Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O ESPLENDOR DE ROMA

No description
by

Matheus Silmes

on 29 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O ESPLENDOR DE ROMA

LUUANDA - Luandino Vieira
LUUANDA
José Vieira
Mateus da Graça,
nascido em Portugal
e criado em Angola.
Participou de movimentos
de libertação nacional em Angola e foi um personagem de grande importância nas lutas contra a
opressão angolana
Luandino combateu nas fileiras do MPLA contribuindo para a criação da República Popular de Angola
Foi detido pela PIDE
em 1959 como um
dos acusados do
processo de 50, sendo
condenado à 14 anos
de prisão, em 1961.
Luandino cumpriu pena
de prisão no Campo
do Tarrafal, em Cabo
Verde, regressando
a Portugal em 1972,
com residência vigiada
em Lisboa.
Obras
Novelas
Infanto-juvenil e Tradução
A cidade Luanda.
A linguagem no conto
A linguagem utilizada é híbrida, mistura entre o português e o quimbundo

A oralidade marcada no conto.

" — Aiuê, nossa vida. Vida de pobre é assim.
— Pois é, vavó!... Sukuama!"
(Vavó Xixi e seu neto Zeca Santos)
Em “Estória do ladrão e do
papagaio”, a imagem do cajueiro, como uma alegoria da resistência

A importância do idoso nas histórias africanas
A figura das crianças
Quando o soldado foi tirar a galinha debaixo do cesto, Beto
e Xico miraram-se calados. E se as pessoas tivessem dado atenção nesse olhar tinham visto logo nem os soldados que podiam assustar ou derrotar os meninos de musseque. Beto falou na orelha de Xico:

— É isso, Xico! Esses gajos não vão levar a Cabíri assim à toa! Temos de lhes atacar com a nossa técnica!...
— Vamos, Beto! Com depressa!
— Não, você ficas! P’ra disfarçar...
E Beto, parecia era gato, passou o corpo magro no buraco das aduelas desaparecendo, nas corridas, por detrás da quitanda.
Xico esticou as orelhas com atenção esperando mesmo esse
sinal que ia salvar a Cabíri. E foi isso que as pessoas,
banzadas, ouviram quando o sargento queria ainda
esquivar a galinha dos braços compridos e
magros de nga Zefa.
Comentários sobre o autor.

Universidade Federal do Ceará
Centro de Humanidades - CHI
Literaturas Africanas
de Língua Portuguesa
Docente: Sueli Saraiva
Discente(s): Dayene Saraiva
Márcia Araújo
Matheus Mesquita
Biografia
Contos
Luuanda- estórias:
Opressão e Revolução em Angola
Durante algum tempo se sentiram só as folhas das
mulembas
e mandioqueiras a tremer ainda com o balanço,e um
pírulas
, triste, cantando a chuva que ia vir.
(Vavó Xixi e seu neto Zeca Santos)
A galinha queria lhe fazer pouco, os olhos dela, pequenos e
amarelos, xucululavam na dona, a garganta do bicho cantava,
dizendo:
...
ngala ngó ku kakela
(Estória da Galinha e do Ovo)
"Papagaio louro
de bico encarnado
có... có... có... có..."
(Estória do ladrão e do papagaio)
— A galinha fala assim, vavó:
Ngêxile kua ngana Zefa
Ngala ngó ku kakela
Ka...ka...ka...kakela, kakela...
(Estória da galinha e do ovo)
Fiquem malucos, chamem o tractor ou arranjem as catanas, cortem,serrem, partam, tirem todos os filhos grossos do tronco-pai e depois saiam embora, satisfeitos: o pau de cajus acabou, descobriram o princípio dele. Mas chove a chuva, vem o calor, e um dia de manhã,quando vocês passam n caminho do cajueiro, uns verdes pequenos
e envergonhados estão espreitar em todos os lados (...) do tronco--pai. E se nessa hora, com a vossa raiva toda de não lhe encontrarem o principio, vocês vêm e cortam, rasgam, derrubam, arrancam-lhe pela raiz, tiram todas as raízes, sacodem-lhe, destroem, secam,queimam-lhes mesmo e vêem fugir para o ar feito muitos fumos (...), não adiantem ficar vaidosos com a mania que partiram o fio da
vida, descobriram o princípio do cajueiro...
"A sua obra, importantíssima, foi precursora da literatura angolana e tem raízes na terra e na cultura do país" - José Saramago
“Seja através do exercício da escritura do conto e do romance, a opção de Luandino Vieira foi por ficcionalizar os desafios vividos pelos marginalizados que habitam a periferia de Luanda e atestar o seu potencial de resistência”.
-Vima Martin
"Luandino Vieira é um nome tão grande da literatura em língua portuguesa que a sua distinção já há muitos anos era esperada". "A sua obra tem um enorme valor, e este prémio é um reconhecimento da dinâmica das literaturas africanas e do vigor da Língua Portuguesa
em África" - José Eduardo Agualusa.
Referências bibliográficas
CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. 2005.
COUTO, Nivia de Oliveira Felix Cunha do.Cadernos CESPUC N. 20. 2010.
Vieira, José Luandino. Luuanda: estórias. 1977.
MARTIN, Vima Lia. ZUNÁI - Revista de poesia & debates. 2006
CARREIRO, José. Lusofonia - Plataforma de apoio ao estudo à língua portuguesa no mundo. 2008.
SANTILLI, Maria Aparecida. A “Luuanda” de Luandino Vieira. In: VÁRIOS. Luandino – José Luandino Vieira e sua obra. Lisboa: Edições 70, 1980.
Full transcript