Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Cristal Brito

on 21 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

História da Arte IV Richard Meier e Alvaro Siza Desconstrutivismo Bibliografia Quebra da relação essência-aparência, interior-exterior;

Linhas e planos inclinados, explorando as estruturas sólidas dos edifícios até o seu limite, desafiando a natureza, deslocada para representar a instabilidade, a incompletude, a imperfeição e o desequilíbrio das próprias leis maquinistas e de seu mundo.

Crítica ao mundo atual, à vida atual. A ideia do edifícios desconstrutivistas é criar uma imagem facilmente recebida como falsa: um "real" que não pode ser real.
Caracteristicas Recebeu entre muitos, o Prêmio Brunner do Instituto Nacional de Letras e Artes (1972), medalha de ouro na American Institute of Architects (1988) e o Prêmio Pritzker em 1984, aos 49 anos de idade, sendo o mais novo arquiteto a recebê-lo;
Em 1975 foi convidado para ser professor de arquitetura na Universidade de Yale, mais um de seus numerosos cargos docentes.



VIDA E OBRA A sua prática incluiu construções de casas, residências privadas, museus, instituições médicas, prédios comerciais e maiores projetos como prefeituras e fóruns nos Estados Unidos e na Europa. http://www.saplei.eesc.usp.br/~marianac/images/stories/pdf/Richard%20Meyer%20Casa%20Smith.pdf
http://www.almocodesexta.com.br/almocando-fora/casa-no-lago/
http://www.slideshare.net/carlosvieira/richard-meier
http://arquitetandoblog.wordpress.com/2009/05/14/richard-meier/
http://revista.casavogue.globo.com/arquitetura/casa-de-richard-meier-ganha-vida-nova/
http://soniaa.arq.prof.ufsc.br/arq1101/trabalhos_alunos_041/Josicler/Meier_Pause&Clark.pdf
Nasceu em Newark, New Jersey, em 1934;
Estudou arquitetura na Universidade de Cornell, em 1957;
Trabalhou com vários escritórios de arquitetura, incluindo SOM (Skidmore, Owings & Merrill) considerado um dos maiores estúdios de arquitetura dos EUA, de 1958 a 1963.
Fundou seu próprio gabinete, New York, em 1963;
Em viagem à Europa conheceu Le Corbusier:
“Obviamente, eu não poderia criar meus edifícios sem conhecer nem amar as obras de Le Corbusier.” (Richard Meier)
VIDA E OBRA “Ser arquiteto tem
sido um sonho da
vida inteira”
Richard Meier Integração, funcionalidade e clareza na arquitetura;
Estética composta inicialmente pela justaposição de elementos geométricos;
Jogo de luzes: uso frequente de painéis de vidro em seus projetos;
Predominância do branco, compondo um conjunto de formas Neo-Corbusianas ligadas por rampas e passarelas:
“Branco nunca é somente branco, é sempre transformado pela luz, a qual está sempre mudando, o céu, as nuvens, o sol e a lua”. (Richard Meier)
Presença da água, sempre que possível, através de espelhos d’água, piscinas artificiais e naturais;
Cada uma de suas obras é pensada para se adequar às particularidades do local que ocupará.
Uso da madeira e mármores nos pisos e detalhes em materiais naturais como tijolos e pedras;
Explorando espaços e formas Nos anos setenta, desenvolveu o Ateneu, em New Harmony, Indiana. Projeto de maior dimensão na qual utilizou três sistemas de eixos conjugados na confecção da planta.
Casa Smith,1965-1967
Marca a primeira etapa racionalista na obra de Meier
Integração com a natureza;
Funcional e racional;
Volumes puros;
Materiais: madeira pintada de branco, vidro e colunas de aço;
A fachada traseira é envolvida em paredes opacas, com pequenas janelas, para proteger a privacidade;
As áreas sociais estão todas localizadas na direção da frente da casa, onde há grandes painéis de vidro abertos lateralmente, de frente para a encosta;
A escadaria curva, o reservatório cúbico e a rampa de acesso à casa, servem como pontos de ancoragem para a casa.
Planta Baixa Pavimento Térreo
Planta Baixa 1º piso
Planta Baixa 2º piso
PLANTAS BAIXAS Casa Douglas, 1973 Remete ao estilo da arquitetura Bauhaus;
Paredes curvas, ambiguidades espaciais e a série de escadas em balanço;
Verticalidade;
Uso do branco e placas de vidro;
A circulação cria harmonia entre os espaços; Acessoatravés de uma passarela que leva ao nível mais alto;
A sala de estar, com pé-direito duplo;
Meier: “Eu acho que o nosso trabalho na Casa Douglas remete ao modernismo, não é isolado, mas faz parte da continuidade. Nosso trabalho não é criado em um vácuo.” “A ideia foi fechar o lado da entrada e abrir o lado do lago”, explica Meier. “Toda a experiência se dá através da opacidade para transparência.”
Igreja do Jubileu, 2003
A forma é responsável pela distinção de funçõe
Curvas e linhas retilíneas;
Revestimento com placas de mármore travertino em todas conchas de concreto
Uso do vidro: espaço entre as conchas é vedado com caixilharia e placas vidro;
Preocupação com a iluminação do ambiente O templo está implantado no centro de umterreno de formato triangular;
Meier: “A capela é composta por três paredes curvas com formas de velas de um navio, que simboliza ‘as velas do navio do povo de Deus’. O conjunto discretamente refere-se à Trindade Santa.”;
No vértice mais próximo ao conjunto de prédios, a leste, situa-se o acesso principal e no lado oposto, junto ao parque, fica o estacionamento.
Três conchas de concreto, à esquerda, abrigam a igreja;o volume à direita é ocupado pelo centro comunitário; “ Na Igreja do Jubileu, os três conchas de concreto definir uma atmosfera envolvente em que a luz das clarabóias acima cria uma experiência luminosa espacial, e os raios de luz solar servir como uma metáfora mística da presença de Deus ”(Richard Meier)
The High Museum of Art, 1980-1983
The Museum of Contemporary Art, 1987-1995
The Getty Center, 1984-1997
Full transcript