Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

"Mensagem" Fernado Pessoa "Terceiro"

No description
by

Sarah Rossini

on 13 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "Mensagem" Fernado Pessoa "Terceiro"

"Terceiro"- Avisos - Mensagem
Fernando Pessoa

1ª Parte
`Screvo meu livro à
beira mágoa
.
Meu coração não tem que ter.
Tenho meus
olhos quentes de água
.
Só tu, Senhor, me dás viver.

Só te sentir e te pensar
Meus
dias vácuos
enche e doura.
2ª Parte
Mas
quando
quererás voltar?
Quando
é o Rei?
Quando
é a Hora?

Quando
virás a ser o Cristo
De a quem morreu o falso Deus,
E a despertar do mal existo
A Nova Terra e os Novos Céus?

Figuras de Estilo
"
Quando
é o Rei?
Quando
é a Hora?"
Terceiro
`Screvo meu livro à beira mágoa.
Meu coração não tem que ter.
Tenho meus olhos quentes de água.
Só tu, Senhor, me dás viver.

Só te sentir e te pensar
Meus dias vácuos enche e doura.
Mas quando quererás voltar?
Quando é o Rei? Quando é a Hora?

Quando virás a ser o Cristo
De a quem morreu o falso Deus,
E a despertar do mal existo
A Nova Terra e os Novos Céus?

Sarah Rossini nº19 12ºA1
Quando virás, ó Encoberto,
Sonho das eras português,
Tornar-me mais que o sopro incerto
De um grande anseio que Deus fez?

Ah, quando quererás, voltando,
Fazer minha esperança amor?
Da névoa e da saudade quando?
Quando, meu Sonho e meu Senhor?
Único poema que não possuí nome
1ª Parte
2ª Parte
Sebastianismo
Encoberto
- o «ser que há», ou seja, o que vive na lenda e que simboliza o sonho, o desejo de grandeza


D. Sebastião que
irá regressar
não tem nada haver com a figura material / física do rei.
ideia, símbolo, possibilidade de redenção da Pátria
MENSAGEM
distinção entre o D. Sebastião
Figura histórica
- o «ser que houve» e que morreu em Alcácer Quibir
Tristeza, descontentamento e mágoa em relação ao momento presente
O Encoberto é a única razão de viver, a única esperança de salvação
dias monótonos, vazios
Predominância do
presente do indicativo
traduz permanência
Utilizadas frases do tipo declarativo
Rei, Hora, Cristo, Encoberto, Sonho, Senhor
Quando
virás, ó Encoberto,
Sonho das eras português,
Tornar-me mais que o sopro incerto
De um grande anseio que Deus fez?

Ah
,
quando
quererás, voltando,
Fazer minha esperança amor?
Da névoa e da saudade
quando
?
Quando
, meu Sonho e meu Senhor?
Quando
Dá-nos conta da inquietação, angústia e urgência do sujeito
Quinto Império
Pessoa não acreditava no Deus da Igreja Católica Romana
Predominância do
futuro
só nele que o velho sonho do poeta poderá vir a tornar-se realidade
Interrogativas introduzidas por “
quando

Única forma de materializar sonhos e de o poeta se poder libertar do contingente, do incerto e de alcançar uma “nova terra” e “novos céus”
apelo a uma vinda rápida
Poeta interroga ansiosamente o seu presumível interlocutor sobre a Hora da sua vinda
Quando Pessoa se refere a Deus, refere-se ao Criador (em que acreditava) e Arquitecto do Destino


Aqui ele diz-nos que com a chegada do Encoberto, que esperava para os seus dias, ele tornar-se-ia mais do que a voz quase inaudível que exprimia um sonho nacional
"Tornar-me mais que o sopro incerto
De um grande anseio que Deus fez?"
Anáfora
" E a despertar do mal que existo
A Nova Terra e os Novos Céus?"
Hipérbato
"A Nova Terra e os Novos Céus?"
Perífrase
"Quando virás ,
ó
Encoberto"
Apóstrofe
"Sonho das eras português"
Anástrofe
Interjeição
da palavra "
Quando
"
"Mas quando quererás voltar?"
"Quando é o Rei? Quando é a Hora?"
"A Nova Terra e os Novos Céus?"

"De um grande anseio que Deus fez?"
"Fazer minha esperança amor?"
"Da névoa e da saudade quando?"
"Quando, meu Sonho e meu Senhor?"
Interrogações
Retóricas
Repetição

Choro
Full transcript