The Internet belongs to everyone. Let’s keep it that way.

Protect Net Neutrality
Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Acesso aberto e e-Science

Trabalho desenvolvido para o Mestrado em Gestão de Unidades de Informação, UDESC. Alunos: Jorge do Prado, Lúcia da Silveira e Raquel Machado.
by

Jorge Prado

on 26 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Acesso aberto e e-Science

"Disponibilização da literatura científica
permitindo a qualquer utilizador
pesquisar, consultar, descarregar,
imprimir, copiar e distribuir o texto integral." (WIKIPEDIA, 2014).
Manifestos pelo Mundo (KURAMOTO, 2006)
Crise dos periódicos

Final da década de 90

Entraves sentidos até hoje
(financeiro e social)
Contexto
Acesso livre ao
conhecimento científico

Apresentação
2841 repositórios

26.498.237 itens arquivados

O mais famoso: DSpace
REPOSITÓRIOS NO MUNDO
Estratégias de ação do Acesso Livre
Stevan Harnad
DOURADA
Artigos disponibilizados pelas revistas na publicação

VERDE
Auto-arquivamento em repositórios
Qual o impacto que o acesso aberto ocasiona no fluxo da produção científica?
Universidade do Estado de Santa Catarina
Mestrado Profissional em Gestão de Unidades de Informação

Disciplina: Estudos dos Processos de
Comunicação Científica e Tecnológica
Profª Dra. Marcia Silveira Kroeff

Acadêmicos
Jorge do Prado
Lúcia da Silveira
Raquel Machado

Março, 2014
Acesso aberto
Acesso livre
Aceso abierto
Libre accès
Rochtain oscailte
Accesso aperto
Não simplesmente ter o acesso,
é inovar e promover a pesquisa
O que é acesso livre?
ORIGENS

- Science Citation Index (SCI) - Eugene Garfield, década de 60
- Análise métrica: fator de impacto
- Valorização de determinados periódicos
- Concessão de bolsas a pesquisadores
CONSEQUÊNCIAS

- Aumento do preço das assinaturas (1975)
- Chemical Engineering Science Development Biology: 4 mil dólares anual
- Crescimento da produção científica
- Pouco acesso ou restrito
PESQUISADORES/AUTORES

- Dificuldade para publicar
- Restrições quanto ao tamanho da publicação
- Aumento significativo dos títulos
BIBLIOTECÁRIOS/GESTORES UNIVERSITÁRIOS

- Problemas para manter coleções
- Critérios para escolha de títulos
- Falta de verba e de financiamentos

SOLUÇÃO?
Desenvolvimento das TICs
Criação de repositórios institucionais
e de bibliotecas digitais
Consórcios (portais de acesso)
Políticas e ações no Brasil
Políticas e ações no Brasil
Portal de Periódicos da Capes

SEER

BDTD

Eventos

Projeto de Lei nº 387/2011
"Trata-se de um movimento realizado não apenas com base no discurso, mas com base das tecnologias da informação e comunicação por meio da utilização do modelo Open Archives (OA), o qual estabelece um conjunto de padrões com vistas à interoperabilidade entre os repositórios digitais". (KURAMOTO, 2006)
MODELO TRADICIONAL
MODELO ACESSO LIVRE
PORTAIS DE PERIÓDICOS NO BRASIL
IBICT - SEER
136 portais de periódicos científicos
http://seer.ibict.br
43 revistas
Estatísticas 2013:
222.151 visitantes únicos
1.704.036 páginas visitadas
6 páginas por visita
UNIVERSIDADES
REPOSITÓRIOS
PORTAIS DE PERIÓDICOS
FERRAMENTAS
Auto-arquivamento com rede de autores:
www.academia.edu
www.researchgate.net


Coleta, organiza, cita, auxilia na colaboração, auto-arquivamento e criação de grupos:
www.mendeley.com
www.zotero.org
PARADIGMA DO ACESSO LIVRE
AUTOR INICIANTE
X
AUTOR RENOMADO

O autor iniciante pode ser considerado um talento ou alvo de críticas
e-Science:

"utilizado para se referir a métodos
de obtenção de resultados científicos
através da utilização de computação
científica, usualmente paralela, e/ou
grande volume de dados"
WIKIPEDIA, 2013
"No futuro, a e-Science irá se referir à
ciência em grande escala por conexões
globais através da Internet. Será necessário
uma infraestrutura muito maior, uma
linguagem de programação diferente de
HTML. Acesso a coleções de dados muito
grandes. Além de acesso à web, os cientistas
terão acesso remoto a caras e potentes
instalações e recursos de computação".
National e-Science Centre (20??, tradução livre)
BIG DATA

"Conjunto de soluções: recolher, organizar e
analisar (tempo real) os dados estruturados
e não-estruturados de forma que eles passem
a fazer sentido." (ANDRADE, 2013).
Exemplos:

National e-Science Centre
SINAPAD
Wiki e-Science anda Data Services Collaborative
REFERÊNCIAS
ORIGENS

- Science Citation Index (SCI) - Eugene Garfield, década de 60
- Análise métrica: fator de impacto
- Valorização de determinados periódicos
- Concessão de bolsas a pesquisadores
CONSEQUÊNCIAS

- Aumento do preço das assinaturas (1975)
- Chemical Engineering Science Development Biology: 4 mil dólares anual
- Crescimento da produção científica
- Pouco acesso ou restrito
PESQUISADORES/AUTORES

- Dificuldade para publicar
- Restrições quanto ao tamanho da publicação
- Aumento significativo dos títulos
BIBLIOTECÁRIOS/GESTORES UNIVERSITÁRIOS

- Problemas para manter coleções
- Critérios para escolha de títulos
- Falta de verba e de financiamentos

ANDRADE, Fabiana. Big data é um novo âmbito de atuação para bibliotecários?. Publicado em: 11 out. 2013. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/bibliocampsp/fabiana-27101700>. Acesso em: 23 mar. 2014.

KURAMOTO, Helio. Acesso livre à informação científica: novos desafios. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, set. 2008, p. 154-157. Disponível em:<http://www.ibict.br/liinc>. Acesso em: 18 mar. 2014.

KURAMOTO, Helio. Informação científica: proposta de um novo modelo para o Brasil. Ci. Inf., Brasília, v. 35, n. 2, p. 91-102, maio/ago. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v35n2/a10v35n2.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2014.

KURAMOTO, HELIO. Diferença entre o velho e o novo ciclo da comunicação científica. Blog do Kuramoto. 2011. Disponível em: <http://kuramoto.blog.br/2011/03/22/diferenca-entre-o-velho-e-o-novo-ciclo-da-comunicacao-cientifica/>.
Acesso em:18 mar. 2014.

PRÍNCIPE, Pedro. OPEN ACCESS: ao serviço dos investigadores e das instituições de investigação e ensino superior.Disponível em: <http://pt.slideshare.net/pedroprincipe/open-access-ao-servio-dos-investigadores-e-das-instituies-de-investigao-e-ensino-superior>. Acesso em: 18 mar. 2014.
Políticas e ações no Brasil
"Não bastam, no entanto, essas iniciativas sem a participação efetiva dos pesquisadores, os grandes responsáveis pela produção científica. Estes deveriam ser os maiores interessados em contribuir com tais iniciativas, uma vez que eles serão os maiores beneficiários das ações empreendidas no âmbito do movimento em prol do acesso livre à literatura científica. Além da comunidade científica, beneficiam-se também as instituições de ensino e pesquisa, agências de fomento, a sociedade brasileira e o governo, que são os financiadores da ciência". (KURAMOTO, 2008).
(RODRIGUES apud KURAMOTO, 2011)
(RODRIGUES apud KURAMOTO, 2011)
Fonte: http://maps.repository66.org
Fonte: https://periodicos.ufsc.br/awstats/awstats.pl?month=03&year=2013&output=main&config=www.periodicos.ufsc.br&framename=index
Fonte: http://www.webometrics.info/en/Latin_America
Fonte: http://www.webometrics.info/en/Latin_America
Fonte: http://www.webometrics.info/en/Latin_America
(PRÍNCIPE, 2012)
Full transcript