Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Marshall McLuhan - Os Meios de Comunicação como Extensão do Homem.

No description
by

Raphael Irerê

on 27 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Marshall McLuhan - Os Meios de Comunicação como Extensão do Homem.

McLuhan também atribui a categorização de quente e frio às sociedades, sendo:
Sociedades em desenvolvimento
= frias
Sociedade desenvolvidas
= quentes
.
Os Meios de Comunicação:
como extensões do homem

"O Meio é a Mensagem"
Sobre o Livro
Exemplos de Meios Quentes e Frios
Foi Professor nos EUA e no Canadá
Canadense, nascido em 1911, começou a estudar
engenharia
, mas formou-se em
literatura Inglesa
e acabou por concluir seu mestrado e doutorado em
Filosofia
na Universidade de Cambridge.
Marshall McLuhan
Autor de trabalhos fundamentais e atuais para a comunicação, dando origem a conceitos como "
Aldeia Global
", "
O Meio é a Mensagem
" e as diferenças entre "
Meios quentes ou frios
".
Foi pioneiro no estudo dos veículos de mídia tendo como foco os
próprios meios
, e não seus conteúdos.

Segundo McLhan, os meios de comunicação são ao mesmo tempo locais
refúgio
e
destruição
, assim, estudar seus padrões poderia ajudar a planejar uma estratégia de fuga e sobrevivência.
Sob pressão de hiperestímulos físicos da mais variada espécie, o sistema nervoso central reage para proteger-se, numa
estratégia chamada de "auto-amputação"
, ou seja,
isolamento do órgão
, sentido ou função atingida.
O Amante dos "Gadgets": Narciso como Narcose
A introdução de qualquer meio ou tecnologia implica em
consequências pessoais e sociais
, afinal, surgem com isto
novos padrões
e
novos comportamentos
, tornando, por exemplo, outros meios obsoletos (vide a automação), criando novos conceitos de arte

(como antiambiente) e, ao mesmo tempo, criando novos papéis de desempenho na sociedade.
Obra com
75% de conteúdo inédito
- enquanto a porcentagem convencional de conteúdo novo a época era de, no máximo, 10%.
Um dos argumentos centrais do texto é o de que o ser humano estaria a caminho da fase
final das extensões
do homem:
A simulação tecnológica da consciência.
O teórico morreu aos 69 anos, em 31 de Dezembro de 1980, após uma série de derrames cerebrais. O ano de 2011 marcou o
centenário de McLuhan,
o que gerou comemorações ao redor do mundo todo.
Apesar das controvérsias

geradas sobre seus trabalhos, devido a sua fama, McLuhan foi muito requisitado para entrevistas na televisão e até para aparições no cinema (filme
Annie Hall, de Woody Allen, em 1967
, interpretando ele mesmo).
Desafio e Colapso: A Nêmese da Criatividade
Explica nesta obra suas famosas teorias: "
O meio é a mensagem
" e "
Meios quentes/frios
", no que o próprio McLuhan descreve como resultado da “experiência imediata” da realidade social. Segundo ele, seus críticos “foram incapazes de reconhecer as enormes mudanças estruturais que hoje estão ocorrendo no ambiente humano”.
Meios Quentes e Frios
"Um
meio quente
é aquele que prolonga
um único de nossos sentidos
, em alta definição." - Fornecendo
maior número de dados
, ele permite
pouca
ou nenhuma
interação
com o público.
Meios frios
são aqueles que oferecem uma
quantidade menor de dados
, "uma menor saturação". Assim sendo,
exigem que a audiência preencha a informação
com aquilo que ela imagina.
Muitos foram aqueles que criticaram o trabalho do pensador: chamavam-no de
apolítico
, seus livros de
confusos
e afirmavam que ele
super valorizava a cultura norte-americana
McLuhan chegou a escrever um livro, com um Designer Gráfico, cujo título era "O Meio é a
Massagem
". O título foi utilizado para chamar atenção das pessoas para o fato de que
o meio não é neutro e afeta as pessoas
.
Para McLuhan as tecnologias - que seriam consideradas
extensões do homem
-

são qualquer artefato produzido pelo homem. Nascemos apenas com nossos sentidos, porém, ao longo da vida, vamos construindo e incorporando
ferramentas

que aperfeiçoam nossos sentidos
– as chamadas “extensões”.
A participação ou interação a que McLuhan se refere seria no sentido de
complementação das informações
na
mente
da audiência,
sem a ligação física
entre as partes.
Escrita alfabética
Televisão
Cinema
Rádio
Telefone
Jornais
Conversas
Enquanto a
alta interação
promovida por um meio frio, faz com que as pessoas
reflitam mais
,
a falta de interação
que o meio quente oferece faz com que o
homem fique
cada vez mais
isolado
.
Meios quentes ou frios usados em culturas quentes ou frias apresentam
resultados diferentes
. "
O Rádio
, um meio quente, aplicado a
culturas frias
ou não letradas, provoca um
efeito violento
, contrariamente ao que acontece, por exemplo, na
Inglaterra
e na
América
, onde o rádio é considerado um divertimento.
Lógica da Máquina
Lógica da Automação
Reversão do Meio Superaquecido
A Energia Híbrida: Les Liaisons Dangereuses
Os Meios Como Tradutores
Integal
Descentralizadora
Profundidade
Fragmentaria
Centralizadora
Superficial
“Ele [este livro] explora os contornos dos nossos próprios seres, prolongados em nossas tecnologias, buscando um princípio de inteligibilidade em cada um deles. Plenamente confiante em que é possível atingir a compreensão dessas formas, de modo a ordená-las utilmente, encarei-as de maneira nova (...) Podemos dizer dos meios e veículos o que Robert Theobald disse das depressões econômicas: “Há um fator adicional que ajudou a controlar as depressões: a melhor compreensão de seu desenvolvimento””.
O exemplo da luz elétrica:
A luz elétrica, como meio, é informação pura; não há mensagem, ao menos que seja usada como letreiro – ou seja, seu conteúdo é outro meio.
O CONTEÚDO DE UM MEIO É SEMPRE OUTRO MEIO
É o
meio
que molda as proporções e formas das atividades humanas decorrentes dele, isto é,
seu próprio uso
, reforçando a ideia de que a mensagem está mais ligada à natureza do meio em que está contida do que ao seu conteúdo.
McLuhan acreditava na existência de 4 eras tecnológicas: a
Era Tribal
, caracterizada pela
multisensorialidade
e
envolvimento próximo
; a
Era da Escrita
, favorecendo a
visão
; a
Era da Imprensa
, com um aumento da
propagação da informação
; e a
Era da Tecnologia
, que traz à sociedade tamanha interação e envolvimento "próximo", que McLuhan diz que com a luz elétrica (característica fundamental desta era) acaba por
"retribalizar"
.
Um fato interessante é que a ideia de
Leis da Midia
defendida pelo pensador (
ENHANCE
,
OBSOLESCE
,
RETRIEVE
,
REVERSE
)
se aplicam
até mesmo em sua definição de
Eras
Imprensa
Escrita
Fala
Em qualquer meio existe o “
limite de ruptura
, no qual o sistema subitamente
se transforma em outro
ou
atravessa um ponto irreversível
em seu processo dinâmico”.
Esse
limite
pode ser atingido pela
interação de dois meios
; por exemplo: a interação do
Cinema
antigo, com o
Rádio
, dando origem ao
Cinema falado
.
"O
progresso das estradas
e
dos transportes
provocou a
reversão da antiga estrutura
: as
cidades
se tornaram centros de
trabalho
, os
campos
passaram a servir ao lazer e à
recreação
".
Quando amputado, cada órgão se torna um
sistema fechado
de nova e
grande intensidade
.
Da mesma forma, cada extensão
amplifica a área

isolada
- o que faz com que toda extensão seja uma auto-amputação. Vale lembrar, porém, que dependendo do sentido que é auto-amputado pela tecnologia, seus
efeitos
serão diferentes.
Como as extenções são
baseadas no próprio homem
, seu
aperfeiçoamento
é também
decorrente das necessidades humanas
. Ao mesmo tempo, o meio
modifica o ambiente
, fazendo com que o aperfeiçoamento seja mesmo
natural
- é, assim, é uma condição intrínseca ao meio.
O momento do encontro dos meios é um momento de
liberdade e libertação do entorpecimento e do transe
que eles mesmos impõem aos nossos sentidos.
O que chamamos de 'mecanização' é uma
tradução da natureza
, e de nossas próprias naturezas, para formas ampliadas e especializadas"
O novo reprocessa o velho radicalmente, de forma a rearranjar o velho no status de
arte
:

1. "Quando escrever era novo, Platão transformou o
velho diálogo oral
numa expressão artística".

2. “A máquina transformou a
Natureza
numa forma de arte. Pela primeira vez os homens começaram a olhar a natureza como fonte de valores estéticos e espirituais. (...) Toda tecnologia nova cria um ambiente que é logo considerado corrupto e degradante. Todavia o novo transforma seu predecessor em forma de arte.”.
Todo meio cria um espaço novo que logo é considerado corrupto e degradante;
É o que ele chama de “a arte como antiambiente”.
O
mito de Narciso
é usado por McLuhan para ilustrar o
entorpecimento
(narcosis) gerado pelas
extensões humanas
– isto é, qualquer tecnologia que tenha por objetivo estender o corpo, os sentidos e a mente, aperfeiçoando-os através das ferramentas.
As extensões seriam tentativas de
manter o equilíbrio
- uma estratégia de lidar com as irritações e pressões da vida real sob a forma de objetos que podem ser
controlados
.
“A auto-amputação impossibilita o auto-reconhecimento”
Essa amplificação, porém, só é suportada, segundo McLuhan, pela mente através do bloqueio da percepção – ou seja, do
entorpecimento como contra-irritante
.
Por exemplo:
A
faca
é uma extensão das
unhas
;
A
roda
é uma extensão do

;
A
cadeira
é uma extensão dos
quadris e coluna
;
A
roupa
é uma extensão da
pele
;
A
casa
é uma extensão da
família ou do grupo
;
A
cidade
é a extensão do
grande grupo
;
O
fonógrafo
é uma extensão da
caixa toráxica
;
Os
meios elétricos
são uma extensão do
sistema nervoso
.
Telégrafo
Escrita
Fala
Visão
Os homens como aquilo que contemplam
: “É a adoção de nossa própria tecnologia no uso diário que nos coloca no papel de Narciso da consciência e do adormecimento subliminar em relação às imagens de nós mesmos”. Incorporar a tecnologia nos torna, assim,
servomecanismos
desse sistema.
Senso comum
= Poder do ser humano de
traduzir
alguma experiência de um
sentido isolado para os demais sentidos
"de
modo a apresentar à mente uma
imagem continuamente unificada da experiência
.”
A
grande descoberta
do seculo XIX foi a
descoberta da técnica da descoberta
.
E essa técnica - que teria sido utilizada pelo próprio McLuhan durante os estudos em sua vida- seria a de
principiar com a coisa a ser descoberta e agir em recuo
.
No caso da
arte
, seria principiar pelo
efeito
que se deseja causar para se chegar à
obra
.
Este poder da
tecnologia em criar seu próprio mercado de procura
não pode ser desvinculado do fato de a tecnologia ser, antes de mais nada, uma extensão de nossos corpos e de nossos sentidos.
“Todos os meios são metáforas ativas em seu poder de traduzir a experiência em novas formas”
As máquinas são metáforas do homem, em um processo de transmissão e transformação de sua experiência.
“Quando uma tecnologia de um determinado tempo implica num impulso poderoso numa direção, a sabedoria aconselha a opor-lhe um outro impulso”
A introdução de um novo meio
a area que sofre a incisão não é a mais afetada
pois fica entorpecida.
O sistema inteiro é que muda.
Artista = antecipador da mudança
a
“técnica da suspensão do juízo" apresenta a possibilidade de rejeitar o narcótico
prorrogando indefinidamente a inserção da nova tecnologia na psique social.
No caso da arte, seria principiar pelo efeito
No caso da
arte
isso significa partir do
efeito
que se quer causar para se chegar na
obra
deseja
Full transcript