Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

No description
by

Rafaela Monteiro de Melo

on 10 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

Ergonomia: conceituação,
importância e aplicações
Proteção contra riscos ergonômicos
OBJETIVO
Adaptar o

trabalho
ao
ser humano
e não o inverso.
IMPORTÂNCIA
Visa otimizar o

bem-estar
do ser humano, o seu
desempenho,

aumentando a
produtividade.
O ergonomista contribui para a projetação e avaliação de tarefas, trabalhos, produtos, meio ambiente e sistemas.
CONCEITO
É uma disciplina científica focada na

interação do ser humano
com os
artefatos
sob a perspectiva da
ciência, engenharia,

design, tecnologia e gerenciamento de sistemas
compatíveis com o ser humano.
PRÍNCIPAIS BENEFÍCIOS
Promove o combate e prevenção das doenças profissionais;​
BIOMECÂNICA OCUPACIONAL
PROTEÇÃO CONTRA RISCOS ERGONÔMICOS
O QUE É ?
ALGUNS PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL
As articulações, em conjunto aos seguimentos corporais, devem ser mantidas em posição neutra, tanto quanto possível.
Assim, há a dimunuição de tensão física entre os ligamentos, tendões e outras estruturas, músculos e articulações, além de possibilitar que os músculos exerçam força máxima. Do contrário pode resultar, num primeiro momento, em desconforto/dor e, em termos cumulativos, levar a algum tipo de lesão.
EXEMPLOS DE POSTURAS INADEQUADAS, EM QUE AS ARTICULAÇÕES NÃO ESTÃO NA POSIÇÃO NEUTRA :
... Nestas situações há aumento das tensões sobre as articulações e os músculos e a possibilidade de sobrecarga física, como por exemplo:
Flexão de Tronco e de Pescoço
Rotação de Tronco
Movimentos Bruscos (muito dinâmicos devem ser evitados
Deve-se alternar a postura e os movimentos
Limitar a duração de esforço muscular contínuo
Buscar paradas curtas frequentes ao invés de única parada longa
Trabalho com membros superiores
A análise das propriedades biomecânicas do aparelho
locomotor, tais como as posturas dinâmicas, a mobilidade
articular e a força muscular, são alguns dos métodos utilizados
pela Biomecânica Ocupacional para determinar os limites e
capacidades humanos para a realização de tarefas laborais
sem o risco de lesões.
Algumas condições de trabalho envolvem esforços inadequados ou a manutenção de uma ou sustentada de um determinado grupamento muscular e/ou o apoio de uma mesma parte do corpo em uma determinada superfície. Estas condições são grandes causadoras de lesões por esforços repetitivos.

Vieira & kumar (2004) afirmam que a demanda física em termos laborais pode resultar em prejuízo ao Sistema Musculoesquelético (SME). Para isto, há várias técnicas que avaliam a carga física, tanto em situações relativas ao trabalho estático quanto ao dinâmico, e seus efeitos (Kilbom, 1994)
TÉCNICAS PARA A AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA
TÉCNICAS PARA A AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA
Diversos autores propõem instrumentos para a avaliação dos riscos posturais, por meio de :
Critérios Qualitativos
Critérios Semiquantitativos
Critérios Quantitativos
A GINÁSTICA LABORAL
É um programa de atividade física “compensatória” e recreativa, que tem por objetivo aliviar a tensão causada pela atividade rotineira dos trabalhadores. Busca minimizar os impactos negativos do sedentarismo e promover o convívio social entre os trabalhadores – otimizar o relacionamento. Pode ser praticada antes, durante e/ou após o horário do expediente (De Sousa & Joia, 2006)
A ginástica é composta por exercícios físicos,
alongamentos,
relaxamento muscular e flexibilidade das articulações, e é uma prática coletiva, promovendo a descontração e interação entre os colegas de trabalho. Além disso, ela age psicologicamente, ajudando a aumentar o poder de concentração e motivando-os em sua
auto-estima.​

Promove o combate e prevenção do sedentarismo,estresse,
depressão, ansiedade,
etc;
Melhora da flexibilidade, força, coordenação, ritmo, agilidade e a resistência, promovendo uma maior mobilidade e melhor postura;
Promove a sensação de disposição e bem estar para a jornada de trabalho;​
Reduz a sensação de fadiga no final da jornada;​
Melhora da auto-estima e da auto-imagem;
Combate as tensões emocionais;​
Melhora da atenção e concentração as atividades desempenhadas;​
Favorece o relacionamento social e trabalho em equipe;
Melhoria das relações interpessoais;
Reduz os gastos com afastamento e substituição de pessoal;
Diminui afastamentos médicos, acidente e lesões;
Melhora da imagem da instituição junto aos empregados e a sociedade;
EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO E RELAXAMENTO
Assim evita-se dores nos ombros, dedos, mãos, pernas, costas...
A ergonomia irá lidar com uma grande variedade de interesses e aplicações, incluindo o
lazer e o trabalho.
Na prática, tornará esses sistemas e demais tarefas compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas.​
A ergonomia contemporânea estuda e aplica as informações sobre o
comportamento humano,
as habilidades, limitações e outras características ao design de ferramentas, máquinas, sistemas, tarefas, trabalhos e ambiente para seu uso de forma
produtiva, segura, confortável e efetiva.
O
risco ergonômico
deve ser avaliado levando em consideração os aspectos:
físicos, cognitivos e organizacionais
na interação do ser humano com tarefas, produtos, ambientes e sistemas.
Antropometria: dimensionamento dos postos de trabalho
Estudo do tamanho e proporções do corpo humano.
Trata das medidas físicas corporais para verificar o grau de adequação do ser humano aos instrumentos, máquinas, equipamentos, espaços, enfim aos postos de trabalho.
Os postos de trabalho inadequados provocam tensões musculares, desconforto, dor, fadiga, podendo causar acidentes e levar a lesões irreversíveis.
Le Corbusier (1887-1965)
Assento e bancada para trabalho
O assento precisa fornecer base suficiente para o equilíbrio sem impedir que as pessoas mantenham a perna em posição confortável (joelhos flexionados e pés apoiados).
A altura do encosto do assento deve permitir regulagem.

É importante que o encosto forneça um bom suporte lombar.
A altura da bancada depende do trabalho desempenhado e deve ter as bordas arredondadas.
O trabalho do
relojoeiro

demanda muita
exatidão e pouca força,
exige superfície mais alta e apoio para cotovelo (5 a10 cm abaixo da altura do cotovelo).
O trabalho do marceneiro demanda baixa precisão e muita força, exige superfície bem mais baixa (15 a 40 cm abaixo da altura do cotovelo).
Atividades de
média precisão
como:
leitura, escrita, trabalhos de montagem
exigem uma superfície um pouco mais baixa (em torno de 10 a 15 cm abaixo da altura do cotovelo).
ASPECTOS COGNITIVOS DO TRABALHO
A ergonomia cognitiva lida com os processos mentais de acordo com as informações a serem detectadas, tais como percepção, memória, raciocínio e resposta motora, conforme afetam interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema.
Percepção, interpretação e processamento mental

São os principais elementos para o processamento da informação como parte do sistema humano-tarefa-maquina
Atenção, memória e tomada de decisão​
A atenção é um item importante para a interpretação das informações e tomada de decisões, capacidade limitada do ser humano, inferida a partir do desempenho sendo a base parta a memória e os processos mentais.
O ERRO HUMANO
Guimarães (2006) afirma que abordagem ergonômica sugere que o erro é normalmente do sistema e não necessariamente do ser humano.
Lapsos;
tipo de comportamento automático no qual os atos são realizados de forma subconsciente
Equívocos;

Resultado de processos conscientes que levam a decisões incorretas.
ASPECTOS DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO
Para Guimarães (2006), a estrutura organizacional de um sistema de trabalho pode ser entendida a partir de três dimensões:
Complexidade
(grau de diferenciação / segmentação e integração na empresa)
Formalização
( como as tarefas estão padronizadas)
Centralização
(grau como as decisões são concentradas por um indivíduo ou grupo)​

Na análise dos aspectos organizacionais do trabalho, deve-se considerar que alguns fatores influenciam no desempenho do trabalho como:
Trabalho em turnos
Monotonia
Fadiga

Estresse no trabalho
HISTÓRICO DA GINÁSTICA LABORAL
Primeiro vestígio desta ideia vem da Polônia, em 1925 chamada de"Ginástica de Pausa". Anos depois, surgiu na Holanda e na Rússia. Na década de 60, atingiu outros países da Europa e principalmente o Japão, onde ocorreu a consolidação e a obrigatoriedade da GLC - Ginástica Laboral Compensatória. No Brasil, a semente brotou em 1973, na escola de educação Feevale com um projeto de Educação Física Compensatória e Recreação no qual a escola estabelecia uma proposta de exercícios baseados em análises biomecânicas (MARCHESINI, 2001).
ASPECTOS DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO
Postos improvisados;
Saúde do trabalhador;
Satisfação ou insatisfação dos empregados.
 TRABALHO X LAZER
PRODUÇÃO
FONTES DE INSATISFAÇÃO
1. Ambiente físico
2. Ambiente psicossocial
3. Remuneração
4. Jornada de trabalho
5. Rigidez organizacional
Mudam conforme os fatores humanos e organizacionais no trabalho.
MACROERGONOMIA
É a tecnologia de interface humano X organização X ambiente X máquina visando envolver considerações dos quatro elementos do sistema sóciotécnico, Hendrick (1991).
Três dimensões da estrutura organizacional de um sistema de trabalho (Guimarães 2006):
 Complexidade
 Formalização
 Centralização
FATORES QUE INFLUEM NO DESEMPENHO DO TRABALHO
 TRABALHO EM TURNOS
 Empresas que não podem paralisar seus serviços
 Usina elétrica (bem estar social)
 Processamento de dados (razões econômicas)
Cuidados para minimizar o estresse do “trabalho em turnos”
Fatores -
ritmo circadiano
/diferenças individuais/tipo de atividade/desempenho/
saúde/consequências sociais.

RITMO CIRCADIANO-
o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Função - o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite.
Adaptações do ritmo biológico levam de 4 a 5 dias ou uma semana!
Características de trabalhadores noturnos
 Mais cansaço

 Irritabilidade
Úlceras

Transtornos nervosos
CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS ESTIMULANTES

 Café
 Chá
 Cigarros
 Álcool
 Soporíferos (substâncias que produzem sono)
ÂMBITO SOCIAL
Menos vida social e contato com os membros da família e da comunidade.
EX: enquanto as pessoas estão dormindo, o trabalhador está exercendo a sua jornada de trabalho e vice-versa.

 Monotonia, fadiga e estresse
 Monotonia
 Fadiga
 Estresse no trabalho
MONOTONIA
Reação do indivíduo a trabalhos que não compreendem ações consideradas interessantes (trabalho repetitivo prolongado, de controle e vigilância).
Existem fatores psicológicos e fisiológicos relacionados com a monotonia (Guimarães, 2006).
A monotonia pode ser reduzida com o “ALARGAMENTO” ou “ENRIQUECIMENTO”.
FADIGA
Tem um componente físico, neuromuscular, mas também psicológicos.
Uma das possibilidades de redução de fadiga é a utilização de pausas durante a jornada de trabalho (Guimarães, 2006).
DURAÇÃO DE PAUSAS NOS TRABALHO
Tarefas com exigência nervosa e de atenção – pausas curtas e frequentes de 2 a 5 minutos;
Outras atividades – pausas de 10 minutos a cada duas horas de trabalho;
Trabalhos físicos pesados – pausa igual ao tempo de atividade (1h/2h).


O trabalhador dispõe de recursos próprios para introdução de pausas necessárias (Guimarães, 2006).

ESTRESSE NO TRABALHO
O estresse é a reação do organismo a uma situação ameaçadora – Grandjean (1998).
É um fenômeno essencialmente subjetivo e tem relação com a com a compreensão individual da incapacidade de gerenciar as exigências do trabalho.
Condicionantes no ambiente de trabalho
 Supervisão e vigilância do trabalho;
 Falta de apoio e reconhecimento;
 Conteúdo e carga de trabalho;
 Atenção exigida;
 Sobrecarga de trabalho (prazos, metas);
 Segurança de emprego;
 Responsabilidade pela vida e pelo bem-estar dos outros;
 Ambiente físico;
 Nível de complexidade de atividades.

Estratégia para redução dos riscos ergonômicos no trabalho
O objetivo geral da ergonomia é melhorar as condições específicas de trabalho humano com a higiene e a segurança do trabalho

O atendimento dos requisitos ergonômicos
Maximiza:

Conforto
Satisfação
Bem-estar
Garante a segurança
Minimiza:

Constrangimentos
Custos humanos
Carga física e psíquica

Otimiza:

Desempenho da tarefa
Rendimento do trabalho
Produtividade do sistema homem-máquina

O método de intervenção ergonômica pode ser aplicado na análise em:

Aquisição de um produto disponível no mercado;
Melhoria de um produto ou sistema existente;
Projeto de um novo posto de trabalho;
Projeto de uma fábrica inteira.
Exemplo: Trabalho do visorista numa fábrica de engarrafamento de bebidas
Os aspectos para uma analise ergonômica são:
Aspectos físicos
Aspectos cognitivos
Aspectos organizacionais
Para uma adequada intervenção ergonômica, devem ser levadas em consideração as sequências:​

1. Analisar a natureza da realização da intervenção;​
2. Reunir informações necessárias para fundamentação dos problemas percebidos;​
3. Avaliar tecnicamente a existência do problema;​
4. Avaliar as causas e conseqüências da existencia dos problemas;​
5. Propor soluções preliminares de melhorias.
O ergonomista deve realizar a intervenção sobre:
Diagnose ergonômica;
Projeção ergonômica;
Testes ergonômicos.
A intervenção ergonômica deverá ser realizada dentro de um processo normativo. Para isso deve-se considerar a legislação referente a ergonomia atualmente vigente no país (NR-17)...
Norma Regulamentadora (NR-17)
A NR-17 é a única norma brasileira que tem relação com a ergonomia e tem como principal ação adaptar as condições de trabalho às condições psicofisiológicas do trabalhador.
Condições de trabalho:
instalações em geral, risco de acidentes de trabalho, doenças profissionais, mobília adequada, etc... ​

Condições psicofisiológicas:
indignação causada por um fato, má noticia, susto, divulgação de resultados positivos ou negativos da empresa, ações que interfira no emocional, etc...​

E Quais os benefícios da norma para os trabalhadores?

Entre vários pesquisados destacamos três como principais:
Um máximo conforto.
Maior segurança.
Desempenho eficiente.
De acordo com a norma, a principal forma de medir se essa adaptação está caminhando em harmonia, é através do empregador, que deve realizar a análise ergonômica do trabalho, dentro dos aspectos envolvidos e dando ao menos as mínimas condições aos seus colaboradores.
Aspectos Envolvidos na Norma Regulamentadora
Levantamento.​
Transporte e descarga individual de materiais.​
Mobiliário dos postos de trabalho.​
Equipamentos dos postos de trabalho.​
Condições ambientais de trabalho.​
Organização do trabalho.

Tal preocupação pode abranger os conhecimentos da ergonomia, a intenção é medir a capacidade, habilidades e limitações de cada colaborador, visando saúde, segurança, conforto e eficiência.
A atividade profissional do Ergonomista

A ABERGO (Associação brasileira de Ergonomia) através da norma BR1001(2009). Reconhece que o profissional em ergonomia é aquele que investiga e avalia as demandas de projetos da área, no sentido de manter uma ótima interação entre trabalho, produto ou ambiente e as capacidades humanas e suas limitações.
Na atualidade a Ergonomia dirige-se preferencialmente à dimensão sistêmica das interações Homem-Sistema, desse modo o Ergonomista é chamado a desempenhar uma ação predominante no campo da otimização dessas interações, contribuindo de modo próprio e convergente para a eficácia de uma enorme cadeia de funções... Que vai da formação à reinserção profissional, da escolha à correção do produto e das situações de trabalho, da organização à produção laboral, da segurança ao bem-estar individual.
E o que faz um Ergonomista?
Diante tantas atribuições, destacamos algumas:
Analisa e interpreta as investigações nas organizações.​
Documenta de forma adequada os achados ergonômicos.​
Desenvolve um plano para o projeto ou intervenção ergonômica.​
Faz recomendações apropriadas para o projeto ou intervenção.​
Implementa ações para otimizar o desempenho humano. ​
​Avalia os resultados das implementações. ​
Define se é compatível a capacidade humana com as solicitações já planejadas e ou existentes. ​
​Demonstra o comportamento profissional.
A atividade profissional do Ergonomista
Para possuir tal respeito nessa atividade é essencial que o profissional de ergonomia possua uma formação adequada e tenha uma qualificação técnica compatível com essa função. Pensando nisso a ABERGO desenvolveu o:

SisCEB (Sistema de certificação do Ergonomista Brasileiro).
Que une procedimentos e normas não só para certificar, mas também para assegurar e garantir a competência desses serviços.
Fique Sabendo!
A licenciatura em ergonomia foi criada em 1988.​
Desde 1991 a Ergonomia entrou no Código do Trabalho.
A evolução do mercado organizacional percebeu a necessidade de adaptar o trabalho ao homem, em particular na escolha dos postos de trabalho, na escolha dos equipamentos e na escolha dos processos e dos métodos de trabalho.
QUALQUER DÚVIDA, NÃO PERGUNTEM!
KKKKKKKKKKKKKKKKK
BRINCADEIRINHA.....
R
A
F
A
E
L
A
L
Ú
C
I
A
LUCIANA
HENRIQUE
ANA PAULA
NAYARA
ARTHUR
Considera-se trabalho repetitivo aquele cujo ciclo é executado mais de quatro vezes por minuto. (McAtammney & Corlett, 1993).
Full transcript