Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"O que é a cultura histórica? Reflexões sobre uma nova manei

No description
by

Rainer Sousa

on 28 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "O que é a cultura histórica? Reflexões sobre uma nova manei

Jörn Rüsen
As dimensões estética, política e cognitiva da cultura histórica
Ao reconhecer a cultura histórica e relacioná-la com MEMÓRIA, CONSCIêNCIA HISTÓRICA e NARRATIVA, Jörn Rüsen passa a dizer que a CULTURA HISTÓRICA, os usos públicos do passado, atuam nas dimensões da ARTE (sentimento), da POLÍTICA (vontade) e da CIÊNCIA (intelecto)
As narrativas precisam da memória histórica para existirem. A memória histórica envolve todo aquele CONHECIMENTO ACUMULADO sobre o passado que é acessado para que as narrativas sejam organizadas.
HISTÓRIA - "A cultura situada no tempo" (p.5)

CULTURA - Ato de interpretação do mundo em que o homem se vale das habilidades de "PERCEPÇÃO", "INTERPRETAÇÃO", "ORIENTAÇÃO" e "FINALIDADE" (p.6)

CULTURA HISTÓRICA - Uma esfera da cultura em que as ações de PERCEBER, INTERPRETAR, ORIENTAR E APONTAR FINALIDADES, "tomam o tempo como fator de determinante da vida humana" (p.6)

através do que a CULTURA HISTÓRICA se manifesta?
A CULTURA HISTÓRICA se manifesta pelas NARRATIVAS, as histórias que são articuladas pelo esforço mental daqueles que se mobilizam para falar do passado. Logo, as NARRATIVAS são os produtos nos quais os usos do passado (CULTURA HISTÓRICA) se apresentam. A NARRATIVA é o que APRESENTA O PASSADO.
Toda a memória histórica não pode ser empregada, pois esse conhecimento acumulado é demasiadamente amplo e caótico para ser integralmente cortejado. Ao mesmo tempo, a importância, o reconhecimento de valor às memórias históricas não é uniforme. Muitas dessas memórias podem ser desconsideradas para a construção das narrativas ou podem ser somente acessadas quando disponíveis ou consideradas relevantes para a formulação de uma narrativa do passado.
"A identidade é uma relação auto-interpretativa dos sujeitos consigo mesmos, em que estes devem procurar conciliar as aspirações pessoais de valor próprio com as atribuições dos outros, de tal modo que possam movimentar-se no âmbito social. Essa identidade tem uma extensão temporal. Se conforma uma e outra vez através da recordação e se perderia sem a memória. Uma e outra vez o passado há de ser usado, mediante as atividades da consciência histórica, no esforço social de se obter reconhecimento; sobre as histórias se estabilizam e desestabilizam identidades, se afirmam e criticam, se transformam e confirmam, - e isso em em todos os níveis da existência de uma pessoa: do indivíduo singular, passando pelo grupo e a comunidade política, ao âmbito cultural mais extenso, até a humanidade; porque a humanidade (não entendida como espécie biológica, mas como comunidade de seres providos de capacidade cultural) é um aspecto essencial para a formulação da identidade" (p.12)
O conceito de cultura histórica se relaciona com "o papel que a memória histórica no espaço público" (p.1). Logo, essa cultura não parte em direção à "ciência histórica e seu papel no Estado e na sociedade nem tão pouco às instituições de aprendizagem histórica e seu significado para a cultura política" (p.2). Ou seja, a CULTURA HISTÓRICA contempla "a universidade, o museu, a escola, a administração, os meios de comunicação e outras instituições culturais como um conjunto da MEMÓRIA COLETIVA e integra funções de ensino, entretenimento, legitimação, crítica, distração, ilustração e outras formas de lembrar" (p. 2-3).
"O que é a cultura histórica? Reflexões sobre uma nova maneira de abordar a História"
A DIMENSÃO ESTÉTICA

Sem o aspecto aqui predominante da concordância formal - tradicionalmente chamado de 'beleza' - as obras históricas não poderiam desenvolver sua força orietadora no plano da percepção sensitiva,; a clareza cognitiva das ideias não teriam o fogo da força imaginativa, com a qual a recordação histórica abre uma perspectiva que estabelece eficazmente finalidade orientadoras para a ação." (p.15)
CIENTÍFICA

Essa dimensão leva em conta uma produção histórica que se preocupa com pretensões de verdade orietadas pelos acréscimos de racionalidade que permitiram transformar a HISTÓRIA em uma CIÊNCIA estruturada por conceitos específicos e aspectos normativos capazes de adensar a qualidade das investigações sobre o passado, não tendo uma relação necessária com outros saberes ou interesses da vida prática que também se aproximam das experiências do passado pelos as quais os usos públicos da história integram a CULTURA HISTÓRICA.
A DIMENSÃO POLÍTICA

É nesse ponto em que a memória histórica, os dados acumulados do passado, são moldados pela CONSCIÊNCIA HISTÓRICA. A CONSCIÊNCIA HISTÓRICA é o momento em que as carências de orientação do PRESENTE buscam nas experiências do PASSADO (memória histórica) uma resposta que, ao se estabelecer, constitui IDENTIDADE(s) e, ao mesmo tempo, aponta para um horizontes de ações projetadas ao FUTURO relacionadas a essa IDENTIDADE estabelecida. Logo, a CONSCIÊNCIA HISTÓRICA articula PASSADO, PRESENTE E FUTURO.
"A rememoração histórica tem uma função genuinamente política de legitimação. Esta se cumpre geralmente na forma de uma consciente construção e cuidado das tradições, ao que tão pouco podem renunciar, fundamentalmente, os estados modernos, por muito quererem entender sua legitimidade juridicamente como legalidade. Legitimidade é a capacidade estrutural de domínio de receber consentimento. A memórica histórica é um meio importante deste consentimento." (p.18)
O CIENTIFICISMO
"... quando as estratégias cognitivas de construção de sentido adquirem o monopólio como as unicamente decisivas, a custa da política e da estética, se produz uma distorção da cultura histórica: as pretensões políticas de domínio se potencializam tanto, que a pretensão de verdade científico-acadêmica se perverte em um dogmatismo ideológico e a argumentação livre, que é o ar vital do progresso científico do conhecimento, se interrompe" (p.24)
A POLITIZAÇÃO

"Mediante uma politização unilateral, se entrega a cultura histórica as regras de uma vontade cega de exercer o poder. Os aspectos normativos da memória histórica adquirem uma arbitrariedade decisiva e se reduz o ato cognitivo da ciência à produção de feitos politicamente desejados" (p. 24)
A ESTETIZAÇÃO

"... a estetização da memória histórica leva geralmente a déficts na orientação política e o enfraquecimento da força argumentativa do uso argumentativo do uso metodológico do intelecto ao abordar a experiência histórica. A estetização ocorre geralmente na cultura histórica moderna quando se produzem trocas nas constelações da experiência temporal que fazem saltar as ideiais dominantes atuais sobre o transcurso do tempo" (p.22)
Full transcript