Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

IFB - Campus Riacho Fundo

No description
by

Newton Neto

on 24 August 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of IFB - Campus Riacho Fundo

The reality of learning English in Brazil is a peculiar one. While in many European countries students are exposed to English at very young ages on a daily basis, having some disciplines such as Math or Science taught in English, in Brazil most students have their first contact with English at 11 in regular school. When they finally get in touch with English, however, their experience throughout the next seven years will usually be a limited one: 1.5h a week (tops!) with 40 other students in class with very different backgrounds. Because the teaching of English in Brazil seems to be a flawed one, many students enroll in private or public language learning centers. There is a bewildering array of them in Brazil, with the most distinct approaches and methodologies. Some students will rather learn another foreign language, such as Spanish of French.
✳✱*
Introdução: aprender inglês no Brasil
What do teachers do, then?
How do we go about this situation and make sure our 1.5 class will be useful to all our very different 40 students? If you surf the Web, you will see that most teachers who try to overcome the verb-to-be paradigm will work with English for Specific Purposes: Reading. That is, familiarizing students with reading strategies that will enable them to understand written information and get the gist of different texts. Other teachers will rather work with projects, making sure they will profit from such diversity, having more advanced students help as senior students or monitors. Another group of teachers is trying to work with Content and Language Integrated Learning (CLIL). CLIL learning favors the teaching of other subjects/contents/disciplines while also learning a foreign language. For instance, learning geography in English. These are the three major approaches, but of course there are others.
IFB -
Campus
Riacho Fundo
English
Teacher Newton Neto
Whenever we try to decode a text (written or aural) we tend to work on it as if it was a puzzle, that is, we try to assemble all the pieces in order to form an image; we usually believe that only after we have understood all the words from an utterance, will we be able to comprehend a text. This idea comes from a Bottom-Up approach. As if we had to throw the pieces of the text on the floor, assemble them and eventually be able to understand it. Even if you know a lot about a language, that does not seem to be the best way to approach a text. If you go Top-Down, chances are you will get the more of it. Instead of trying to assemble pieces – understand every word – focus initially on what the text shows you before you read it. It works as if your puzzle was on the floor, and you just looked Top-down at it, standing next to it. Texts often come with images, videos, titles, subtitles, dates, bibliography, quotes. From the top, you can know what type of text it is: a poem, a story, a recipe, a piece of news etc. You can also start predicting what the text will be about.
English for Specific Purposes: Reading and Listening

There are many ways in which one can be involved with the English language. You can move to a different country and need it on a daily basis; you might be studying it as a foreign language in your own country because you need like it; you might listen to songs, watch movies, play games, read, and even like pages on Facebook in English.
Existem muitas maneiras de se envolver com a língua inglesa. Você pode se mudar para um país diferente e precisar dela diariamente; você pode estudá-la como língua estrangeira no seu próprio país porque precisa ou gosta dela; você pode ouvir músicas, assistir a filmes, jogar, ler e até curtir páginas do Facebook em inglês.

Introduction: learning English in Brazil
A realidade de aprendizado de inglês no Brasil é bem peculiar. Enquanto em muitos países europeus os estudantes são expostos diariamente ao inglês desde muito cedo, tendo disciplinas como matemática ou ciências lecionadas em inglês, no Brasil a maioria dos estudantes só terá o seu primeiro contato com inglês aos 11 anos de idade em escolas regulares. Quando finalmente entram em contato com o inglês, entretanto, sua experiência pelos próximos sete anos geralmente será limitada: 1,5h por semana (no máximo!) com 40 outros alunos na sala com backgrounds muito diferentes. Porque o ensino de inglês no Brasil parece estar muito defasado, muitos estudantes se matriculam em escolas de língua públicas ou privadas. Elas existem aos montes no Brasil, com abordagens e metodologias bem distintas. Alguns estudantes preferem aprender outra língua estrangeira, como espanhol ou francês.
Bearing in mind such scenario, when Brazilian students finally achieve their high school junior year, they will come across such a heterogeonous class that it seems hard to blame English teachers for going back to basics and teaching students "verb to be". Although many students claim to be tired of the poor verb, most do not even master its use.
Tendo em vista tal cenário, quando os estudantes brasileiros finalmente chegam ao primeiro ano do Ensino Médio, eles encontrarão uma classe tão heterogênea, que parece difícil culpar professores de inglês que retornam ao básico e ensinam a eles o “verb to be”. Embora muitos alunos e alunas aleguem estar cansados deste pobre verbo, muitos nem dominam o seu uso.
O que os professores fazem, então?
Como lidamos com essa situação e nos certificamos de que as nossas aulas de 1,5h sejam úteis para todos os muito diferentes 40 estudantes? Se você acessar a Web, você verá que a maioria dos professores que tentam superar o paradigma do verb-to-be vão trabalhar com Inglês para Fins Específicos: Leitura (ou Inglês Instrumental, no Brasil). Isto é, familiarizar os alunos e alunas com estratégias de leituras que os permitam entender informações escritas e ter a ideia geral de diferentes textos. Outros professores preferem trabalhar com projetos, se certificando que se beneficiarão de tamanha diversidade, fazendo com que estudantes mais avançados ajudem como monitores ou tutores. Outro grupo de professores está trabalhando com a Aprendizagem Integrada de Conteúdo e de Língua (AICL). A AICL favorece o ensino de outros assuntos/conteúdos/disciplinas ao mesmo tempo em que se aprende uma língua estrangeira. Por exemplo, aprender geografia em inglês. Estas são as três principais abordagens, mas é claro que há outras.
What will we do here at the Brasilia Federal Institute – Campus Riacho Fundo?
Before we discuss how we will study English, we need to know what we want from it. On a survey carried out by the teacher with his two groups in August 2016, students mentioned that they wanted to:

speak better; have opportunities in life; learn new words; help their colleagues; leave high school speaking fluently; develop conversation; get involved with the language and learn more; be surprised; learn a lot; study for university entrance exams; be able to talk to foreigners; learn something other than verb to be; have individual practical oral classes;

See? Not only do we have little time and too many students with the most different backgrounds and levels in English, we also have to deal with very different expectations.


O que faremos aqui no IFB – Campus Riacho Fundo?
Antes de discutirmos como queremos estudar inglês, nós precisamos saber o que queremos com ele. Num questionário aplicado pelo professor com suas duas turmas em agosto de 2016, os alunos mencionaram que querem:

falar melhor; ter oportunidades na vida; aprender novas palavras; ajudar seus colegas; sair do Ensino Médio falando fluentemente; desenvolver a conversação; se envolver com a língua e aprender mais; ser surpreendido; aprender muito; estudar para o vestibular; conseguir falar com estrangeiros; aprender algo que não seja o verb to be; ter aulas práticas de oralidade;

Viu? Não só temos pouco tempo e muitos alunos com os backgrounds e níveis de inglês mais distintos, nós também temos que lidar com expectativas muito diferentes.


Therefore, here is what we can and will do
:
- Develop each student's autonomy. The way you will get involved with English is your responsibility. The teacher and your colleagues might help you get to know the means and tools to develop it, they might open the door, but you have to walk to it with your own feet. You should learn when to look up something in a dictionary and when not, for instance.
- We can then start with English for Specific Purposes: Reading and Listening. Why? To get you guys develop the autonomy of "decoding" a text without needing a translating tool or a person to do it for you. There are many things you might understand from texts (aural and written) that you can do only by mastering some strategies. This will help you in your specific technical areas: Cozinha and Hospedagem, with university entrance exams, such as PAS at UnB and ENEM and to understand texts of your preference.
- After you have learned how to profit from these strategies to develop your English, we can move to collective conducting projects. Here each student will play a different role. The more you get involved with your project, the more you will learn. You will also have the opportunity to get better at speaking and writing. We will also profit from using a little bit of CLIL, in the sense that we will have access to texts and videos in your own area and develop a product in it.

Portanto, isso é o que podemos e iremos fazer
:

- Desenvolver a autonomia de cada estudante. A maneira como você se envolverá com o inglês é sua responsabilidade. O professor e seus colegas podem ajudá-lo (a) a conhecer os meios e ferramentas para se desenvolver, e também podem abrir a porta, mas é você quem tem de caminhar até ela com seus próprios pés. Você deve aprender quando olhar uma palavra no dicionário, e quando não, por exemplo.
- Nós podemos, portanto, começar com o Inglês para Fins Específicos – Leitura e Compreensão auditiva. Por quê? Para fazer com que vocês desenvolvam a autonomia de decodificar um texto sem precisar de uma ferramenta de tradução ou que uma pessoa faça isso para você. Existem muitas coisas que você pode entender dos textos (orais e escritos) que você pode fazer se simplesmente dominar algumas estratégias. Isso pode ajudar você no seu curso específico: cozinha ou hospedagem, com vestibulares, como o PAS e o ENEM e para entender textos de sua preferência.
- Após ter aprendido como se beneficiar de tais estratégias para beneficiar seu inglês, podemos prosseguir para a realização de projetos coletivos. Aqui cada aluno terá um papel diferente. Quanto mais você se envolver com o seu projeto, mais você aprenderá. Você também terá a oportunidade de ficar melhor na fala e na escrita. Nós também nos beneficiaremos de utilizar um pouco de AICL, no sentido de que teremos acesso a vídeos e textos nas nossas próprias áreas e desenvolveremos um produto nelas.

Shall we start?
Podemos começar?
Inglês para Fins Específicos: Leitura e Compreensão Auditiva
• Go Top-Down
Sempre que tentamos decodificar um texto (escrito ou oral) tendemos a trabalhar nele como se fosse um quebra-cabeças, ou seja, tentamos montar todas as peças para formar uma imagem; normalmente acreditamos que só após temor entendidos todas as palavras de um fragmento, estaremos aptos a compreendê-lo. Essa ideia vem de uma abordagem Bottom-Up (de baixo pra cima). Como se jogássemos todas as peças do texto no chão, montando-as para que finalmente pudéssemos compreendê-lo. Mesmo que você saiba muito sobre uma determinada língua, essa não parece ser a melhor firma de abordar um texto. Se você utilizar a abordagem Top-down (for de cima para baixo), muito provavelmente você compreenderá mais do texto. Em vez de tentar montar as peças – entender cada palavra – foque inicialmente no que o texto te mostra antes que você o leia. Funciona como se o quebra-cabeças estivesse no chão e você o olhasse de cima para baixo, estando em pé ao seu lado. Textos frequentemente vêm com imagens, vídeos, títulos, subtítulos, datas, bibliografia, citações. De cima, você pode já saber de que tipo de texto se trata: poema, narração, receita, notícia etc. Você também pode começar a prever do que o texto se trata.
• Comece com Top-Down (De cima pra baixo)
• Skim

Skim
(passar os olhos)
Do not block your reading because you do not know one word! Speed it up! Look for general information. How to skim.? Many people think that skimming is a haphazard process placing the eyes where ever they fall. However, to skim effectively, there has to be a structure but you don’t read everything. What you read is more important than what you leave out. So what material do you read and what material do you leave out? Let’s say you are doing research on a long chapter or a web site. By reading the first few paragraphs in detail, you will get a good idea of what information will be discussed. Once you know where the reading is headed, you can begin to read only the first sentence of each paragraph. Also called topic sentences, they give you the main idea of the paragraph. If you do not get the main idea in the topic sentence or if the paragraph greatly interests you, then you may want to skim more.
At the end of each topic sentence, your eyes should drop down through the rest of the paragraph, looking for important pieces of information, such as names, dates, or events. Continue to read only topic sentences, dropping down through the rest of the paragraphs, until you are near the end. Since the last few paragraphs may contain a conclusion or summary, you should stop skimming there and read in detail. Remember that your overall comprehension will be lower than if you read in detail. If while skimming, you feel you are grasping the main ideas, then you are skimming correctly.
Não bloqueie a sua leitura porque você não sabe uma palavra! Acelere! Procure por informações gerais. Como passar os olhos? Muitas pessoas acreditam que só passar os olhos (skim) é um processo bagunçado, já que elas colocam os olhos onde quiserem. Entretanto, para um skim eficiente, tem de haver uma estrutura, mas você não lê tudo. O que você lê é mais importante do que aquilo que você não lê. Então que material você lê e que material você deixa de fora? Digamos que você está fazendo uma pesquisa num capítulo longo ou num site. Se você ler os primeiros parágrafos com detalhes, você provavelmente terá uma boa ideia de que informação vai ser discutida. Uma vez que você sabe aonde vai a leitura, você pode começar a ler somente a primeira frase de cada parágrafo. Também chamadas de “topic sentences”, elas te dão a ideia geral do parágrafo. Se você não entender a ideia principal do parágrafo ou se o parágrafo te interessar bastante, então você deve colocar mais skim.
Ao final de cada “topic sentence”, seus olhos devem descer até o resto do parágrafo, procurando por informações importantes, tais como nomes, datas, eventos. Continue a ler somente as topic sentences, descendo pelos próximos parágrafos até que você se aproxime do fim. Porque os últimos parágrados podem conter a conclusão ou um resumo você deve parar de skim e lê-los com detalhes. Se, ao fazer o skim, você sente que está captando as ideas centrais, então você está skimming corretamente.


• Dive in the text


• Mergulhe no texto


Now you can try to assemble those pieces together. But start with what's more obvious. Focus on
a) words you already know; b) words that are probably cognates; c) content words.
Agora você pode tentar montar aquelas pecinhas. Mas comece com o que é mais óbvio. Foque em
a) palavras que você já conhece; b) palavras que são provavelmente cognatas (cognates). c) palavras-conteúdo (content words).
a) Words you already know
a) Palavras que você já conhece
Because English is a universal language, there are many words that we already know or even use in Portuguese, for instance.
Fast food, internet, Web, Blue, Pizza, one, girl, boy, dog, cat, table, chair, book , mother, father etc.

Porque o inglês é uma língua universal, já existem muitas palavras que você conhece ou até usa em português, por exemplo.
Fast food, internet, Web, Blue, Pizza, one, girl, boy, dog, cat, table, chair, book , mother, father etc.
.

b) Cognates
b) Cognates (cognatos)
c) Palavras-conteúdo vs. Palavras funcionais
c) • Content Words vs. Function Words
Words that have a similar origin. A true cognate will have a similar form and meaning, whereas a false cognate will often have a similar form but a different meaning. Language evolves, so some meanings change from language to language. Most English-Portuguese cognates are true! So if you don't know the word, believe your instinct.
Reality, Transparent, Olympics, Athlete, Volleyball, Computer, Day, Night etc


Palavras que têm uma origem comum. Um cognato real terá forma e significado parecidos, enquanto um falso cognato frequentemente terá uma forma parecida, mas um significado diferente. A língua evolui, então alguns significados mudam de língua para língua. A maioria dos cognatos inglês-português são reais/verdadeiros! Então, se você não souber uma palavra, acredite no seu instinto.
Reality, Transparent, Olympics, Athlete, Volleyball, Computer, Day, Night etc

.

I
f you read the following sequence, can you understand what it is about?

1) Maria girl likes play volleyball morning read books night.

It looks broken, doesn't it? But you can probably make assumptions on what this sentence is about.

Now if you read:

2) is a who likes to in the and at
Can you make any sense out of it? Probably not.

.

Ao ler a sequência abaixo, você entende do que se trata?

1) Maria girl likes play volleyball morning read books night.

As ideias parecem meio soltas, né? Mas você provavelmente pode presumir do que esta frase se trata.

Agora, se você ler:
2) is a who likes to in the and at

Dá para fazer algum sentido disso? Provavelmente não
.


.

The original sentence was:
Maria is a girl who likes to play volleyball in the morning and read books at night
.

What the two previous readings suggest is that some words are more revealing than others. Some words bring a more precise meaning with them, they usually create an image in our minds when we listen to or read them (obviously, if we are familiar with them!). These words are called content words. These are the words we saw in 1. They bring content. They bring images. They make our reading much easier. They are usually Nouns, Verbs and Adjectives. Adverbs and Pronouns might be content words, within a given context. What we see in number 2 is called Grammar words (or Function words). They are usually words responsible for giving discourse meaning; for connecting content words; for making language understandable. Grammar words are usually Prepositions, Conjunctions, Numerals, Articles and Interjections. Grammar words alone do not provide the reader with a gist of what the text could be about.
This is important because it seems much more logical for a person who does not know (a lot about) a language and needs it for a specific purpose to focus their learning on content words, and not on grammar words. This will save you time when deciding what to look up on the dictionary.
Also, the scope of grammar words is much more limited than content words, so once you have had a good grasping of them, you will be able to focus on content.

A sentença original era:
Maria is a girl who likes to play volleyball in the morning and read books at night.

O que os dois exemplos anteriores sugerem é que algumas palavras são mais reveladoras que outras. Algumas palavras trazem um significado mais preciso consigo, criando normalmente uma imagem em nossas mentes quando as escutamos ou lemos (claro, se elas nos forem familiar!). Essas palavras são chamadas de Content Words (palavras-conteúdo). Estas são as palavras que vimos no exemplo 1. Elas trazem conteúdo. Elas trazem imagens. Elas tornam a nossa leitura muito mais fácil. São normalmente substantivos, verbos e adjetivos. Advérbios e pronomes podem também ser palavras-conteúdo dentro de um contexto específico. O que vemos no exemplo 2 são as chamadas Function Words (palavras funcionais) ou Grammar words (palavras gramaticais). Elas normalmente são as responsáveis por dar sentido ao discurso; por conectar as Content Words; por tornar a língua inteligível. Grammar Words normalmente são preposições, conjunções, numerais, artigos e interjeições. As Grammar Words sozinhas não dão ao leitor uma ideia geral do que poderia ser o texto. Tudo isso é importante porque parece muito mais lógico para alguém que não conhece (muito sobre) uma língua e precisa dela para fins específicos focar seu aprendizado em content words e não em grammar words. Isso economizará tempo quando você decidir o que procurar no dicionário.


• Word classes
• Word Classes (Classes de palavras)
Alright. So I go top-down, skim the text, go back to it, focus on words that I know, cognates and finally on content words. Content words are... verbs, adjectives, nouns... maybe adverbs. But wait, what is an adverb?
You do not need to be a grammar specialist for you to read a text. However, you need to understand word classes (morphology) in order to decide whether a word is content or grammar.

Beleza. Então é só ir top-Down, fazer o skim, voltar para o texto, focar em palavras que eu já sei, nos cognates e finalmente as content words. Content words são... verbos, adjetivos, substantivos... talvez advérbios. Mas pera aí, o que é um advérbio?
Você não precisa ser um especialista em gramática para entender um texto. Entretanto, você precisa entender as classes de palavras (morfologia) para saber se uma palavra é de conteúdo ou funcional.
Full transcript