Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Fatores que influenciam o Desenvolvimento Embrionário

No description
by

Rute Carvalho

on 3 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Fatores que influenciam o Desenvolvimento Embrionário

Tipo de medicamentos e os efeitos do seu uso durante o desenvolvimento embrionário
Drogas Sociais e Ilícitas
Tabaco
Álcool
Cafeína
Cocaína
Factores genéticos e as suas influências no desenvolvimento embrionário
As doenças genéticas são causadas por alteração do genoma (conjunto de genes que constitui a informação genética de um individuo), que podem ser cromossómicas ou génicas.
Estas alterações podem ocorrer na fase embrionária ou ao longo da vida.
As doenças hereditárias são transmitidas pelos pais, através dos genes. Todas as doenças hereditárias são genéticas, visto que tudo o que se herda dos pais está codificado no ADN, ou seja, nos genes.

Tabaco
O tabagismo durante a gravidez pode ser prejudicial. Afeta o peso do feto (reduzindo-o).
Os abortos espontâneos, a ocorrência de natimortos, os nascimentos prematuros e a síndrome da morte súbita do lactente são mais comuns entre os filhos de mulheres que fazem uso do tabaco durante a gestação.
Álcool
O consumo de álcool durante a gravidez pode causar defeitos congénitos.
Filhos de mulheres que consomem alcool apresentam síndrome do alcoolismo fetal.
As crianças nascem frequentemente com microcefalia (cabeça pequena), anomalias faciais e deficiência mental limítrofe.
Os bebés que nascem não se desenvolvem normalmente e apresentam maior probabilidade de morrer logo após o parto.
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Embrionário
Como é que as drogas e os medicamentos atravessam a placenta?
Na placenta, o sangue materno passa pelas lacunas do endométrio que envolvem as vilosidades coriónicas que contêm os vasos sanguíneos do feto. O sangue materno que se encontra nas lacunas é separado do sangue do feto que se encontra nas vilosidades coriónicas pela membrana da placenta. As drogas presentes no sangue da mãe podem atravessar essa membrana, passando para os vasos sanguíneos das vilosidades e destes passam através do cordão umbilical até o feto.
Drogas Antineoplásicas
Como os tecidos do feto crescem com rapidez, as suas células que se multiplicam rapidamente são muito vulneráveis aos medicamentos antineoplásicos (utilizados no tratamento de tumores). Muitos destes medicamentos são teratogénicos, isto é, causam defeitos congénitos:
retardamento do crescimento intra-uterino,
subdesenvolvimento da mandíbula,
fenda palatina,
desenvolvimento anormal dos ossos do crânio,
defeitos da coluna vertebral, defeitos do ouvido, pés tortos
atraso no desenvolvimento mental).
Fatores Alimentares que influenciam no desenvolvimento do embrião
Diabetes Gestacional
Hipertensão Gestacional
Desnutrição Gestacional

Exemplos de doenças hereditárias
Anemia Falciforme
Albinismo
Daltonismo
Parkinson
Diabetes tipo 2
Cancro
Diabetes Gestacional
E um tipo de diabetes que só se manifesta durante a gravidez e geralmente desaparece depois do nascimento.
Porque deve ser controlada?
Infecções das vias urinárias
(estas infecções são causadas por bactérias, que se desenvolvem mais facilmente quando o nível de glicemia é mais elevado.);
Cesarianas
são mais frequentes;
Hipertensão
;
Quantidade excessiva de líquido amniótico
(pode levar a que o bebé nasça prematuramente);
Macrossomia
(bebé grande). A macrossomia pode dificulta o parto normal.;
Hipoglicemia neonatal
(nível de glicemia baixo).
Icterícia (hiperbilirrubinemia)
(a Icterícia do recém-nascido é uma situação que faz com que a pele do bebé pareça amarela. )
Quais os sintomas e como diagnosticar?
sede intensa;
vontade frequente de urinar;
cansaço
etc...
Pode ser diagnosticada entre a 24ª e a 28ª semana da gravidez após uma análise ao sangue. Este exame é normalmente prescrito durante o 6º mês de gravidez.
Consequências para o bebé
A maioria das mulheres grávidas que sofrem de diabetes dão à luz bebés saudáveis, sem qualquer problema de saúde.
Contudo, se não for bem monitorizada, a diabetes pode levar a um aumento excessivo de peso do seu bebé (mais de 4 Kg), tornando o parto mais complicado (aumento de risco de parto por cesariana).
Existem alguns factores de risco?
Sim
.
Especialmente se a grávida tiver história familiar de diabetes, excesso de peso, se já teve diabetes noutra gravidez, se tem mais de 35 anos ou se já teve algum bebé com mais de 4 Kg.
É necessário alterar a alimentação?
Sim
.
1-
Fazer refeições equilibradas e intervalos regulares para evitar flutuações excessivas das glicémias.
2-
Não saltar refeições e evitar petiscar em excesso.
3-
Seguir os bons hábitos alimentares.

Outras medidas a tomar
Um estilo de vida saudável é igualmente importante. Lembrar-se de sair para apanhar ar, fazer exercício e caminhar pelo menos 30 minutos por dia.
Meia hora de actividade física moderada por dia é importante para ajudar a regular as suas glicémias.

Depois do nascimento, a mãe e o bebé
vão ter diabetes?
Nem a mãe nem o bebé vão ter diabetes.
Em 98% dos casos, a diabetes desaparece depois do nascimento do bebé. Mas de qualquer forma existe um risco de desenvolver diabetes crónica. Uma alimentação adequada e exercício físico reduz o risco. Se houver nova gravidez, há uma grande probabilidade de desenvolver diabetes gestacional. É, por isso, necessário fazer uma análise para diagnóstico logo no início de uma nova gravidez.
Hipertensão Gestacional
A combinação entre muito sal, sedentarismo e maus hábitos em geral dá origem a uma doença denominada por hipertensão gestacional. Este problema pode comprometer a saúde e a vida da futura mãe e do bebé.
O que é?
O aumento da pressão sanguínea diagnosticado durante a gestação em mulheres que nunca lhes tinha sido diagnosticado o problema é classificado como doença hipertensiva específica da gestação.
É um problema comum nas grávidas.
Apresenta-se de duas formas:

Pré-eclâmpsia
Eclâmpsia.

Fase Pré-Eclâmpsia
Consiste no aumento da pressão arterial acompanhada da eliminação de proteínas pela urina. Normalmente, essa complicação começa depois da 20ª semana de gravidez.
Fase Eclâmpsia
Quando a fase pré-eclâmpsia não é tratada adequadamente, pode originar na eclâmpsia (fase final da doença).
Ela caracteriza-se pela
pressão muito elevada
acompanhada de outros sintomas mais graves, como
convulsões e inchaços
.
Nessa fase, a vida da mãe e do bebé entra em risco.
Quais são as causas da hipertensão
na gravidez?
Não existe uma única causa. Há probabilidade do problema derivar da má adaptação do organismo materno.
Outros motivos podem ser a alimentação desequilibrada, com o excesso de sal, e o sedentarismo.
A pré-eclâmpsia pode prejudicar a
formação do bebé?
A saúde do bebé não é comprometida quando a mãe está com a pré-eclâmpsia.
Mas, se não for tratada, e chegar ao estágio de eclâmpsia, o risco de aborto é alto.
Quais são as implicações para a mãe?
Quando a pressão não consegue ser controlada com o auxílio de medicação e os sintomas da eclâmpsia são evidentes, não existe outra saída: o nascimento do bebé precisa de ser acelerado com um parto induzido.
Caso contrário, o bebé e a mãe correm o risco de morte.
Desnutrição Gestacional
Uma dieta equilibrada é aconselhada ás grávidas para assegurar o desenvolvimento da criança de forma saudável.
Uma má alimentação na gestação pode resultar numa gravidez de alto risco.
Além de resultar num parto prematuro, a desnutrição pode causar uma restrição do crescimento tanto durante a gestação como após o nascimento, dando assim origem a um bebé desnutrido e com maior probabilidade de sofrer infecções.
Anemia Falciforme
Malformação das hemácias, o que causa deficiência do transporte de oxigénio nos indivíduos que sofrem a doença.
Albinismo
Distúrbio caracterizado pela ausência completa ou parcial de pigmento na pele, cabelos e olhos, devido à ausência ou defeito de uma enzima envolvida na produção de melanina.
Resulta de uma herança de alelos de gene recessivo.
Daltonismo
Perturbação da percepção visual caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores, manifestando-se muitas vezes pela dificuldade em distinguir o verde do vermelho.
Parkinson
Doença progressiva que afeta movimento devido à disfunção dos neurónios secretores de dopamina nos gânglios da base, que controlam e ajustam a transmissão dos comandos conscientes vindos do córtex cerebral para os músculos do corpo humano.
Diabetes do tipo 2
Distúrbio metabólico caracterizado pelo elevado nível de glicose no sangue no âmbito da resistência à insulina e pela insuficiência relativa de insulina.
Cancro
Apenas 5% dos casos são hereditários.
A maioria das mulheres grávidas usa algum tipo de droga (medicamento ou drogas lícitas ou ilícitas).
As drogas passam da mãe para o feto através da placenta (a mesma via utilizada pelos nutrientes para crescimento e desenvolvimento do feto).

As drogas que uma mulher utiliza durante a gravidez podem afectar o feto de várias maneiras:

• Actuando directamente sobre o feto, causando lesão, desenvolvimento anormal ou morte.
• Alterando a função da placenta, geralmente contraindo os vasos sanguíneos e reduzindo a troca de oxigénio e nutrientes entre o feto e a mãe.
• Causando contracção forçada da musculatura uterina, lesando indirectamente o feto através da redução dos vasos sanguíneos.
Talidomida
Este medicamento já não é prescrito pelos médicos para as mulheres grávidas porque causam defeitos congénitos. Atuava contra a gripe e como sedativo.
Como efeito este medicamento causava defeitos congénitos no feto:

Hipo desenvolvimento severo dos membros superiores e inferiores;
Defeitos :
intestinais
cardíacos
vasculares.
Tratamentos da Pele
A
isotretinoína
, utilizada para tratar a acne grave, a psoríase e outros distúrbios cutâneos, causa defeitos congénitos graves. São eles:
defeitos cardíacos;
orelhas pequenas;
hidrocefalia (acumulação de líquido no cérebro).

O
etretinato
, outro medicamento utilizado no tratamento de distúrbios cutâneos, também causa defeitos congénitos no ser humano.

Hormonas Sexuais
As hormonas masculinas utilizadas para tratar distúrbios sanguíneos, assim como as progestinas sintéticas utilizadas durante as 12 primeiras semanas após a fertilização, podem causar:
Masculinização da genitália do feto do sexo feminino (isto é, pode causar hermafroditismo).
Aumento do clitóris (uma pequena protrusão análoga ao pénis do homem)
Fusão dos pequenos lábios, que circundam os orifícios da vagina e da uretra.
Medicamentos Anti convulsivantes
Medicamentos anti convulsivantes ( estabilizadores de humor ou antiepiléptico) podem produzir:
fenda palatina
desenvolvimento anormal do coração
face;
crânio;
mão;
órgãos abdominais;
atraso no desenvolvimento mental.

As mulheres epilépticas, apresentam uma maior probabilidade de gerar crianças com defeitos congénitos.
Vacinas
As vacinas produzidas a partir de vírus vivo não são administradas a mulheres que estão ou podem estar grávidas.
As vacinas de vírus vivo (por exemplo: sarampo, varicela e febre amarela) e outras vacinas (por exemplo: cólera, hepatites A e B, gripe, raiva, tétano e febre tifóide) são administradas à grávida apenas quando esta apresenta um risco significativo de contrair uma infecção por algum destes microrganismos.
Medicamentos para a tiróide
O
iodo radioactivo
pode atravessar a placenta e destruir a tiróide do feto.
Além disso, o iodo radioactivo pode causar um
hipotiroidismo
(hiperactividade da tiróide) grave.
O
propiltiouracil
e o
metimazol
atravessam a placenta e podem causar um aumento anormal da tiróide do feto.
Narcóticos e anti-inflamatórios
não esteróides
Os narcóticos e os anti-inflamatórios não esteróides, como a aspirina, podem chegar ao feto em quantidades significativas.
Em doses elevadas provocam:
retardamento do trabalho de parto
bloqueamento do canal arterial no bebé
redução do volume de líquido amniótico

Ansiolíticos e antidepressivos
Os antibióticos atravessam a placenta e são armazenados nos ossos e nos dentes do feto, onde se combinam com o cálcio. Como resultado:
o crescimento ósseo lento,
os dentes da criança podem adquirir uma coloração amarela permanente e o esmalte dentário pode ser mole e susceptível a cáries.
As
tetraciclinas
devem ser evitadas durante a gravidez.
A
estreptomicina
quando é utilizada durante a gravidez pode causar lesão do ouvido interno do feto, podendo causar surdez.
O
cloranfenicol
pode causar uma doença grave no recém-nascido denominada síndrome cinzenta (ou do bebé cinza).
Anticoagulantes
O feto em desenvolvimento é extremamente sensível ao warfarin, um medicamento anticoagulante. Quando consumido, tanto a mãe como o feto podem apresentar sangramentos anormais.
Contudo, o seu uso prolongado durante a gravidez pode acarretar número de plaquetas baixo na mãe ou a osteoporose.
Medicamento para distúrbios
cardíacos e vasculares
São prescritos com o máximo cuidado e rigor para evitar afetar o feto.
Drogas utilizadas durante o
trabalho de parto
Anestésicos locais, os narcóticos e outros analgésicos geralmente atravessam a placenta e podem afectar o recém-nascido (por exemplo enfraquecendo o seu impulso para respirar).
São administrados em doses mínimas.

Cafeína
Existem algumas dúvidas em relação à cafeína ser prejudicial ao feto. Vários estudos sugerem que o consumo de mais de 7 ou 8 chávenas de café por dia pode aumentar o risco de ocorrência de natimortos, prematuros, com baixo peso ao nascimento ou de abortos espontâneos.
Cocaína
Aumenta o risco de aborto espontâneo;
Descolamento precoce da placenta,
Defeitos congénitos do cérebro, dos rins e dos órgãos genitais
recém-nascidos podem apresentar um comportamento menos interactivo.
Full transcript