Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Psicologia Criminal

No description
by

carolina rodrigues

on 14 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Psicologia Criminal

Psicologia
Criminal Psicologia Como surgiu?? Após a 2ª Guerra Mundial, o psicólogo britânico Lionel Haward foi um dos pioneiros ao trabalhar para a Royal Air Force, elaborando uma lista de características que os criminosos de guerra nazistas podiam exibir. Definição Aplicações Psicologia criminal Psicologia desportiva Psicologia
educacional Psicologia do trabalho
e das organizações Psicologia clínica Psicologia
criminal Como
surgiu? O que é? Metodologia O papel do
psicólogo
criminal O que é?? A psicologia criminal ( também denominada de psicologia forense ou jurídica), surge numa tentativa de conciliar a psicologia e a justiça, de forma a adaptar a legislação a cada caso em questão, culminado num veredito justo.

Desta forma, a psicologia criminal procura entender:
- a origem do crime,
- as suas causas
- o porquê daquela determinada vítima
- qual o contexto social em que sucedeu a ideia do crime; Importância - Forma eficaz de obter justiça;

- Auxilia o juiz a formar um julgamento com maior grau de razoabilidade;

- Há pessoas que apresentam um comportamento questionável, no entanto, somente um profissional poderá esclarecer todas as dúvidas quanto à pessoa analisada.

- Através da análise do perfil psicológico do criminoso é possível adotar-se medidas preventivas que assegurem a segurança da sociedade. O psicólogo criminal (ou psicólogo jurídico) deve dominar conhecimentos de índole psicológica e todo o conhecimento referente às leis civis e às leis criminais.

Este deve ser um bom clínico e possuir um conhecimento pormenorizado da Psicopatologia.

Desta forma, os psicólogos criminais dedicam-se ao estudo do comportamento criminoso, através da aplicação, análise e interpretação de provas psicológicas. O papel do Psicólogo Criminal A psicologia é a ciência que estuda os processos mentais (sentimentos, pensamentos, razão) e o comportamento humano. Nos anos 50, o FBI abriu na sua academia uma unidade de análise comportamental.

Posteriormente foi criado o Centro Nacional de Análise de Crimes Violentos (sistema que encontra ligações entre os principais crimes sem solução americanos). Nos anos 80, no Reino Unido, o Professor David Canter foi um pioneiro ao procurar abordar o assunto de um ponto de vista mais científico. Criou assim, com um colega, o termo psicologia investigativa. - Apoiar na selecção e formação de polícias e guardas prisionais
- Fazer o diagnóstico de reclusos que apresentem perturbações comportamentais;

-Acompanhar os reclusos em situações de liberdade condicional
- Examina as condutas e o que é verbalizado pelas testemunhas;

- Analisa o depoimento das vítimas;

- Analisa o comportamento/reações da vítima quando confrontada com questões acerca do ocorrido; Metodologia Na área da psicologia criminal é feita uma análise minuciosa do acusado em questão, analisando-se:
- a personalidade,
- os desejos;
- intenções;
- reações;
- o comportamento;
- o meio envolvente;
- o percurso de vida;
Assim, é possível traçar o perfil psicológico do acusado e compreender, de forma mais detalhada, os processos mentais que levam a cometer um ato criminoso. Importância Conclusão Psicologia Veredito justo Concilia as leis jurídicas e a psicologia Prever e evitar
comportamentos criminosos Compreender a mente
do criminoso Proteger a
sociedade Psicologia criminal Analisar
cada caso O que leva
alguém a
cometer
um crime? Casos em
análise Psicologia
criminal
em Portugal -Perturbações mentais
( ex. distúrbios de personalidade);

-Mutações ocorridas ao nível dos cromossomas sexuais (mutação XYY); -Sofrer abandono por parte de familiares;

-Ser vítima de violência física/psicológica;

-O meio envolvente (ex. meio onde está bastante presente a violência); Fatores Casos em análise Casos em análise Arthur Shawcross Síndrome XYY Características:

-Fenótipo normal;
-Altura média de 1,80 m;
-Baixo desejo sexual;
-Anomalias nos órgãos genitais;
-Distúrbios motores e atraso na linguagem;
-Maior taxa de testosterona
(aumento da agressividade e
comportamento anti-social);
-QI ligeiramente abaixo do normal;
- Dificuldade em controlar as emoções
-Impulsivos.
- Em 1972 assassinou duas crianças, em Nova Iorque, tendo-as mutilado e violado.
- Após os 25 anos a que foi condenado, Arthur foi libertado e acabou por assassinar brutalmente pelo menos 11 prostitutas.
- Foi capturado e acabou por confessar os crimes, sendo condenado a prisão perpétua. Shawcross escreveu uma carta que foi analisada, podendo-se concluir que este possuía:
-personalidade reprimida e desonesta;
-comportamento antissocial e impulsivo;
-sinais de raiva interior;
-indícios de frustração sexual;
-mantinha reprimidos os seus impulsos violentos. Em Portugal ainda não existem programas de intervenção de psicólogos criminais em todas as áreas em que podem intervir.

Contudo, estes profissionais estão presentes em Tribunais, Instituto Nacional de Medicina Legal, estabelecimentos prisionais, centros de apoio à vítima ou ao criminoso, segurança social, entre outros. Psicologia criminal em Portugal Era uma condessa que enveredou pelo caminho do homicídio , tendo passado por uma infância atribulada, devido a factores como:

- O território Húngaro ter sido campo de batalha entre a Turquia e a Áustria;

- Ter assistido à violação e ao assassinato das suas irmãs Elizabeth Bàthory Possuia um especial prazer em tomar banho em sangue por, supostamente, conservar a beleza da sua pele.

Esta tinha frequentemente acessos de raiva, torturando as suas criadas (servindo-se do seu sangue destas para o seu banho).

Em 1611, foi presa, na sua própria torre, onde chegou a torturar algumas servas.

Estima-se que cometeu cerca de 650 assassinatos Internos Externos Agrupamento de escolas de Santa Comba Dão/
Escola Secundária/3 de Santa Comba Dão

Novembro de 2012 Psicologia B A docente:
Maria Manuela Marques

Os discentes:
Ana Carolina Rodrigues nº3 12ºA
Diogo Ribeiro nº 9 12ªB
Francisca Melo nº12 12ºA "É a própria mente de um homem, e não o seu inimigo ou adversário, que o seduz para caminhos maléficos." Siddharta Gautama (Buda) (séc. VI a.c.)
Full transcript