Loading presentation...
Prezi is an interactive zooming presentation

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Mensagem, Ocidente, Fernando pessoa

No description
by

Luis Carvalho

on 30 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Mensagem, Ocidente, Fernando pessoa

O uso de maiúsculas conferem autonomia, valor e legitimidade a cada uma das hipóteses levantadas: “Acaso”- providência divina “Vontade” - intenção do homem “Temporal”- caprichos da Natureza.
No poema:
Pessoa utiliza uma metáfora humana para compreender uma realidade mais complexa
-Segunda parte da obra
-Atos praticados pelas personalidades faladas na primeira parte (Brasão)
-Posse do mar
-Descobrimentos
-Portugal como a face da Europa que enfrentou o seu destino
A mão de Deus ergueu “o facho trémulo e divino”, o homem foi iluminado e afastou “o véu”
Acto e destino
Intencional vs Acaso
A mão que rasgou o véu
Mar Português
Com duas mãos - o Acto e o Destino -
Desvendámos. No mesmo gesto, ao céu
Uma ergue o fecho trémulo e divino
E a outra afasta o véu.
Fosse a hora que haver ou a que havia
A mão que ao Ocidente o véu rasgou,
Foi a alma a Ciência e corpo a ousadia
Da mão que desvendou.
A Mensagem, Ocidente, Fernando pessoa
Com duas mãos - o Acto e o Destino -
Desvendámos. No mesmo gesto, ao céu
Uma ergue o fecho trémulo e divino
E a outra afasta o véu.

Fosse a hora que haver ou a que havia
A mão que ao Ocidente o véu rasgou,
Foi a alma a Ciência e corpo a ousadia
Da mão que desvendou.

Fosse Acaso, ou Vontade, ou Temporal
A mão que ergueu o facho que luziu,
Foi Deus a alma e o corpo Portugal
Da mão que o conduziu.
Deus Homem
Ciencia e ousadia
Fosse por acaso, pela ação ou por causa de uma tempestade.
Fosse Acaso, ou Vontade, ou Temporal
A mão que ergueu o facho que luziu,
Foi Deus a alma e o corpo Portugal
Da mão que o conduziu.
"Da mão que desvendou"
"Da mão que o conduziu"
A essência era Deus, e a vontade eram os homens de Portugal
As duas ultimas estrofes iniciam-se com "Fosse", o que nos remete para a duplíce natureza da descoberta do Brasil
Full transcript