Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Introdução à Ética

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Introdução à Ética

Introdução à Ética
Juízos de valor
Dizer ou não a verdade é uma escolha diretamente relacionada aos nossos valores pessoais e da sociedade em que vivemos.
Somos capazes de diferenciar o bem e o mal e agir conforme esta diferenciação.
São este juízos (julgamentos) que nos permitem estabelecer princípios morais que procuramos seguir e que convém serem seguidos por todos.

Por que fazer o bem?
Seguimos princípios morais para que seja possível o convívio social.
Os valores tem caráter social ou histórico: são herdados e nos aparecem como normas que devemos respeitar para o benefício de todos.
Mas quando uma norma deve mudar? Até quando deve ser respeitada?

Verdade ou Mentira?
Dizer a verdade é considerado um valor altamente positivo. Mas será que podemos ter como princípio dizer sempre a verdade?
Em que situação é preferível mentir?
Quais as consequências de ser apanhado na mentira?

Entre a teoria e a prática
Não é preciso ser religioso para dizer que é errado matar.
Mas, imagine que você está no volante de um carro desgovernado que se dirige para um grupo de 5 pessoas. Você percebe que existe uma maneira de atingir apenas uma pessoa. Voce se sacrificaria para salvar 5 pessoas?

Autonomia e responsabilidade
O homem é capaz de criar seus próprios valores e de questionar os valores herdados.
Sempre que nossa consciência ética confronta valores estabelecidos corremos riscos.

Moral: conjunto de valores que variam de cultura para cultura e mudam com o tempo, nos quais baseamos princípios e normas que garantem a sobrevivência do grupo.

Ética: Ramo da Filosofia que aborda os problemas fundamentais da moral e suas definições.

Conceitos
Aristóteles
“Toda arte e todo método (ou toda atividade e conhecimento humano), assim como toda ação e escolha, parece tender para um certo bem; por isso se tem dito com acerto, que o bem é aquilo para que todas as coisas tendem.” (Ética a Nicômaco)

Desta forma, a metalurgia ou a agricultura têm a mesma finalidade: o bem do homem.
Essa concepção, segundo a qual todas as coisas têm uma finalidade é chamada de teleológica.

A existência de Deus, da liberdade e da alma não podem ser comprovadas, uma vez que não se submetem à causalidade, ou seja, não ocorrem no espaço e no tempo.
“Age de tal forma que a norma de tua conduta possa ser tomada como lei universal”
A moral kantiana está fundada no princípio do dever universal de aprimorar a moral do homem.

Kant e o imperativo categórico.
- Ética deontológica: os princípios que orientam as ações são mais importantes que as consequências.
- Ética consequencialista: o valor das ações é julgado pelos seus resultados, deve-se sempre agir de forma a produzir a maior quantidade de bem-estar.
A finalidade da vida humana é a felicidade, alcançada pela prática da virtude, fruto do equilíbrio entre o excesso e a falta (justa medida).
Existem três tipos de vida: dos prazeres, política, contemplativa.
Doutrina do Direito: jamais podemos interferir na liberdade alheia.
A lei interna se funda no dever e caracteriza o direito natural (princípios racionais).
A lei externa - forma como o indivíduo lida com a influência que exerce ou sofre - direito positivo
Ética Utilitarista
(Jeremy Bentham e John Stuart Mill)
As ações devem resultar em um aumento de felicidade, não só para nós, mas para todas as pessoas da sociedade.
- Não existe um Bem abstrato que possa moldar nossos atos.

- O que é certo hoje, pode ser errado amanhã, não há deveres morais absolutos.
Full transcript