Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Agressividade e Aprendizagem

No description
by

Guilherme Kirka

on 24 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Agressividade e Aprendizagem

A conceção de Bandura
Tal como a sexualidade, a agressividade faz parte da matriz do nosso organismo.

A nossa vida psíquica, o nosso desenvolvimento são orientados por pulsões.

Freud distingue dois grandes tipos de pulsões:
a pulsão de vida - Eros
a pulsão de morte - Thánatos

As pulsões da vida integram a ideia de manutenção do indivíduo e as pulsões sexuais.

São as pulsões de morte, que são autodestrutivas, que explicam os comportamentos agressivos.

A agressividade tem uma origem biológica, é uma energia que tem de ser descarregada. Uma das principais funções de socialização e das regras de organização social é tentar reprimir esta pulsão destrutiva.

A conceção de Freud
Lorez defende que a agressão é inerente a todos os organismos.

Na sua obra A Agressão, Uma História Natural do Mal, Lorenz defende que a energia agressiva faz parte integrante da natureza humana. Seria um impulso específico que, face a um dado contexto, conduziria à agressão.

A agressividade era encarada como um comportamento inscrito geneticamente sob a forma de um programa que era desencadeado em determinadas situações face a estímulos adequados.

Teria um valor de sobrevivência para a espécie humana, sendo fundamental para a sua perservação. Diferentemente dos outros animais, o ser humano não possuía macanismos reguladores eficazes no controlo da agressividade.




A conceção de Lorenz
A conceção de Dollard
Formas
de
Agressão

É no contexto da sua teoria da aprendizagem social ou moldagem que Bandura defende que o comportamento agressivo resulta de um processo de aprendiazagem que se baseia na observação e na imitação de comportamentos, no caso, agressivos.

Assim, seria no processo de socialização que a criança observaria e imitaria comportamentos agressivos em modelos como os pais, os educadores e outras crianças.

Experiência (1961)

32 rapazes e 32 raparigas, entre os 3 e os 6, fora, divididos igualmente por três salas, com três situações distintas:

um adulto (modelo) que gritava, batia com um martelo e pontapeava um boneco insuflável do tamanho de um adulto;

um adulto que agia normalmente, sem qualquer agressividade;

sem qualquer modelo.






Agressão Hostil (Hostilidade)
Agressão Hostil
Comportamento Inato/Adiquirido
Existem no se humano estruturas relacionadas com a agressividade, a sua concretização envolve processos fisiológicos, designadamente:
- as glândulas suprarrenais
- o sistema nervoso
- estruturas do sistema límbico
- o hipotálamo e outras zonas do cérebro.
Contudo, tal não significa que o ser humano esteja programado para a agressão.

Existem componentes biológicas e bioquímicas na agressividade, mas o que caracteriza o ser humano é a sua flexibilidade e plasticidade que o leva a escapar-se de programas fechados e deterministas. Os esquemas inatos são flexíveis e moldáveis. O mesmo se passa com a agressividade.

Nos seres humanos, a sua manifestação e expressão estão muito dependentes de fatores relacionados com:
- o contexto social
- a aprendizagem
- com as experiências anteriores
- as interações sociais
- a interiorização de normas e regras sociais reguladoras da expressão e legitimação da agressividade.


Agressividade
e
Aprendizagem

Acadêmicos
: Fernanda Ferreira Melo, Guilherme Meloto, Nicole Gaspari e Rosmari Pereira Friske

Nos finais da década de 60, John Dollard e Niel Miller propuseram a hipótese frustração-agressão.
Explicam a agressão pelo fato de um sujeito ter sido frustrado, isto é, existiria uma ligação inata entre o estímulo - a frustração - e o comportamento de agressão.

A agressão funcionaria como um meio de afastar tudo o que impedisse o sujeito de atingir os seus objetivos.

Muitas críticas foram colocadas a esta teoria:

Nem todas as pessoas reagem à frustração através de comportamentos agressivos
podem ocorrer agressões sem ter havido previamente um frustração.


Conclusões:

As crianças que faziam parte do grupo em que ocorriam as agressões ao boneco imitavam exatamente os comportamentos que tinham observado.

As crianças que faziam parte do grupo em que o modelo não agredia o boneco não apresentavam qualquer modificação no seu comportamento.


Agressão Direta
Agressão Inibida
Agressão Dissimulada

Agressão Instrumental
Agressão Aberta
Agressão Deslocada
Auto-Agressão
Agressão Instrumental
Agressão que visa a um objetivo, que tem por fim conseguir algo independentemente do dano que possa causar. Normalmente é planejada e não impulsiva.

Agressão Direta
Agressividade segundo eles:
Freud
Konrad Lorenz
John Dollard
Bandura
Tipo de agressão emocional e geralmente impulsiva. É um comportamento que visa causar danos ao outro, independentemente de qualquer vantagem que possa obter.


O comportamento agressivo dirige-se à pessoa ou ao objeto que justifica a agressão.


Auto-Agressão
O sujeito desloca a agressão para si próprio.


Agressão Aberta
Pode-se manifestar pela violência física ou psicológica, é explicita.


Recorre a meios não abertos para agredir.


O sujeito não manifesta agressão para o outro, mas dirigi-a contra si próprio.


Agressão Dissimulada
Agressão Inibida
Aprendizagem segundo eles:
Piaget
Wallon
John Dewey
Freire
Para Piaget
O começo do conhecimento é a ação do sujeito sobre o objeto, ou seja, o conhecimento humano se constrói na interação homem – meio, sujeito – objeto.

Para Henri Paul Wallon
Para Wallon, a aprendizagem é sempre provocada por situações externas ao sujeito. A criança, para ele, é essencialmente emocional e gradualmente vai construindo-se em um ser sócio-cognitivo. As trocas relacionais da criança com os outros são especiais para o desenvolvimento da pessoa.

Para Dewey a aprendizagem é construída sobre conhecimentos prévios e a participação ativa do aprendiz na definição do ambiente de aprendizagem.

Para John Dewey
Para Freire, ensino e aprendizagem são um mesmo ato e processo político de formação e de transformação de pessoas onde “quem forma se forma e re-forma ao formar e quem formado forma-se e forma ao ser formado. (...) quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.”

Para Paulo Freire
Agressão Deslocada
O sujeito dirige a agressão a um alvo que não é responsável pela causa que lhe deu origem.
Bullying
(termo utilizado para descrever agressões físicas e/ou psicológicas intencionais e repetidas, praticadas por um ou mais indivíduos dentro de uma relação desigual de poder)
No vídeo, as meninas fazem comentários negativos a respeito da colega, visando observar a reação de estranhos que estão ao redor.
Full transcript