Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Diana Silva

on 21 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Luís Vaz de Camões Camões - Biografia O céu, a terra, o vento sossegado Tema Análise Formal O céu, a terra, o vento sossegado;
As ondas, que se estendem pela areia;
Os peixes, que no mar o sono enfreia;
O nocturno silêncio repousado... O céu, a terra, o vento sossegado;
As ondas, que se estendem pela areia;
Os peixes, que no mar o sono enfreia;
O nocturno silêncio repousado...

O pescador Aónio que, deitado
Onde co vento a água se meneia,
Chorando, o nome amado em vão nomeia,
Que não pode ser mais que nomeado.

"- Ondas – dezia –, antes que Amor me mate,
Tornai-me a minha Ninfa, que tão cedo
Me fizestes à morte estar sujeita."

Ninguém lhe fala. O mar, de longe, bate;
Move-se brandamente o arvoredo...
Leva-lhe o vento a voz, que ao vento deita. A O céu, a terra, o vento sossegado;
B As ondas, que se estendem pela areia;
B Os peixes, que no mar o sono enfreia;
A O nocturno silêncio repousado...

A O pescador Aónio que, deitado
B Onde co vento a água se meneia,
B Chorando, o nome amado em vão nomeia,
A Que não pode ser mais que nomeado.

C "- Ondas – dezia –, antes que Amor me mate,
D Tornai-me a minha Ninfa, que tão cedo
E Me fizestes à morte estar sujeita."

C Ninguém lhe fala. O mar, de longe, bate;
D Move-se brandamente o arvoredo...
E Leva-lhe o vento a voz, que ao vento deita. Análise Estilística O Céu, a Terra, o Vento Sossegado Poeta português, Luís Vaz de Camões terá nascido por volta de 1524/1525 e morreu a 10 de Junho de 1580, em Lisboa. Pensa-se que estudou Literatura e Filosofia em Coimbra. Caracterização do local Exteriorização da mágoa de Aónio Suplica às ondas do mar para que lhe devolvam a sua amada Evoca novamente a paisagem Interpolada Emparelhada Interpolada Versos decassilábicos Assíndeto Omissão de elementos de ligação entre palavras ou frases. Suprime-se a conjunção coordenativa copulativa "e", que é substituída por uma vírgula ou outro sinal de pontuação. O mar, de longe, bate; (...)
As ondas, que se estendem pela areia; Representação simbólica de algo. Metáfora O pescador Aónio que, deitado
Onde co vento a água se meneia, Simula o abraço do pescador com as ondas do mar, responsáveis pela morte da amada e com quem agora se identificam. As ondas referem o próximo que espelham algo distante - a amada morta. Saudade Solidão Angústia Amargura Literatura Portuguesa
A. Rafael Monteiro
Diana F. C. Silva
Inês Ribeiro
Full transcript