Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Cântico Negro

No description
by

Rita Soares

on 16 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Cântico Negro

Conclusão
José Régio
Pseudónimo literário de José Maria dos Reis Pereira.
Nasceu a 17 de setembro de 1901, em Vila do Conde.






Faleceu, na cidade onde nasceu, a 22 de dezembro de 1969.

Cântico Negro
Análise formal
Poema composto de 52 versos agrupados em nove estrofes irregulares que variam entre dois e nove versos.

Versos rimados e brancos, cuja métrica varia entre dezasseis e quatro síbalas.

Esta irregularidade estrófica, métrica e rímica está de acordo com a temática, como veremos a seguir.
Análise do conteúdo
Como parace óbvio, o poema está estruturado numa
oposição
entre o sujeito poético e os outros.


Cântico Negro
Após terminar o ensino secundário, frequantado na Póvoa do Varzim e no Porto, matriculou-se na Faculdadede Letras de Coimbra, em Filologia Românica, onde concluiu a licenciatura, em 1925, com uma dissertação revolucionária para o tempo: "As correntes e as individualidades da moderna poesia portuguesa".
Não foi muito apreciada, por valorizar Mário de Sá Carneiro e Fernando Pessoa, quase desconhecidos na época.

Mais tarde, esta tese foi remodelada e publicada com o título "História da Moderna Poesia Portuguesa".
Fundou com Branquinho da Fonseca e João Gaspar Simões, em 1927, a revista Presença.

Também deixou textos dispersos por publicações como: a Seara Nova, Ler, Comércio do Porto, Diário de Notícias, entre outros.
Começou a sua atividade profissional, em 1927, como professor de Português e Francês num liceu no Porto.

Em 1928, partiu para Portalegre onde esteve mais de 30 anos.
Como professor era meticuloso, distante e austero.

Como escritor dedicou-se ao romance, ao teatro, à poesia e ao ensaio.

Como ensaísta dedicou-se ao estudo de autores como Camões, Raul Brandão e Florbela Espanca.
Foi, possivelmente, o único escritor, em língua portuguesa, a dominar com igual mestria todos os géneros literários:
poeta;
dramaturgo;
romancista;
novelista;
contista;
ensaísta;
cronista;
jornalista;
entre outros.
Usou pela primeira vez o pseudónimo de José Régio com o seu primeiro livro, "Poemas de Deus e do Diabo" (1925), do qual faz parte o poema "Cântico Negro".
O sujeito poético
A frase-convite, que se repete, "Vem por aqui", provinda dos outros, motiva a referida oposição. O sujeito lírico autocaracteriza-se em oposição
"Eu" Os outros
Recusa de normas
Individualidade
Busca
Renovação
Instintos/Impulsos
Risco
Desconhecido
Dificuldade
Subjetividade
Absoluto
Aceitação de normas
Coletividade
Acomodação
Tradição
Razão
Segurança
Conhecido
Facilidade
Realidade
Relativo
A expressividade da linguagem
O título
Cântico Negro
O programa de vida do sujeito poético
A atualidade da mensagem
Colégio das Terras de Santa Maria


Trabalho de Português

Ana Rita Soares, 10.º A


Ano Letivo 2013/2014
O texto está povoado de metáforas:

"Prefiro escorregar nos becos lamacentos";

"Só para desflorar florestas virgens / e desenhar meus próprios pés na areia inexplorada";

"Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós".
Cântico
= Poema, hino
Negro
Neste contexto tem um significado de revolta.
Trata-se de um hino de revolta.
O sujeito poético quer seguir o seu próprio caminho.

"Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?"

Fernando Pessoa, in Mensagem
Bibliografia
Costa, L. M. (s.d.). Breve biobibliografia de José Régio. Obtido em 22 de janeiro de 2014, de http://paginas.fe.up.pt/~mgi97011/

José Régio (s.d.). Obtido em 20 de janeiro de 2014, de Escritas.org: http://www.escritas.org/pt/biografia/jose-regio

Fernando Pessoa. (s.d.). Obtido de escritas.org: www.escritas.org/pt/poema/1550/sem-a-loucura-que-e-o-homem

Lima, S. M. (1979). Dualidade, conflito em Cântico Negro. Obtido de http://www.soniavandijck.com/jose_regio.htm

Régio, J. (1969). Poemas de Deus e do Diabo (7.ª edição ed.).

Full transcript