Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Modernismo Portugues

No description
by

Diana Silva

on 20 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Modernismo Portugues

Modernismo Português As Primeiras Vanguardas Modernistas Portuguesas surgiram num momento de: Fernando Pessoa,
Mário de Sá Carneiro, Almada Negreiros, etc . Contra o saudosismo surge o situacionismo, um grupo liderado por: A I Geração Paris, aconteceu com o regresso de artistas tais como Dórdio Gomes e Guilherme Santa-Rita, em conjunto com dois grupos de modernistas portugueses, por volta do ano de 1924. Este novo grupo foi constituído por artistas que foram “obrigados” a regressar a Portugal, devido ao início da grande Guerra mundial, tais como Amadeu de Souza-Cardoso, Diogo de Macedo e Eduardo Viana Amadeu de Souza Cardoso - Nasceu em Novembro de 1887, estudou na academia das Belas Artes de Lisboa. Obras de Amadeu Souza Cardoso Nome da Obra: Janelas do Pescador
Data: 1915 - Instabilidade Política (queda da 1ºRepublica e instauração do Estado Novo - Atraso social, económico e cultural -Num momento em que a sociedade continuava ligada ao classicismo, naturalismo e racionalismo No meio de uma Arte ligada ao Estado Novo houveram intelectuais tanto ligados a Literatura como às Artes Plásticas que quiseram implantar o Modernismo Grupo de Futuristas que formaram a "Revista Orpheu", assim marcam o início do Modernismo Nacional e o início da Primeira Geração Orpheu. A Segunda Geração apareceu com a "Revista Presença" fundada em Coimbra por: Branquinho da Fonseca,
João Gaspar Simões e José Régio. Buscavam sem romper com as idéias da geração anterior, aprofundar em Portugal a discussão sobre teoria da literatura e sobre novas formas de expressão que continuavam surgindo pelo mundo Mas não foram só as revistas a darem a voz por um novo pensamento, jovens universitários de Coimbra também se ergueram, em conjunto com outros nomes da literatura. As Duas Gerações do Modernismo Português: A II Geração Paris é a partir da década vinte. foi representada pelos artistas modernistas portugueses, que voltaram a paris depois da grande guerra, foi nesta época que se destacaram alguns grandes nomes, tais como Almada Negreiros, Abel Manta, irmãos Franco, Mario eloy, entre outros vários artistas. - Viajou e uma vez instalado em Paris, o ambiente citadino influenciou o artista a uma inclinação para o desenho e para a caricatura, afastando gradualmente da vertente de arquitectura. - A sua pintura expressa-se abertamente com movimentos como o futurismo, o cubismo e o expressionismo. - Amadeu morreu prematuramente com apenas 30 anos em Outubro de 1918, em Espinho, vítima de uma epidemia pneumónica. Nome da Obra: L´Athléte
Data: 1912 Guilherme de Santa-Rita - Artista lisboeta nascido em 1886. Formado pela Real Academia de Belas Artes. Foi um dos bolseiros do estado da primeira Geração Paris - Chegado a Portugal no ano da eclosão da Primeira Guerra Mundial, estava disposto a chocar as mentes conservacionistas e tradicionalistas da época, e enaltecendo o seu nome e ego chega mesmo a afirmar: “Futurista declarado em Portugal há um, que sou eu.”. - Maravilhado com as ideias, exposições e o Manifesto futurista de Marinetti deixou-se influenciar por estes pensamentos. - Mais tarde morre na sua cidade natal a 1918 com apenas 29 anos, deixando ordens á família para que destrui-se todos os seus trabalhos. Obras de Guilherme de Santa-Rita Nome da Obra: Orfeu nos Infernos,
Data: (data desconhecida) Nome da obra: A cabeça
Data: 1910 Almada Negreiros - José Sobral de Almada Negreiros, nascido a 7 de Abril de 1893 em S. Tomé e Príncipe estudou na escola Internacional de Lisboa. - Trabalho em varias áreas distintas desde tapeçaria, gravura, pintura mural, caricatura, mosaico, azulejaria, vitral, bailarino e escritor “Não é tanto como artista plástico que o Almada me interessa, mas como figura global da cultura“ - Apesar destas correntes todas em que se inspirou, não se fixou em nenhuma usando um pouco de cada uma. Morreu vitima de pneumonia no dia 15 de Janeiro de 1970 em Lisboa no Hospital S. Luís dos Franceses no mesmo quarto que o seu amigo Fernando Pessoa. Obras de Almada Negreiros Nome da Obra :Auto-retrato
Data : 1927 Nome da Obra :Retrato Fernando Pessoa
Data :1954 Sarah Afonso - Uma artista que partiu sozinha para Paris depois de concluir os estudos na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa - Tornou-se a primeira mulher a frequentar o café do Chiado, A Brasileira, que era conhecido por ser somente frequentado pelo sexo masculino, integrando-se desta forma no ambiente artístico e intelectual. - Casou-se com Amada Negreiros - A artista faleceu em 1983 deixando como seus maiores valores na arte portuguesa, a curiosa mistura as artes populares e a sua apropriação feminista, intencionalmente antiacadémica e anti erudita. Obras de Sarah Afonso Nome da obra: A Sereia
Data: 1939 Nome da obra: Auto-Retrato
Data: 1927 Eduardo Viana -Eduardo Viana, famoso pintor português, Estudou o curso de Belas-Artes em Lisboa, onde se matriculou e entrou no ano de 1896. - Durante alguns anos, frequentou as academias livres. Em 1910 percorreu outros países tais como a Bélgica, Holanda e Inglaterra. - Acabou por, no final, em 1958, sendo membro da Academia Nacional de Belas-Artes. - Pintou quadros exclusivamente para o café “A Brasileira” e também para o “Bristo Club”. Em 1925 esteve a frente de um projeto, designado por “I Salão de Outono”. - Eduardo Viana morreu em 1967, deixando para trás, uma experiência de vida fascinante Obras de Eduardo Viana Nome da obra: Nú
Data: 1915 Nome da obra: A revolta das bonecas
Data: 1916 Ilustração Modernista Muitos artistas tiveram de se dedicar ao grafismo e à ilustração, pois não foram compreendidos ou reconhecidos na área da pintura, levando assim na sua maioria ideologias politicas e uma representação de vida citadina. Bernardo Marques - Nascido em 1899, foi talvez o artista que mais se destacou na ilustração, publicidade e cartazes. Este provavelmente foi o artista que mais desenvolveu a sua capacidade de observação perante a sociedade que o rodeava. Mily Possoz - Nascida em 1888, com 16 anos foi para Paris onde deu continuidade à sua aprendizagem em pintura. Mily Possoz desenvolveu um estilo que passa um pouco pelo expressionismo, usava a deformação de objectos, tendo sido assim reconhecido como «animismo». A pintura desta artista era essencialmente dedicada ao universo feminino. Escultura Modernista A escultura paralelamente à pintura foi um sector do modernismo português que teve menor importância.Na escultura os artistas portugueses que mais se destacaram foram Diogo Macedo e Francisco Franco. Diogo Macedo - Apesar de ter tido contacto com o cubismo, o seu estilo de escultura situava-se entre a representação tradicional e o interesse pela simplificação. As peças por norma eram expressivas, e a sua arte era apresentada simplesmente por bustos e torsos onde o artista tratava o corpo feminino despido, este fazia distorções à forma do corpo, Francisco Franco - Era considerado um artista estatuário ao contrário de Diogo Macedo, em 1919 realizou uma figura chamada “Semeador” exposta num salão em Paris em 1924, esta escultura tinha características teatrais na acentuação da posse. No regresso a Portugal, este idealiza uma figura que se transforma num modelo oficial do que é a escultura, também bastante acarinhada.
Full transcript