Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O capital da mídia na lógica da globalização

No description
by

Lucilio Jota

on 26 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O capital da mídia na lógica da globalização

o que se busca na web...
O capital da mídia na lógica da globalização
ECONOMIA EM REDE E PODER PLANETÁRIO
Contemporânea mudança de paradigma comunicacional
O DOMINIO DA PRODUÇÃO SIMBOLICA
A mídia global está nas mãos de 20 conglomerados
DUPLO PAPEL DA MIDIA NA ARENA GLOBAL
Corporações de midia e entretenimento exercem um duplo papel estratégico na contemporaneidade
Ajudam a legitimar e propagar o
ideário global
: visões de mundo, estilo de vida.

Consumo como
valor universal
; capaz de converter necessidades, desejos e fantasias em bens produzidos.

A
Retórica da globalização
defende a ideia de que a cultura soberana é a que mais consome, a mais influente é a que mais tem poder de mercado. Superioridade das economias abertas.

Subordina os direitos sociais dos cidadãos à razão competitiva dos mercados financeiros. “
PENSAMENTO ÚNICO


a matriz ideológica encobre visualmente toda a desigualdade e exclusão social já sabida no ambiente socioeconômico neoliberal

IGNACIO RAMONET SOBRE À MATRIZ IDEOLOGIA
INFOTELECOUMICAÇÕES
(conjunção de poderes estratégicos relacionados ao macrocampo multimidia)
informatica
telecomunicações
comunicação
ECONOMIA DO ENTRETENIMENTO
DreamWorks SKG
EXPLORAR O POTENCIAL DE MIDIA
Otimizar as cadeias produtivas
Concretizando metas
reduzir os endividamentos
recuperar o valor das ações
seduzir investimento publicitário
sustentar investimento em tecnologias interativas
(exemplo)
MICROSOFT (WINDOWS, OFFICE – crescimento da empresa concebido em torno da convergência de programas informáticos com entretenimento digital, serviços via Web e mídia eletronica)
“Se pensarmos na musica digital, na televisão interativa, nos serviços de banda larga e nas redes domiciliares, veremos que estamos no centro de tudo isso.”
GERALD LEVIN, estrategista da AOL-Time Warner nos anos 1990.
VIVENDI UNIVERSAL
Objetiva industrializar conteúdos com acesso global e que possam ser vendidos no formato digital a um publico de massa.
DISNEY
Antes somente uma loja de brinquedos, hoje é visto como uma companhia global com forte presença nos maiores mercados
MODELO ORGANIZACIONAL DAS CORPORAÇÕES DE MÍDIA
desprezo a imagem do Estado atuante na representação pública, no esvaziamento da sociedade civil e de enfraquecimento dos laços comunitários
Regime Neoliberal
baseia-se no ideia de que as companhias devem desenvolver seus empreendimentos partindo de um ponto estratégico encarregado de pensar e formular prioridades, diretrizes e planos de inovação, além de estabelecer metas lucrativas para subsidiárias e filiais.
Padrão Tecnoprodutivo
HOLDING
polo de inteligência e decisão
estratégias locais, nacionais e regionais
organiza e supervisiona a instituição
CORPORAÇÃO REDE
aprimoramento contínuo de tecnologias que favoreçam o comando remoto
dispositivos informacionais se tornam indispensáveis para encaixar as empresas nas condições dos mercados globalizados, que se encontram em constante mudança
Gastos com tecnologias por parte das empresas aumentando desde 1980
A virtualização de informações como elemento-chave
Facilidade de locomoção, inibe todas as limitações físicas
A MIDIA NAS RELAÇÕES PRODUTIVAS E SOCIAIS
A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO-CHAVE NA PROPAGAÇÃO DE IDEIAS POLITICAS DA ORDEM HEGEMÔNICA
A MIDIA TANTO DEFENDE A GLOBALIZAÇÃO CAPITALISTA COMO AGENCIA NA MESMA
INTERNCONECTANDO O PLANETA ATRAVÉS DE SATELITES, CABOS DE FIBRA OPTICA E REDES INFOELETRONICAS.
As indústrias de informação e entretenimento ditam, simbolicamente, o capitalismo sem fronteiras.
A mídia não só comanda como se deve viver e produzir, como também sustenta sua justificação, criando uma linguagem de autovalidação. Ela constrói tecidos sociais que inibem qualquer contradição.
Sua característica integradora está intimamente ligada aos veículos utilizados.
NOTICIAS 24HORAS POR DIA
160 MILHÕES DE LARES EM 200 PAISES
81 SÓ NO EUA.
O mundo em tempo real seguindo o prisma ideológico norte-americano
MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA
+
TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO
acumulação de capital estrangeiro numa economia de interconexões eletrônicas
“SISTEMA TECNOLOGICO INCORPORA SUA LOGICA CARACTERIZADA PELA CAPACIDADE DE TRADUZIR TODOS OS APORTES DE INFORMAÇÃO EM UM SISTEMA COMUM E DE PROCESSÁ-LOS A VELOCIDADES CRESCENTES, COM UMA POTÊNCIA EM PROGRESSO, A UM CUSTO DECRESCENTE, ATRAVÉS DE UMA REDE DE DISTRIBUIÇÃO VIRTUALMENTE UBÍQUA”
-MANUEL CASTELLS
O capital em fluidez se deslocando pelos continentes de forma mais fácil.
Os grupos de mídia procuram alcançar as grandes transnacionais em relação as ações de repercussão lucrativa.
Segundo o autor, não há alguma distinção relevante entre as duas filosofias, estruturas operativas e objetivos mercadológicos
As industrias do ramo de entretenimento (como AOL-Time Warner, News Corporation, Viacom) estão cada vez mais se assemelhando com as transnacionais de outras áreas (como General Motors, McDonald’s e IBM).
Boom dos sistemas sofisticados em tempo real de agências transnacionais relacionadas a informações.
Bloomberg Reuters
coletam, selecionam e vendem dados específicos
AVANÇO TECNOLOGICO
Dificuldades causadas por longas distancias, horários, climas e longas durações se tornam obsoletas.
BENS SIMBOLICOS
BENS FÍSICOS
As corporações implementam politicas de produção, comercialização e marketing em mercados fisicamente distantes
absorvendo alguma das características socioculturais dos países participantes.
As corporações implementam politicas de produção, comercialização e marketing em mercados fisicamente distantes – absorvendo alguma das características socioculturais dos países participantes.
SINCRETISMO CULTURAL
COMBINAR AS ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COM ASPECTOS SOCIAIS EM CADA AREA
impressão de que os produtos atendem a qualquer diversidade cultural.
veiculam dois terços das informações e dos conteúdos culturais disponíveis no planeta.
estúdios, produtoras, revistas, jornais, portais online, vídeos, jogos, softwares, equipes esportivas, agencias de publicidade, telecomunicações etc.
Interligam propriedades de diversos departamentos
Competição entre um número mínimo de corporações
poderio financeiro
conhecimento estratégico
esquema de distribuição pelos continentes
devem demonstrar mais produtividade, agilidade e criatividade que as demais
VANTAGEM COMPETITIVA
PEQUENAS E MÉIAS EMPRESAS NÃO CONSEGUEM COMPETIR!
fusões
fecha a entrada de novos competidores
aumentam o poder de negociação com fornecedores
enxugam custos, repartem dividas, somam receitas e patrimônios e agrupam serviços e conteúdos
Empresas gigantes engolindo empresas grandes
(exemplo)
EFEITOS
Ondas de demissões
Cortes de gastos
Precarização do emprego
(redução de salários, extensão da jornada de trabalho, perda de direitos trabalhistas...)
Avanço da OLIGOPOLIZAÇÃO
Desenvolvimento equilibrado e estável das redes de informação
Desnacionalização de áreas estratégicas da comunicação
Brasil...
Capital estrangeiro tem a prerrogativa de deter até 30% do capital de empresas jornalísticas e emissoras de radio e TV
O dominio dessas empresas é facilitado pelo edividamento externo, pela crise financeira no setor e pela falta de mecanismos de fiscalização
Internacionalização da publicidade
atualmente sob hegemonia norte-americana
DILEMAS E PERSPECTIVAS
Os fluxos internacionais e as disparidades tecnológicas beneficiam as corporações norte-americanas
Oligopolização cinematográfica do Brasil
Percentualmente a participação do cinema brasileiro no mercado é insignificante. (10% da bilheteria)
Produções norte-americanas favorecidas pelo monopólio de distribuição e exibição
Anos 1980
antes da adesão dos governos Collor e FHC ao receituário neoliberal
cinema nacional representava 30% do mercado
Diversificação de programas televisivos
Diversos canais de diversos segmentos pertencem a empresas gigantes do infoentretenimento
AOL-Time Warner
disney
viacom
news corporation
Diversas alternativas de canais pago, porém a politica de programação se baseia em maximização de lucros, ignorando qualquer formação cultural ou educacional dos telespectadores.
zapping no controle -> sensação de liberdade ao escolher o que irá assistir.
pensamento neoliberal no contexto
O programador individualmente decide o que quer programar e o consumidor escolhe de acordo com suas exigências.
As assimetrias resultantes da oligopolização das indústrias de informação e entretenimento consagram a liderança dos países ricos.
EUA
55% das receitas mundiais
(bens culturais e comunicacionais)
UNIÃO EUROPEIA
25%
Japão e Asia
15%
América Latina
5%
"as industrias culturais latino-americanas são frágeis aos desequilíbrios estruturais entre países ricos e periféricos ao predomínio econômico e ideológico dos EUA e ao baixo investimento dos governos da região em áreas cientificas tecnológicas, produção industrial de cultura -> rasa competitividade global -> escolha restrita dentro de cada nação aos produtos norte-americanos (vídeos, filmes e discos). Claro, tudo ganha um peso maior pela voracidade neoliberal."
Néstor García Canclini
antropólogo argentino contemporâneo
Capacidade do capitalismo de se adaptar às circunstancias da luta de classe e de gerar continuamente uma vasta faixa de oposição a si próprio
O “pensamento único” esta sendo contraditado pela ideia-força de que é possível construir modelos de democracia participativa, de desenvolvimento econômico comunitário, de pluralismo cultural e de controle publico sobre os meios de comunicação
Um dos caminhos para a mundialização das lutas sociais é a expansão de redes que entrosem visões do mundo com o mesmo objetivo e deem continuidade a campanhas visando a democratização da esfera pública
As conexões que se vão tecendo podem aperfeiçoar táticas de desobediência, denuncia e insurgência contra o status quo
A INTERNET
COMO UM CANAL PÚBLICO
Baixo custo
Rapidez
web
possibilita a intervenção dos organismos sociais na cena pública, disponibilizando de forma unica, independente do espaço-tempo, diversas atividades
Organizações rebeldes ao neoliberalismo se apertam e dialogam, sem estarem concentradas em uma determinada área física ou tempo especifico
Porém, as tradicionais forças de mobilização coletiva continuam intocáveis
Apontar a internet como ferramenta comunicacional como nova e absoluta é ignorar todas as lutas politicas ao avanço tecnológico
espalhar ideias rebeldes às hegemonias
aglutinar segmentos que reclamam justiça social, desenvolvimento sustentável e valores éticos
"Uma democracia direta eletrônica é ilusória, não desvalorizando o uso de alternativas tecnológicas informáticas na reconstrução da sociabilidade e da esfera pública."
Jesus Martín-Barbero
INTERNET
projeção da inteligência humana
Como haverá pureza no ciberespaço se a sociedade contemporânea está permeada de abusos intoleráveis como desemprego estrutural, concentração de renda, desigualdade e corrupção?
Cibermilitância
Necessita de explorar a arquitetura multidimensional da Web e consolidar políticas de comunicação que incentivem o trabalho cooperativo em rede, zelando os ideários e identidades dos diversos movimentos
Exigência crucial de alianças e coalizões em todos os quadrantes, como meio de desacelerar a frenética corrida psicológica sociocultural do lucro a qualquer preço
+
Full transcript