Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Co-evolução na Grande História: uma introdução transdisciplinar e biomimética aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Defesa Pública da Tese de doutorado de Javier Collado Ruano na Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia - 27 de Maio de 2016
by

Dr. Javier Collado Ruano

on 12 July 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Co-evolução na Grande História: uma introdução transdisciplinar e biomimética aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Co-evolução na Grande História:
Javier Collado Ruano

PROBLEMAS
CAPÍTULO 1
Dr. Basarab Nicolescu
Janine M. Benyus
4.4.- Biomimesis: um meta-modelo civilizatório sustentável?
1997: UNESCO e CIRET organizarem “
Qual Universidade para Amanhã? Para uma evolução transdisciplinar da Universidade",
em Locarno (Suíça).
Projeto Transdisciplinar da UNESCO “
Para uma Cultura de Paz"
em simbioses com a Decada Internacional da ONU de Uma Cultura de Paz e não violência para as Crianças do Mundo (2001-2010).
Grande História (Big History)
Dr. David Christian
Dr. Fred Spier
Organização transdisciplinar do conhecimento que integra a história do universo, do sistema solar, do planeta Terra, da vida e do ser humano:
LINK OF INTEREST:
http://www.globaleducationmagazine.com/global-citizenship-education/

http://www.globaleducationmagazine.com/interview-ms-irina-bokova-director-general-unesco/

http://www.globaleducationmagazine.com/international-youth-day-interview-kailash-satyarthi-2014-nobel-peace-prize/

http://www.globaleducationmagazine.com/dia-escolar-de-la-violencia-la-paz-entrevista-al-sr-federico-mayor-zaragoza/

http://www.globaleducationmagazine.com/international-women%C2%B4s-day-interview-leymah-gbowee/

http://www.globaleducationmagazine.com/interview-dr-katherine-muller-marin-representative-unesco-vietnam/

http://www.globaleducationmagazine.com/interview-mama-hawa-aden-mohamed-2012-nansen-refugee-award/

http://www.globaleducationmagazine.com/interview-prof-p-krishna-education-science-spirituality/

http://www.globaleducationmagazine.com/interview-ms-cecile-guidote-alvarez-director-unesco-dream-center-philippines/

http://www.globaleducationmagazine.com/interview-marta-benavides-human-rights-23rd-century-movement/
Hipótese Gaia
Organismos interagem com o seu entorno inorgânico na Terra para formar um sistema dinámico auto-regulado e complexo que contribui para a manutenção das condições de vida no planeta.
uma introdução transdisciplinar e biomimética aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
Tese como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em:
Difusão do Conhecimento
(DMMDC)

Filosofia
(USAL)

Orientadores:
Dante Augusto Galeffi
Roberto Leon Ponczek

Luciano Espinosa Rubio
PROBLEMA 1
: No campo específico da ciência moderna existe o problema do
método
, que separa, fragmenta e divide o conhecimento em distintas disciplinas cada vez mais especializadas academicamente para estudar as partes da realidade. Os saberes não científicos são marginalizados e relegados a um plano secundário de valor escasso.
PROBLEMA 2
: No campo geral do conhecimento há um grande problema civilizatório que se caracteriza pela
insustentabilidade
das atividades humanas na terra a curto, médio e longo prazo, que faz que os limites biofísicos de regeneração ecossistêmica sejam superados.
PERGUNTAS
PERGUNTA DE PESQUISA 1
: Como e por que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são indicadores de uma mudança no paradigma que nos insta a transformar os modelos de organização do conhecimento, capazes de articular novas relações sustentáveis com a natureza?
PERGUNTA DE PESQUISA 2
: Como as estratégias co-evolutivas da vida nos ecossistemas da Terra representam um modelo biomimético para desenvolver sistemas socioeconômicos humanos em harmonia sustentável com a natureza?
PRESSUPOSTOS
PRESSUPOSTO 1
: Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são indicadores de uma mudança de paradigma ao representarem um ultimato civilizatório que nos insta a transformar os modelos de organização do conhecimento para articular relações sustentáveis com a natureza.
PRESSUPOSTO 2
: As estratégias co-evolutivas da vida na Terra representam um meta-modelo biomimético para desenvolver sistemas socioeconômicos humanos em harmonia sustentável com os ecossistemas naturais.
HIPÓTESES
HIPÓTESE 1
: A emotividade e a espiritualidade são dimensões endógenas que formam parte do conceito de desenvolvimento sustentável.
HIPÓTESE 2
: A biomimética representa um meta-modelo (econômico, arquitetônico, científico, tecnológico, da engenharia, industrial, artístico, etc.) para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em 2030.
OBJETIVO GERAL
Verificar
os processos co-evolutivos que a vida desenvolve na Grande História para ajudar a solucionar a encruzilhada civilizatória que representam os "
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
" (ODS).
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1.
Descrever
o processo de constitução da ciência moderna, seus fundamentos e a crítica a seu paradigma epistêmico que marginaliza outros saberes.

2.
Identificar
outras propostas de articulação epistêmica e
demonstrar
a visibilidade da transdisciplinaridade na literatura especializada como representação da constituição e consolidação de novas formas de conhecimento para solucionar complexos problemas humanos.

3.
Identificar
na literatura especializada contemporânea diferentes propostas que abordam o quadro epistêmico paradigmático atual que condiciona ao indivíduo-sociedade-espécie, buscando esclarecer os condicionamentos paradigmáticos que existen para alcançar os ODS.

4.
Verificar
a origem cósmica da condição humana a partir de uma ecologia de saberes científicos e não científicos, e
identificar
as relações cosmo-bio-eco-dependentes que nos ligam com os processos co-evolutivos da natureza e do universo: mais conhecido como o sagrado pelas cosmovisões ancestrais.

5.
Organizar
o conhecimento de forma transdisciplinar para
descrever
como nossa evolução como espécie está intrinsecamente ligada nos processos de co-evolução constante que as distintas formas de vida vem desenvolvendo em nosso planeta Terra.

6.
Reconhecer
as raízes da insustentabilidade gerada pelo ser humano a partir da Revolução Agrícola ocorrida há aproximadamente 10.000 anos e especialmente a partir da Revolução Industrial que aconteceu há aproximadamente 250 anos.

7.
Verificar
a desigualdade histórica das relações de poder entre os países para
mostrar
os diferentes níveis de exploração de recursos naturais e a grande pegada ecológica e social deixada para as futuras gerações.

8.
Identificar
as estratégias co-evolutivas que a vida desenvolve na natureza para
propor
alternativas biomiméticas (económicas, arquitetônicas, científicas, tecnológicas, engenheiras, industriais, artísticas, etc.) que, inspiradas nos desenhos e modelos biológicos, ajudem a solucionar a insustentabilidade planetária demandada pelos ODS.

9.
Analisar
propostas educativas e pedagógicas transdisciplinares presentes na literatura que abordem as dimensões endógenas do ser humano (afetividade, emotividade, espiritualidade, etc.) para
mostrar
a mudança epistêmica necessária para alcançar um desenvolvimeno sustentável durável.

10.
Refletir
sobre os artigos e entrevistas publicados na "Global Education Magazine" por diferentes pessoas de reconhecido prestígio internacional (Prêmios Nobel da Paz, Prêmio Nansen, Príncipe de Astúrias, etc.), representantes das diferentes agências do sistema ONU (UNESCO, OMS, ACNUR, etc.), docentes e investigadores do cinco continentes, ativistas da sociedade civil, indígenas, dos povos originários, cooperantes, artistas, jovens e voluntários.
Capitulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Apoia-se nas pesquisas mais aceitas pela comunidade científica em astrofísica, cosmologia, física quântica, geofísica, química orgânica, biologia molecular, microbiologia, geologia, climatologia, ecologia, geografia, paleontologia, antropologia, demografia, arqueologia, história, epistemologia, filosofia, sociologia, ciências políticas, economia, pedagogia, psicologia, cibernética, arquitetura, neurociência, etc.
Introdução
CAPÍTULO 1

A Transdisciplinaridade: Uma nova organização do conhecimento
1.1.- O que se compreende por metodologia transdisciplinar?

1.2.- Modos de colaboração disciplinar

1.3.- Os pilares da investigação metodológica transdisciplinar

1.3.1.- O axioma Ontológico: Níveis de Realidade e Níveis de Percepção.

1.3.2.- O axioma Lógico: a Lógica do Terceiro Incluído

1.3.3.- O axioma Epistemológico: a estrutura complexa e a interdependência universal
Dr. Edgar Morin
CAPÍTULO 2

Questões paradigmatológicas
2.1.- O que se compreende por paradigma?

2.2.- Implicações paradigmáticas entre as relações humanas

2.3.- "Um paradigma outro": a epistemologia do Sul

2.4.- O paradigma da Transmodernidade

2.5.- O paradigma da Cosmodernidade: a emergência do homo conscienciatus?
2.5.1.- Reinventando o sagrado: a convergência entre a espiritualidade e a ciência
CAPÍTULO 2
CAPÍTULO 3

A identidade/condição humana na Grande História
3.1.- Origem e evolução do universo

3.2.- A emergência da vida em Gaia

3.2.1- A co-evolução na biosfera: as etapas da vida

3.3.- A aparição do ser humano na Terra


CAPÍTULO 4

O caminho para a sustentabilidade,
outros mundos são possivéis?
4.1.- A pegada ecológica e social da globalização

4.2.- Que se compreende por desenvolvimento sustentável?

4.3.- Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para o ano 2030

4.4.- Biomimesis: um meta-modelo civilizatório sustentável?

3.2.1- A co-evolução na biosfera: as etapas da vida
CAPÍTULO 4
4.2.- O que se compreende por desenvolvimento sustentável?
CAPÍTULO 5

Educar para viver na Cosmodernidade
5.1.- Educação interior no universo emocional

5.2.- Perspetivas educativas antropocêntricas e ecocêntricas para a mudança de rumo civilizatório

5.3.- Global Education Magazine: estudo de caso

5.3.- Global Education Magazine: estudo de caso

2.1.- O que se compreende por paradigma?
Múltiplas definições:
Platão
: modelos divinos

Khun
: paradigma científico

Feyerabend
: realidade pluri-paradigmática

Popper
: falsacionismo e racionalismo crítico

Varela
: micromundos pessoais

Vieira
: estrutura inter-paradigmática (vida além da morte)

Lakatos e Musgrave
: crítica e desenvolvimento do conhecimento

Piaget e Garcia
: paradigma epistémico e paradigma social

Morin
: paradigma da complexidade

CAPÍTULO 2
2.2.- Implicações paradigmáticas entre as relações humanas
Fromm:
psicologia social

Arendt:
vita ativa

Habermas:
ação comunicativa

Levinas:
espaço ético

Freire:
educação como prática da liberdade

Nussbaum:
cidadania cosmopolita

Dobson:
cidadania ecológica

Bauman:
modernidade liquida

Shiva:
democracia da Terra
CAPÍTULO 2
2.3.- "Um paradigma outro": a epistemologia do Sul
Movimento coletivo e interdependente que critica à narrativa da modernidade e da posmodernidade desde posições eurocêntricas e/ou ocidentais.

Autores(as) destacados(as)
: Enrique Dussel, Immanuel Wallerstein, Milton Santos, Ebrahim Moosa, Aníbal Quijano, Walter Mignolo, Boaventura de Sousa Santos, Ramón Grosfoguel, Nelson Maldonado-Torres, Mogobe B. Ramose, Amima Mama, Paulin Hountondiji, Rinajit Guha, Gayatri C.
Spivak
, Edward W. Said, Raewyn Connell, Dipesh Chakrabarty, Partha Chatterjee.
CAPÍTULO 2
2.4.- O Paradigma da Transmodernidade
María Rodríguez
: filosofa feminista com abordagem artística e poética.

Marc Luyckx Ghisi
: matemático, filósofo e teólogo com abordagem inter-religiosa, espiritual e ecológica.

Enrique Dussel
: filósofo, historiador e teólogo com abordagem multi-referencial, póscolonial e neo-marxista.

Marco Novak
: artista, teórico e arquiteto com abordagem transdisciplinar.
2.5.- O paradigma da Cosmodernidade
Quadro epistêmico paradigmático
Modernidade e Pósmodernidade Cosmodernidade
Quatri-motor
: ciência, indústria, capitalismo e tecnologia.
Convergência das dimensões exteriores e interiores

abordagem transdisciplinar e biomimética
abordagem reducionista
INSUSTENTÁVEL
CO-EVOLUÇÃO HARMÔNICA
CAPÍTULO 4
4.1.- A pegada ecológica e social da globalização
A
Pegada Ecológica
mede a quantidade de recursos naturais renováveis para manter nosso estilo de vida (alimentação, transporte, vestimenta, viagens, casa, indústria, energia, etc.
tudo causa um impacto no meio ambiente
) (Rees e Wackernagel, 1995).
A
Pegada Social
se refere às conseqüêcias que tem a exploração e degradação da natureza em nossas vidas.
A definição mais aceita para desenvolvimento sustentável vem do
Informe Brundtland de 1987
: o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações.
Será que essas dimensões são suficientes para alcançar os ODS?
Neurociência diz:
sentimentos-pensamentos-ações
O nosso universo interior, espiritual e emocional, é fundamental no desenvolvimento sustentável
CAPÍTULO 4
4.3.- Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para o ano 2030
Natureza como modelo, medida e mentor. Bio-inspiração para solucionar problemas.
A Natureza:
1. Cavalga sobre a luz solar.
2. Só gasta a energia que precisa.
3. Ajusta a forma à função.
4. Recicla tudo.
5. Premia a cooperação.
6. Conta com a diversidade.
7. Demanda tecnologia local.
8. Freia os excessos desde dentro.
9. Saca partido das limitações.
Barry Commoner
Fritjof Capra
Jorge Riechmann
Quatro leis da ecologia
1. Tudo está interligado.
2. Tudo deve ir a algum lugar.
3. A Natureza sabe melhor.
4. Não tem comida de graça.
Ecoalfabetização
1. Interdependência.
2. Natureza cíclica dos processos ecológicos.
3. A associação e cooperação são a essencia da vida.
4. Flexibilidade.
5. Diversidade.
Eco-socialismo
1. Homeostase ou "estado estacionário" em termos biofísicos.
2. Viver do sol como fonte energética.
3. Fechar os ciclos de materiais.
4. Não transportar muito longe os materiais.
5. Evitar os xenobióticos como OMG e COP.
6. Respeitar a diversidade.
Bioarquitetura
Bioengenharia
Biotêxtil
3.3.- A aparição do ser humano na Terra
Fonte: Elaboração própria
Fonte: Smith (2003: 224)
Fonte: Nassim Haramein (2012)
Fonte: Google Image
Fonte: NASA (2005)
Fonte: Google Image
Fonte: Google Imagen
Fonte: Google Imagen
Fonte: Elaboração própria
Fonte: Google Imagen
Fonte: Google Imagen
Fonte: Google Imagen
Educar para viver na Cosmodernidade
Fonte: Omni Montessori School
Montessori
Transdisciplinaridade
Fonte: Sommerman (2012: 808). Modelização da Teoria Antropoformativa de Paul (2009)
5.1.- Educação interior no universo emocional
Fonte: Bisquerra (2015)
5.2.- Perspectivas educativas antropocêntricas e ecocêntricas para a mudança de rumo civilizatório
Antropocêntricas Ecocêntricas
Educação em valores
Educação em Direitos Humanos
Educação na cultura de paz
Educação para a democracia
Educação em gênero
Educação intercultural
Educação para a cidadania mundial
Educação Ambiental
Educação para o Desenvolvimento Sustentável
FW de Klerk
Prêmio Nobel da Paz 1993
Leymah Gbowee
Prêmio Nobel da Paz 2011
Kailash Satyarthi
Prêmio Nobel da Paz 2014
Irina Bokova
Diretor Geral da UNESCO
Federico Mayor Zaragoza
Diretor Geral da UNESCO (1987-1999)
Katherine Müller-Marin
UNESCO Vietnã / Cuba
Basarab Nicolescu e Cristina Núñez
Pesquisadores da transdisciplinaridade
P. Krishna
Academia Nacional de Ciência da Índia
Cecile Guidote-Álvarez
UNESCO Dream Center
Nicolescu
Moraru
nacionalidade, lingua, religão, ideologia, etc.
Terra-Pátria
Bioecomomia
François Quesnay, Thomas R. Malthus, John S. Mill, Carl von Carlowitz, Karl
Marx
, Karl
Polanyi
, Karl W.
Kapp
, Kenneth
Boulding
,
Ciriacy-Wantrup
, Herman E.
Daly
, Nicholas
Georgescu-Roegen
, Mansour Mohammadian, Robert Ayres, Howard T.
Odum
, E. F.
Schumacher
, Donella Meadows, Wangari Maathai, Robert Costanza, Richard B. Norgaard, Jean-Marie Harribety, Barry Commoder, Lester R. Brown, Fritjof Capra, Vandana
Shiva
, Janine Benyus,
Leonardo Boff,
Lynn Reaser, Barbara Baudot,
Ramón Margalef,
Eric Tello, Manfred
Max-Neef
, Frank Biernmann, Jorge Riechmann, Ernest García y José Manuel Naredo.
Resultados
Redefinindo o termo "co-evolução"
Mudança evolutiva recíproca entre as espécies e seu ambiente natural que, durante o
desenvolvimento complexo de inter-retroações
de uns dos outros, se modificam mutuamente de forma constante.
Integração a
associação filogenética
mútua e o grau de modificação mútua da
co-adaptação
.
Processos de
macro-evolução
e
micro-evolução
.
Redefinindo o conhecimento
Teorema aritmético de
Kurt Gödel
: conhecimento aberto ao infinito.

Inconmensurabilidade do conhecimento de
Kuhn
y
Feyerabend
na filosofia da ciência.

Segundo
Julie T. Klein
(1996), em 1987 existiam uns
8.530 campos
do conhecimento definibles.
A encruzilhada dos
ODS
requer uma
ecologia de saberes
científicos e não científicos.
Redefinindo o papel da vida, da natureza, do cosmos e do sagrado
Modernidade
: separação do sujeito e o objeto. A natureza é um simples objeto de exploração de matéria prima para a manufaturação.

Desvinculação com o
sagrado
(destruição sócio-ecológica e "apartheid planetário")

Cosmodernidade
: integração do sujeito com o objeto. A vida e a natureza são uma exceção cósmica que temos de salvaguardar a todo custo.
Caminho à
sustentabilidade
em co-evolução harmônica
Circunstâncias paradigmáticas
Circunstâncias paradigmáticas
Circunstâncias paradigmáticas

Stockholm International Peace Research Institute
” (SIPRI): no início de 2015 nove países (Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, França, China, Índia, Paquistão, Israel e Coréia do Norte) tinham aproximadamente
15.850 armas nucleares
, das quais 4.300 eram forças operacionais.
Tecnologia nuclear acabar com a nossa aventura cósmica e existencial.
SIPRI
: 1,77 bilhões de dólares por ano em armamentos (mais de 4.800 milhões por dia).
Em 2015: 1.440 milhões de pessoas com menos de 1,25$ por dia
Segundo Shouler (2010) e outros, existem umas
4.200 cosmovisões
religiosas e espirituais na atualidade.
80%
cidadania mundial (5.500 milhões) pertence a 5 religões:

Cristianismo (33%), Islam (21%), hinduísmo (14%), budismo (6%), e a religião tradicional chinês (6%).

16%
são seculares, não religiosas, agnósticas e atéias (1.100 milhões).

4%
da população mundial (270 milhões) pratica 4.195 cosmovisões.
Várias estimativas dizem que
10.000 anos atrás
existiam umas 12.000 línguas para uns 10 milhões de pessoas.

Segundo o projeto
Ethnologue
, em 2015 existem aproximadamente
7.102 línguas
vivas para 7.200 milhões de pessoas.
Estima-se que a globalização reduzirá o número de línguas e cosmovisões religiosas e espirituais nas próximas décadas.
Níveis e dimensões múltiplas...
4.7 ODS
É URGENTE RESGATAR ÀS COSMOVISÕES DOS POVOS ORIGINARIOS
Um olhar abrangente a partir da Grande História
Um olhar abrangente a partir da Grande História
Um olhar abrangente a partir da Grande História
Frida diz:
Temos contato com outras formas de vida inteligente (
alienígenas
).

A vida é uma exceção cósmica que requer
Condições Goldilocks
muito expecíficas.

Resposta ao "Arecibo message" enviado por Carl Sagan
Dos 4% dos átomos conhecidos:
70% hidrôgeno
,
27% hélio
e o restante
3%

nos outros elementos químicos que conhecemos.
Satélite WMAP
da

NASA
:
universo conformado por

73% de energía oscura
,
23% de matéria escura
,
e o restante

4% por átomos conhecidos
.
Fonte: Google Images
Formação do
sistema solar
(5 - 4,6 bilhões): O
Sol
absorveu o
99,9%
da matéria.

Os outros planetas, satélites, etc. se formaram com apenas o
0,1%
da matéria cósmica.
Fonte: Google Images
A vida vem co-evoluíndo com o seu entorno natural por aprox.
3.800 milhões
de anos por diferentes mecanismos:
mutações genéticas, intercâmbio de genes e simbiose
.
Fonte: Google Images
Outros mundos sustentáveis são possíveis?
Outros mundos sustentáveis são possíveis?
Outros mundos sustentáveis são possíveis?
Biocapacidade total da Terra
(WWF, 2014):
Brasil
(15,1%), China (11,1%), EUA. (9,6%), Rússia (7,4%), Índia (4,9%), Canadá (4%), Indonésia (2,6%), Austrália (2,5%), Argentina (2,4%) e na República Democrática do Congo (1,6% ).

Pegada Ecológica:
Precisamos de
1,5 planetas
para atender às demandas que a humanidade faz na natureza de cada ano.
3,9 planetas
são necessários para ter o nível de um cidadão médio dos EUA. (WWF, 2014: 9).

"
Apartheid Planetário
": China, EUA, Índia, Japão e União Europeia usam o
75% da biocapacidade
. Os outros países do mundo apenas tem 25% da biocapacidade do planeta para se desenvolver (Worldwatch Institute, 2006).
Pegada social:
O
1% mais rico da população mundial
tem mais riqueza do que os 99% restantes (...). Em 2015, apenas 62 pessoas possuem a mesma riqueza que 3.600 milhões de pessoas (a metade mais pobre da humanidade) (OXFAM, 2016: 2).

Estima-se que em
2050
seremos aprox.
9.600 milhões
de pessoas (hoje 7.200).
ESCASSEZ CRÔNICA DE RECURSOS NATURAIS
Pessoas com US $ 1,25
: de 1.900 milhões em 1990 para 836 milhões em 2015. Concentradas na Ásia Meridional e África Subsaariana (ONU, 2015: 4).
Índice de Pobreza Multidimensional
: só 91 países tem 1.500 milhões de pessoas em extrema pobreza (PNUD, 2014: 47).
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PONTOS DE NÃO RETORNO.
Educar para viver na Cosmodernidade
Educar para viver na Cosmodernidade
Educar para viver na Cosmodernidade
Os desenhos, modelos e processos auto-eco-bioreguladores que a vida desenvolve têm demonstrado que funcionam e perduram no tempo. Eles são
sustentáveis
.

Podemos copiá-las e aperfeiçoá-las para encontrar soluções biomiméticas a muitos dos complexos problemas sócio-ecológicos atuais requeridos pelos ODS (esferas agrícolas, tecnológicas, médicas, econômicas, industriais, arquitetônicas...)
A
revolução biomimética
constitui um novo quadro epistêmico civilizatório baseado no que podemos
aprender da natureza
, e não no que podemos extrair dela.
A
neurociência
demostrou que os sentimentos emocionais precedem aos nossos pensamentos e ações.

Para aprender a inter-retro-atuar de forma sustentável é preciso
aprender
a nos sentir
emocionalmente
em harmonia com a natureza.

As emoções, a espiritualidade e a interioridade são uma dimensão fundamental para conseguir os ODS.

Educação Cosmoderna
: interiorizar o processo de
sentir-pensar-atuar
para estar em consonância com o
continuum
da vida durante a nossa co-evolução com o entorno.
Educação
Cosmoderna
Educação
Cosmica
Educação Espiritual
1) tornar-se consciente de onde estou agora,
2) sentir fortemente que quero mudar,
3) refletir sobre o meu próprio coração e o que minhas motivações mais profundas,
4) descobrir e dissolver obstáculos
5) explorar várias possibilidades para ir depois,
6) comprometer-se a um caminho,
7) estar ciente de que há muitos caminhos.

Educação Emocional
Educação Ecocêntrica
Educação ambiental
Educação para o desenvolvimento sustentável
Educação Transdisciplinar
Educação da Interioridade
Exercícios de
meditação
e
relaxamento
focados em: 1) atenção, 2) respiração, 3) visualização, 4) voz-fala 5) relaxamento, 6) consciência sensorial, 7) postura, 8) a energia do corpo, e 9) movimento.
Educação Biomimética
Fonte: biomimicry.org
Inteligência espiritual de Zohar y Marshall, (2000: 263).
Educar la Interioridad, de Luis López Gónzalez (2015: 77)
Universo emocional de Rafael Bisquerra (2015).
Educação Antropocéntrica
Educação em valores
Educação em Direitos Humanos
Educação na cultura de paz
Educação para a democracia
Educação em gênero
Educação intercultural
Educação para a cidadania mundial
Conclusões
Biomimética: um meta-modelo sustentável
A
transdisciplinaridade
caracteriza-se por criar uma “
ecologia de saberes
” que está em, entre e além das disciplinas acadêmicas.
Organização do conhecimento
abertura ao autoconhecimento espiritual interior, às cosmovisões dos povos indígenas originários e as outras dimensões perceptivas, afetivas, emocionais, retóricas, poéticas, epistêmicas, criativas, artísticas, cognitivas, filosóficas, etc. do ser humano.
Fusão das dimensões exteriores e interiores
Abordagem necessária para alcançar os ODS
Existem duas grandes
ameaças paradigmáticas
que condicionam o desenvolvimento evolutivo do ser humano em Gaia:
1) a capacidade de autodestruição por
bombas nucleares

2) o
colapso dos ecossistemas
naturais que nos mantém pelo seu aporte material e energético.

(Primeira hipótese)
Encruzilhada paradigmática
Ambos problemas civilizatórios são a
consequência do
quadro epistêmico paradigmático hegemônico imposto pelo “
quatrimotor globalizador

da modernidade
:
ciência, indústria, capitalismo e tecnologia.
O conhecimento é incomensurável e aberto ao infinito: rechaça-se toda teoria científica, crença cultural, doutrina política ou dogma religioso que se apresente como uma
verdade absoluta.
Os ODS são um ultimato civilizatório
A
biodiversidade
está se
extinguindo
massivamente pela grande
pegada ecológica
provocada pela ação antropogênica.
O capitalismo é incompatível para alcançar os ODS
começaram com a
Revolução Agrícola
há 10.000 anos AP, e se aceleraram de forma exponencial com a
Revolução Industrial
ocorrida há 250 anos atrás.
Futuras gerações
sofrerão
escassez crônica
de recursos naturais para se desenvolver de forma digna.
O uso que o
Norte global
faz dos recursos naturais planetários está destruindo o meio ambiente e empobrecendo ainda mais os habitantes do
Sul global
.
Outros mundos sustentáveis são possíveis com os ODS?
O
Sistema capitalista
é concebido como uma patologia social e uma criatura psicopata que
destrói
qualquer forma de vida com o único propósito de obter rentabilidade econômica a curto prazo.

O
capitalismo
está dominado na atualidade por
superpessoas corporativas
(pessoas jurídicas) que desenvolvem um comércio interempresarial que procura evitar as suas responsabilidades éticas, sociais, ecológicas, fiscais...

Regras do jogo do
comércio internacional
impostas pela OMC, o FMI, o BM e pelos grupos de poder plutocrático do G7, G8, G20:
Violência
exercida pelo livre mercado tem sido
incrementada
nas últimas décadas por acordos como o NAFTA, o GATT, o GATS, o TTIP, o TTP e outros.
Tem se constatado que a
resposta
à sustentabilidade é encontrada na própria
natureza
.
A imitação das estratégias e princípios operacionais que a vida desenvolve na
Grande História
é uma alternativa sustentável para aplicar esta sabedoria de forma flexível e adaptada a cada circunstância eco-social.
A
biomimética
emerge como um meta-modelo civilizatório (arte, arquitetura, economia, engenheria, etc.) para aprender a co-evoluir harmonicamente com as distintas formas de vida.
A biomímese é um fenômeno transcultural e transhistórico que combina um corpus de conhecimento interior-espiritual e exterior-científico que nos permite reintegrar a tecnosfera e a sociosfera na biosfera.
(
Segunda hipótese
)
Reconversão
das tendências de crescimento e desenvolvimento a escala multi-nível, orientada a respeitar os
limites biofísicos
estabelecidos pelos ecossistemas naturais.
Estratégias de co-desenvolvimento
com políticas equitativas de redistribuição dos recursos naturais entre o Norte global e o
Sul global
para ter um desenvolvimento humano digno para toda a humanidade, presente e futura.
Os ODS precisam de....
Trocar os
indicadores
que guiam o progresso humano. Exemplo:
substituir
no imaginário coletivo o Produto Interno Bruto (
PIB
) pelo Índice de Progreso Genuíno (
IPG
).
Uma
revolução biomimética
porque constitui um novo quadro epistêmico civilizatório baseado no que podemos
aprender da natureza
, e não no que podemos extrair de ela.
Co-evoluíndo na Cosmodernidade...
A complexidade da sustentabilidade não pode ser
reduzida
a três únicas dimensões: econômica, social e ambiental.
A neurociência demostra que os sentimentos emocionais precedem as nossas ações e valores sociais.
A
sustentabilidade
é um processo complexo e transdimensional que está
dentro e fora do ser humano
ao mesmo tempo.
Múltiplas dimensões
cósmicas, físicas, biológicas, ecológicas, espirituais, religiosas, místicas, emocionais, afetivas, racionais, sociais, políticas, éticas, culturais e artísticas de um ser humano que
co-evolui e se auto-eco-organiza
permanentemente nos processos sistêmicos e interdependentes de energia, matéria e informação.
Co-evoluíndo na Cosmodernidade...
A cidadania mundial precisa uma
tripla alfabetização
para alcançar os ODS:

1)
alfabetização crítica:
diálogo horizontal para analisar criticamente os problemas locais e globais.

2)
alfabetização ecológica
o
ecoalfabetização:
para compreender os princípios de organização ecosistêmica e utilizá-los biomiméticamente para criar comunidades humanas mais resilientes e sustentáveis.

3)
alfabetização emocional:
para desenvolver a capacidade de conhecer as emoções próprias e ter empatia com as emoções de outras pessoas para reparar os problemas de interatividade emocional.
Co-evoluíndo na Cosmodernidade...
O
AMOR
constitui o sentimento emocional essencial que dá sentido existencial às relações do ser humano consigo mesmo, com o outro, com a natureza e com o
sagrado
.
O AMOR constitui a energia de mudança civilizatória e a bandeira trans-fronteiriça de todos os povos da Pachamama, a nossa Mãe Terra.
Referências bibliográficas
629 fontes consultadas para 629 páginas escritas.
Full transcript