Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Exame de Linfonodos

No description
by

Fernando Klein

on 29 May 2011

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Exame de Linfonodos

Exame de Linfonodos Fernando Klein Leitão Introdução - O sistema linfático consiste em ductos coletores da linfa, linfonodos, baço, timo, amígdalas
palatinas e adenóides e placas de Peyer.

- Linfonodos organizam-se em grupos e podem ser superficiais (tecido subcutâneo) ou
profundos (abaixo da fáscia dos músculos e dentro das cavidades do corpo).

- O exame físico geral inclui obrigatoriamente a investigação sistemática dos linfonodos superficiais. Distribuição dos Linfonodos Superficiais - Grupo ganglionar da cabeça
e do pescoço

- Grupo ganglionar das axilas

- Grupo ganglionar das virilhas Grupo Ganglionar do Pescoço e da Cabeça - Linfonodos occipitais
- Linfonodos auriculares anteriores
- Linfonodos auriculares posteriores
- Linfonodos amigdalianos
- Linfonodos submandibulares
- Linfonodos submentonianos
- Linfonodos cervicais (anteriores superficiais,
anteriores profundos e posteriores)
- Linfonodos supraclaviculares Grupo Ganglionar da axilas Grupo Ganglionar das Virilhas - Linfonodos infraclaviculares
- Linfonodos laterais
- Linfonodos posteriores
ou subescapulares
- Linfonodos centrais - Linfonodos inguinais superficiais
- Linfonodos inguinais profundos Semiotécnica - Anamnese
- Inspeção
- Palpação com as polpas digitais e a face ventral dos dedos médio, indicador e anular.
- Linfonodos cervicais
- Linfonodos da cabeça X parótidas e glândulas salivares Sistematização da investigação semiológica É normal? - Linfonodos têm relação direta com regiões em contato com meio externo e idade.
- Aumenta rapidamente na infância, atingindo seu pico de crescimento na puberdade. Em crianças é normal a presença de linfonodos palpáveis.

Em adultos a linfadenomegalia aguda e subaguda, na sua maioria, trata-se de uma hiperplasia reacional transitória, secundária a uma infecção de curso, às vezes, subclínico.

Se crônica deve-se considerar a possibilidade de infecções
específicas como TB, sífilis, toxoplasmose, rubéola, mononucleose, citomegalovirose, AIDS e linfomas. Localização Tamanho Coalescência Sensibilidade Consistência Mobilidade Alterações na pele Localização Relação com estruturas fixas e distância medida em centímetros
As cadeias de linfonodos anatomicamente definidas devem ser citadas
O reconhecimento do linfonodo alterado permite ao examinador deduzir as áreas ou órgãos afetados Tamanho Termos comparativos da vida diária ou em centímetros
Linfonodos maiores que 3cm exigem investigação clínica rigorosa Coalescência Junção de dois ou mais gânglios, formando uma massa de limites imprecisos.


Na TB, há normalmente formação de massas confluentes raramente com sinais flogísticos, mas com tendência à formação de fístulas Glânglios da cabeça e do pescoço:

infecção do couro cabeludo, tinha do couro cabeludo, dermatite seborréica, terçol, amigdalites, faringites, infecção dentária, gengivite, glossite, herpes zóster facial, rubéola, sarampo, varicela, mononucleose infecciosa.


Glânglios supraclaviculares:

CA de pulmão, de estômago e de esôfago em fase avançada


Glânglios axilares:

câncer de mama, mastite.


Glânglios nas virilhas:

cancro mole, linfogranuloma venéreo, sífilis, carcinoma, infecção de membros inferiores. Linfonodos inflamatórios: geralmente são menores que 2 cm

Linfonodos neoplásicos: geralmente são maiores que 2 cm

- Linfonodos muito volumosos levantam a suspeita de linfomas e leucoses. Consistência Duro ou mole, elástico ou lenhoso, com flutuação ou não.
Flutuação demonstra a formação de uma área liquefeita com coleção purulenta em seu interior e pode ocorrer em infecções inespecíficas, em estágios avançados de infecções específicas ou em metástases. Elásticos: Fase inicial dos processos inflamatórios

Moles: Fase final dos processos inflamatórios

Duros ou Lenhosos: Processos malignos Sensibilidade Linfonodos inflamatórios: dolorosos

Linfonodos neoplásicos: indolores Mobilidade Com a palpação deslizante, ou se possível, fixando-se entre o polegar e o indicador, procura-se deslocar o linfonodo, o qual pode ser móvel ou estar aderente aos planos circunjacentes.


Linfonodos Inflamatórios: fixação aos tecidos vizinhos logo no início do processo

Linfonodos Neoplásicos: fixação aos tecidos vizinhos em fase mais tardia do processo Alterações na Pele Presença de sinais flogísticos (edema, calor, rubor e dor): Linfonodos inflamatórios

Presença de celulite nos tecidos vizinhos: Linfonodos inflamatórios

Presença de fistulização: TB, micose. 1) Doenças Infecciosas e Inflamatórias
2) Doenças Neoplásicas Patologia Obrigado!
Full transcript