Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O desenho urbano no Renascimento e no Barroco

No description
by

Matheus Morais

on 8 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O desenho urbano no Renascimento e no Barroco

Barroco
Surgiu na Italia após o Concilio de Trento

Repertório mais abastado e nível maior de informação que o estilo renascentista

Impulso para a arte religiosa

Igreja católica patrocina artistas e artesãos

Escultura em madeira

Trazido de Portugal ao Brasil pela Companhia de Jesus
A rua
O desenho urbano no Renascimento e no Barroco
No Urbanismo
Mais riqueza e movimento em relação ao traçado das cidades clássicas; monumentalismo da sala e do jardim
Renascimento
Surge na Italia do século XV

Estabelece um quadro intelectual de mudança e oposição ao misticismo medieval

Ordem e disciplina geométrica
No Urbanismo
Construção de sistemas de fortificações, modificação de zonas da cidade com a criação de espaços publicos ou praças e arruamentos rectilíneos, reestruturação de cidades pelo rasgamento de uma nova rede viária e construção de novos bairros e expansões urbanas
Sistemas de fossos, rampas, baluartes e muralhas, para a defesa
A rua renascentista será um percurso rectilíneo que mantém a função de acesso aos edifícios, mas será, pela primeira vez , de aparato visual e decorativo
Disciplina: Teoria II
Professor: Eduardo Lucas

Alunos: Matheus Veloso de Morais
Stephanne Gadelha Salvino Soliz

FACISA
Piazza della Annunziatta, em Florença
Praça de S. Pedro, em Roma
Fortificações
Muralhas, complexo sistemas de fossos, rampas, baluartes e canhões
Se torna um elemento visual, decorativo
suporte do sistema social
A praça
- valor funcional e politico-social
- valor simbolico e artistico
- suporte e enquadramento de monumentos
- lugar de vida social e enquadramento de monumentos
- razões estéticas

A fachada
-simbolo de prestigio, nobreza e poder
- equilibrio, simetria, proporção e ritmo


Os edificios singulares
- individualidade e expressão para o meio urbano
-camara municipal, palácio, igreja
Monumento
Invenção Renascentista
Utilizados como meio de enbelezamento urbano, necessidade utilitaria, significações religiosas, sociais, politicas e culturais
Estatua equestre de Marco Aurelio, na Praça do Campidoglio
Imperador de Roma
Quarteirão
A partir do Barroco, o quarteirão vai atingir refinamento
Quarteirões do Bairro Alto
O Bairro Alto é a primeira realização urbanística renascentista em Lisboa
É habitado pela nobreza, burguesia e homens do mar
Quarteirões da Baixa Pombalina
Após o terramoto de 1755, a reconstrução de Lisboa coloca doistipos de problemas. Ordem cultural, na escolha do modelo de cidade a adaptar. Ordem tecnica, que se refere aos processos de construção e a redivisão cadastral
Plano de Eugenio dos Santos e Carlos Mardel, organiza traçado ao gosto da época, mais influenciado por um racionalismo iluminista que pela exuberancia do Barroco; sistema de quarteirões que permite a operação e reconstrução da cidade
Espaços Verdes
Elementos de composiçaõ da cidade
Árvore
Alameda
Parque
Jardim
Canteiros
É no periodo classico barroco que se estrtura a arte da jardinaria como um campo especifico de arquitetura a paisagem e de organização territorial
Versailles
Crescent, o Circus e o Square
Tipologias Urbanas
Crescent é uma banda de edfícios ou palácios, em semi-circulo, cuja fachada principal se abre sobre um parque ou jardim. Os edifícios, o prado e a zona verde são elementos compositivos do crescent
O Circus é rigorosamente circular (jardim central)
O Square é composto por jardim ou pequeno parque delimitado por construções nos quatro lados
Sistemas complexos de construção e áreas ligados a burguesia e aristocracia inglesa
Crescent e Circus de Bath
Forma Urbana
Simetria que condiciona a distribuição funcional do programa e das massas contruidas
A subordinação da composição urbana aos efeitos espaciais e as perspectivas
A perspectiva fechada atraves do monumento ou edifico isolada
Sixto V, em Roma, marca os pontos de fuga das vias, assinalando o centro de praças e espaços públicos com obeliscos e monumentos. Assim, o monumento deixa de ser apenas um marco social, político e cultural, para constituir tambem parte integrante do desenho urbano
Full transcript