Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Figuras de Linguagem

No description
by

Nicolle Santos

on 31 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem
Figuras de Palavras
Figuras de Pensamento
Figuras de Construção ou Sintáticas
As Figuras de Linguagem são recursos utilizados no intuito de tornar mais expressiva a mensagem transmitida na comunicação. Subdividem-se em figuras de palavras, de pensamento, de construção e de som.
Comparação
A comparação é representada quando é estabelecida uma relação de semelhança entre dois elementos e há a presença de um elemento comparativo de forma explícita.

Pode ser exemplificado em:
"Amou daquela vez como se fosse máquina. / Beijou sua mulher como se fosse lógico." (Chico Buarque)

“Meu coração tombou na vida
tal qual uma estrela ferida
pela flecha de um caçador”. (Cecília Meireles)
Metáfora
A metáfora é semelhante à comparação, que ocorre entre dois elementos, porém não há a presença de nenhum conectivo comparativo.

Exemplos:
"Os poemas são pássaros que chegam..." (Mário Quintana)

"Meu pensamento é um rio subterrâneo." (Fernando Pessoa)
Metonímia (e Sinédoque)

Há a presença de metonímia quando ocorre a substituição de uma palavra por outra, quando existe uma relação entre elas, como no sentido por exemplo.

Ela pode estar presente, por exemplo, na:
Substituição do continente pelo conteúdo -
Ex.: Antes de sair, tomamos um cálice de licor.

Substituição da marca pelo produto -
Ex.: Tomamos somente Coca-Cola.

Já a Sinédoque é um particularidade dentro da Metonímia, em que o todo de um ser é substituido por uma parte dele.
Ex.: "[...] fugindo nos cascos de seu cavalo." (J. Cândido de Carvalho)
Sinestesia
Catacrese
A Catacrese é um tipo particular/especial de metáfora. Que seguindo Othon Garcia "é uma espécie de metáfora desgastada, em que já não se sente nenhum vestígio de inovação, de criação individual e pitoresca. É a metáfora tornada hábito linguístico, já fora do âmbito estilístico". Ou seja, são comparações feitas entre dois elementos que já se tornaram expressões comuns ao falante.

Exemplos:
Pele de tomate
Dente de alho
Asa da xícara
Céu da boca
O conceito de Sinestesia pode ser identificado pela fusão de sensações diferentes em uma mesma expressão. Essas sensações podem ser físicas (gustação, audição, visão, olfato e tato) ou psicológicas (subjetivas).

Essa figura de linguagem pode ser exemplificada em:
*Cristais
[...]
Como um perfume a tudo perfumava.
Era um som feito luz, eram volatas
Em lânguida espiral que iluminava,
Brancas sonoridades de cascatas...
Tanta harmonia melancolizava.
[...] (Cruz e Souza)

*Milagrosa aquela mancha verde e úmida, macia, quase irreal." (Augusto Meyer)
Antonomásia
Há a presença de Antonomásia quando uma pessoa é designada por uma qualidade, atributo, característica ou fato que a define.

Exemplos:
O Rei do futebol. (Pelé)
O Mestre dos Mestres. (Jesus)
O Poeta da Vila. (Noel Rosa)
O poeta dos escravos (Castro Alves)
Antítese
A Antítese consiste na aproximação de expressões ou palavras opostas. Esse método é utilizado justamente para dar uma ênfase aos conceitos envolvidos.

Tal figura de pensamento está presente nos seguintes fragmentos:
"O mito é o nada que é tudo." (Fernando Pessoa)

“Nasce o Sol e não dura mais que um dia; Depois da Luz se segue à noite escura; Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas e alegria.” (Gregório de Mattos)
Paradoxo
Consiste em uma figura que, assim como a Antítese, aproxima expressões de ideias opostas que primeiramente aparenta ser absurdo, porém, com a análise do contexto, se completam e reforçam a ideia retratada.

Exemplo:
Na reunião, o funcionário afirmou que o operário quanto mais trabalha mais tem dificuldades econômicas.


Eufemismo
É uma figura que utiliza termos e expressões mais leves com o intuito de suavizar o comunicado de algo desagradável, chocante.

O eufemismo está presente em:
Ex.:
Fernando faltou com a verdade.

Depois de muito sofrimento, entregou a alma ao Senhor.

“Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá. O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar, vamos todos numa linda passarela de uma aquarela que um dia enfim... Descolorirá”. Vinicius de Moraes – Aquarela.
Ironia
É uma figura que consiste em se dizer o contrário do que se pretende ou, basicamente, em satirizar uma ideia. Fazer um comentário com o intuito de ridicularizar algo.

Por exemplo:
Como você foi bem na última prova, não tirou nem a nota mínima!

Paulo é um anjo, está sempre envolvido em confusões.
Hipérbole

A hipérbole consiste em expressar-se exageradamente em relação a algo, com o intuito de enfatizar a ideia proposta.

Esse exagero pode ser encontrado em:
Ex.:
Faria isso milhões de vezes se fosse preciso.
"Rios te correrão dos olhos, se chorares." (Olavo Bilac)
Ex.:
"Vou caçar mais de um milhão de vagalumes por ai..." (Pollo)
Prosopopeia ou Personificação
Caracteriza-se por atribuir ações ou qualidades de seres animados a seres inanimados, ou, também, características humanas a seres não humanos.

Essa figura está explícita nos seguintes exemplos:
*As pedras

andam
vagarosamente.
O livro é um mudo que
fala
, um surdo que

ouve
, um cego que

guia
.
A floresta

gesticulava

nervosamente diante da serra.
O vento

fazia promessas

suaves a quem o escutasse.
Chora
, violão.

*Um
frio inteligente
(...) percorria o caminho (Clarice Lispector)
Apóstrofe

Essa figura é caracterizada pelo chamamento do receptor da mensagem, seja ele imaginário ou não. Ou seja, é a "invocação" de alguém ou de alguma coisa personificada, de acordo com o objetivo do discurso que pode ser poético ou sagrado.


Exemplos:
"Liberdade, Liberdade,
Abre as asas sobre nós,
Das lutas, na tempestade,
Dá que ouçamos tua voz..." (Osório Duque Estrada)

"Deus! ó Deus! onde estás, que não respondes?" (Castro Alves)
Gradação

Ocorre quando há uma expressão progressiva da ideia a ser transmitida. Ou seja, é um conjunto de ideias, semelhantes ou não, numa escala progressiva concedendo maior intensidade na mensagem.

Exemplos:
"Vive só para mim, só para a minha vida, só para meu amor." (Olavo Bilac)

"Havia o céu, havia a terra, muita gente e mais Joana com seus olhos claros e brincalhões."

Elipse
Elipse é uma omissão de uma expressão na oração não dito anteriormente. Porém, apesar de implícito, é facilmente identificado através do contexto.

Ex.: Rondó dos cavalinhos
[...]
Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
O Brasil politicando,
Nossa! A poesia morrendo...
O sol tão claro lá fora,
O sol tão claro, Esmeralda,
E em minha alma - anoitecendo!
[...] (Manuel Bandeira)
Zeugma
A Zeugma pode ser representada quando há a omissão de um termo citado anteriormente em uma oração.

Esta figura está presente em:

Ex.: Ana gosta de vôlei, eu de futebol.

Ex.: Minha professora trabalha na escola particular; minha mãe, na pública.
Anáfora

Anáfora é caracterizada pela repetição intencional de um termo no início de um período, sentença, ou verso.

Exemplos:
A Estrela

*"Vi uma estrela tão alta,
Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo
Na minha vida vazia."
[...] (Manuel Bandeira)

*"Se você dormisse,
Se você cansasse,
Se você morresse...
Mas você não morre,
Você é duro José!" (Carlos Drummond de Andrade)

Polissíndeto
Polissíndeto se define pela repetição do elemento conectivo em uma sequência de ações, quase sempre representado pela letra "e".

Essa figura está explícita em:
Ex.: Marcelo chegou, e deitou, e dormiu, e sonhou.

Ex.: “Trabalha e teima, e lima, e sofre, e sua!”
Assíndeto
Essa figura pode ser comparada com o polissíndeto, pois há a sequência de palavras, porém, na mesma, ocorre a omissão da conjugação.

O que pode ser percebido nos exemplos abaixo:
Ex.: " Vi, vivi, venci." ( Marcelo D2)

Ex.: "Tens casa, tens roupa, tens amor, tens família."
Anacoluto
É uma figura que tem como característica fazer uma quebra no sentido da sentença. Ocorre quando há uma mudança na construção sintática antes do término da frase.

Por exemplo:

*O Alexandre, as coisa não lhe estão indo muito bem.

*Essas crianças de hoje, elas estão muito evoluídas.
Inversão
Trata-se de uma inversão da ordem direta dos termos da oração.

Essa figura de construção pode ser representa em:
Ex.: Eufórico chegou o menino.

Ex.: Ao ódio venceu o amor.

Ex.: Dos meus problemas cuido eu!
Pleonasmo

É uma figura que usa a repetição de uma ideia já mencionada antes com o objetivo de reforçar a mensagem transmitida.

Por exemplo:

*Como nós moramos nessa cidade, vivemos uma vida tranquila.

*Aos funcionários, não lhes interessam tais medidas.
Figuras de Som
Onomatopeia
A essa figura é dado o objetivo de tentar imitar sons e/ou ruídos por meio de palavras.

Como pode ser percebido em:

Ex.: Estava deitado; de repente... nheeeeec... alguém abre a porta do quarto.

Ex.: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem.
Aliteração
Figura que consiste na repetição de consoantes para intensificação do ritmo, ou como um forte efeito sonoro.

Como por exemplo em:

" Rimas de

v
entos e

v
elas,
V
ida que

v
em e que

v
ai.
A solidão que fica e entra
Me arremessando contra o cais"
(Zeca Bahia e Gincko)

"
T
rês pratos de

t
rigo para

t
rês

t
igres

t
ristes."
Assonância
Essa figura consiste na repetição ordenada de sons vocálicos abertos ou fechados em sequências de versos ou frases.

Ex.: "Sou um mulat
o

nat
o

n
o

sentid
o

lat
o
Mulat
o

democrátic
o

d
o

litoral"

Ex.: "R
i
nge e r
a
nge, r
o
uquenha, a ríg
i
da mo
e
nda."
(Da Costa e Silva)
Figura que reproduz sons semelhantes em palavras com significados distintos.

Exemplo:
" Aquele cativa

Aquela cativa
que me tem cativo,
porque nela vivo
já não quer que viva.
[...] (Luís de Camões)
Paronomásia
Vícios de Linguagem
Pleonasmo Vicioso ou Redundância
Diferentemente do pleonasmo tradicional, há também o pleonasmo vicioso, que ocorre quando quando há uma repetição desnecessária de uma informação na frase.


Por exemplo em:
*Entrei
para
dentro
de casa quando começou a anoitecer.
*Ela teve um
surpresa

inesperada
.
Barbarismo
Ocorre quando não há uma manutenção da norma padrão da pronúncia ou grafia de determinada palavra.

Pode ocorrer nas seguintes formas:

Pronúncia Morfologia

Semântica Estrangeirismos


1) Silabada: erro na pronúncia do acento tônico.
Exemplo: Solicitei à cliente sua

rúbrica
.

(rubrica)

2) Cacoépia: erro na pronúncia dos fonemas.
Exemplo: Estou com

poblemas

a resolver. (problemas)

3) Cacografia: erro na grafia ou na flexão de uma palavra.
Exemplo: Eu

advinhei

quem ganharia o concurso. (adivinhei)
Exemplo:

José

comprimentou
seu vizinho ao sair de casa.
(cumprimentou)
Exemplos:

1) Se eu

ir

aí, vou me atrasar. (for)

2) Sou a aluna

mais maior
da turma.
(maior)
Considera-se barbarismo o emprego desnecessário de palavras estrangeiras, contanto que já exista palavra ou expressão correspondente na língua falada.

Exemplos:
1) O

show

é hoje! (espetáculo)

2) Vamos tomar um
drink
? (drinque)
Solecismo
Pode ser considerado como a desconcordância em relação á sintaxe em um frase.


Pode ocorrer nas seguintes formas:

Concordância Regência

Colocação
Exemplos:
1)
Haviam

muitos alunos naquela sala.
(Havia)

2)
Faltou

muitos alunos. (Faltaram)
Exemplos:

1) Eu assisti
o
filme em casa. (ao)

2) Obedeça
o
chefe. (ao)
Exemplos:

1) Dancei tanto na festa que não

aguentei-me

em pé.
(Me aguentei)

2) Eu tinha
ausentado-me
.
(Me ausentado)
Ambiguidade ou Anfibologia
Ocorre quando, por falta de clareza no contexto, há duplicidade de sentido/interpretação da frase.

Exemplo:
1) Ana disse à amiga que seu namorado havia chegado.

2) O pai falou com o filho caído no chão.
Cacofonia

A cacofonia ocorre quando há uma junção de duas palavras formando um som agradável ou uma outra inconveniente.

Como há em:

1) Uma mão lava outra. (mamão)
2) Vi ela na esquina. (viela)
3) Dei um beijo na boca dela. (cadela)
Eco

Ocorre quando há uma repetição ou semelhança nas terminações das palavras de uma oração, provocando um efeito de "eco".

Como por exemplo:
1) A divulgaç
ão
da promoç
ão
n
ão
causou comoç
ão
na populaç
ão
.

2) Vic
ente
já não s
ente
dores de d
ente
tão frequentem
ente
como antigam
ente
quando estava no Ori
ente
.
Colisão
Ocorre quando há uma repetição de consoantes semelhantes ou iguais causando uma dissonância.


Como ocorre em:

1) Sua saia saiu suja.

2) O papa Paulo VI pediu a paz.
Hiato

Ocorre quando há uma sequência/aproximação de vogais iguais, causando uma dissonância.


Presente nos exemplos abaixo:

1) Eu

a

a
mo.

2) Traga

o o
vo.

3)

Ou eu ou a ou
tra ganhará o concurso.
Referências Bibliográficas
* Aprender e praticar - Gramática

* Gramática Reflexiva (Texto, semântica e interação) - Gramática

* http://www.pciconcursos.com.br/aulas/portugues/figuras-de-palavra

* http://www.soportugues.com.br/secoes/estil/estil2.php

* http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/portugues/figuras-de-palavras.htm

* http://www.brasilescola.com/gramatica/figuras-pensamento.htm

* http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=1123

* http://www.pciconcursos.com.br/aulas/portugues/figuras-de-sintaxe

* http://linguaportuguesa.uol.com.br/linguaportuguesa/gramatica-ortografia/42/figuras-sonoras-por-que-poetas-romancistas-e-compositores-sempre-290502-1.asp
Grupo:

Nicolle Santos
Gabriel Carvalho

Turma:
1.º ano A

Disciplina: Língua Portuguesa (Gramática)

Professora: Márcia Lídia
Full transcript