Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Expressões visuais

No description
by

Aline Gambin

on 19 November 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Expressões visuais

EXPRESSÕES Visuais gráficas
Professora ALINE GAMBIN
OBJETIVOS DA CERTIFICAÇÃO
• Desenvolver as competências técnicas e estéticas dos estudantes na criação de produtos visuais gráficos;
• Apresentar um panorama geral dos estudos sobre imagem, os conceitos e as principais questões que envolvem o planejamento visual gráfico, buscando fertilizar os processos de criação e produção;
• Fornecer conhecimentos básicos sobre a teoria das relações entre a estética e a comunicação social;
• Estimular a crítica e o juízo de valor sobre os produtos visuais híbridos de textos e imagens;
• Exercitar a pesquisa, planejamento e criação de produções visuais gráficas.

estética
componentes estéticos
TIPOGRAFIA PARA WEB
“O conceito de estética provem da palavra grega “aisthesis” e significa percepção sensorial”.
(Bernd Löbach).
Segundo Löbach (1981) estética é a ciência das aparências perceptíveis pelos sentidos de percepção humana considerando sua importância como parte de um sistema sócio-cultural.

Estética
(Robin Williams, 1995)
Princípios básicos
2. ALINHAMENTO
3. REPETIÇÃO
Ajuda a organizar as informações e unificar o layout.
4. CONTRASTE
É uma das maneiras mais eficazes de acrescentar algum atrativo visual no layout, criando uma hierarquia organizacional entre diferentes elementos.
(Milton Ribeiro, 2003)
1. AGRUPAMENTOS
MMMM
MMMMMMMM
Centralizado
MMMMM
MMMM
MMM
Decrescente
MMM
MMMM
MMMMM
Crescente
Esquerda
Direita
MMMMM
MMMM
MMM
MMMMM
MMMM
MMM
2. FORMATO
Princípio de Vitruvio
“Para que um todo, dividido em partes desiguais, pareça harmonioso, é preciso que exista, entre a parte pequena e a maior, a mesma relação que entre a grande e o todo.”
(Euclides)
componentes estéticos
Proporção Áurea
Em 1509, Luca Pacioli e Leonardo da Vinci publicaram o livro “Divina Proportione ” - uma pesquisa sobre proporções divinas na natureza.

A série de Fibonacci - a natureza é baseada nos números 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34. Quando cada um destes números é somado com o número anterior, cria o próximo (1+1=2, 1+2=3, 3+2=5, etc).

A proporção cresce na escala 1,618033989.
Phi = 1,618
Na mídia impressa, é comum arredondar para 1,62
componentes estéticos
3. UNIDADE
É verificada na composição quando não existem elementos discordantes, ficando assegurada com a subordinação do desenvolvimento do tema ao motivo principal.
componentes estéticos
4. Harmonia

A harmonia se estabelece por linha e forma, tamanho, ideia e cor.
componentes estéticos
5. Simplicidade
Evita a multiplicidade de focos.
A maior porcentagem de componentes provoca no observador um maior esforço visual.

6. Proporção
O tamanho e peso de cada elemento devem estar em equilíbrio com o tamanho e forma da composição.

Os princípios:
- uma forma é mais interessante quando o comprimento é uma vez e meia a largura;
- quando um espaço se divide em três partes, uma destas deve ser dominante;
- deve existir uma relação entre as partes de uma composição e o conjunto.

Componentes estéticos
7. Equilíbrio

Princípio da balança ordinária
Objetos do mesmo tamanho e de aspectos parecidos, devem situar-se a distâncias iguais do centro (Equilíbrio simétrico)
Princípio da balança romana ou fulcro
Se os objetos não são do mesmo tamanho, nem se parecem, o maior se colocará mais perto do centro e o menor mais longe (Equilíbrio assimétrico).
Componentes estéticos
8. MOVIMENTO
É gerado pela canalização da vista por formas geométricas, com breves paradas nos pontos de interesse, até percorrer toda a composição.


9. DESTAQUE
Todo layout precisa apresentar o predomínio de um ou mais elementos sobre o conjunto.
Pode ser determinado pelo peso, tamanho ou posição de um determinado elemento em relação aos restantes, pelo espaço ou pelo domínio da cor.

"A finalidade da tipografia consiste em apresentar o pensamento escrito sob uma forma ordenada, clara e equilibrada, que facilite a leitura e, graficamente, concorde com seu espírito".
REFERÊNCIAS
COLLARO, Antonio Celso.
Projeto gráfico
: teoria e prática da diagramação. 7. ed. São Paulo: Summus, 2006.

GOMES Filho, João.
Gestalt do objeto
: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, 2003.

RIBEIRO, Milton.
Planejamento visual gráfico
. 9. ed. Brasília: LGE Editora, 2003.

WILLIAMS, Robin.
Design para quem não é designer
: noções básicas de planejamento visual. São Paulo: Callis, 1995.

(Robin Williams, 1995)
O que é beleza?
Princípios básicos

O que é design?
"Palavra inglesa originária de designo (as-are-avi-atum), que em latim significa
designar, indicar, representar, marcar, ordenar
."
Intervenção
urbana

Elementos:
Os indivíduos, o fluxo urbano coletivo, o trânsito, a arquitetura, a paisagem, o clima, a cultura e os demais fenômenos ocorrentes nesse espaço público onde tal intervenção se inscreve.
Intervenção urbana
"Intervir é interagir, causar reações diretas ou indiretas, em síntese, é tornar uma obra interrelacional com o seu meio, por mais complexo que seja, considerando-se o seu contexto histórico, sociopolítico e cultural." (Barja, 2002)
"As características híbridas da linguagem da intervenção urbana são capazes de ultrapassar, inclusive, as fronteiras da própria arte, projetando-se na vida cotidiana, como foi preconizado nas vanguardas históricas da Alta Modernidade do início do século XX, em que a arte deveria fazer parte vida." (Barja, 2002)
Intervenção Urbana
Alto grau de visibilidade e interatividade com seus componentes espaciais e humanos.
Intervenção Urbana
Oakoak
O artista francês gosta de realizar intervenções divertidas pela cidade.
Clet Abraham
A grande sacada desse artista, que mora em Florença, é criar intervenções em placas de trânsito.
Eduardo Srur
O artista brasileiro é conhecido por fazer intervenções que questionam o sistema social de forma crítica, mas bem humorada.
Categorias que provocam uma situação estética:



Algo grandioso ou elevado que se encontra em fenômenos da natureza ou em comportamentos que extrapolem a existência normal cotidiana.
O sublime não é apenas o belo elevado ao seu mais alto grau; exige a condição de ilimitado, ou seja: é sublime o que nos escapa do juízo imediato do belo.



Ao exibir uma contradição entre algo que se apresenta como valioso e sua inconsistência ou falta de valor, pode ser uma forma estética de crítica social bastante potente.


Raízes do design
(Allen Hurlburt, 2002)
“O estilo do século XX – o que chamamos por design moderno – é uma complexa fecundação cruzada de influências e movimentos artísticos”
(HURLBURT, 2002, p. 13 )
Raízes do design
Raízes do design
Raízes do design
Raízes do design
Raízes do design
Raízes do design
Raízes do design
Raízes do design
1. Art Nouveau
Foi o primeiro movimento orientado exclusivamente para o design.

É importante para o design gráfico por que:
- estilo que fixa para a página impressa;
- influência na criação de letras e marcas;
- criação dos modernos pôsteres;
- Influência na moda, tecidos, mobílias e objetos populares.

Charles Rennie Mackintosh
2. Cubismo
A fonte mais comumente apontada como a origem da moderna arte gráfica é o Cubismo, iniciado em Paris por Pablo Picasso e George Braque.



Les Demoiselles d’Avignon, 1907, foi o quadro que iniciou o movimento cubista e lançou os fundamentos da arte moderna.
Homenagem a Bach, de George Braque, 1912.
- Ao grudar nas suas telas fragmentos impressos e rótulos eles sugeriram novas maneiras de combinar imagens e comunicar ideias.
- O uso de letras estampadas ou gravadas, em suas pinturas, aria novas possibilidades para a tipografia.
- Na década de 20, foi decisivo na criação de pôsteres e no design publicitário;
- Rompeu as regras tradicionais de representação e de forma.

2. Cubismo
3. Dadaísmo
Ajudou os designers gráficos a se libertar de restrições retilíneas e reforçou a ideia cubista do uso da letra em si mesma como uma experiência visual.

O humor, o chocante e o surpreendente tem um importante papel na apatia visual.

Pôster de 1966, do japonês Tadonari Yokoo.
Marius de Zayas, 1905)
4. Surrealismo
Em virtude da estreita relação com as reações emocionais e os estímulos do inconsciente, este movimento teve influência particularmente decisiva na comunicação visual e na ilustração contemporânea
De Salvador Dali, Persistência da Memória.
5. Construtivismo
Combina palavras e imagens numa experiência simultânea, tanto na página impressa quanto nos filmes.

Técnicas visuais: fotomontagem, fotogramas e a superposição.

A composição palavra-imagem iniciava o primeiro passo para o fotojornalismo.

Poster de El Lissitzki, 1929, um dos mais notáveis pioneiros do design gráfico moderno.
6. Art Déco
O estilo forneceu elegantes designs que fazem bom uso dos espaços em branco e das linhas de composição amplamente entrelinhadas, não raro contrastando com pesados títulos em negrito.

Os designers concediam-se abstrações geométricas com toques cubistas.

7. De Stijl
Os designers do grupo fizeram-se notar pela rigorosa precisão com que dividiam o espaço, pela tensão e pelo equilíbrio (assimetria), por seu arrojado e criativo uso das formas básicas e das cores primárias e pela máxima simplicidade de suas soluções.
8. Bauhaus
Paul Klee
Instrutor de mistura de cores e da teoria das cores.
O espaço contínuo começa com um ponto que se move para formar uma linha, que por sua vez, se move para formar um plano.
Wassily Kandinsky
Enfoque intensamente geométrico do design e o uso das cores primárias.

8. Bauhaus
8. Bauhaus
8. Bauhaus
László Moholy-Nagy
Ajudou a estender ao layout das páginas impressas as novas atitudes do design, com as suas inovadoras combinações de imagens visuais e simplificada tipografia.

Josef Albers
Design bidimensional e teoria da cor.

Herbert Bayer
Eliminação da letra maiúscula nos títulos, tipos mais simples e articulados.


8. Bauhaus
Gestalt
(Gomes Filho, 2009)
Escola Gestalt
"todas as cores são
amigas
de suas vizinhas e
amantes de suas opostas
"
Mostrando o estranho, o fantástico, o absurdo, o irracional na realidade que se apresenta como coerente, também pode promover uma experiência estética. O grotesco é algo que existe potencialmente, ás vezes aterrorizantemente.
É eminentemente histórico, já que cada época e cada cultura têm os seus padrões de beleza próprios. Classicamente, o belo advém de grandezas como a ordem, a simetria e o limite e associa-se às noções de gosto, de equilíbrio, de harmonia e de perfeição.
Do ponto de vista estético, incorpora não só critérios de dramaticidade, mas também um certo “prazer” no sujeito estético, por mais antagônico que sejam esses sentimentos.


Sistema de leitura visual da forma
A teoria sugere uma resposta ao porquê de umas formas agradarem mais e outras não.
A psicologia da forma se apoia na fisiologia do sistema nervoso, quando procura explicar a relação sujeito-objeto no campo da percepção.
Leis da organização da forma perceptual
Unidade
SEGREGAÇÃO
É a capacidade perceptiva de separar, identificar, evidenciar, notar ou destacar unidades.
Unificação
Fechamento
Continuidade
Proximidade
Semelhança
Pregnância da forma
UNISUL
EXPRESSÕES VISUAIS
GRÁFICAS?
O que buscamos com tudo isso?
Podemos definir uma unidade através das cores, sombras, texturas, pontos, linhas, pontos, etc; isolados ou relacionados entre si.
A unificação acontece quando existem elementos iguais ou semelhantes distribuídos de forma coerente e harmônica.
Nosso cérebro interpreta uma forma completa se os elementos estão estruturados de uma forma definida.
A continuidade acontece quando elementos estão próximos e dão a impressão de seguir uma determinada direção.
1) Quanto mais clara for a organização visual da forma do objeto, em termos de facilidade de compreensão e rapidez de leitura ou interpretação, maior será o seu grau de pregnância.
2) Naturalmente, quanto pior ou mais confusa for a organização visual da forma do objeto, menor será o seu grau de pregnância.
Analise quantos e quais são os elementos visuais da sua página;
Veja quais podem ser agrupados num mesmo elemento, para que se tornem uma unidade visual;
Evite muitos elementos separados em uma página;
Não coloque os itens somente nos cantos ou no meio da página;
Não relacione elementos que não devem ser agrupados.
Dicas:
Encontre sempre algo a mais na página para fazer o alinhamento, mesmo que os dois objetos estejam fisicamente distantes;
Escolha o alinhamento centralizado consciente e não por automação.
O elemento repetitivo pode ser uma fonte, uma cor, algum sinal, um elemento gráfico ou qualquer outro item que se reconheça visualmente;
Adapte os elementos a serem repetidos para os diferente formatos;
Evite repetir elemento em demasia, para que ele não se torne excessivo e cansativo.
DICAS:
Itens relacionados entre si devem ser agrupados.
1. PROXIMIDADE
DICAS:
Aplique contraste em suas opções de tipologia, nas espessuras das linhas, nas cores, nas formas, nos tamanhos, nos espaços, etc.
Se você quer criar contrastes, faça-os de maneira forte;
Os espaços vazios são elementos importantes para o layout. Ele funciona para equilibrar espaços, reforçar a unidade de grupos, harmonizar áreas e aumentar o contraste.
5. Equilíbrio
Cuida da distribuição do peso Visual dos elementos na composição visual.
O peso visual dos elementos podem ser afetado por propriedades
cor, tom, textura, proximidade, dimensão, escala e movimento.
Simétrico
Assimétrico
Radial
Seminário Movimentos Artísticos
Pesquisar o contexto histórico da criação do movimento;

Pesquisar os principais nomes/artístas e suas obras;

Citar as caracteríticas visuais do movimento;

Buscar exemplos atuais de peças gráficas, a partir da percepção da influência dos movimentos artísticos, nas diferentes expressões: pintura, escultura, moda, arquitetura, propaganda, etc.

Produzir uma capa de revista/ anúncio / fotografia.

1



2
3
4
5
Estética
Desagrada, repugna ou ofende, mas pode ter um efeito estético ao questionar o mundo humano, mostrando a fealdade como forma de elevar nossa consciência. O feio é o que não se quer ver. Observar seus detalhes pode nos conduzir a outras descobertas: à coragem ou ao enfrentamento, por exemplo.
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
O FEIO
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
O Sublime
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
O CÔMICO
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
O Trágico
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
O grotesco
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
Categorias que provocam uma situação estética:



Estética
O belo
Estética na comunicação



Estética
Estética na comunicação



Estética
Estética na comunicação



Estética
Compreender os princípios da Gestalt, dará um maior controle sobre os seus projetos, criando trabalhos mais harmoniosos e melhorando a maneira como a mensagem do design é transmitida para o público.
Escola Gestalt
“Existem conjuntos, o comportamento dos quais não são determinados por seus elementos individuais, mas onde o processo da parte são determinadas pela natureza intrínseca do todo. É o objetivo da Gestalt de determinar a natureza de tais conjuntos” (1924).
Escola Gestalt
Precursor da psicologia da Gestalt

Universidade de Frankfurt - 1910;

Max Wertheimer
Christian von Ehrenfels
“um sistema no qual cada um dos elementos só pode ser definido pelas relações de equivalência ou de oposição que mantém com os demais elementos”
Uma unidade é um único elemento que se encerra em si mesmo ou também um conjunto de elementos percebidos que constituem “um todo”.
Leis da organização da forma perceptual
Leis da organização da forma perceptual
Leis da organização da forma perceptual
Leis da organização da forma perceptual
Leis da organização da forma perceptual
Leis da organização da forma perceptual
Leis da organização da forma perceptual
Elementos próximos tendem a se agrupar, constituindo uma unidade.
Elementos semelhantes tendem a se agruparem formando um como um todo ou unidades dentro de um todo
Se você enxerga elementos em uma composição de modo ininterrupto, essa peça tem uma boa continuidade.
O nível de facilidade com que identificamos e compreendemos visualmente uma peça é mensurado através da pregnância.
Atividade Gestalt
1 - Selecionar 5 imagens para cada lei da Gestalt, justificando a escolha conforme as suas características visuais.

2 - Com o recurso da ilustração ou fotografia, crie uma imagem com alto grau de pregnância da forma e outra com um baixo grau de pregnância da forma.
de design
"É a atividade profissional e a consequente área de conhecimento cujo objetivo é a elaboração de projetos para reprodução por meio gráfico de peças expressamente comunicacionais"
(VILLAS-BOAS, 2003)
DO DESIGN
Princípios básicos

DO DESIGN
Nada deve ser colocado arbitrariamente em uma página. Cada item deve ter uma conexão visual com algo na página.
DICAS:
Princípios básicos

DO DESIGN
Princípios básicos

DO DESIGN
Princípios básicos

DO DESIGN
Exercício 1



Analisar o layout apresentado ressaltando os valores da gestalt e diagramação, justificando sua pregnância formal.


Exercício 2
Google ajuda você a ganhar na loteria.
crossmedia x transmedia
1. Defina multiplataforma, crossmedia e transmídia. Exemplifique cada um deles.
2. Essas estratégias conversam entre si? Como?
3. Como funciona a técnica de transmídia storytelling? Cite exemplos.
4. Pesquise um case que pode ser considerado um conteúdo transmídia? Cite os meios e a diferença de cada um.
5. Como o mercado da comunicação utiliza as ações transmídia?
6. Como você pretende apresentar um projeto transmídia sobre empregabilidade?
Convergência e Transmedia
Transmídia Storytelling
Escala
Escala
Escala
Escala
Seis escalas diferentes são suficientes para trabalhar a hierarquia da informação de um site.
Escala
Escala
Tamanhos parecidos não possuem contraste e, por isso, não enriquecem a hierarquia da página.
Espaçamento entre linhas

PALAVRAS
13
Um número muito maior que este vai tornar a leitura cansativa, além de dificultar a troca de linha pelo leitor.
Na web, mais de 90% dos blocos de texto são alinhados à esquerda.
Ao pular uma linha durante a leitura, fica mais fácil encontrar a próxima linha quando a mesma está alinhada com as anteriores.
A
A
Serifa
Auxiliar a
leitura
,
continuidade para o texto e tornando-o menos cansativo para os olhos.
São mais indicados para
títulos, chamadas
e também para textos em geral nas
aplicações digitais
, pois as serifas acabam se tornando “borrões”.
Estilos de fonte
Estilos de fonte
Moderno
Antigo
Estilos de fonte
Manuscrito
Estilos de fonte
DECORATIVO
Tipografia com certeza é uma das parte mais importantes de um layout web. Saber utiliza-lá com bom senso, boa estética e com boa função é o ideal para qualquer projeto.Espero que essas dicas lhe ajudem a estruturar a tipografia de um layout para web de forma harmonioso obedecendo alguns princípios primordiais que promovem uma boa leitura aos usuários.
TIPOGRAFIA COM CERTEZA É UMA DAS PARTE MAIS IMPORTANTES DE UM LAYOUT WEB. SABER UTILIZA-LÁ COM BOM SENSO, BOA ESTÉTICA E COM BOA FUNÇÃO É O IDEAL PARA QUALQUER PROJETO.ESPERO QUE ESSAS DICAS LHE AJUDEM A ESTRUTURAR A TIPOGRAFIA DE UM LAYOUT PARA WEB DE FORMA HARMONIOSO OBEDECENDO ALGUNS PRINCÍPIOS PRIMORDIAIS QUE PROMOVEM UMA BOA LEITURA AOS USUÁRIOS.
Marc Chagall
Interação
Cromática
Josef Albers - Bauhaus
Saturação
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Uso e técnica
de cores
Atividade
Analise a palheta de cores dos seguintes filmes:
O GRANDE HOTEL BUDAPESTE (2014) – WES ANDERSON
ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS (2010) – TIM BURTON
TRILOGIA MATRIX (1999 / 2002 / 2003) – IRMÃS WACHOWSKI
MOONRISE KINGDOM (2012) – WES ANDERSON
ANTICRISTO (2009) – LARS VON TRIER
LABIRINTO DO FAUNO (2006) – GUILHERMO DEL TORO
Full transcript