Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Atividade Física e Saúde Coletiva

No description
by

Priscila Missaki Nakamura

on 3 February 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Atividade Física e Saúde Coletiva

Por que realizar intervenções de AF?
Profa.Dra.Priscila M Nakamura

Intervenções no Brasil
O que todas essas intervenções tem em comum?
Promover atividade física
Ministério da Saúde
Planejar uma intervenção
1) Definir a população;

2) Definir o modelo teórico

3) Definir o local e as variáveis de ambiente;

4) Políticas públicas;

5) Avaliações


Objetivos
Intervenções de atividade física no Brasil;

Incentivo do governo brasileiro para Atividade Física;

Dicas para criar intervenções;

Qual sua ideia de intervenção para a sua cidade?
Transição das doenças
1930
- 46 % doenças infecciosas

- 11% doenças cardiovasculares

- 18,6 % sobrepeso
2007
- 10% doenças infecciosas

- 31% doenças cardiovasculares

- 50,1% sobrepeso

- 72% mortes por Doenças Não transmissíveis
Malta e Silva, 2012
Inatividade Física
Lee, M; et al. Lancet (2012)
Custos
Inatividade física - 5,3 das 5,7 mihões de mortes
Estimativas de gastos do Ministério da Saúde com DCNT, Brasil, 2002
Inatividade física
U$ 76 bilhões
900 milhões
U$ 13 bilhões
R$ 2 bilhões
1 a 2,6% Pratt et al, 2013
Transporte ativo
1) Redução de emissão de gases poluentes;

2) Redução no trânsito;

3) Benefícios para a saúde;

4) Interação Social

Lee, IM et al, Med. Sci.Sport.Exerc,2008
Agita
- Escolares;
- Adultos/Idosos;
- Trabalhadores
1998 - Secretaria Municipal de Esporte e Lazer -SMEL
Programa academia da cidade de Aracaju
2004- Núcleo de Pesquisa em Aptidão Física de Sergipe e Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju
Unidades de Saúde
1996- CELAFISCS e Secretaria do Estado de São Paulo
Agita Galera
Agita Brasil
Agita Mundo
OMS
Matsudo et al, 2004; Matsudo et al, 2006
Atividades:

1) Distribuição de materiais educativos sobre AF;
2) Eventos nas ruas e parques (corridas, jogos escolares, pedala Curitiba, encontro regionais de esporte, dance curitiba);
3) Caminhada;
4) Programa Programa de atendimento socioesportivo (PASE) - Crianças e adolescentes- Centro de lazer;
5) Academia ao ar livre

Secretaria de Vigilância em Saúde/MS, 2011
Resultados
- 91, 6% - Conhecem o programa;

- 5,6 % - Participou de alguma atividade do programa

- Participou - 37,6% atingem a recomendação de AF

- Participa - 52,5 % - Recomendação de AF

- Ouviu- 30,8% - AF
Reis, RS; et al (2010)
15 polos

3 x semana

Manhã e Tarde

Atividades: Aferição da PA, FC, alongamento, orientação caminhada/corrida, ginástica, ioga, LianGong, dança, atividades recreativas e outras (Mendonça, 2008)
Resultados
Transporte Ativo
Ramos, L.R, et al. 2014
1 vez na semana - 33,5%
30 minutos a 1 hora - 57,5%
Manhã- 88,0%
Prof.Educação Física- 44 %
Gomes et al, 2014
Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DNTC)
2011-2022
- Ministério da Educação;
- Ministério do Esporte,
- Ministério do desenvolvimento, indústria e comércio exterior,
- Banco Nacional de desenvolvimento econômico e social,
- Ministério das cidades,
- Secretaria de comunicação da presidência da república,
- Secretaria de direitos humanos
Amorim, et al 2013
Modelos teóricos- Mudança de comportamento
Modelo cognitivo-social: Como o individuo entende as situações sociais e o modelo é desenhado para entender correlações e determinantes do comportamento para à saúde.

Modelo da autodeterminação (Adaptado de Ryan e Deci, 2002):




Modelo de mudanças: Modelo transteorético
Pré-contemplativo, Contemplativo, Preparação, Ação e Manutenção.
ACSM. Behavior Aspects of PA and Exercise,2014
Wendel-Vos et al, 2004; Larsen et al, 2007; Wendel-Vos et al, 2008; Saelens et al, 2008; Hallal et al, 2010; Xing et al, 2010; Bauman et al,2013
RE-AIM
Almeida, et al, 2013
R- reach (alcance)
E- effectiveness (eficácia/efetividade)
A- adoption (adoção)
I- implementation (implementação)
M- monitoring (manutenção)
Custo- benefício
Custo- utilidade
Custo-efetividade
Heath,et al, 2012 Lancet
Academias da Saúde
I Simpósio Sul Brasileiro de Atividade Física e Saúde
Atividade Física sem Fronteiras

IFSULDEMINAS-Campus Muzambinho
UNESP/Rio Claro-SP

pri_nakamura@yahoo.com.br
www.nafes.org
INTERVENÇÕES
BONFIM, et al, 2013
Full transcript