Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Estudos Culturais e Psicologia Social: a configuração da subjetividade no espaço sócio-histórico

No description
by

Rafael Leite

on 26 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Estudos Culturais e Psicologia Social: a configuração da subjetividade no espaço sócio-histórico

Considerações iniciais
Sobre os autores;
Método;
Referencial teórico;
Ênfase na pedagogia;
Conceito de cultura.
Estudos Culturais, Educação e Pedagogia
Autores:
Marisa Vorraber Costa
Rosa Hessel Silveira
Luis Henrique Sommer
Roteiro do seminário
O que é Cultura?
O que são Estudos Culturais?
Como surgiram os Estudos Culturais?
Qual a história dos Estudos Culturais na
América Latina?
Estudos Culturais Latino-Americanos e Educação;
Estudo de caso.
Cultura
No final do século XVIII e no princípio do seguinte, o termo germânico Kultur era utilizado para simbolizar todos os aspectos espirituais de uma comunidade, enquanto a palavra francesa Civilization referia-se principalmente às realizações materiais de um povo. Ambos os termos foram sintetizados por Edward Tylor (1832-1917) no vocábulo inglês Culture, que "tomado em seu amplo sentido etnográfico é este todo complexo que inclui conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes ou qualquer outra capacidade ou hábitos adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade". Com esta definição Tylor abrangia em uma só palavra todas as possibilidades de realização humana, além de marcar fortemente o caráter de aprendizado da cultura em oposição à ideia de aquisição inata, transmitida por mecanismos biológicos. (LARAIA apud TYLOR)
Fundadores dos Estudos Culturais
Fundadores dos Estudos Culturais
Stuart Hall (1932 - 2014)
Teórico cultural
Estudantes:
Marcos Felipe Rodrigues de Lima
Pedro Henrique Vasconcelos da Silva
Rafael Felix Leite

Estudos Culturais e Psicologia Social:
a configuração da subjetividade no espaço sócio-histórico.

Richard Hoggart
(1918 - 2014)
Professor de Inglês
Sociólogo
E. P. Thompson
(1924-1993)
Historiador
Raymond Williams
(1921-1988)
Crítico literário
Romancista
Estudos Culturais - Primórdios
Estudos Culturais - Exemplos
Outras temáticas - Exemplos
Estudos Culturais - Primórdios
Uma verdadeira quebra de paradigmas dos EC pelo mundo
Aspectos históricos
"Os estudos culturais vão estudar não só os mecanismos de reprodução da cultura, mas também a produção de sentidos." (Tatiana Amêndola Sanches)
Estudios Culturales Latinoamericanos
"Não há nada mais inútil do que o belo." (Néstor García Canclini)
EC na América Latina
Cinco pontos distintivos dos Estudos Culturais (SARDAR; VAN LOON):
Os principais traços
Alguns autores contemporâneos e latino-americanos de relevância:
Canclini
Martín-Barbero
Sarlo
Néstor García Canclini
Jesús Martín-Barbero
Divergência entre os EC daqui e os EC britânicos
Origem dos EC;
Problematização do idioma: uma grande polêmica;
Pluralismo teórico. (CANCLINI E MARTÍN-BARBERO apud MATO, 2001).
Beatriz Sarlo
Temáticas preferenciais na América Latina
A analogia entre arte e artesanato (CANCLINI, 1990)
Fuvest/Comvest 2013
Ferréz - Capão Pecado
Estudos Culturais na América Latina e a pós-modernidade
Críticas - Outras discussões
Apontamentos finais
"Não se sabe, de maneira geral, onde e como o feminismo arrombou a casa. [...] Como um ladrão no meio da noite, ele entrou, pertubou, fez um ruído inconveniente, tomou a vez [...]" (Stuart Hall)
Ortiz
Estudos Culturais e Educação
Contribuições importantes
“Simplesmente não podemos mais dizer que partimos da realidade se não considerarmos o poder constituidor e subjetivador da mídia no mundo atual.”
ESTUDO DE CASO
EC e a interdisciplinaridade
Determinantes históricos para o surgimento dos EC;
Divisão da sociedade em classes;
Crítica ao marxismo ortodoxo;
Quebra de paradigma;
Oposição;
Objeto de estudo;
Alta Cultura x cultura de massa;
Enfoque no “Outro”;
Estudos midiáticos e estudos de recepção (temáticas mais comuns);

Brincadeiras infantis;

Humor;

Religião;

Esportes;
Teoria Viajante;

Antidisciplina;

Diálogo interdisciplinar;

Dialética constante;
expor como o poder atua para modelar estas práticas;
desenvolve os estudos da cultura de forma a tentar captar e compreender toda a sua complexidade no interior dos contextos sociais e políticos;
neles a cultura sempre tem uma dupla função: ela é, ao mesmo tempo, o objeto de estudo e o local da ação e da crítica política;
tentam expor e reconciliar a divisão do conhecimento entre quem conhece e o que é conhecido;
refere-se ao compromisso dos estudos culturais com uma avaliação moral da sociedade moderna e com uma linha radical de ação política.
Não adotam somente os conceitos da Escola de Birmigham;
Novas explicações para velhos fenômenos;
Análise de instabilidades;
Sociedade transparente (GIANNI VATTIMO, 1991).
Propagação de centros de EC em Universidades;
Foco na cotidianidade;
Fronteira entre global x local e suas implicações;
Críticas à negação de sua legitimidade.
Nasceu em 1939, em La Plata, Argentina;
Doutor em filosofia pela Universidade de Paris e La Plata;
Sociologia, crítica da arte e antropologia;
Hibridização e arte/artesanato.
Nasceu em 1921, em Ávila, na Espanha;
Estudou na Bélgica e Paris. É semiólogo, antropólogo e filósofo;
Televisão;
Linguagem e Comunicação;
Transmissão cotidiana.
Nasceu em 1942, em Buenos Aires, Argentina;
Formada em filosofia, dá aula de literatura argentina;
Respostas contraditórias não precisam se excluir;
Sociedade também culpada;
Escreve sobre feminismo.
Tudo aquilo que possa ter um significado simbólico para o povo latino-americano (RIOS, 2002);

A arte, literatura, as leis e os manuais de conduta, os esportes, a música e a televisão, até as atuações sociais e as estruturas do sentir.
Literatura marginal;
1DA SUL;
Crítica a historiadores;
Pós-modernidade;
Crise do sujeito (FIGUEIREDO; SANTI, 2010);
Crise da identidade (HALL, 2006);
Filosofia e EC: pós-modernidade;
Falta de reflexão “afrouxa” a epistemologia.
(CANCLINI, 1997a).
Despolitização dos EC (FOLLARI, 2000);

Contraponto – Martín-Barbero (1997);

Tabu da TOTALIDADE, por Castro-Goméz (2000);

Manuseio do conceito de classe, Verdesio (2003).
Como compreender?
Abordagens metodológicas - efeitos;
Discussões sobre relações de poder no currículo e na sala de aula;
A escola por Beatriz Sarlo.
Extensão das noções de educação, pedagogia e currículo além dos muros da escola;
A desnaturalização dos discursos de teorias e disciplinas instaladas no aparato escolar;
A visibilidade de dispositivos disciplinares em ação na escola e fora dela;
A ampliação e complexificação das discussões sobre identidade e diferença e sobre processos de subjetivação.
Culturas híbridas: estratégias pra entrar e sair da modernidade
Objeto de estudo;

Conceito de hibridização (restrita e pluricultural);

Repensar o pós-modernismo;

Hibridização: ajuda ou atrapalha?
"Brasileira por nacionalidade, portuguesa pela língua, russa ou japonesa pela origem, católica ou afro-americana pela religião" (p.XXXIII)
Exemplos de híbridos
Manguebeat;

Umbanda;

The Beatles;

Brasília/Aldeias indígenas;

"Espanglish".
"The Uses of Literacy"
"The making of the English Working-class"
"Culture and Society"
"A identidade cultural na pós-modernidade"
Aluna passa em 2º lugar em Mestrado com projeto sobre Valesca Popozuda (UFF) - Rachel Sherazade
MATERIAIS CONSULTADOS
Vídeos:
Organizadora do livro Estudos Culturais fala na Jovem Pan (disponível no Youtube).
Aluna passa em 2º lugar em Mestrado com projeto sobre Valesca Popozuda – Rachel Sherazade (disponível no Youtube).

Livros:
Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade (Nestór García Canclini).
A Moderna Tradição Brasileira (Renato Ortiz).
A Identidade Cultural na Pós-Modernidade (Stuart Hall).

MATERIAIS CONSULTADOS

Artigos:
A paternidade na contemporaneidade: um estudo de mídia sob a perspectiva dos Estudos Culturais (Inês Hennigen; Neuza Maria de Fátima Guareschi).
A Comunidade de Fãs do Big Brother Brasil: Um Estudo Etnográfico (Bruno Campanella).
Estudos Culturais (Renato Ortiz).
Estudos Culturais Latino-Americanos: convergências, divergências e críticas (Katrine Tokarski Boaventura; Luiz Claudio Martino).
Seis Temporadas pelas Ilhas de Lost: a questão da identidade pós-moderna numa das séries de maior sucesso da televisão mundial (Tatiana Amendola Sanches).
A Cultura Popular a partir dos Estudos Culturais Britânicos (Edson Fernando Dalmonte).
Os Estudos Culturais em Debate: um convite às obras de Richard Hoggart, Raymond Williams e E.P. Thompson (Jean Henrique Costa).
Os Estudos Culturais (Ana Carolina Escosteguy).
Os Estudos de Recepção e as Relações de Gênero: algumas anotações provisórias (Ana Carolina Escosteguy).
Raymond Williams: pensador da cultura (Hugo Moura Tavares).

Canclini - Feminismo na América Latina;
Hall destaca a influência dos feminismos em aspectos como:
Expansão da noção de poder;
A inclusão de questões em torno do subjetivo e do sujeito;
Transação entre EC - dificuldades históricas e bibliográficas;
Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO);
Invenção britânica na conteporaneidade.
Graduação em Sociologia na Université Paris VII e mestrado na Écola des Hautes Études en Sciences Sociales;
Doutorado em Sociologia/Antropologia - École des Hautes Études em Sciences Sociales (1975);
Atualmente é professor titular da Universidade Estadual de Campinas.
Renato José Pinto
Ortiz
nasceu em 20/3/1947
na cidade de Ribeirão Preto,
São Paulo.
Alguns livros publicados
Cultura brasileira e Identidade nacional;
A moderna tradição brasileira;
Mundialização e cultura;
A morte branca do feiticeiro negro - Umbanda: integração de uma religião numa sociedade de classes
O Próximo e o Distante: Japão e modernidade-mundo;
Mundialização: saberes e crenças;
A diversidade dos sotaques: o inglês e as ciências sociais.
“Sinceramente não creio que deveríamos ter nenhuma carteira de identidade, ela diz pouco sobre nossa individualidade, mas uma “carteira de diferenças”, rica, complexa, indefinida, reveladora de diversidade de nossos itinerários ao longo da vida, fechando-se somente com a nossa própria morte."(Renato Ortiz)
Cidadania
Gênero
Sexualidade
Currículo cultural e Pedagogia de mídia
“[...] falar em ‘fórmulas’ e ‘formação’ já nos estará aprisionando nos canis - campo de concentração canina - em que criam psicólogos com pedigree. Tão bonitinhos, tão frágeis de saúde (mesmo quando ferozes e agressivos), tão inúteis”. (FIGUEIREDO, 1995).
Psicologia vira-lata;
Proposta dos Estudos Culturais;
Ligação com Psicologia Social.
Funk Pode ser cultura de baixo nível, e ele é de baixo nivelll. e outra nao e o Heavy metal q pode entra no funk e sim o funk q copia o heavy metal... o funk e uma cultura de baixo nivel(em suas proprias palavras) mas nao possue identidade nenhuma nasceu da copia de varios outros ritmos de musica, e sobrevive sempre copia de ritmos superiores dele.... ele e da massa??? foi uma massa do povo q mandou mata cristo e solta um criminoso. para sua informaçao toda musica vem do povo, ou vem do espaço?
Concordo com a "jornalista dos anos 20",o funk não representa feminismo nenhum,nem movimento cultural,nem cultura carioca, tem sim um enorme apelo sexual.Não deveria ser objeto de estudo em lugar algum.
E vocês, enquanto analistas sociais, o que pensam
Fazer um estudo pra entender pq o funk é popular? Pq o povo gosta do que não presta! Os impactos que gera na sociedade? Se o seu vizinho gosta, vai ter q aumentar o volume da sua tv, se sua filha gosta, agenda o chá de bebê... se vc não gosta, que bom, vc não é um aparelho digestor ambulante...
É impressionante pessoas se considerarem moralmente superior por causa de uma graduação e um pouco mais. Julgar aspectos sociais dos outros a partir de sua perspectiva é nada mais, nada menos que PRECONCEITO. Isso mostra que a IGNORÂNCIA é o maior mal da humanidade. Pra quem não sabe, nós seres humanos, somos, bio/psíquo/social/espiritual. E assim todos temos a capacidade de criar (arte) e a criação é consequência das experiências vividas, dos conhecimentos adquiridos.
Full transcript