Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Descobrir

No description
by

Descobrir Gulbenkian

on 27 July 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Descobrir

Descobrir
o Jardim

Olá!
Sejam bem-vindos!
Aqui encontram ideias e atividades para conhecer e explorar o Jardim Gulbenkian.
O formato é
SELF-SERVICE
... é só ler, imprimir e experimentar!
História do Jardim
1
Este Jardim foi pensado para criar uma
paisagem ideal
em que uma árvore possa crescer em todo o seu esplendor até morrer de velha, mas onde haja sempre outras plantas, de todas as idades, a nascer e a crescer.
Tem
recantos ideais
para os animais fazerem a sua casa e onde as pessoas adoram
repousar, brincar ou passear pelo jardim.
Sabia que...
Este Jardim foi construído há muito tempo,
nos anos 60
, e foi pensado e projetado por dois arquitetos paisagistas muito conhecidos:
Gonçalo Ribeiro Telles
e
António Viana Barreto.
?
2


No
século XIX
, a quinta foi comprada, e o seu novo dono decidiu construir um
parque
, como era então moda na Europa. Para isso chamou um famoso jardineiro suíço.

Assim nasceu o
Parque de Santa Gertrudes
.
Sabia que...
A construção do Parque de Santa Gertrudes durou
4 anos
-
de 1866 a 1870
-, e segundo relatos e gravuras daquela época, o lago tinha barcos, aves aquáticas e um quiosque onde todas as semanas uma banda dava concertos. Consegue imaginar?
?
3
A seguir ao Parque de Santa Gertrudes esteve aqui o primeiro
Jardim Zoológico de Lisboa
que permaneceu
10 anos
(1884-1894), antes de se instalar em Sete Rios, onde está hoje.
4
Quando a Fundação Gulbenkian aqui se instalou -
a partir de 1957
- foi desenhado um novo parque, aproveitando todas as árvores saudáveis do Parque de Santa Gertrudes, e construindo novos caminhos, ribeiras, um novo lago e vários edifícios.
Sabia que...
... O edifício-sede, o Museu Gulbenkian e o Jardim foram
projetados e construídos em conjunto
?
?

O edifício fica mesmo bem no Jardim, e lá de dentro parece que
o jardim entra pelas janelas
.
Nos terraços do Museu, do Grande Auditório e por cima do parque de estacionamento também há jardim.
Lugares especiais
O Jardim da Fundação oferece-nos muitos lugares, micro jardins, caminhos e recantos.
Selecionámos
um local
que vos convidamos a conhecer.
Preparámos informações, curiosidades e atividades práticas que se podem desenvolver com os alunos… no Jardim e na Escola.
O que é um bosque?
Um bosque é uma mata onde para além das árvores, há arbustos, herbáceas, trepadeiras e muitos animais que aí encontram casa e alimento. Além de produzir madeira, cogumelos, frutos silvestres e outros alimentos, o bosque e a mata têm a importante função de proteger o solo, a fauna que a habita e toda a biodiversidade de plantas, muitas das quais só existem em alguns sítios de Portugal.
O bosque
à lupa

O Jardim teve muitas alterações ao longo do tempo.
Para saber pormenores vale a pena visitar o
Centro Interpretativo do Jardim
ou o
site
do Jardim
.
Hoje grande parte das árvores que aqui estão são Lódãos.
Mas já aqui houve um grande ulmeiral. Infelizmente os Ulmeiros são árvores que não se dão muito bem com a poluição e morreram todos, tendo sido substituídos pelos Lódaõs, que são árvores mais resistentes.
As suas folhas verdes filtram a luz do fim do dia, criando um lugar surpreendente.
Há aqui muitas outras plantas, umas características da flora portuguesa, outras importadas.
Os
Loureiros
, os
Folhados
, uma
Faia
, as
Cycas
, os
Fetos-arbóreos
, o
Azevinho
e os
Eucaliptos
.
Quais destas costumamos ver quando passeamos no campo em Portugal?
Quando vier ao jardim tente identificá-las com os seus alunos.
Mês a mês

Em março o Pitósporo tem uma floração muito intensa e odorífera, muito doce.
Em abril as Clívias têm flores muito vistosas de uma cor de laranja forte.
No outono podemos encontrar o chão coberto das folhas amarelas dos Lódãos .
Os "olhos do Jardim"
Os "olhos do Jardim" são estes lagos redondos, feitos de cascalho preto, que funcionam como espelhos. É assim que os mais distraídos, que só olham para o chão, podem descobrir as copas das árvores e o céu do jardim. As aves vêm aqui beber e banhar-se. Se reparar bem, este lugar parece mágico. É um micro jardim feito de luz, de sombra, de calma e do som dos nossos passos nestas pedras rosadas.
Sabia que...
À volta destes espelhos de água o chão está coberto de pequenas pedras de cor rosada. São pedras de origem vulcânica, chamam-se bagacina ou lapilli e vieram dos Açores. Fazem barulho quando caminhamos.
?
Atividades
O Jardim no espelho
1. Os alunos dividem-se pelos 2 grandes espelhos de água para que tenham espaço suficiente para observar os reflexos;
2. Sentam-se à volta dos espelhos e recebem esta folha , onde vão desenhar tudo o que observam espelhado na água;
3. Reparem nos pormenores! Há zonas de sombra, outras mais claras, diferentes texturas e formas;
4. Usem um suporte rígido para pousar a folha de papel (um caderno, ...);
5. Desenhem com lápis 2B e evitem as borrachas;
6. Comecem por desenhar com linhas leves e depois, nalguns sítios façam zonas mais e menos escuras.

Construir na Escola
1. Cada aluno recorta o seu círculo com todo o cuidado;
2. Cada aluno recorta também uma tira de cartolina com 2cm x 14 cm;
3. Colam a tira nas costas do círculo, ao centro, deixando 1cm de cada lado;
4. Reúnem-se todos os círculos (colados nas tiras), colocam-se em fila, lado a lado e unem-se as extremidades das tiras com fita-cola;
5. Dobra-se em harmónio, e guarda-se numa caixinha;
6. Podem decorar a caixa e identificá-la com um título: "Espelhos do bosque".

Vamos descobrir o bosque!
Olá!
Sejam bem-vindos!
Aqui encontram ideias e atividades para conhecer e explorar o Jardim Gulbenkian.
O formato é
SELF-SERVICE
... é só ler, imprimir e experimentar!
No Jardim
Na Escola
Loureiros
Folhados
Faia
Cycas
Fetos-arbóreos
Azevinho
Eucalipto
Construção do edifício (1966)
Construção do edifício-sede (1966)
Vista do Jardim e dos edifícios (1969)
Sessão inaugural no Grande Auditório (1969)
Jardim interior - zona de congressos
Vista do Jardim sobre a cobertura do edifício sede - zona sul
Vista do Jardim - Lago e Grande Auditório
Vista do Jardim - lago

Nesta zona ainda encontramos árvores que aqui estão desde o início (antes de a Fundação vir para cá):
por exemplo dois grandes Eucaliptos e uma Faia.
No século XVIII
, este Jardim era uma grande
quinta de recreio
. Tinha um campo cultivado, com edifício, jardim, pomar, vinhas, horta e algumas árvores e campos de cereais.
Filipe Folque, "Atlas do mapa topográfico de Lisboa" © Centro de Estudos Olissiponenses
"Planta do Jardim Zoológico e d'acclimação de Lisboa" © Centro de Estudos Olissiponenses
Já no
século XX
, entre 1943 e 1957, instalou-se uma
Feira Popular
com cafés, esplanadas, pavilhões de exposições, carrosséis, montanha-russa, ringue de patinagem e muito mais.
Feira Popular, 9 junho 1951 © Arquivo Nacional Torre do Tombo
Cobertura ajardinada da galeria de exposições temporárias (1969)
Varandas e cobertura do Jardim
Jardim visto do terraço da sede
Uma mata na Lousã
Bosque no Jardim Gulbenkian
Pitósporo
Clívias
Lódãos
© Rodrigo de Souza
© Rodrigo de Souza
© Vanda Vilela
© Paula Côrte-Real
© José Manuel Costa Alves
© José Manuel Costa Alves
© Márcia Lessa
© José Manuel Costa Alves
© José Manuel Costa Alves
© José Manuel Costa Alves
© Vanda Vilela
© Paula Côrte-Real
© Márcia Lessa
© Márcia Lessa
© José Manuel Costa Alves
Ficha técnica
Conceção e conteúdos
Leonor Pêgo, Vanda Vilela

Conteúdos sobre o Jardim
Paula Côrte-Real

Colaboração
Associação Traços na Paisagem

Contacto
Ana Maria Lopes
descobrir@gulbenkian.pt

Fotografias
Arquivo FCG, José Manuel Costa Alves, Leonor Pêgo, Márcia Lessa ,Paula Côrte-Real, Rodrigo de Souza, Vanda Vilela

Vídeos
Márcia Lessa, Vanda Vilela
gulbenkian.pt/jardim/
©Arquivo da Fundação
© Centro de Estudos Olissiponenses
© Centro de Estudos Olissiponenses
© Paula Côrte-Real
© Vanda Vilela
© Vanda Vilela
© Vanda Vilela
© José Manuel Costa Alves
© Vanda Vilela
© DR
gulbenkian.pt/jardim/
Full transcript