Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Conclusao

Conclusao
by

Raissa Macedo

on 4 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Conclusao

ESTRATÉGIAS DE ENSINO E PROFESSORES EM FORMAÇÃO ALGUMAS LIÇÕES PRÁTICAS Os estudos realizados por França As análises realizadas por Farias Abordagem de professores formadores e professoras alunas A tragetória de formação inicial revela uma aproximação tárdia e precária com a pesquisa "As experiências vividas pelos professores em seus processos de formação [...] interferem nos seus saberes e fazeres pedagógicos e também nos seus saberes de experiência." Dessa forma eles apoiam ou refutam certas teorias e práticas.

"A complexidade das situações de ensino e de aprendizagem nos espaços formativos corrobora para que esses sujeitos elejam determinadas referências para seu fazer pedagógico." "os professores aprendem com o que fazem e usam esses saberes para propor novas experiências" A estratégia de ensino mais recorrente é a exposição oral.

Professores formadores: "a introdução do estudo de uma temática ou de um texto aparece como fator motivador do uso desta estratégia."
Professoras alunas: "a apresentação oral de ideias extraídas de textos para os demais colegas." A segunda mais recorrente é o estudo de textos "Realizada de forma individual ou em grupos, foi lembrada como atividade que permeou diferentes estratégias de ensino." "As leituras desta época eram feitas em apostilas. Éramos divididos em grupos, de forma compartilhada e depois cada grupo apresentava para os outros." (Carta 3- Professora Luz) Com relação à leitura, era sempre a mesma rotina, leitura paragrafada ou em grupos, para que pudéssemos explicar o que tínhamos lido. Confesso que durante todo o meu curso, li somente por obrigação e para apresentar trabalhos. (Carta 3 - Professora Brida) "O que é educação, de Rodrigues Brandão. Meu primeiro livro lido na universidade. A leitura foi em grupo e discutida em sala, [...]depois[...]leitura individual e fichamento.(Carta 3 - Professora Brisa) Trajetórias formativas marcadas por estrátegias de ensino repetitivas e exploradas, na maior parte das vezes, de modo mecânico e fragmentado. "As experiências de socialização dos saberes profissionais são formadoras, favorecem a incorporação de determinadas atitudes, valores e práticas como elemento de sua profissionalidade. Por outro lado, chama a atenção para os professores formadores e suas práticas, para a urgência de vivificarmos o discurso da educação transformadora nos processos formativos." Formação de nível médio Consulta a livros e enciclopedias visando à realização de trabalhos solicitados pelas disciplinas, bem como a participação em atividades do tipo feira de ciências. _ UMA PESQUISA INFORMATIVA
_ UMA PRÁTICA ESVAZIADA DE SENTIDO Tais referências assinalam o cárater reducionista dado à pesquisa nas trajetórias de formação desses professores. Formação de nível superior Tanto na graduação quanto nos cursos de especialização, a formação em pesquisa esteve longe de proporcionar uma aprendizagem consistente dessa atividade como modo de produção do saber social. Atividade restrita a pessoas da área universitária que estão envolvidas em projetos ou em pós-graduação Em escolas de educação básica, em geral, a prática da pesquisa é algo distante do dia-a-dia do professor. A ausência de incentivo por parte das escolas; o professor não tem tempo, nem orientação, nem uma formação voltada para a pesquisa. A carência de tempo é a principal dificuldade para a prática da pesquisa. "Os professores sentem-se muito mais fazedores do que pesquisadores. Este, entretanto, não é o perfil profissional delineado em seu imaginário. Para avançar no campo da pesquisa falta-lhes formação e reconhecimento institucional quanto a sua capacidade de produzir conhecimento.
Full transcript