBREVIVÊNCIA FÍSICA
SOBREVIVÊNCIA CULTURAL
DINÂMICAS SOCIAIS E CULTURAIS: tradição e inovação
DESAPARECIMENTO DA DIVERSIDADE CULTURAL (GOHN, Clarice, 2001)
- GLOBALIZAÇÃO, MUNDIALIZAÇÃO E PLANETARIZAÇÃO (DREIFUSS)

CULTURAS EM TRANSFORMAÇÃO
os índios, afro-brasileiros e brasileiros
Disponível em: <http://marizamaria.files.wordpress.com/2008/03/barbie.jpg>

“[...]A questão da sobrevivência física impõe iniciativas objetivas:
atendimento médico;
garantia de território;
punições a práticas de genocídio.
Já a sobrevivência cultural apresenta problemas de outro tipo, sendo que o primeiro é defini-la.” (COHN, 2001, p. 36).
ANTROPOLOGIA AMERICANA
- cultura passa a ser definida como um conjunto de traços que podem ser perdidos ou tomados de empréstimo de populações vizinhas.

ANTROPOLOGIA BRITÂNICA
- a pensa como um sistema de partes articuladas entre si, cuja lógica própria deve ser entendida.
- Porém, essa visão de “traços culturais” que podem ser perdidos acaba por levar à noção de aculturação, ou seja, de um processo regressivo de perda cultural, a que os povos nativos (não-ocidentais, “primitivos”) de todo o mundo estariam especialmente sujeitos.
Passa-se, então, a se preocupar com o desaparecimento da diversidade cultural. (COHN, 2001, p. 37).
A IDÉIA DA CULTURA
Disponível em : <http://2.bp.blogspot.com/_K_nHaLhAaNk/S_3pwk5YWkI/AAAAAAAAANE/TufQJoZcwI4/s320/Viol%C3%AAncia+Fisica.jpg>

“[...] A percepção das dinâmicas sociais e culturais
exige que se atente não apenas
às TRADIÇÕES, como também à INOVAÇÃO;
não se nega, assim, a reprodução social,
mas ampliasse a noção de reprodução social,
de modo que inclua
a possibilidade de mudança.”
(COHN, 2001, p. 37).


TRADIÇÃO CULTURAL

Disponível em : <http://www.yikatuxingu.org.br/wp-content/uploads/2012/09/Apresenta+%C2%BA+%C3%BAo-Mebengokr+%C2%AE-na-abertura-da-I-Feira-Mebengokr+%C2%AE-de-Sementes-Tradicionais.jpg>

“[...] a qualidade de ser Kayapó, no entanto, não se liga ao que é fisicamente compartilhado, mas à posse, ‘dentro da cabeça’,
de um CONHECIMENTO ESPECÍFICOS DAS TRADIÇÕES CULTURAIS.”
(COHN, 2001, p. 39).

MITOS, TRADIÇÕES E LÍNGUA tudo que é repassado através de gerações.
Tudo o que é específico de uma identidade étnica. ex. Kayapó. ” (COHN, 2001, p. 40).

Da NEGAÇÃO da sua identidade indígena
- vergonha ou mesmo um perigo.
Voltam a articular sua “INDIANIDADE” de diferentes modos,
para além do olhar europeu sobre o índio,
mas a possibiliade de ARTICULAR A TRADIÇÃO E A INOVAÇÃO NO SER ÍNDIO.
TRANSFORMAÇÕES CULTURAIS: indianidade

Fonte: Trate-se usando a Medicina Indígena

Medicina Indígena

Todos já ouvimos falar ou estudamos sobre alguns dos costumes e hábitos indígenas, suas tradições e cultura rica, cercada de magia e respeito à natureza. Pois, é na natureza que os povos indígenas sempre encontram as respostas para levarem suas vidas simples e também as curas para todos os seus males.

Medicina dos índios | Obra: Wesley Aragão de Moares
Fonte: Trate-se usando a Medicina Indígena 

PAJÉ OU XAMÃ

utiliza-se de alucinógenos para entrar em contato com os espíritos.

Poderes para realizar curas através das plantas.
Fonte: Trate-se usando a Medicina Indígena 
Fortalecimento e a valorização de conhecimentos, práticas e praticantes tradicionais inscritos em contextos socioculturais particulares.”

A emergência da medicina tradicional indígena no campo das políticas públicas.

OMS E MEDICINA TRADICIONAL

“Desde a década de 1970, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que os Estados nacionais integrem a seus sistemas de saúde oficiais as medicinas tradicionais (MT).Com esse documento, a OMS estimula os Estados nacionais a regular, disciplinar e controlar as medicinas tradicionais, já que elas se apresentam como alternativas de baixo custo que encerram grande potencial de desenvolvimento econômico.”(FERREIRA, Luciane Ouriques.A emergência da medicina tradicional indígena no campo das políticas públicas. História, Ciências, Saúde –Manguinhos, Rio de Janeiro, v.20, n.1, jan.-mar. 2013, p.206)
Referências:
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392001000200006> Acessado em: 31 de julho de 2013.
STIGAR, R.; SCHUCK, N. Refletindo sobre a história da educação no Brasil, 2005.
Disponível em: << http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702013000100011&script=sci_arttext>> Acessado em: 31 de julho de 2013.
FERREIRA, M. C. C. A INFLUÊNCIA AFRICANA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA, 2010.
COHN, Clarice. Culturas em transformação: os índios e a civilização.
(História, Ciências, Saúde –Manguinhos, Rio de Janeiro, v.20, n.1,jan.-mar. 2013, p.204)

Submissão passiva x Processo contraditório de lutas e reajustes do sistema escravista
- Diferentes níveis de descontentamento com o sistema

Duas classes: senhores e escravos
- Trabalho escravo x trabalho livre
- Escravo: uma coisa ser humano
- Força produtiva x cultura, língua, religião, etc
Ao negar-se escravo, houve a criação de movimentos de resistência e negação do sistema
Não lhe ofereceram possibilidades de ascensão capazes de modificar a estrutura

QUILOMBO: habitação com mais de 5 negros fugitivos
- COMPOSIÇÃO: escravos insubmissos e oprimidos do sistema escravista
Criminosos, índios, mulatos, fugitivos do serviço militar e negros marginalizados
- INTERAÇÃO ENTRE OPRIMIDOS:
Interação com escravos ( amizade, apoio, informação, proteção)
- INTERAÇÃO COMERCIAL, SEGURANÇA, PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: escambo agricultores, pequenos proprietários, garimpeiros, comerciantes, etc.
- OBJETIVO: Grupo defensivo, ataques para sua sobrevivência
- LOCALIZAÇÃO: Em todo território brasileiro (permanente ou móvel)
Organização social, econômica, política e militar: mucambo ou quilombo
Pólo de resistência aberto que convergia diferentes níveis de descontentamento com o sistema escravista e colonial (Moura, 1987, p. 31). Com variáveis regionais.

ECONÔMICA: fartura x miséria e barbárie colonial
- Relações pacíficas com outros grupos através da troca
- Agricultura policultora x agricultura monocultora e latifundiária da Colônia escravista
- Solidariedade e cooperação – sociedade livre consagrada pelo uso e costumes
- Pesca, caça, criação de animais

Resistência negra: quilombos e rebelião
Visão idílica da harmonia social
- Raízes do Brasil: O homem cordial (S. B. de Holanda) – crítica a sociedade aristocrática burguesa
- Casa grande e Senzala (G. Freyre): docilidade do negro e o senhor bom
- Democracia racial: todos são iguais perante a lei.
Quilombos: Terror dos proprietários (Moura, 1987)
Marginalização dos negros e do quilombo
- Ideologia colonial
- Remédio para tão grande mal
- Roubos, espancamentos e mortes
Em Palmares: Mandar prender qualquer morador das capitanias que socorrer os negros fugitivos
Monocultura latifundiária
NO BRASIL COLÔNIA

REPÚBLICA DOS PALMARES:
Organização econômica, política (rei) e militar (http://www.sintect-sp.org.br/noticias/quem-foi-zumbi-dos-palmares-e-o-dia-nacional-da-consciencia-negra/)
BRASIL: o último país a abolir a escravidão negra
(http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/fim-da-escravidao/fim-da-escravidao.php)
REPÚBLICA DOS PALMARES (1630-1695) (Nordeste - PE)

Maior resistência social, militar, econômica, política e cultural ao sistema escravista
REI: Ganga-Zumba
Investidas das tropas escravistas: torturas, interrogatórios, matança
Diversas batalhas com perdas
Rei aceita a paz com Portugal e Zumbi, jovem guerreiro, torna-se líder da facção depois de executar o rei
Mais de 20 mil negros


QUILOMBO GRANDE ou AMBRÓSIO – CAMPO GRANDE (Sudeste – MG)
Batalha durou 7 horas
Mortandade enorme
Autoridades supunham que havia terminado os atos de rebeldia ou fuga de escravos
No mesmo local, surgiu tempos depois, quilombo maior
Cerca de 10 mil negros ou mais

QUILOMBO PRETO COSME (Maranhão)
+ 3000 negros
Estrutura centralizada de governo
Fundação de uma escola
Adesão a Balaiada
Liberais foram anistiados em troca do combate aos quilombolas
ECONOMIA:
- Força produtiva - escravidão
- Conhecimentos na agricultura e pecuária:
manejo da terra, especialmente no cultivo do açucar e no trato com animais
Tecnologia de produção: ferro
- Economia solidária nos quilombos
- Agricultura policultora x monocultura latifundiária
- Divisão do trabalho segundo especialidade, mas tudo era produzido para todos, não havia nada meu e nem teu (Quilombo Ambrósio, MOURA, 1987).
POLÍTICA:
- Resistência ao sistema escravista colonial - quilombos
CULTURA
- Reminiscência do passado escravista:
- Pensamento inconsciente de subordinação (Clovis Moura, 1987).

O negro na construção ECONÔMICA da nação brasileira

POLÍTICA:
- Resistência ao sistema escravista colonial – quilombos

O negro na construção política nação brasileira

EDUCAÇÃO:
- Ensino de história e cultura da África e afro-brasileira
- Teoria da complexidade x saber disciplinar
CULTURA
- Interculturalismo, multiculturalismo e pluriculturalismo
- Integração entre oprimidos
DANÇA E ESPORTE:
- Capoeira, Samba
GASTRONOMIA
- Milho, acarajé,
RELIGIÃO: sincretismo religioso
- Reminiscência do passado escravista:
- Pensamento inconsciente de subordinação (Clovis Moura, 1987).

O negro na construção da cultura nação brasileira

Prof. Dra. JEANNETTE FILOMENO POUCHAIN RAMOS

ÍNDIOS:
povos nativos
tese que cita que são oriundos da áfrica
organização social e política em tribos
etnias, ...

http://fadadosdjins.blogspot.com.br/2009/01/posso-sem-duvida-alguma-dizer-que-se-no.html
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/03/090318_gambia_tp.shtml
http://leticiamizade.blogspot.com.br/2009/11/indios-acessam-internet.html
http://www.sintect-sp.org.br/noticias/quem-foi-zumbi-dos-palmares-e-o-dia-nacional-da-consciencia-negra/
não encontrei foto de quilombo
http://blogdasrevoltas.blogspot.com.br/p/balaiada.html
POLÍTICA:
- Regime comunitário e divisão do trabalho em grupos ou setores / especialidade
- Hierarquia administrativa sob a obediência incondicional de um chefe (Ex. Ambrosio, Rei, Zumbi etc.); hierarquia militar;
- Plano de fuga e de insurreição (ação conjunta e coordenada – MG)
SOCIAL:
- Protetores do quilombo (interação entre oprimidos)
- Enorme mobilidade – animais de montaria
MILITAR:
- Armas: arco, flecha, lanças e armas de fogo
- Quartel general com instrução militar
Candomblé
Muitos negros foram trazidos como escravos para o Brasil. Nos primórdios de sua colonização eram feiticeiros e curandeiros, que por meio de prática divinatórias, transes misticos e rituais especificos, invocavam as forças superiores para propiciar conselhos e intervenções para problemas de saúde.
A influencia do afro na medicina brasileira
Full transcript