Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Neste trabalho iremos abordar a respeito do tema ''Racismo'

No description
by

Camila Lins

on 6 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Neste trabalho iremos abordar a respeito do tema ''Racismo'

PRE
CONCEITO RACIAL

DEFINIÇÃO DE RACISMO:
Tendência do pensamento ou modo de pensar;

Não é uma teoria científica;

É um conjunto de opiniões pré concebidas.
RACISMO E XENOFOBIA
Muitas vezes o racismo e a xenofobia, embora fenômenos distintos, podem ser considerados paralelos e de mesma raiz, isto é, ocorre quando um determinado grupo social começa a hostilizar outro por motivos desonestos.
Neste trabalho iremos abordar a respeito do tema ''Racismo''.

Iremos definir e falar a cerca da filosofia do racismo e sua história no decorrer do tempo no Brasil.
O QUE LEVA AO PRECONCEITO?
A cor de pele;
O tipo de cabelo;
O tamanho dos lábios;
Diferentes culturas;
Diferentes religiões;
Diferentes costumes;
Diferença entre os sexos;
PRECONCEITO RACIAL NA ESCRAVIDÃO BRASILEIRA
O surgimento do racismo no Brasil começou no período colonial. Seculo XVI;
Houve dificuldades em escravizar os primeiros habitantes que haviam em nossa região, os indios, portanto usaram os negros para servirem de escravos nos engenhos;
Os brancos acreditavam que os negros e os índios eram "raças" inferiores, mais fortes e resistentes e passaram a aplicar a discriminação com base racial nas suas colônias.
FILOSOFIA
Bebedouros destinados a brancos e negros nos EUA em 1939.
Igreja Católica que nesse tempo detinha muito poder, não interviu contra a escravidão;
A idéia do "sangue-puro" também provém desse tempo, em que os nobres de pele pálida com as veias a mostra, se achavam superiores aos de pele escura;
Para evitar rebeliões, os escravos eram mantidos separados de conhecidos e até mesmo de escravos que falassem a mesma lingua;
Sua habitação se chamava senzala;

As condições humilhantes dos escravos, geraram grandes fugas e revoltas;
Essas comunidades eram mais conhecidas como quilombos e desafiavam o modelo de organização social imposto pela administração colonial.
• As mulheres também foram escravizadas e executavam, principalmente, atividades domésticas. Os filhos de escravos também tinham que trabalhar por volta dos 8 anos de idade.
• A escravidão só acabou no Brasil no ano de 1888, após a decretação da Lei Áurea.
Racismo após a abolição da escravatura
Transformações econômicas no Brasil após a segunda metade do século XIX;
Abolição da Escravatura;
Exclusão e abandono dos negros ex-escravos;
Dificuldade dos negros ex-escravos para reintegrar-se ao mercado de trabalho;
• Necessidade de um delineamento social, e criação de uma identidade racial;
• Mito da Democracia Racial;
• Segunda metade do século XX a questão do racismo reaparece no Brasil;
• Movimentos antiracistas se rearticulam;
• Após a queda da ditadura, governo toma providencias contra racismo;

Será que essas políticas conseguirão diminuir essa grande diferença social?
PRECONCEITO RACIAL TUALMENTE
Na colonização do Brasil os primeiros contatos foram entre portugueses e africanos;
Quando Europeus chegaram ao Brasil a única maneira de sobrevivência era a imposição de regras;
A partir desta mistura de raças o racismo apenas cresceu;

• O racismo acontece em praticamente todos os lugares, escolas, ambientes públicos, trabalho, jogos de futebol, tribunais;
• O racismo está voltado principalmente à nacionalidade;
• O percentual de analfabetos negros e pardos era em 2010,
o triplo dos brancos;
• Pesquisa feita em 2011 aponta que tem crescido a parcela de negros e pardos no total de desempregados;

O que voce pensou?
DISCRIMINAÇÃO CONTRA OS BRANCOS
Diante de todo o exposto referente ao preconceito contra o homem negro, iremos mostrar o racismo contra o homem branco que parece ser inexistente por muitos, mas está presente e muito claro e só está sendo omitido.
Estranho?
Pode parecer estranho mas existe sim o preconceito contra os brancos, porém esse não é reconhecido pelo “senso comum”, pois o branco jamais pode se sentir ofendido, diferente do negro.
Quilombos
Todos nós podemos ter orgulho da nossa raça, seja ela qual for, desde que não desrespeitemos as outras etnias.
RELIGIÃO
Educadora negra diz não gostar de brancos em bloco afro

No norte e no nordeste do Brasil, encontramos algumas situações de preconceito contra o branco. Um exemplo é o caso de uma professora, Ceres Santos, que afirma estar preocupada com a decisão do bloco afro Ilê Aiyê de aceitar brancos pela primeira vez em sua apresentação no Carnaval
• Dificilmente um brasileiro admite ser racista. Afinal a própria Constituição fala de igualdade de todos, independente de cor, raça, credo, classe social... Porém, se a lei diz que não existe desigualdade, a prática a desmente. Analisando-se as Constituições brasileiras, desde a de 1824 até a Carta Magna de 1988, percebemos que a proteção das minorias e do ser humano permeou por todas elas, porém nem sempre de forma eficaz.
• A Constituição Imperial de 1824 não fez referência à questão da defesa da prática de racismo em seus artigos, se limitou apenas a dizer em seu artigo 179, que “A Lei será igual para todos, quer proteja, quer castigue, o recompensará em proporção dos merecimentos de cada um”;

• Com a promulgação da Constituição Republicana de 1891 , qualquer negro deveria ser considerado cidadão brasileiro, diferentemente da Carga Magna Imperial de 1824 que considerava cidadãos brasileiros os negros libertos ou ingênuos.
• A Constituição de 1934 também estabeleceu no Capítulo dos Direitos e das Garantias Individuais que todos fossem iguais perante a lei;
• A Carta Magna de 1937 nada fez de diferente para coibir as manifestações racistas do cotidiano, continuou apenas a estabelecer a igualdade perante a lei;
• A Constituição de 1946 proibe propaganda preconceituosa.
A Lei Maior de 1967 preceituava a proibição da diferença de salários
RACISMO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO
Lei Diogo Feijó (7 de novembro de 1831);
Lei Euzébio Queiroz (4 de setembro 1850);
Lei Nabuco de Araújo (Lei nº 731 de 5 de junho de 1854;
Lei do Ventre Livre (Lei nº 2.040 de 28 de setembro de 1871);
Lei dos Sexagenários (Lei nº 3.270 de 28 de setembro 1885)
lei Áurea (Lei nº 3.353 de 13 de maio de 1888).
No período escravagista podemos citar:
Constituição Federal de 1988
A constituição de 1988 é a atual carta magna da República Federativa do Brasil. Foi elaborada no espaço de 20 meses por 558 constituintes entre deputados e senadores à época. Promulgada no dia 5 de outubro de 1988, ganhou quase que imediatamente o apelido de constituição cidadã, por ser considerada a mais completa entre as constituições brasileiras, com destaque para os vários aspectos que garantem o acesso à cidadania.
A Constituição Federal de 1988 determina a dignidade da pessoa humana como um dos fundamentos da República Federativa do Brasil. Pode-se considerar a dignidade da pessoa humana como um dos pilares do nosso ordenamento jurídico, concedendo ao ser humanos, direitos e garantias fundamentais.
Em 05 de janeiro de 1989, após as práticas racistas serem criminalizadas rigorosamente pela Constituição Federal de 1988, foi promulgada a Lei nº 7.716, conhecida como Lei Caó por ser de autoria do Deputado Federal Carlos Alberto de Oliveira.
LUTAS CONTRA O RACISMO
PONTO DE VISTA ÉTICO SOBRE O RACISMO
LUTAS CONTRA O PRECONCEITO
O preconceito religioso no Brasil começou ainda no período colonial, no qual os colonizadores puniam fisicamente quem não aceitasse a religião imposta por eles. Hoje no Brasil existem muitos tipos de religião, foi criada uma lei “Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa”.
A Religião é um fenômeno de intensa importância para a vida dos seres humanos e se manifesta de diferentes formas.
A parte da legislação brasileira que trata sobre o tema do preconceito religioso, está localizada no texto Constitucional, Dos Direitos e Garantias Fundamentais, Art. 5º:
Acredita-se que a luta pela igualdade entre negros e brancos esta longe de acontecer, considerando que não são todas as pessoas que querem essa igualdade.
Isso acontece em um país em que, aproximadamente, 43% do conjunto da população são constituídos de negros ou de ascendência negra.
No dia 20 de novembro é comemorado o dia da consciência negra, data que reforça a luta contra a discriminação, racismo, o preconceito racial e a intolerância são constantes as lutas contra o racismo.
Muitos famosos como artistas e jogadores
fazem propagandas, anúncios para chamar
atenção para o fim da desigualdade. E como
mais importante, o combate a essas atitudes
estão regulamentadas em leis na Constituição Federal.

A palavra “ética” provem do termo grego “ethos”, que significa “costume”, “caráter”.
Ética é uma área da filosofia que se ocupa com o estudo dos seres humanos e seus comportamentos em sociedade.
Também busca analisar o que leva os indivíduos a tomarem certas atitudes e busca influenciar cada um a optar pelo que é bom e rejeitar o que é mau para que haja paz e felicidade no meio social.
Pode-se afirmar que há diferenças entre
os povos e entre os indivíduos de um
mesmo grupo ou de grupos distintos,
isso é um juízo de fato, mas não se pode
afirmar a superioridade de um grupo sobre
outro, pois não há dados que fundamentem
esse tipo de juízo de valor.
Do ponto de vista ético não há pessoas com
grupos melhores ou piores, todos são seres
humanos e são portadores de
sentimentos e qualidades, são
merecedores de respeito, liberdade
e de dignidade.
O que há são diferenças que precisam ser
toleradas e respeitadas.

HOMOFOBIA
Homofobia significa a repulsa o ódio contra a homossexualidade. Este termo foi utilizado pela primeira vez nos Estados Unidos em meados dos anos 70 e, a partir dos anos 90, já estava no meio da sociedade
A homofobia pode surgir de diversas formas, a mais comum delas é causada por Dogmas Religiosos, especialmente nas religiões judaico-cristãs (católicos, protestantes, judaicos, muçulmanos...), que pregam o homossexualismo como sendo um pecado; essa é a homofobia religiosa.
A Constituição Federal brasileira não cita a homofobia diretamente como um crime. Porem define como “objetivo fundamental da República” (art. 3º, IV) o de “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade, ou quaisquer outras formas de descriminação”.
Muitos Estados já estão adquirindo uma Lei Estadual
para proteger os homossexuais, como São Paulo que
através da lei 10.948/2001 estabeleceu diferentes formas de punição a diversas atitudes discriminatórias relacionadas aos grupos de pessoas que tem manifestações sexuais
perseguidas por homofóbicos e intolerantes.
Em maio de 2011, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a
legalidade de união estável entre pessoas do
mesmo sexo no Brasil.
SOCIAL
Quando falamos em classes sociais podemos relacionar a Karl Marx que faz uma critica a sociedade capitalista que seria dividida em classes sociais
Mas quando falamos em preconceito deve-se abranger um sentido mais amplo ao de Marx, considerando os diversos grupos sociais não sendo apenas duas classes a compor a sociedade, mas várias outras que são resultantes de diversos aspectos socioeconômicos como a renda, escolaridade, acesso a saúde, entre outros fatores.
É um preconceito que está até mesmo dentro da classe proletária, onde trabalhadores urbanos sentem preconceito com relação a trabalhadores que tem menos grau de instrução ou ocupam cargos inferiores. Mas o mais forte é ainda entre os mais ricos contra os mais pobres.
Preconceito de classe social associa-se então, a grupos como: Milionários, ricos, classe média alta e a classe média, média baixa, os pobres e os miseráveis, onde a renda é o fator determinante e que gera este preconceito.
Neste mundo competitivo em que vivemos, cada vez mais, a chance será dos mais aptos e melhores preparados para o mercado financeiro. O problema está na variedade de pessoas competentes, que não estão neste grande mercado por falta de oportunidades e recursos e desta forma acabam exclusas desta sociedade.
Sendo assim volta-se a relação de Marx nos dois pólos distintos, de intelectuais estudiosos e aplicados e os excluídos dos desinteressados e inúteis, assim vistos pelo preconceito social.
Para combatermos o racismo devemos começar educando nossas crianças, devemos educá-las para respeitar o diferente, mostrar a elas que a diferença entre pessoas precisa existir e que todos devem ser respeitados igualmente, temos que conscientizá-las a interagirem com outras culturas para tentarmos motivar o respeito mútuo dentro da sociedade e para que isso aconteça o governo criou a lei 10.639/2003 que garante a obrigatoriedade da história e cultura afro-brasileira no currículo oficial da rede de ensino.
Como combater?
No Brasil, o movimento negro é um dos principais protagonistas na luta contra o racismo, é um conjunto de organizações, grupos, redes e fóruns de negros e negras, que tem como objetivo central a luta contra o racismo.
funções do movimento negro brasileiro são a de despertar a consciência da população sobre efeitos e as causas do racismo e também o de propor para todo Estado medidas para a superação da desigualdade social.
A campanha “onde você guarda seu racismo” começou no Brasil em 2004 e ela foi realizada pelos Diálogos contra o Racismo, o seu objetivo é estimular o dialogo com base no principio da igualdade
CAMPANHA
Full transcript