Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

WISC - III

No description
by

Ramonne Diniz

on 12 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of WISC - III

WISC - III
Escala de Inteligência Wechsler para Crianças
Objetivos
Concepção de Inteligência de Wechsler
Organização da Escala
Wechsler afirma que a inteligência pode manifestar-se de muitas formas e é por esta razão que não concebeu a inteligência como uma capacidade específica, mas, como uma entidade agregada e global.


A inteligência foi definida por Wechsler como um “agregado ou uma capacidade global do indivíduo para agir intencionalmente, pensar racionalmente e relacionar-se de maneira eficaz com seu ambiente”.


O WISC-III inclui mudanças nos materiais e procedimentos de aplicação do teste, as quais foram introduzidas para tornar a experiência do teste mais interessante para as crianças.

Alguns itens inteiramente novos foram acrescentados para substituir outros, antiquados, além de fornecer itens mais fáceis ou mais difíceis, que a experiência demonstrou serem necessários.

Genealogia da Escala
Concepção de Inteligência de Wechsler
Antecedentes da Escala
Desenvolvimento da Escala
Organização da Escala
Aplicação do WISC -III
Princípios básicos para o uso
Processo de Aplicação dos 13 sub-testes
Genealogia da Escala de Inteligência Wechsler Terceira Edição (WISC - III)

* WPPSI

* WISC

WISC-R

WISC- III


WISC-IV


* WAIS

WAIS-R

WAIS- III



WAIS-IV
INTELIGÊNCIA
O termo
“global”
foi utilizado porque,
de acordo com Wechsler, a inteligência caracterizaria o comportamento inteligente de maneira total e seria uma entidade multifacetada, um complexo de diversificados e numerosos componentes.
WISC - III
Os subtestes do WISC-III foram selecionados para investir diversas capacidades mentais, que juntas refletem a capacidade intelectual geral da criança.

EVOLUÇÃO DAS ESCALAS
> 1930 Hospital Bellevue de Nova lorque;

> 1939 Escala de Inteligência Weschsler-Bellevue;

> Segunda Guerra Mundial - Forma II da Escala de Inteligência Wechsler (WAIS);

> 1949 - WISC

> Escala Wechsler de Inteligência para Pré-Escolares (WPPSI);



A pesquisa indica que as normas para os testes de inteligência tornam-se obsoletas ao longo do tempo (Doppelt e Kaufman, 1977; Flynn, 1984, Kaufman, 1990).

Além disso, os valores médios em QI irão se deslocar geralmente para cima, ou seja, uma criança que é avaliada nos padrões antigos e normas desatualizadas do teste podem apresentar um QI superior às suas reais capacidades, o que pode levar a uma exigência de habilidades da criança, que esta na realidade não possui.

Independentemente das razões pelas quais esse fato ocorre, a atualização periódica dos testes de inteligência torna-se essencial.

O WISC-III compreende
12
subtestes (mantidos do WISC-R) e um novo subteste ( o Procurar dos Símbolos).

Os subtestes do WISC-III são organizados em dois grupos:

os subtestes Verbais e
o subtestes de Execução.

Estes são aplicados de forma alternada para ajudar o examinador a manter o interesse da criança durante todo o teste.
Subtestes Verbais  QI Verbal

Subtestes de Execução  QI de Execução


QI Verbal
+
QI de Execução =
QI Total

DESCRIÇÃO DOS SUBTESTES

1. COMPLETAR FIGURAS:
Um conjunto de figuras coloridas de objetos e cenas comuns, cada um com uma parte importante faltando, a ser identificada pela criança.

2. INFORMAÇÃO:
Uma série de perguntas apresentadas oralmente, que avaliam o conhecimento da criança a respeito de eventos comuns, objetos, lugares e pessoas.

3. CÓDIGO:
Uma série de formas simples (Código A) ou números (Código B), cada um pareado com um símbolo simples. A criança desenha o símbolo na sua forma correspondente (Código A) ou sob seu número correspondente (Código B), de acordo com uma chave. Os códigos A e B estão incluídos em uma folha destacável, no Protocolo de Registro.

4. SEMELHANÇAS:
Uma série de pares de palavras, apresentados oralmente, para as quais a criança explica as semelhanças dos objetos ou dos conceitos comuns que representam.

5. ARRANJO DE FIGURAS:
Um conjunto de gravuras coloridas, apresentadas em ordem misturada, que a criança reordena em uma estória com sequência lógica.

6. ARITMÉTICA
: Uma série de problemas aritméticos que a criança resolve mentalmente e responde oralmente.

11. PROCURAR SÍMBOLOS:
Uma série de grupos de símbolos pareados, cada par composto de um grupo-estímulo e um grupo de busca. A criança examina os dois grupos e indica se um símbolo-estímulo aprece ou não no grupo de busca. Os dois níveis do subteste estão incluídos em um único protocolo de resposta.

12. DÍGITOS:
Uma série de sequência numéricas, apresentada oralmente, que a criança repete literalmente para Dígitos Ordem Direta e, em ordem inversa, para Dígitos ordem inversa.

13. LABIRINTOS:
Um conjunto de labirintos progressivamente mais difíceis, impressos em um protocolo de respostas, que a criança resolve com um lápis.

Vale ressaltar que os subtestes
Dígitos
e
Labirintos
são suplementares, ou seja, embora estes subtestes não sejam necessários para obter os escores de QI Verbal e QI de Execução, podem ser aplicados quando o tempo permitir e o examinador desejar obter uma representação mais abastada das capacidades da criança.
COMPREENSÃO VERBAL;

ORGANIZAÇÃO PERCEPTUAL;

RESISTÊNCIA À DISTRAÇÃO;

VELOCIDADE DE PROCESSAMENTO.




• DIAGNÓSTICO DE DEFICIÊNCIA MENTAL

• DIAGNÓSTICO DE SUPERDOTADOS

• DIAGNÓSTICO DE DEFICIÊNCIAS NEUROPSICOLÓGICAS

APLICAÇÕES DO WISC-III







Por causa da complexidade de aplicação, diagnóstico e avaliação dos testes, os examinadores que usam o WISC-III devem ter treinamento e experiência na aplicação e na interpretação de instrumentos padronizados, clínicos, como o WISC-R ou outras Escalas de Inteligência de Wechsler.


Na maioria dos casos, os examinadores que usam o WISC-III terão completado algum treinamento formal em nível de graduação ou profissional em avaliação psicológica.

QUALIFICAÇÃO DO USUÁRIO
Princípios Básicos para o uso do WISC-III
Limites apropriados para idade:
6
a
16
anos

Procedimentos Padronizados:

O objetivo do WISC-III é avaliar o desempenho de uma criança sob um conjunto fixo de condições.

Para obter os resultados que sejam interpretáveis deve-se seguir cuidadosamente as instruções de aplicação e avaliação.
Tempo de Aplicação:

A aplicação total dos
10
subtestes leva aproximadamente de
50
a
70
minutos.Os 3 subtestes suplementares necessitam de um tempo adicional de
10
a 15 minutos.

Condições Ambientais:

Ambiente físico: clínica, escola, consultório ou casa pode interferir no desempenho da criança. Para minimizar qualquer interferência ou fator distrativo, aplicar o teste numa sala silenciosa, com iluminação adequada e boa ventilação. Tanto o psicólogo como a criança devem sentar-se confortavelmente, junto a uma mesa ou escrivaninha de superfície lisa.
Material para a Aplicação do WISC-III:

Manual;
Protocolo de Registro das Respostas;
Protocolo de Respostas dos Labirintos ( não aplicada para adaptação brasileira do teste);
Protocolo de Resposta do Procurar Símbolos (parte A ou B);
Livro de Estímulos (contendo os itens dos subtestes Completar figuras,
Aritmética e Cubos);
Cartão branco (marcador) para os problemas de Aritmética 3 e 4;
Caixa com 15 conjuntos de cartões com as histórias dos subteste Arranjo de Figuras;
Caixa com 9 cubos;
Quebra- cabeças do subteste Armar Objetos( 6);
Crivo para correção do subteste Código;
Crivo para correção do subteste Procurar Símbolos.
* A criança não pode visualizar o Protocolo de Registro das Respostas ou as páginas do Manual.

* Manter o material do teste em uma cadeira ao lado do examinador e fora do alcance da visão da criança ajuda a manter a atenção dela somente no subteste que está sendo aplicado.

* Certos subtestes exigem considerável familiarização com o material de testagem por causa de sua complexibilidade. No Armar Objetos, por exemplo, as peças do quebra-cabeças são colocadas de acordo com o diagrama impresso no anteparo e devem ser arrumadas de tal forma que a criança não veja as peças antes que lhe sejam apresentadas.

* O manejo do cronômetro, também exige alguma prudência. O cronômetro deve trabalhar silenciosamente e, se possível, fora da vista da criança, talvez no colo do examinador.
IMPORTÂNCIA DE ORGANIZAR O MATERIAL DO TESTE DO WISC-III
ESTABELECENDO E MANTENDO O “RAPPORT”



Um relacionamento cooperativo entre a criança e o examinador é parte essencial de toda situação de avaliação. Uma receptividade e um tom não ameaçador irão proporcionar boa relação.Uma vez iniciada a testagem, manter um ritmo constante, mas ficar sempre alerta para alterações na disposição da criança, nível de atividade ou de cooperação.
Se uma criança disser que não sabe realizar uma tarefa ou responder uma pergunta, encoraja-la, dizendo: “tente”, Eu acho que você sabe” ou “tente novamente”. Se a criança pedir ajuda, dizer “eu quero ver como você faz”.

DESENVOLVIMENTO DO WISC-III
7. CUBOS:
Um conjunto de padrões geométricos bidimensionais, feitos com cubos ou impressos, que a criança reproduz usando cubos de duas cores.

8. VOCABULÁRIO:
Uma série de palavras apresentadas oralmente, que a criança define oralmente.

9. ARMAR OBJETOS:
Um conjunto de quebra-cabeças de objetos comuns, cada um apresentado em configuração padronizada, que a criança junta para formar um todo significativo.

10. COMPREENSÃO:
Uma série de perguntas apresentadas oralmente, que requerem que a criança resolva problemas cotidianos ou compreenda regras e conceitos sociais.


PROCESSO DE APLICAÇÃO
PASSO À PASSO
WISC-III
PROTOCOLO DE REGISTRO
1. COMPLETAR FIGURAS



MATERIAL:
31 CARTÕES DO SUBTESTE DE COMPLETAR FIGURAS (INCLUINDO O CARTÃO DE EXEMPLO) DO LIVRO DE ESTÍMULOS E UM CRONÔMETRO.

DESCRIÇÃO:
PARA CADA ITEM DESDE SUB-TESTE, A CRIANÇA VÊ UMA FIGURA E NOMEIA OU INDICA, APONTANDO, A PARTE PRINCIPAL QUE ESTÁ FALTANDO NA FIGURA. O LIMITE DE TEMPO PARA CADA ITEM É DE 20 SEGUNDOS.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
COMPLETAR FIGURAS
2.INFORMAÇÃO



MATERIAL:
ITENS INCLUÍDOS NO MANUAL

DESCRIÇÃO:

PARA ESTE SUBTESTE, A CRIANÇA RESPONDE ORALMENTE A UMA SÉRIE DE QUESTÕES DE CONHECIMENTO GERAL SOBRE EVENTOS COMUNS, OBJETOS, LUGARES E PESSOAS.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
INFORMAÇÃO
3. CÓDIGO

MATERIAL:
FOLHA DE RESPOSTA DO CÓDIGO PARTE A (IDADE 6-7 ANOS), FOLHA DE RESPOSTA DO CÓDIGO PARTE B (IDADE 8-16 ANOS), CRONÔMETRO E CRIVO DE AVALIAÇÃO.


DESCRIÇÃO:
NESTE SUBTESTE, A CRIANÇA COPIA SÍMBOLOS QUE SÃO PAREADOS COM FORMAS GEOMÉTRICAS SIMPLES (CÓDIGO A) OU COM NÚMEROS (FORMA B).

TENDO COMO MODELO UMA CHAVE, A CRIANÇA DESENHA CADA SÍMBOLO EM SUA FORMA CORRESPONDENTE (CÓDIGO A) OU EMBAIXO DO SEU NÚMERO CORRESPONDENTE (CÓDIGO B).

O ESCORE DA CRIANÇA É DETERMINADO PELO NÚMERO DE SÍMBOLOS CORRETAMENTE DESENHADOS EM 120 SEGUNDOS.

CÓDIGO A
CÓDIGO B
PROTOCOLO DE RESPOSTA
4. SEMELHANÇAS


MATERIAL:
AS PALAVRAS DO SUBTESTE DE SEMELHANÇAS SÃO APRESENTADAS NESTE MANUAL (E NO PROTOCOLO DE RESGISTRO).

DESCRIÇÃO:
PARA CADA ITEM NESTE SUBTESTE APRESENTA-SE ORALMENTE À CRIANÇA DUAS PALAVRAS QUE REPRESENTAM OBJETOS OU CONCEITOS COMUNS. A CRIANÇA É SOLICITADA A DIZER O QUE ESTES OBJETOS OU CONCEITOS TÊM EM COMUM, EM QUE SÃO SEMELHANTES.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
Idade:

6 a 16 anos

Material:
15 conjuntos de cartões-estímulo do subteste Arranjo de Figuras (incluindo um conjunto de exemplos); Cronômetro.

Descrição:
cada item consiste em um conjunto de cartões com gravuras que, quando ordenados corretamente, contam uma história com tema cômico.

Os cartões são apresentados numa determinada ordem e a criança reordena os cartões de modo que contém uma história lógica; A criança deve ordenar os cartões num determinado tempo limite. 45 segundos nos itens 4-11 e 60 segundos para os itens 12-14

5. ARRANJO DE FIGURAS
PROTOCOLO DE RESPOSTA
6.ARITMÉTICA

Idade:

6 a 16 anos

Composto por 24 itens;

Material:
problemas de aritmética incluídos no manual de aplicação, cartões com gravuras e problemas incluídos no Livro de Estímulos, cartão em branco e cronômetro.

Descrição:

neste subteste, a criança resolve uma série de problemas aritméticos. Para cada item a criança resolve o problema mentalmente, sem o uso de lápis ou papel, e responde oralmente de acordo com o limite de tempo.

*Os itens são delimitados conforme a idade da criança.

6 e 7 anos ou crianças maiores com suspeitas de deficiência mental: item 1;

8 a 9 anos a partir do item 8;

10 a 13 anos a partir do item 10;

14 a 16 anos a partir do item 13.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
7. CUBOS

Idade:
6 a 16 anos*

Material:
modelos 1 e 2 incluídos no manual de aplicação, modelos 3 a 12 apresentados em cartões no Livro de Estímulos, nove cubos, cada um com dois lados vermelhos, dois lados brancos e dois lados branco e vermelho e cronômetro.

Descrição:
para este subteste a criança usa os cubos para construir um modelo de duas cores, semelhante ao construído pelo examinador;
Para construir os modelos apresentados no Livro de Estímulos, a criança usa um número específico de cubos. Os modelos devem ser construídos dentro do tempo especificado.

*6 e 7 anos ou crianças maiores com suspeitas de deficiência mental: Modelo 1;
De 8 a 16 anos a partir do modelo 3.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
8. VOCABULÁRIO



Idade:
6 a 16 anos: item 1

Material:
as palavras do vocabulário estão contidas no manual de aplicação e no Protocolo de Registro.

Descrição:
neste subteste,a criança define oralmente cada palavra lida em voz alta pelo examinador.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
CONTINUAÇÃO DO PROTOCOLO DE RESPOSTA (VOCABULÁRIO)
INSTRUÇÕES
9. ARMAR OBJETOS

MATERIAL:
6 quebras-cabeças;
Anteparo de Armar Objetos;
Cronômetro .

DESCRIÇÃO:
Neste subteste, a criança monta o quebra-cabeças que representam objetos comuns. Em cada item, a criança tem um tempo determinado para reunir as peças, que são colocadas numa configuração específica.

Idade:
6 a 16 anos
EXEMPLO - MAÇÃ
EXEMPLO - MENINA
CARRO
CAVALO
ROSTO
BOLA
PROTOCOLO DE RESPOSTA
10. COMPREENSÃO

MATERIAL:
Os itens do subteste de Compreensão estão incluídos no Manual.

DESCRIÇÃO:
Neste subteste, a criança responde oralmente uma série de itens que requerem soluções para problemas comuns ou compreensão de regras e conceitos sociais.

Idade:
6 a 16 anos

INTERRUPÇÃO:
Interromper a aplicação após 6 erros consecutivos.
PROTOCOLO DERESPOSTA
11. Procurar Símbolos (Subteste de Execução Suplementar)

MATERIAL:

Para a idade de 6 a 7 anos: Protocolo Símbolos Parte A / Para a idade de 8 a 16 anos: Protocolo de Procurar Símbolos Parte B, Dois lápis número 2, sem borracha, Cronômetro e Crivo de avaliação.

DESCRIÇÃO:

Para cada item deste subteste, a criança examina, visualmente, dois grupos de símbolos: um grupo padrão e um grupo de procura. Para a Parte A, o grupo padrão contém um único símbolo como modelo e três símbolos no grupo de procura. A criança indica, marcando no quadro apropriado, se a figura-modelo aparece ou não no grupo de procura. A criança indica, marcando no quadro apropriado, se a figura-modelo aparece ou não no grupo de procura. Na Parte B, o grupo padrão de modelo contém dois símbolos e o grupo de procura tem cinco símbolos.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
12. Dígitos ( Subteste Verbal Suplementar)

MATERIAL:

Os itens de Dígito Ordem Direta e Inversa estão incluídos no Manual ( e no Protocolo de Registro).

DESCRIÇÃO:
Neste subteste, o examinador lê em voz alta uma sequência de números. Para cada item de Dígitos na Ordem Direta, a criança repete os números na mesma ordem em que foram falados. Para cada item de Dígitos na Ordem Inversa, a criança repete os números na ordem inversa. Cada item apresenta duas tentativas e cada tentativa possui o mesmo número de dígitos, mas os números são diferentes.
Idade: 6 a 16 anos: Item na ordem direta.

* Item exemplo na ordem inversa.

PROTOCOLO DE RESPOSTA
13. Labiritos (Subteste de Execução Suplementar)


MATERIAL:
Protocolo de Labiritos, Dois lápis número 2, sem borracha, Cronômetro.

DESCRIÇÃO:
Para este subteste, a criança precisa resolver uma série de labirintos.
A criança traça uma linha do centro de cada labirinto até sua saída, sem que a linha entre em passagens bloqueadas ou atravesse paredes. A criança deve completar cada labirinto dentro de um determinado tempo limite.

Idade:
6-7 anos ( e crianças mais velhas suspeitas de deficiência intelectual)
Idade:
8-16 anos

WISC - IV ?

O QUE MUDOU?
Principais motivos para ocorrência das alterações:

- 10 anos de utilização do wisc III;

- Contribuição de especialistas em vários campos da Psicologia: educação/escolar, clínica e neuropsicológica;

- Profundo estudo da literatura existente acerca da teoria da inteligência e da evolução intelectual.

5 Objetivos principais da revisão da escala:

- Atualização das bases teóricas do instrumento;
- Aumento da sua utilidade clínica;
- Melhora da sua adequação do curso do desenvolvimento infantil;
- Melhora de qualidades psicométricas;
- Facilitação da aplicação.

O QUE MUDOU?


- QI verbal e QI de Execução foram removidos;
- Nomes dos índices modificados;
- Inclusão de 5 novos subtestes: CN, SNL, RM, CA, RP;
- Remoção de 3 subtestes: Labirintos, armar objetos e arranjo de figuras;
- Menor tempo de aplicação;
- Mais escores suplementares;
- Escore de processo adicionado.
POR QUE EXCLUIR OS SUBTESTES?

# Labirinto:
- Baixa precisão;
- Tempo de testagem muito extenso;
- Frequentemente omitido;
- A versão brasileira do WISC III não contava com normas para labirintos, as normas americanas eram utilizadas.

# Armar objetos:
- Baixa precisão;
- Dependência de bônus de tempo;
- Requer boa coordenação motora;
- Administração muito demorada;
- Tornava o kit muito pesado para carregar.

# Arranjo de figuras:
- Abrir espaço para tarefas de raciocínio fluido;
- Muito demorado;
- Dependência de bônus de tempo;
- Cargas fatoriais divididas;
- Literatura não apoiava a interpretação como medida de julgamento social ou sequenciamento.

NOVOS SUBTESTES
Raciocínio Matricial


- Versão facilitada da tarefa inicialmente utilizada no WAIS-III.
- Literatura corrobora RM como uma tarefa de raciocínio fluido.
- Nível cognitivo mais alto que em simples tarefas de organização perceptual.
- Requer memória operacional não verbal.

Conceitos Figurativos


- Também envolve abstração verbal, organização perceptual e memória operacional;
- O processo de resposta envolve mediação verbal: Itens fáceis requerem apenas pareamento; Itens mais difíceis envolvem raciocínio abstrato;
- Pode ser comparado ao Semelhanças;
- Formação de conceitos com e sem demanda por resposta verbal.

Raciocínio com Palavras

Exemplo:
1. Tem um cabo comprido?
2. Tem um cabo comprido e é usada para varrer o chão. O que é?

Sequência de Números e Letras

Exemplo:
O examinador diz: “7 K 3 D 9”
A criança responde: “3 7 9 D K”

Procurar Símbolos

- WISC-III tinha bônus de tempo para idades de 8 anos em diante;
- WISC-IV tem uma página a mais de símbolos;
- Bônus de tempo foi removido.

Cancelamento

- Duas formas:
Cancelamento Aleatório
Cancelamento Estruturado
- Os estímulos alvo tem localização idêntica nas duas formas;
- Estímulos alvo são animais;
- As outras figuras são objetos comuns.
Aritmética

- Requer conhecimentos reduzidos em matemática;

- Itens textuais e bônus por tempo foram removidos;

- Itens de contagem de figura foram mantidos como itens que formam o chão do subteste (não avaliam memória operacional);

- Tarefa mais próxima das demandas do “mundo real” para memória operacional quando comparado a SNL e DG.



WEISS, Lawrence G. WISC IV. Pearson Education, 2013.
COMO INTERPRETAR OS
RESULTADOS?
PROTOCOLO DE RESPOSTA
ASPECTOS ÉTICOS
RESOLUÇÃO CFP Nº . 002/2003

Art. 1º
– Os Testes Psicológicos são instrumentos de avaliação ou mensuração de características psicológicas, constituindo-se um método ou uma técnica de uso privativo do psicólogo, em decorrência do que dispõe a Lei nº 4.119/62.

Parágrafo único
– O psicólogo que utiliza testes psicológicos como instrumento de trabalho, deve observar as informações contidas nos respectivos manuais e buscar informações adicionais para maior qualificação no aspecto técnico operacional do uso do instrumento, sobre a fundamentação teórica referente ao construto avaliado, sobre pesquisas recentes realizadas com o teste, além de conhecimentos de Psicometria e Estatística.
* A Resolução CFP N. 002/2003 em seu Artigo 18 expõe algumas competências quanto ao uso dos testes psicológicos, os quais estão sujeitos ao disposto na Resolução e deverão:

I – ter um psicólogo responsável técnico, que cuidará do cumprimento da Resolução;
II – estar aprovado pelo Conselho Federal de Psicologia;
III – ter sua comercialização e seu uso restrito a psicólogos regularmente inscritos em Conselho Regional de Psicologia.
REFERÊNCIAS
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (CFP).
RESOLUÇÃO N.º 007/2003. RESOLUÇÃO Nº .007/2003
. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2003/06/resolução2003_7.pdf

SCHELINI, P.W.
A TEORIA SUBJACENTE À ESCALA WECHSLER DE INTELIGÊNCIA PARA CRIANÇAS (WISC)
. Rev. Estudos de Psicologia, 2000.

WEISS, Lawrence G.
WISC IV
. Pearson Education, 2013.

WECHSLER,
David. WISC-III: Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças: Manual
. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.




(SCHELINI, 2000)
TÉCNICAS E EXAMES PSICOLÓGICOS - TEP II
Daiane Sales,
Janayra Moraes,
Letícia Sousa,
Luiz Saraiva,
Lia Raquel,
Natalia Nunes e
Ramonne Diniz.

Universidade Federal de Roraima
Centro de Educação - CEDUC
(SCHELINI, 2000)
(WECHSLER, 2011)
(SCHELINI, 2000)
Influência de Spearman
(Idealizador da Análise Fatorial)
INTELIGÊNCIA
Spearman, propunha que a inteligência poderia ser compreendida tanto em função de um único fator geral, que permeia o desempenho em todos os testes de capacidade mental, conhecido como fator "g" , como em função de um conjunto de fatores específicos, cada um envolvido no desempenho de uma capacidade mental.
(STERNBERG, 2000)
Full transcript