Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Migrações

No description
by

Bruno Almeida

on 6 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Migrações

Migrações
Migrações no mundo
O termo
migração
refere-se a qualquer deslocamento populacional no espaço com exceção de passeios ou viagens turísticas.
O deslocamento pode ser individual ou realizado por pequenos grupos, todavia, para nosso estudo iremos nos ater aos grandes movimentos populacionais, aqueles que movimentam milhares de pessoas e geram alterações tanto nas áreas de repulsão quanto nas áreas de atração.
É importante percebermos que sempre há um motivo para os movimentos populacionais, seja a expulsão da área de origem devido a guerras, miséria, fome, perseguição religiosa..., seja a busca por melhores condições de vida em áreas com melhor desenvolvimento econômico e social.
À saída de pessoas de um dado lugar damos o nome de
emigração
, enquanto que à chegada definimos como
imigração
.
Áreas de repulsão e atração populacional
Como dito anteriormente, sempre há um motivo para a migração. Atualmente, o principal fator para tornar uma região em
área de repulsão é a crise econômica
. Entretanto a crise afeta os países periféricos e semi periféricos de forma diferente:
Países agroexportadores:
a queda no preço dos produtos primários e a grande concentração de terras características desses países vem criando desemprego, fome e miséria, o que incentiva a migração.

Países semiperiféricos:
a crise é oriunda do endividamento externo (resultante do processo de industrialização) e do enfraquecimento do Estado (neoliberalismo).

Ex-Socialistas:
a transição para o modelo Capitalista não foi organizada, não criando uma sociedade de consumo nem estruturas para deixar as indústrias competitivas.
Problemas ambientais também podem gerar movimentos migratórios, como é o caso da
desetificação no Sahel africano, ou das grandes enchentes na Ásia de monções.
Esses movimentos em particular apresentam uma peculiaridade, como a população migrante apresenta péssimas condições econômicas, seu movimento é limitado, ocorrendo a migração apenas entre países vizinhos.
Para que uma região torne-se uma
área de atração
basta que a mesma apresente uma boa economia e estabilidade política, de forma que essa região seja vista como uma área de possibilidades de uma vida melhor.
Assim, os países centrais tornam-se grandes áreas de atração populacional, principalmente
EUA, Europa (Ocidental) e Japão.
Barreiras à imigração
As crises econômicas internacionais afetam tanto os países periféricos como também os centrais. O aumento do desemprego nos países desenvolvidos faz com que a disputa por empregos de menor qualificação com os imigrantes se acentuem, gerando:
Medidas de limitação à imigração
Xenofobia
Imigrações no Brasil
Por ter sido uma colônia e uma área que despertava interesses econômicos, o Brasil passou por vários fluxos migratórios, o que auxiliou na formação cultural e social do Brasil. Os principais grupos de imigrantes são:
Portugueses.
Espanhóis.
Italianos,
Alemães
Japoneses
Africanos
Até
1808 (abertura dos portos do Brasil) somente os portugueses possuiam permissão para adentrar o território brasileiro
, sendo eles os responsáveis pela dizimação de boa parte dos povos indígenas que habitavam o Nordeste, principalmente na região da Zona da Mata onde a produção de cana se tornou o carro-chefe da economia colonial brasileira.
Entretanto, o rico comércio do açúcar atraiu também holandeses e espanhóis.
Outro fator de atração de portugueses foi o
ciclo do ouro
, a ambição por encontrar o metal precioso atraiu milhares de lusos para o estado de Minas Gerais.
Na
segunda metade do século XIX
as leis antiescravidão entraram em vigor, surge uma ideologia racista de "
embranquecimento da população"
onde a elite cafeeira paulista acreditava ser melhor substiruir a mão de obra escrava por imigrantes.
Nessa fase houve grande imigração de italianos para o país. Com o intuito de juntar dinheiro e adquirir terras, todavia, isso raramente aconteceu promovendo um intenso êxodo rural desses imigritantes para as cidades formando bairros italianos e tornando-os em
operários das infantes fábricas nacionais.

No caso da
região Sul
a imigração inicia-se também no
século XIX
, porém possui um viés diferente da ocorrida na região Sudeste.
Devido a ameaça de invasões pelos países vizinhos o governo lança um projeto de ocupação da área baseado na doação de lotes rurais à imigrantes europeus. Essa distribuição era organizada por etnias e favoreceu:
Alemães (Vale dos Sinos - RS)
Italianos (Nordeste gaúcho - produção vinícula)
Eslavos (poloneses, ucranianos e russos - PR)
O último grande fluxo migratório no Brasil é marcado pela vinda dos japoneses
(1924 e 1942)
. Ocorreu forte concentração desse grupo em São Paulo focando suas atividades no
setor de hortaliças, plantações de arroz e algodão.

Da imigração à emigração
Atualmente o Brasil vive uma situação contrária a explanada anteriormente. Houve um grande
aumento nos fluxos de emigração.

Devido à crise instalada no país desde 1980 muitos brasileiros buscam melhores condições de vida e trabalho em países da
Europa, EUA, Japão e países da Am. do Sul (Paraguai e Argentina).
Perfil dos emigrantes brasileiros
A) Jovens e adultos: 19 a 45 anos:
Formação secundária ou superior
Busca de melhores condições financeiras ou crescimento profissional.
Intenção de retorno
Fluxos de dinheiro para o Brasil (Decasséguis)

B) Migração de cerébros:
profissionais altamente qualificados em busca de acesso a infraestrutura material e financeira para sua pesquisa ou trabalho.

C) População de menor renda:
Busca de empregos nos países vizinhos ao Brasil.
"Brasiguaios"

Migrações internas
Em um país com a extensão territorial e com tamanhas desigualdades entre as regiões os fluxos de migrações internas, ou seja, aquela realizadas dentro do próprio país (geralmente entre regiões) são bastante comuns.
Em nosso país esse processo ocorreu de maneira dinâmica alterando diversas vezes sua intensidade e direção.
Migrações no território em arquipélago
O caráter de arquipélago remete a economia agroexportadora do Brasil até o século XX, onde o território possuia uma organização baseada em "ilhas" de economias regionais isoladas. Alguns fatores contribuiam para tal configuração:
Dificuldades de locomoção.
Ausência de uma economia nacional.
Pouca desigualdade socioeconômica entre as regiões.
Dessa maneira classificamos essa primeira fase das migrações internas
(Século XVI - 1930)
como de baixa intensidade. Vejamos os principais fluxos dessa fase.
Inicialmente a concentração populacional encontrava-se no
Nordeste (Século XVI) onde a cana-de-açucar
, principal produto da economia nacional, era produzida.
Durante o século XVIII houve a
ascenção da mineração na região de MG
estimulou um grande fluxo migratório do NE e dos estados de SP e RJ para a área aurifera.
Com a decadência do ciclo do ouro e ascenção da
cafeicultura (século XIX)
o fluxo se inverte tornando os estados de SP e RJ em áreas de atração.
Outro fluxo importante do séc. XIX foi causado pelo
ciclo da borracha
, que atraiu, principalmente, nordestinos para a região Norte.
As migrações e a integração do território
A configuração em arquipélago começa a se alterar com a industrialização brasileira, passa a ocorrer uma maior integração entre as macrorregiões e, tembém, uma maior desigualdade entre as mesmas.
As grandes cidades do Centro-Sul apresenta-se agora como os
centros da economia nacional
, a região Nordeste entrava em decadência enquanto que a Amazônia ocupava o posto de fornecedora de matérias-primas para as indústrias.
Novas características da economia (industrialização), da política (restrição à imigração) e da integração do território (rodovias e meios de comunicação). Geraram novas áreas de atração e repulsão populacionais no Brasil.
As grandes obras de infraestrutura para a industrialização e urbanização do Brasil passaram a necessitar de enorme quantidade de mão de obra, e a mesma era advinda da
região Nordeste
, pois devido à concentração urbano-industrial do Sudeste, a região não se industrializou caracterizando-a como
fornecedora de mão de obra barata e matéria prima para a modernização do Sul brasileiro.
A
região Sul
é caracterizada por
duas fases distintas de fluxos populacionais.
Com a cafeicultura em declínio no estado de SP o norte do Paraná se torna uma região produtora de café, atraindo uma parcela da população para essa área.
Já a partir da
década de 70
, ocorreu a introdução da soja em latifúndios mecanizados e, também, severas geadas. Esses fatores alteram a estrutura fundiária da região, concentrando-a e tornando a área em uma área de repulsão.
As pessoas que saiam da região migraram para a Região Centro-Oeste onde surgem as novas fronteiras agrícolas
(frentes de expansão e pioneiras).
O processo de ocupação da
região CO
inicia-se em 1950 quando surgem nessa época as
frentes de expansão (ocupantes e posseiros praticando agricultura de subsistência em terras devolutas).
Após a chegada das frentes de expansão chegam as
frentes pioneiras (projetos de colonização estatais ou particulares para a produção de monocultura de exportação).
Com isso surgem grandes conflitos fundiários, já que era necessário expulsar os posseiros para a expansão da monocultura.
As frentes pioneiras alcançam seu objetivo, e inicia-se a produção mecanizada de soja, gerando concentração de terras e desemprego. As frentes voltam sua atenção agora para a
região Norte
que, atualmente, possui os estados que apresentam maior crescimento populacional no país.
A grande presença de reservas indígenas em conflito com os interesses agrícolas vem gerando mortes e lutas pela posse da terra na região.
Atualmente a principal característica dos movimentos migratórios internos é a tendência a desconcentração populacional. O aumento das cidades médias em detrimento a diminuição populacional ds metrópoles.
Full transcript