Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Exigências "Farm to Fork"

No description
by

Helder Inez

on 4 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Exigências "Farm to Fork"

Qualidade e Segurança alimentar:
Exigências "from farm to fork" Instituto Superior de Agronomia
Pesticidas e Ambiente
2012/2013 Discentes:
Clara Ferreira n.º 20035
Hélder Inês n.º 18427 "From farm to fork" Capacidade de delinear as diferentes etapas da cadeia alimentar e examinar as práticas e procedimentos que asseguram a segurança alimentar. Docentes:
Prof. Maria José Cerejeira
Prof. Michiel Daam Rastreabilidade Evolução do padrão alimentar Pré-história 2012 Revolução Industrial Descoberta do fogo Revolução Verde Foco na Qualidade alimentar e Inocuidade para o Homem Agricultura Moderna: - Maquinaria agrícola que melhora a eficência;
- Químicos naturais e sintéticos para combater pestes e potenciar o crescimento da cultura;
- As práticas agrícolas têm grande influência no ambiente; Fornecer alimentos com níveis aceitáveis de produtos químicos, em grande quantidade, a preços acessíveis... A segurança alimentar na agricultura: Existem dois tipos de segurança alimentar:

- Ausência de microrganismos e das suas toxinas;
e
- Ausência de químicos em níveis que possam ser perigosos para a saúde do consumidor. Pesticidas Para poderem ser introduzidos no mercado têm de respeitar 3 princípios fundamentais: - Ter um valor acrescentado real para a produção de produtos agrícolas;

- Não apresentarem efeitos nefastos para os humanos, tanto na sua aplicação como nos resíduos nos alimentos pós-colheita (LMR);

- Não ter um efeito nefasto para o ambiente. Porquê processar os alimentos?? Benefícios ao nível: Assegurar a Qualidade e Segurança no processamento de alimentos Existem três elementos chave: Legislação da UE: Evolução da legislação europeia 1970 2012 1999 controlo do produto final segurança alimentar após uma série de crises de segurança alimentar CE: Livro Branco Na prática, como se consegue qualidade e segurança? Monitorização do percurso do alimento; Temperatura; Humidade; Atmosfera; Condições de manuseamento; Mantendo e implementando os padrões de qualidade. - Nutrição; - Conveniência; - Variedade; - Acessibilidade. - Boas práticas fabris; -HACCP; - Standards Qualidade e Segurança. 1993 Diretiva Europeia 93/43/CE relativa à higiene dos alimentos
promulga os princípios do HACCP defender a saúde humana e o consumidor Aumentar a capacidade do sistema de aconselhamento científico Reforçar a fiscalização desde o campo até à mesa; Objetivos HACCP PPR's Segurança
alimentar boas práticas agrícolas
boas práticas de higiene Caso prático Análise da degradação de resíduos de clorpirifos e fipronil no arroz desde o campo até à mesa

Avaliação de risco para a saúde humana Zhang et al. (2010) Caso prático abordagem sistemática e estruturada, baseada no controlo e avaliação de perigos ao longo de toda a cadeia alimentar, que permite determinar medidas preventivas a adotar para assegurar a inocuidade dos alimentos HACCP Propor nova legislação para garantir um conjunto coerente e transparente de regras: Principais prioridades: e a criação, pela CE, de um sistema de auditorias e inspeções a serem realizadas em cada um dos Estados-Membros. criação da EFSA; implementação duma abordagem “farm to fork” na legislação alimentar; reconhecimento de que os operadores devem ter a responsabilidade primária pela segurança alimentar; uma exigência para os Estados-Membros para assegurar a vigilância e controlo de operadores de rações e alimentos; Estratégia europeia de segurança alimentar legislação sobre segurança dos alimentos e ração animal; procedimentos de execução e controlo para garantir que a legislação é respeitada. basear decisões em pareceres científicos; Legislação UE - segurança alimentar estipula ainda que alimentos que apresentem níveis inaceitáveis de contaminantes não podem ser colocados no mercado; aflatoxinas metais pesados dioxinas nitratos Existem níveis máximos determinados para contaminantes que são alvo de grande preocupação para os consumidores: toxicidade potencial de prevalência na cadeia alimentar condição necessária, mas não suficiente não é totalmente aplicável ao nível da produção primária conjunto de procedimentos que controla o ambiente que envolve o alimento determinar LMR e IS revelar a magnitude dos riscos enfrentados tomar as medidas apropriadas para controlar os riscos correlação positiva entre:
resíduos de pesticidas e a dose e frequência de aplicação de pesticidas A concentração de resíduos de pesticidas diminuiu em função do tempo, após:
exposição à luz solar;
armazenamento;
lavagem e
processo de fervura. Figura 2 – Redução na quantidade de pesticidas (clorpirifos e fipronil) aplicados em pós-colheita no arroz após diferentes processos; adaptado de Zhang et al., 2010 Caso prático O processo de fervura desempenhou um papel importante na degradação destes pesticidas; conclusões resultados o IS é uma medida fundamental para reduzir o risco para a população (diminuição risco quando o IS aumentou para 14 dias); recomenda que o teor máximo de resíduos de fipronil em arroz seja de 0,01 mg kg-1 como se encontra descrito no Codex. O ponto de vista do consumidor Figura 3 – Problemas e riscos associados aos alimentos, segundo um inquérito europeu (UE-27), junho 2010 (%); adaptado de Eurostat, 2011 O ponto de vista do consumidor português Figura 4 – Principais preocupações dos consumidores de cada país sobre a alimentação, junho 2010; adaptado de Eurostat, 2011 Conclusão Por isso, existe uma necessidade de controlar as etapas desde a produção dos alimentos até ao seu consumo, para garantir a segurança alimentar e proteger o consumidor. Maior distância entre o campo e o garfo:
avanços na agricultura, na indústria alimentar, com consequente conservação e processamento dos alimentos. Conclusão Em última análise: OMS:
"a segurança alimentar é uma responsabilidade partilhada" a informação medeia o caminho até à prevenção. a qualidade e segurança dos alimentos depende de esforços de todos os envolvidos na complexa cadeia alimentar; Obrigado pela atenção!
Full transcript