Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pela melhoria dos direitos das mulheres

Trabalho de História - 2º Período. Helena Boldrini Niero nº 15 e Maria Beatriz de Alcantara Rotondi nº 27. 2º A.
by

Helena bn

on 20 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pela melhoria dos direitos das mulheres

No programa de governo do partido - PSDB, apresentado ao Tribunal Superior Eleitoral em julho de 2014, o presidenciável Aécio Neves e sua equipe elencaram 14 sugestões, com foco na promoção da igualdade de gênero e no combate à violência contra as mulheres.
Este tema ganhou mais espaço após a criação da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres em 2003, e a instituição da Lei Maria da Penha em 2006.
Entre as propostas da plataforma de Aécio Neves para este assunto, destacam-se a criação de mais escolas e creches em tempo integral, além da defesa da maior participação das mulheres em todos os escalões da administração pública.
Seguem abaixo as 14 propostas do PSDB para as mulheres:
1- Transformação em realidade do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, em consonância com o novo plano de governo, garantindo assim a transversalidade de gênero entre ministérios, colocando, de forma permanente e sistemática, a perspectiva de gênero sobre toda a atuação do governo federal;
2- Resgate das políticas públicas para as mulheres, com a promoção de toda a potencialidade da rede de Proteção Social;
3- Cumprimento dos Tratados, Acordos e Convenções dos organismos internacionais, assinados pelo Brasil, e demais mecanismos em casos de violação aos direitos humanos das mulheres;
4- Fomento aos direitos de cidadania das meninas, mulheres e idosas, incentivando a criação de comitês comunitários municipais de mulheres comprometidas com o aperfeiçoamento da democracia, com a promoção da ética, da cidadania, de ações sociais e de combate à corrupção e aos abusos econômicos;
5- Estímulo à escola de tempo integral e à criação de creches para liberar a mulher para o trabalho e também para os estudos, otimizando os espaços físicos para alfabetização de mulheres adultas;
6- Fomento à capacitação de professores nas questões de gênero, raça-etnia e violência contra as mulheres, visando desconstruir preconceitos e estereótipos;
PSDB Mulher
A presidente do PSDB Mulher (Solange Jurema) ainda acrescenta: “As mulheres são a maioria da população e do eleitorado, no entanto são minoritárias em todas as instâncias de poder no Brasil, seja no Congresso Nacional ou numa Câmara de Vereadores do interior brasileiro. Elegendo mais mulheres estaremos tornando mais real a nossa representação nas esferas de poder. Se somos a maioria da população, devemos ter, se não a maioria, pelo menos uma parcela maior do que a média de hoje, que é bem abaixo, na ordem dos 15% do total de representantes nos parlamentos brasileiros”.
Brasília (DF)- A presidente do PSDB-Mulher Nacional, Solange Jurema, esteve na última sexta-feira (08/08) com o presidente Fernando Henrique Cardoso no IFHC, em São Paulo. Na pauta da reunião, o número recorde de candidaturas femininas do PSDB nas eleições de 2014.
Gestão do PSDB leva mamografia gratuita às comunidades de Jaboatão dos Guararapes
Ipojuca (PE): Mulheres vítimas de violência têm centro especializado de atendimento
Fontes
Deve-se observar que apesar de consideráveis mudanças comportamentais da sociedade, ainda prevalece os costumes machistas e discriminatórios. No campo do trabalho, houve muitos avanços, principalmente com a criação de leis de proteção e incentivo ao trabalho da mulher. Entretanto, restam muitas barreiras a serem derrubadas. Mulheres que exercem os mesmos cargos de homens
ganham menos
e suas qualificações são pouco reconhecidas, pois seus salários são vistos como complemento na renda familiar. E para chegar a um cargo de chefia é exigida muito mais do que um homem. A mulher enfrenta muitas dificuldades no ingresso ao mercado de trabalho, uma vez que, além da qualificação técnica, ainda exigem beleza (transcrita nos anúncios de emprego como “Boa aparência”).Apesar de todos esses problemas enfrentados pelas mulheres, hoje passamos por uma revolução silenciosa, que pode ser vista nas faculdades.





Se teoricamente estão mais bem preparadas, por que recebem menos?
Mulheres na política: um longo caminho a percorrer
Segundo dados do balanço divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta terça-feira e publicado pelo jornal O Globo, o eleitorado brasileiro está mais feminino – somos hoje 74,5 milhões de eleitoras, ou 52,13% do eleitorado.
Infelizmente, a presença das mulheres ainda é baixa, na lista dos 100 “cabeças” do Congresso Nacional em 2014, publicada pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Nossa posição na lista reflete os 9% que temos no Parlamento, somos apenas 8 entre os 100 mais atuantes.
Para Augusto de Queiroz, coordenador da pesquisa e diretor de Documentação do Diap, a baixa presença das mulheres na lista é reflexo da representação do gênero na política em geral.
- Segue a mesma proporção. A participação das mulheres na politica é desproporcional em relação à economia e à própria posição de eleitores, quando são maioria.
Novas Conquistas
A participação de mulheres do PSDB Mulher nas eleições de 2014 dobrou em relação ao ano de 2010. A afirmação é da presidente nacional do PSDB Mulher, Solange Jurema, que destaca um avanço de 102%. Para Solange Jurema, a evolução da participação da mulher na política é fruto de mobilizações que o partido vem realizado durante os últimos quatro anos.
A presidente do PSDB Mulher ainda destaca a importância da participação das mulheres no cenário político.
“A importância está no fato de que a cada eleição, seja municipal ou estadual e federal, aumenta o número de candidatas mulheres participando e se elegendo prefeita, governadora, vereadora, deputada estadual, distrital e federal. Com isso, aumentamos nossa participação e presença no executivo e no legislativo, trazendo para a política e as esferas de decisão um novo olhar, um olhar feminino”, afirma.
Objetivos
Dentre os objetivos do PSDB Mulher estão: levantar, analisar e debater as questões de interesse da comunidade,
especialmente as que afetam diretamente a mulher, incentivando-a a se
organizar em defesa de seus direitos; proporcionar meios para a capacitação e o aperfeiçoamento da mulher,
visando a formação de lideranças nas áreas pública, privada, terceiro setor e o
exercício de mandatos eletivos.
PSDB Mulher SP com Geraldo Alckmin na sabatina do Estadão
O governador Geraldo Alckmin anunciou a instalação do Centro de Referência da Saúde da Mulher, Pérola Byington em área do bairro Bom Retiro a ser revitalizada. Sobre segurança, o candidato informou: ”Tínhamos 35 homicídios por 100 mil habitantes. A OMS recomenda 10. Teve um ano, 1999, que tivemos 12 mil homicídios. Hoje temos 10,5. No Brasil, são mais de 20 homicídios por 100 mil habitantes. Somos o segundo estado onde menos se mata no País”, explicou Alckmin. O governador disse que não quer estatística para dizer que São Paulo é melhor que outros estados. “Queremos a verdade. Somos o único estado que publica no dia 25 todas as estatísticas do mês anterior”, afirmou.
A presidente do PSDB Mulher SP, Almira Garms e o governador Geraldo Alckmin nos bastidores da entrevista com candidatos majoritários.
Helena Boldrini Niero nº 15
Maria Beatriz de Alcantara Rotondi nº 27
2º A
“As mulheres são a maioria da população e do eleitorado,
no entanto são minoritárias em todas as instâncias de poder no Brasil, seja no Congresso Nacional ou numa Câmara de Vereadores do interior brasileiro.
Elegendo mais mulheres estaremos tornando mais real a nossa representação nas esferas de poder. Se somos a maioria da população, devemos ter, se não a maioria, pelo menos uma parcela maior do que a média de hoje, que é bem abaixo, na ordem dos 15% do total de representantes nos parlamentos brasileiros”, acrescenta a presidente do PSDB Mulher.


Para a candidata a deputada federal Grace Franco, apesar da evolução da participação da mulher no processo eleitoral,
é preciso trabalhar para que mais mulheres possam participar das disputas eleitorais.
“Precisamos alavancar esses números e mostrar que, nós mulheres, precisamos sim atuar na política de igual para igual com os homens. Precisamos ter mais representantes nos cargos de governadora, senadora, deputada federal e estadual, prefeita e vereadora para que possam ser desenvolvidos projetos que colaborem mais ainda para fortalecer o papel da mulher na sociedade”, ressalta Grace Franco.
Desde que o movimento feminista foi às ruas, há cinco décadas, as mulheres quebraram barreiras em diversas áreas, mas alguns obstáculos parecem intransponíveis. Por mais que estejam amplamente inseridas no mercado de trabalho – hoje presidem empresas e governam países –, elas ainda ganham menos do que os homens. A diferença de rendimentos é ainda mais inexplicável quando se comparam os níveis de escolaridade dos sexos. Em países como Brasil e Estados Unidos, as mulheres têm mais anos de estudo do que os homens. Além disso, a violência crescente contra a mulher como também a falta de recursos médicos para as mesmas assustam. Escolhemos este problema por acreditarmos que isso pode mudar visto que nenhuma desigualdade entre as pessoas faz parte da natureza humana.
A prefeitura de Jaboatão dos Guararapes no Grande Recife, governada pelo PSDB, oferece exames gratuitos de mamografia nas comunidades do município.
Duas unidades móveis foram disponibilizadas para realizar os exames, principalmente em mulheres da 3ª idade,
que não têm como se deslocar para um posto de saúde.
Mulheres vão propor políticas públicas para o Plano de Governo de Reinaldo Azambuja
Durante as palestras que
abordaram a legislação eleitoral, o uso de mídias sociais e o papel das candidatas no pleito eleitoral
, as mulheres destacaram assuntos de interesse da sociedade que devem compor o plano de governo:
acesso à qualificação profissional, incentivo ao primeiro emprego, ampliação de escolas em tempo integral, promoção da cidadania de indígenas e outros.

As propostas concretas de garantia dos direitos serão integradas ao Plano de Governo. No documento registrado já constava, dentre os desafios,
a universalização dos direitos às mulheres
(e outros grupos sociais) e
priorização das mulheres nas políticas de promoção do empreendedorismo.
“A mulher representa a família e é muito dedicada, consegue ser dona de casa, mãe, profissional e política”, disse a presidente estadual do PSDB-Mulher, Eliana Rodrigues, que classificou como “fundamental” a participação das mulheres na elaboração de políticas públicas.
O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) vem realizando, nos últimos anos, algumas ações relacionadas à defesa da mulher, no contexto social e político.
A deputada Gardênia Castelo (PSDB-MA) criou, há 03 anos, a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, com o propósito de discutir os assuntos referentes à discriminação, violência doméstica e abuso sexual, além de trabalhar a questão do empoderamento da mulher na família e sociedade.
A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) apresentou, também em 2011, a proposta de criação no Senado de uma comissão temporária para analisar projetos de lei relacionados às mulheres. A senadora reconhece que houve avanços na legislação brasileira no que se refere à consolidação dos direitos femininos, mas ressalta que ainda ocorrem grandes desigualdades entre os gêneros, em todos os níveis. Entre 134 países, os rankings internacionais apontam o Brasil em 81º. lugar quando se mede a desigualdade de gênero em relação ao acesso à educação e saúde, e em 114º. lugar em relação à participação econômica e política. Segundo a senadora, a comissão servirá para a apresentação e discussão de propostas que atendam às necessidades femininas em relação ao mercado de trabalho, violência doméstica, acesso a saúde, entre outros assuntos; o objetivo é que as propostas se transformem em leis que possam contribuir efetivamente para melhorar a vida das mulheres brasileiras.
Em São Paulo, destacam-se as ações da deputada estadual Maria Lúcia Cardoso Amary, conhecida por sua atuação apresentando projetos em defesa dos direitos da mulher e da família (Programa de Qualidade de Vida da Mulher no Climatério, Deus na Escola, Programa de Saúde da Mulher Detenta), além da criação do Estatuto da Mulher Paulista e consolidação das leis paulistas vinculadas à mulher. A vereadora Patrícia Bezerra também vem militando em defesa dos direitos da mulher, defesa contra abusos nos transportes públicos e projetos em prol do parto humanizado sem dor.
7- Ampliação da participação das mulheres em todos os escalões da administração pública, observando os princípios da igualdade de condições no preenchimento dos cargos;
8- Estímulo a programas e ações voltadas à prevenção da gravidez precoce, adotando estratégias educativas de sensibilização de adolescentes e apoio integral nos casos de gestação e acompanhamento da mãe e da criança até a idade de 05 anos, além de programas de atendimento à gravidez de risco, partos prematuros e prevenção da mortalidade materna;
9- Instituição de campanhas preventivas de atendimento ao câncer de colo de útero, de mama, de doenças sexualmente transmissíveis (DST); atendimento especial às mulheres quando portadoras de DST; combate à obesidade e desnutrição infantil;
10- Promoção do atendimento integral à mulher e à criança vítima de violência, tornando a violência contra a mulher uma questão de saúde pública;
11- Instituição, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), do tratamento de correção estética, incluindo cirurgias plásticas, para as mulheres vítimas de deformações decorrentes de violência doméstica;
12- Institucionalização da Rede de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, tornando-a um programa de Estado e não de Governo;
13- Aperfeiçoamento da aplicação da legislação de combate à violência doméstica, em especial para proteger mulheres e crianças;
14- Criação de Programa de Combate à Exploração Sexual, que atinja mulheres, meninas e jovens e que atue de forma eficaz no Brasil e no exterior, inclusive com dotação para fazer o resgate de mulheres escravas sexuais no exterior.
Além das sugestões acima relacionadas, o candidato à presidência da República pelo PSDB declarou recentemente que pretende ampliar o período de licença-maternidade das mães de filhos prematuros, de forma a permitir que a mãe acompanhe o filho durante o período em que o mesmo estiver internado, retornando ao trabalho após a alta hospitalar da criança.
Campanha contra a violência doméstica feminina "Que tipo de homem você é?"
Pela melhoria dos direitos das mulheres
As mulheres precisam ser colocadas no lugar
As mulheres precisam saber seu lugar
As mulheres precisam ser controladas
As mulheres precisam ser disciplinadas

As mulheres precisam ser vistas como iguais

As mulheres não deveriam ter direitos
As mulheres não deveriam votar
As mulheres não deveriam trabalhar

As mulheres não deveriam sofrer mais por discrimanação
As mulheres não sabem dirigir
As mulheres não são confiáveis
As mulheres não deveriam falar na igreja

As mulheres não devem aceitar as coisas como são
http://www.psdb.org.br/mulher/
http://www.mundojovem.com.br/entrevistas/edicao-434-uma-desigualdade-marcante-entre-homens-e-mulheres
http://www.abanorte.com.br/noticias/noticias-principal/galeria-de-imagens/Nova%20Imagem%20(3).png
http://www.trendsaroundtheworld.com/images/post/443/anuncio-da-on-women-utiliza-auto-preenchimento-do-google-para-mostrar-a-desigualdade-entre-homens-e-mulheres-443.jpg
http://www.culturamix.com/wp-content/uploads/2010/11/19.jpg
http://www.psdb.org.br/mulher/ipojuca-pe-mulheres-vitimas-de-violencia-tem-centro-especializado-de-atendimento/
http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2014/02/mamografia-sem-pedido-medico-podem-ser-agendadas-na-regiao.html
http://www.vermelho.org.br/ap/noticia/14032-55
http://portalsocialdobrasil.org.br/propostas-2014/mulheres-propostas-2014/
http://cascavilha.com.br/site/wp-content/uploads/2013/03/CHARGE20_.jpg
http://www.hypeness.com.br/2014/07/ilustracoes-incriveis-lembram-que-a-mulher-e-dona-do-proprio-corpo/
http://mamaes.net/files/2012/06/gravidez-precoce.jpeg
http://direcaodeartedesign.wordpress.com/2011/12/06/ilustracoes-incriveis-em-campanha-para-o-combate-ao-trafico-de-mulheres-daniel-borges-ozana/
http://radioloandafm.files.wordpress.com/2008/03/charge-mulher.jpg
http://noticias.uol.com.br/album/2014/07/10/ilustrador-retrata-princesas-da-disney-em-situacao-de-violencia.htm
Muitos estabelecimentos servem de fachada para abrigar as atividades que envolve o tráfico sexual.
Full transcript