Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Aula 12 e 13 - Construção Verde - Tecnologia da Construção

Observação: Esta apresentação tem partes de autoria própria e outras compiladas. Lei nº 9610/98 Não há impeditivos legais para usar qualquer obra para fins didáticos em sala de aula.
by

Tatiana Fonseca

on 1 December 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Aula 12 e 13 - Construção Verde - Tecnologia da Construção

Tecnologia da Construção
Construção Verde

ÁGUA

- Troca ou instalação de dispositivos
economizadores
- Melhoria de eficiência e automação da irrigação
- Captação e aproveitamento de águas das chuvas
- Captação, tratamento e aproveitamento das águas de reuso (de torneiras e chuveiros)
- Captação e aproveitamento das águas de condensação
- Aproveitamento das águas oriundas da manutenção
de piscinas
- Melhoria da eficiência na gestão de piscinas (filtragem, aspiração, retrolavagem)
- Estudos sobre viabilidade de instalação de poços
- Estudos sobre sistema de supervisão de níveis de reservatórios
- Melhoria na gestão de torres de
arrefecimento (soluções e tecnologias
para redução do consumo
de água)
ENERGIA

- Inspeção completa para análise de
melhorias nos sistemas passivos –
sombreamentos, vidros, isolamentos, proteções,
entre outros
- Troca ou reparos de equipamentos, bombas ou
motores
- Intervenções nos sistemas de iluminação, climatização,
controles e acionamentos
- Instalação de sensores, temporizadores ou fotocélulas
- Implantação ou ajustes de sistema de supervisão predial
(BMS), medições, controles e rateio de gastos inteligente
- Implantação de sistemas de produção energética
através de fontes renováveis
- Estudo de demanda e tarifação da concessionária
- Sistemas de troca ou recuperação de calor
para aquecimento de água ou
pré-tratamento de ar externo

CERTIFICAÇÃO LEED

-Conferida pelo USGBC (US Green Building Council), a
certificação LEED® (Leadership in Energy and Environmental
Design) é hoje a de maior reconhecimento mundial no que se trata
de sustentabilidade de edificações e bairros.

Categorias da Certificação LEED®:
- Novas Construções (New Construction)
- Edifícios Existentes – Operação e Manutenção (Existing Buildings – O&M)
- Interiores Comerciais (Commercial Interiors)
- Core/Sistemas Básicos e Envoltória (Core & Shell)
- Saúde (Healthcare)
- Escolas (Schools)
- Comércio/Lojas (Retail)
- Condomínios, bairros ou vizinhanças (Neighborhood)

Dentro destas categorias as construções podem atingir graduações de certificação que são definidas de acordo com os níveis de sustentabilidade alcançados:

Certificado, Prata, Ouro ou Platina

Áreas de Atuação:

Espaço/Localização
Água
Energia
Materiais e Resíduos
Qualidade/Conforto Ambiental Intern
o
O QUALIVERDE

O Qualiverde, recentemente criado e lançado pela
Prefeitura do Rio de Janeiro, em parceria com as Secretarias
Municipais do Ambiente e Urbanismo, é uma legislação ambiental
para construções verdes que tem por objetivo a adoção de ações de sustentabilidade e a redução de emissões de gases de efeito estufa.

Através desta excelente iniciativa, será possível alcançar importantes vantagens para os empreendimentos Cariocas. Dentre elas:

Benefícios Fiscais:

- Desconto do ISS da obra
- Isenção ou desconto de IPTU durante a obra
- Isenção ou desconto no ITBI
- Desconto de IPTU do prédio
-Benefícios Edilícios:
- Isenção da área de varandas abertas e jardineiras no cômputo da ATE.
- Aumento de ocupação do pavimento de uso comum e dependências.
- Liberação de cobertura do estacionamento localizado no pavimento térreo, desde seja um telhado verde e associada.
GESTÃO AMBIENTAL DE
CANTEIROS DE OBRAS

Consultoria e treinamentos realizados em
canteiros de obras, seus engenheiros e equipes
operacionais voltados à:

- Melhoria da produtividade
- Limpeza
- Otimização de procedimentos logísticos
- Redução dos volumes e gerenciamento de resíduos gerados
- Redução de consumo de água e energia
- Prevenção de acidentes ambientais
- Controle da qualidade do ar, da poluição e sedimentação
- Procedimentos necessários às certificações ambientais
- Canteio de obra
Construção sustentável e ecológica é a mesma coisa?

A definição de sustentabilidade se apoia em um tripé econômico,
social e ambiental. O ecológico diz respeito a relações tecidas entre fatores bióticos (vivos) e abióticos (não-vivos).

Então uma construção sustentável pode incorporar elementos de eficiência energética, por exemplo, enquanto enviam seus esgotos sem tratamento para a rede pública.

No caso do ecológico há uma preocupação de inserir a construção em um sistema mais amplo, olhando também o em torno da construção, o terreno, a vizinhança, a bacia hidrográfica local, as relações com o sol, o vento, as brisas, chuvas, ecossistemas locais, etc.

Hoje estamos pesquisando um passo além, chamado Design
Biofílico, ou amigo da vida, e tendemos a evoluir nossos
conceitos em direção a construções
sustentáveis e biofílicas.

3- MATERIAIS ECOLÓGICOS
Existem tantas opções de materiais
naturais e reciclados no mercado que seria
quase impossível listar todos. Não há desculpas na
hora de comprar. Ao escolher entre aço, plástico, alumínio, ou madeira, observe se o material é reciclado e tem certificação ambiental. Evite o desperdício que pode ser responsável por acréscimos de até 25% do custo. Esquadrias steel framimg, por exemplo, feitas sob medida para cada projeto, acabam com a sobra de material.


4- TELHADO ECOLÓGICO
Parte da laje pode ser usada para um
telhado verde. O jardim ajuda a resfriar a casa –
economizando ar condicionado – e pode servir como
um espaço de lazer a mais. Cuidado com a manutenção
e os vazamentos. Não se esqueça do sistema de captação
de chuva: a água captada por calhas passa por uma filtragem simples, vai para a cisterna subterrânea e é bombeada para
privadas e irrigação.
5- BRISES E JANELAS
Janelas definem a ventilação e o
aproveitamento da luz natural. A técnica
da ventilação cruzada otimiza a circulação do ar e ajuda a manter a temperatura agradável. Persianas ficas como o brise impedem a incidência solar direta nas janelas e evitam superaquecimento.
.

2- CAIXA D’ÁGUA SECUNDÁRIA
A água coletada nas calhas desce para a cisterna
e é bombeada para uma caixa d’água secundária, no teto, que distribui o recurso. Ela pode reduzir o consumo de água da rede pública em até 30% por mês.


6- MINIESTAÇÃO DE TRATAMENTO
DE ÁGUA E ESGOTO
Além da coleta seletiva, é possível tratar dejetos em módulos residenciais. O lixo orgânico e a água da privada e das pias podem passar por miniestações de tratamento de esgoto que limpam e permitem reúso na irrigação do jardim ou devolução ao lençol freático.
7- MÁQUINA DE LAVAR
A água com sabão que sobra da
lavagem de roupas pode ser canalizada para lavagens.
1- GERADORES DE ENERGIA
A energia solar é limpa e renovável e o custo
diminui à medida que a tecnologia evolui e o
incentivo governamental aumenta.
Além das placas fotovoltaicas, já existem telhas e vidros que captam a radiação solar para convertê-la em energia elétrica.
O problema é que a energia produzida não é tão forte. Para abastecer eletrodomésticos de 220 volts requer adaptações que encarecem o produto. Mas para aparelhos de menor consumo e aquecimento d’água, funciona muito bem e reduz o custo da energia da rede.



8- CISTERNA PARA ÁGUA DA CHUVA
A água coletada na chuva é armazenada em uma boa cisterna e bombeada para a caixa d’água secundária para reúso.
9- ELETRODOMÉSTICOS CERTIFICADOS
PELO PROCEL
Opte por eletrodomésticos com o selo do Procel Eletrobras de economia de energia. A certificação nacional, conferida pelo Inmetro, consome entre 10% e 15% a menos de energia que os demais.
10- MÓVEIS DE MADEIRA CERTIFICADA
Dê preferência a móveis de materiais naturais
reciclados e madeira de manejo florestal. Há
certificações, como a do Forest Stewardship Council (FSC), referenciado pelo LEED, que idenficam esses produtos.
11- SANITÁRIOS DE BAIXO CONSUMO
Além de reutilizar a água de chuvas, dá para
economizar com as válvulas de acionamento duplo. Quando não há resíduos sólidos, o consumo é 50% menor.
12- ILUMINAÇÃO
Lâmpadas fluorescentes e de LED emitem
mais luz do que calor. O resultado é uma
economia de energia entre 75% e 95%, se comparado a modelos tradicionais, como os de filamento.
Custos para executar esta cobertura de 12 metros quadrados já impermeabilizada:

Manta geotêxtil da marca Bidim: R$ 60,00

Argila Expandida: R$ 150,00

Terra adubada: R$ 70,00

Grama: R$ 100,00

Rufo metálico: R$ 250,00

Mão-de-obra: R$ 150,00

Total: R$ 780,00, ou seja, R$ 65,00 por metro quadrado.

Tempo de execução: 2 horas
Ecologicamente corretas, as peças
possuem em sua composição 85%de PET reciclado, além de aditivos minerais reaproveitados. Na fabricação, o mais avançado conceito de tecnologia verde garante baixo consumo de energia, emissão zero de poluentes e resíduos. As pastilhas ecológicas são isentas de metais pesados e contaminantes e são 100% recicláveis. Cada m² deste novo produto, que chega agora ao mercado, evita o lançamento
de 3kg de gás carbônico na atmosfera e
retira do meio ambiente 66 garrafas
de plástico.
Massa DunDun tem ainda um
forte apelo ecológico. A fabricação do
cimento utilizado para o assentamento de cada
metro quadrado de parede emite aproximadamente
2 kgs de CO2 na atmosfera, enquanto o passivo ambiental
da Massa DunDun se limita ao baixo consumo de energia elétrica
dos equipamentos utilizados na sua produção. De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento, o consumo mundial de cimento em 2010 foi de quase 3 bilhões de toneladas de cimento, representando 5% de todas as emissões de CO2 geradas pelo homem.
Full transcript