Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

GUERRA NA PALESTINA

EDUARDO CALESTINI
by

Eduardo Calestini

on 19 October 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of GUERRA NA PALESTINA

2014
Até I GM
GUERRA NA PALESTINA
II GM MASACRE aos judeus (holocausto) - adiada a criação do Estado de Israel;
1947 a ONU aprova a partilha e o Estado de Israel fica com 57% do território dessa região - judeus eram apenas 30% na área.
1948 - Criação do Estado de Israel;
Indignação Árabe (1948) - Egito, Jordânia , Líbano e Síria invadem Israel
(I GUERRA ÁRABE-ISRAELENSE 1948-1949);
1949 - ARMISTÍCIO - entretanto, o conflito não cessou. Israel domina a Galileia e o deserto de Neguev. Jordânia - incorpora a Cisjordânia. Egito - faixa de Gaza.
II Guerra ÁRABE-ISRAELENSE 1956 - Egito (Gamal) nacionaliza o canal de Suez e proíbe a passagem de navios israelenses.
Israel invade a península do Sinai com apoio de França e Reino Unido. Pressão EUA e URSS fez com que os judeus abandonassem o Sinai. Apesar de perder militarmente, Egito com apoio soviético - vitória diplomática (retirada das tropas rivais).
Egito e Síria (pan-arabismo - RAU - República Árabe Unida).
Em 1967 o Egito bloqueia o canal de Suez aos navios israelenses e inicia manobras militares na península do Sinai, ao mesmo tempo que a Jordânia e Síria mobilizavam seus exércitos, na fronteira com Israel. Prevendo um ataque iminente, Israel inicia a guerra preventiva;
Síria tenta desviar o fluxo de água do rio Jordão, por meio da construção de uma represa nas Colinas de Golã;
Bloqueio do golfo de Ácaba com ajuda da Jordânia e Egito ( rota para que os navios israelenses atingessem o mar vermelho);
Israelenses tomam o Sinai, a faixa de Gaza, as colinas de Golã e a Cisjordânia;
Criação de mais assentamentos agrícolas - mudança de visão da comunidade internacional
Israel invade o sul do Líbano (Operação Litani) e chegaram até o rio Litani, com o objetivo de liquidar as bases da OLP empurrando para norte do rio.
Em 1982, Israel invade o Líbano, em uma tentativa de remover os militantes do Fatah, ataque obteve sucesso em exilar Arafat na Tunísia.
Em 1985, Israel se retirou do território libanês, exceto por uma estreita faixa de terra designado por Israel como a Zona de Segurança Israelense. A partir de 16 de junho de 2000, Israel tinha retirado completamente as suas tropas do Líbano.
Egito e Síria invadem Israel na tentativa de reaver os territórios perdidos. (YOM KIPPUR - dia do perdão);
Ajuda americana decisiva ao Estado de Israel;
Israel mantém os territórios da Guerra dos 6 dias e concorda em devolver em 1979. (Camp David);
1ºChoque do Petróleo - elevação de 600%
A Primeira Intifada (em árabe - revolta) um levante palestino contra Israel - ondas de violência nos territórios ocupados (Gaza e Cisjordânia);
Posição internacional (Israel com armas e tanques e a população local com pedras);
EUA com posicionamento mais pacifista - devido a constante instabilidade gerada e reflexo no preço do petróleo;
Perda da força política do Likud (partido de extrema direita em Israel, contrários aos acordos da OLP);
Processo político favorável a assinatura da PAZ DE OSLO;
Criação do Hamas (1987) e ANP - com o Acordo de Paz de Oslo





OSLO I E OSLO II
OSLO I - 1992 - ARAFAT E RABIN - travaram negociações secretas em Oslo na Noruega, onde a OLP reconheceu o Estado de Israel e este reconheceu a OLP (agora ANP) como único grupo palestino responsável nas discussões e negociações com o estado judáico. A ANP receberia dinheiro de doações externas e impostos dos palestinos que viviam sob domínio israelenses;
OSLO II - 1995 devolução PARCIAL da faixa de Gaza e Cisjordânia:
tipo A - domínio militar e civil da ANP
tipo B - domínio civil da ANP e militar de Israel
tipo C - domínio militar e civil de Israel
Domínio do Império Turco-Otomano até I Guerra;
Da Diáspora (70d.C) ao Movimento Sionista (segunda metade do século XIX) - compra de terras dos otomanos, ou de árabes proprietários de terrenos -comunidades agrícolas -resultando em mudança na demografia local.
Declaração de Balfour - os britânicos apoiavam a migração para a Palestina (imigração conflituosa)
1920, a Conferência de San Remo, suportada em grande medida pelo Acordo Sykes-Picot (acordo secreto anglo-francês de 1916), alocava ao Reino Unido a área que presentemente constitui a Jordânia, a área entre o rio Jordão e o mar Mediterrâneo e o Iraque. A França recebeu a Síria e o Líbano.
Árabes - contrários a imigração realização de motins e os judeus formam o Haganah ("a Defesa", em hebraico), da qual mais tarde se separaram os grupos Irgun e Lehi.

1948
1920
1ªG - Árabe
Israelense
2ªG - Árabe
Israelense
1956
1967
G. 6 dias
1964
OLP
OLP (Organização para Libertação da Palestina) - uma confederação multipartidária tem como meta a libertação da Palestina através da luta armada.
A OLP foi considerada tanto pelos EUA quanto por diversos outros países ocidentais como uma organização terrorista, até a Conferência de Madri, em 1991, e por Israel até 1993, pouco antes dos acordos de Oslo
1972
Massacre de atletas israelitas nos Jogos Olímpicos 1972, em Munique, na Alemanha. Israel reagiu com a Operação Cólera de Deus, no qual os responsáveis pelo massacre de Munique foram encontrados e executados.
1970
No Egito: Morte de Nasser - distanciamento com a URSS e aproximação com o ocidente - entrada de multinacionais;
Síria - ainda ligada a URSS e preocupação em retomar os territórios perdidos, além da expansão sobre o Líbano
1973

G.YOM KIPPUR
G. Líbano
1978 e 1982
1959
FATAH
O nome em árabe significa conquista;
Tem como objetivo expresso de recuperar a totalidade das terras palestinas dos israelenses;
Liderado por Yasser Arafat é um grupo laico, que apesar de ter um braço armado, busca uma solução negociada com Israel;
Considerado o grupo mais diplomático de todos e o único que o Ocidente aceita discutir;
Predominio muçulmano e sunita - base Cisjordânia.
Atualmente controla políticamente a Cisjordânia

1987
1ª Intifada
1992
1995
HAMAS
Em árabe - Movimento de Resistência Islâmica - é contrário ao Estado de Israel e busca sua destruição.
Nasceu como grupo de resistência armada durante a 1ª Intifada e um grupo religioso.
O ocidente classifica-o como um grupo terrorista, mas administra escola e hospitais, além de ser um partido político (político e de assistência social);
Predominantemente muçulmano e sunita, tendo sua base Gaza
Desde 2006, por meio de eleição controla a Faixa de Gaza, que foi totalmente desocupada por Israel em 2005.


2000
2ª Intifada
HEZBOLLAH
Em árabe - partido de Deus - Criado em 1980 no sul do Líbano, como movimento de resistência a invasão de Israel no país;
Busca a criação de um Estado Islâmico xiita;
Possui apoio local mesmo da população sunita, uma vez que foi o grupo mais forte de resistência a Israel, durante a invasão.
Fortemente ligado a Síria e ao Irã;
Base Líbano



JIHAD ISLÂMICA - PALESTINA
Em árabe - esforço - é o braço bélico do Hezbollah;
Defende um Estado Islâmico na Palestina e destruição de Israel;
Tem sua base na Síria

Após Oslo II - Gerou a fragmentação do território palestino, de tal modo que os habitantes acabaram sendo totalmente governado por Israel (tanto econômico, quanto político-militar);
Após morte de Rabin Likud volta ao poder (Ariel Sharon) -política de clausura proibindo os palestinos de circular entre os enclaves - crise de abastecimento de gêneros básicos;
Visita de Sharon a Jerusalém - Grandes protestos por parte dos palestinos e início da 2ª Intifada;
Hamas ataca novamente Israel e morte do líder Hamas em 2004;
Conflito se arrastou até 2006

Os atuais confrontos envolvem o lançamento de foguetes pelo Hamas a cidades de Israel e ataques de Israel a Gaza, por meio de bombardeios e ofensivas terrestres (quando militares israelenses entram no território palestino);
Pontos de desacordo (1º divisão de Jerusalém, 2º retirada dos colonos israelenses de terras palestinas, 3º retorno de refugiados das guerras árabe-israelenses a suas antigas terras e 4º reconhecimento da Palestina como Estado independente).

http://g1.globo.com/globo-news/arquivo-n/videos/t/ultimos-programas/v/arquivo-n-os-20-anos-do-nobel-da-paz-pelas-tentativas-no-oriente-medio/3532605/
Com base nisso, o plano de Oslo se estendia por seis anos (1993-1999), em três etapas:
1º - retirada israelense da Faixa de Gaza e de sete cidades da Cisjordânia, e a transferência de poderes à OLP;
2º - transferência de aldeias intermediárias na Cisjordânia, eleições dentro de três meses, livres movimentação entre os territórios transferidos
3º discussões sobre o futuro dos 140 assentamentos judeus nos territórios e em Jerusalém
Assassinato de Rabin (judeu ortodoxo radical de extrema direita - implantação somente da 1ª etapa)
Em águas territoriais palestina, (gás natural)
Interesse da Rússia em firmar parcerias com a Palestina;
Israel quer o recurso a preços ínfimos.
Full transcript