Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of AULA 3 - Curso: Seleção, Aquisição e Descarte de Materiais Bibliográf

No description
by

Leonardo Costa

on 24 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of AULA 3 - Curso: Seleção, Aquisição e Descarte de Materiais Bibliográf

Curso: Seleção, Aquisição e Descarte de Materiais Bibliográficos
AVALIAÇÃO DE ACERVOS
AVALIAÇÃO DE ACERVOS
AVALIAÇÃO
- Método Quantitativo
- Método Qualitativo
CENSURA
SELEÇÃO
AULA 3
Professora Mônica
Outubro/2013

definições, métodos e técnicas
SELEÇÃO E MANUTENÇÃO DO ACERVO
crescimento zero e seleção negativa
Descarte e Desbaste
Avaliação de acervos
Para Lancaster (2004, p.15) a avaliação é:

"[...] um elemento essencial da administração bem sucedida de qualquer empreendimento [e a] quinta lei de Ranganathan proporciona a principal justificativa para as atividades de avaliação. Crescimento saudável implica adaptação a condições constantemente mutáveis, e adaptação implica avaliação para determinar que mudanças precisam ser feitas e qual a melhor maneira de realizá-las."
Por que realizar o processo de avaliação de coleções em uma biblioteca?
Pois este processo é um importante instrumento de auxílio que possibilita a quem administra a instituição ou centro de informação, conhecer que impacto exerce sob seus usuários, saber se de fato o que o acervo oferece está sendo utilizado pelo seu público, além de permitir que ajustes sejam realizados para o desenvolvimento ou modificação de serviços.
De acordo com Maciel e Mendonça (2006, p.3):

Como avaliar uma coleção?

Dias e Pires (2003, p.62) afirmam que:

Avaliar significa verificar a eficiência da política de desenvolvimento de coleções mediante métodos e técnicas adequados e, também, subsidiar o desbastamento da coleção, ou seja, o deslocamento ou retirada de material. As estratégias, as políticas e os objetivos subsidiarão o acompanhamento administrativo de um sistema informacional, o qual deve desenvolver seus próprios indicadores e padrões de qualidade.

Dessa forma pode-se afirmar que a avaliação busca:

a) provar a legitimidade de existência dos serviços;
b)justificar a qualidade desses serviços;
c) buscar soluções para problemas decorrentes de pressões, como restrições orçamentárias
e tendências à ação planejada;
d)acompanhar mudanças na natureza dos problemas sociais e no ambiente em que vivemos.

Pontos essenciais
Estudo de usuários para estabelecer perfis e necessidades de informação;
Estudo de uso de maneira regular para ajuste das coleções;
Estabelecimento da PS com uma comissão mista de profissionais e representantes da comunidade.
Conhecimento do comportamento da literatura nas áreas de interesse e aplicação disso na prática;
Cooperação ampla com outras bibliotecas.
Não se concebe mais biblioteca atuando isoladamente.
Pontos essenciais
A biblioteca , sob o ponto de vista do usuário, é uma prestadora de serviços. Ele não vê as estruturas nas quais está organizada, mas sim a disponibilidade e acessibilidade do que deseja ou precisa;
O sucesso da biblioteca vai depender de como (tipo de rotina) e quanto tempo de espera para o atendimento das necessidades informacionais de seus usuários
Por que avaliar?
Para dar ênfase aos objetivos da biblioteca;
Enfatizar a qualidade e as necessidades do usuário;
Estabelecer padrões nos serviços da bibliotecas;
Verificar os pontos fracos que devem ser evitados na seleção;
Incorporar novas tecnologias à gerência;

Por que avaliar?
Para Figueiredo a avaliação é uma procedimento contínuo que deve fazer parte das rotinas dos serviços das bibliotecas.

Para a autora é um processo que exige visão crítica, analítica, diagnóstica, além da capacitação técnica dos profissionais.
Critérios que abordam o conteúdo do documento
Autoridade – qualidade do material a partir da reputação de seu autor, editor ou patrocinador;
Precisão – visa evidenciar o quanto a informação veiculada pelo documento é exata, rigorosa e correta;
Imparcialidade – verifica se os assuntos dos documentos são apresentados sem favoritismo a algum ponto de vista;
Critérios que abordam o conteúdo do documento
Atualidade – depende da área de conhecimento que a biblioteca atua;
Cobertura/tratamento – forma como o assunto é abordado, se o texto entra em detalhes ou é superficial. Deve-se levar em conta a especificidade do usuário e da coleção;
Critérios que abordam aspectos adicionais do documento
Características físicas – observa-se os aspectos materiais, considerando o uso pretendido para o material e as características dos usuários;
Aspectos especiais – analisam a inclusão de elementos que contribuem para utilização de documentos, como bibliografias, notas, índices, apêndices;
Aspectos adicionais do documento
Contribuição potencial – verifica se o item traz uma perspectiva diferente e enriquecedora à coleção já existente.
Estilo – deve ser apropriado ao assunto do texto como também ao usuário.
Custo – identifica alternativas financeiras de menos custo para a biblioteca.
Critérios que abordam a adequação ao usuário
Conveniência – verifica se o documento é compreendido pelo usuário, tanto o vocabulário, o visual, o conteúdo;
Idioma – definir se o idioma do documento é acessível aos usuários;
Relevância/interesse – verificar se o documento vai ter alguma utilidade para o usuário;
QUANDO REALIZAR ?
A avaliação precisa ser um processo contínuo e não apenas realizada quando não há mais espaço nas estantes, quando se chega a essa situação extrema a alternativa que resta aos bibliotecários é a realização do descarte, que apesar de ser um dos resultados da avaliação não é o único motivo para que esta seja executada. Porém para que essa seja feita é necessária a aplicação de métodos para o alcance de resultados satisfatórios, Vergueiro citando Lancaster (1989) classifica as metodologias em quantitativas, qualitativas e fatores de uso.
Método Quantitativo
Guerreiro (1980) indica alguns critérios:
Tamanho absoluto da coleção: onde a avaliação é feita através da contagem bruta da coleção;
Equilíbrio dos assuntos: que consiste na análise estatística da coleção por classes de assuntos, por duplicatas, por autores, etc;
Pedidos não atendidos: consiste no registro estatístico dos pedidos feitos pelos usuários e que a biblioteca não conseguiu atender;
Taxa de crescimento: a taxa de crescimento da coleção de uma biblioteca de um ano em relação ao outro pode ser considerada um método quantitativo;
Uso da coleção: estatística de circulação e uso na biblioteca.
Método Qualitativo
Os métodos qualitativos enfocam no conteúdo da coleção e procuram diagnosticar sua qualidade, através da solicitação a especialistas que se manifestem a respeito da coleção e métodos de avaliação baseados na checagem de lista, catálogos, bibliografias, etc. A vantagem desse método é que o trabalho é norteado pela visão do especialista ou pelas listas, já como desvantagens têm-se a subjetividade e a dificuldade encontrada na colaboração de especialistas, a seleções arbitrárias de títulos e listas desatualizadas (as listas nem sempre refletem a realidade brasileira). A elaboração de listas criadas especialmente para avaliação de uma coleção é uma solução alternativa para esse método.
Fatores de Uso
Este método propõe a avaliação da coleção através de sua utilização pelos usuários. Utiliza como fonte de informação os registros de circulação, visando avaliar a adequação do acervo à comunidade.

Estudos de uso raramente possibilitam informações necessárias para decisões de descartes. É preciso considerar também outros dados como a qualidade e a raridade do material.
Avaliar significa verificar a eficiência da política de desenvolvimento de coleções mediante métodos e técnicas adequados e, também, subsidiar o desenvolvimento da coleção, ou seja, o deslocamento ou retirada de material.
CENSURA
Selecionar e censurar são duas linhas tênues, nas quais o bibliotecário precisa ter discernimento sobre seu ponto de vista pessoal e a necessidade informacional da comunidade. Selecionar usando critérios institucionais, ou seja, material voltado para os usuários, independentemente da opinião de seus funcionários, disseminar a informação em seus vários lados, fazer com que o usuário tenha acesso a diversas opiniões e forme a sua própria.
O que é seleção?
“A seleção dos documentos é uma operação intelectual delicada, que deve ser realizada por um responsável competente, no assunto tratado, em colaboração com os usuários”.
(Guinchat)
O que é seleção?
Seleção é a escolha de documentos que a unidade de informação deseja adquirir...E a aquisição é o procedimento que permite obtê-los;

Estas duas operações encontram-se no início da cadeia documental e permitem criar e manter o fundo documental, ou o conjunto de documentos necessários para responder às demandas de informação e aos objetivos do organismo.
Segundo Vergueiro (2010, p 12-13) existe elementos comuns a todos os tipos de bibliotecas quanto a seleção de material. São eles: o assunto, o usuário, o documento e o preço. O processo de seleção é muito importante, pois delimita com exatidão o que será incorporado à coleção. Esse processo deve se adequar ao material e aos objetivos da instituição, deve manter a atualização do acervo, deve atentar-se à quantidade e à qualidade da seleção, para um bom desenvolvimento das coleções, área temática em que atua a instituição, deve manter um controle orçamentário, sabendo direcionar corretamente as verbas e utilizar de maneira eficiente os recursos financeiros, o idioma dos materiais a serem incorporados, deve atentar-se ao número de usuários que potencialmente utilizarão o material bibliográfico, deve compreender os mais variáveis suportes informacionais.
Evans (1979) considera o desenvolvimento de coleções uma atividade sistêmica e cíclica, como elucidado no esquema abaixo:
Modelo de Hendrik Edelman que formula uma hierarquia entre os termos desenvolvimento de coleções, seleção e aquisição:
Nas bibliotecas especializadas, o enfoque deve estar nas normas para seleção, pois devem atender aos interesses da própria instituição.
DEFINIÇÕES
Há diversas definições acerca do tema – Desbaste, Descarte e Crescimento Zero percebe-se algumas visões acerca das diferenças e relações entre os termos “Desbaste e Descarte”, pois apesar da maioria dos autores possuírem a visão de que o Descarte é apenas um dos processos que pode fazer parte do desbastamento, outros apresentam os dois termos como distintos ou como sinônimos.
CONCEITUAÇÃO
A necessidade da seleção e do desbaste (que seria o contrário da seleção, ou seja, a triagem não do que entra, mas do que sai do acervo), é decorrente não só de problemas de caráter logístico e administrativo (recursos financeiros limitados e problemas de espaço para armazenamento de itens), mas se fazem necessários, sobretudo, para bem atender o público de usuários da biblioteca em suas necessidades informacionais.
CONCEITUAÇÃO
Desbaste:
Consiste na retirada de documentos, pouco utilizados pelos usuários, de uma coleção de uso frequente para outros locais – ou depósitos especialmente criados para abrigar este material de consultas eventuais.

Descarte:
É a retirada definitiva do material do acervo da biblioteca, com a correspondente baixa nos arquivos de registro da mesma.

MANUTENÇÃO DO ACERVO
DEFINIÇÕES
DESBASTE
DESCARTE E SELEÇÃO NEGATIVA

OBRAS RARAS
REMANEJAMENTO
CRESCIMENTO ZERO
Critérios usados no desbastamento
a) Espaço físico — demanda de espaço disputado por outros setores, principalmente, nas instituições privadas.

b) Mudanças de campo de interesse — em alguns casos as áreas de interesse mudam rapidamente. Como por exemplo, as áreas de tecnologia e medicina.

c) Material obsoleto — Material antigo ou desatualizado.
DESCARTE E SELEÇÃO NEGATIVA
O descarte de livros seja para doação ou eliminação do acervo se baseia na ideia fundamentada que reter um livro que não atende mais as necessidades dos usuários é inútil. Então o material que não tem mais uso seguindo alguns critérios como inadequação, desatualização, condições Físicas e duplicatas são encaminhados para um dos dois mecanismos de descarte citados.
Crescimento Zero
Um livro só pode ser incorporado ao acervo, a medida que outro sai.
Manutenção de um número fixo de exemplares;
Exige políticas de descarte e desbaste bem estabelecidas;
Diminui os custo com a manutenção de um acervo que tende a crescer;
Torna mais complexo o trabalho do bibliotecário (tomada de decisão).
CONCEITUAÇÃO

Descarte
“Operação que consiste em separar ou retirar do acervo de uma biblioteca, os documentos supérfluos, antiquados ou que não se acham em condições de uso. Os documentos retirados devem ser registrados no inventário, como baixas no acervo.” Há três tipos de descarte: a) retirada das estantes e passagem para a reserva; b) retirada do acervo e doação; c) destruição (eliminação) do documento depois de avaliação criteriosa. 


Crescimento zero
Relativo ao acervo de biblioteca cujo número de descarte é igual ao número de documentos adquiridos em determinado período, por razões de espaço físico ou por contenção orçamentária.
Desbaste = Descarte
Seleção negativa = Descarte
Fonte: Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia
Porque preservar?
Garantir a continuidade da memória pelo suporte.

Evitar custos de reposição de acervo.

Evitar custos de restauração de obras.
PRESERVAÇÃO
Todas aquelas medidas ou ações que tenham como objetivo a salvaguarda do patrimônio cultural.

Engloba todas as demais.

Abrange políticas de ação para aquisição, organização, conservação e distribuição de recursos a fim de impedir a deterioração dos bens culturais.
CONSERVAÇÃO PREVENTIVA
Todas as medidas e ações que tenham como objetivo evitar ou minimizar futuras perdas.

Realizada sobre a área circundante ao acervo.

Não interfere no bem e garante a integridade de todos eles.
CONSERVAÇÃO PREDITIVA
Avaliar e prever situações de risco para o acervo.

Ações a serem tomadas em caso de sinistro.

CONSERVAÇÃO CURATIVA
Ações diretas sobre o bem para deter processos danosos.

Higienização, pequenos reparos, mudanças no acondicionamento ou no armazenamento.

Possibilita o manuseio do bem mas pode modificar o aspecto deste.

Nada será colocado a mais do que o que for preciso.
Fatores de degradação do acervo
Os acervos de bibliotecas e arquivos são em geral constituídos de livros, mapas, fotografias, obras de arte, revistas, manuscritos etc. que utilizam, principalmente, o papel como suporte da informação.

O papel é formado basicamente por fibras de celulose.

Fatores de degradação no acervo
Fatores internos ou causas intrínsecas:
Estão ligados a composição, tipos de colagem, tipo de fibras, resíduos químicos, partículas metálicas.
A degradação da celulose ocorre quando agentes nocivos atacam as ligações celulósicas, rompendo-as ou fazendo com que se agreguem a elas novos componentes que, uma vez instalados na molécula, desencadeiam reações químicas que levam ao rompimento das cadeias celulósicas.
A acidez e a oxidação são os maiores processos deterioração química da celulose
Fatores de degradação
Fatores externos ou causas extrínsecas:

1. Fatores ambientais: luz, temperatura e umidade

2. Agentes biológicos: insetos, roedores, fungos ...

3. Causas humanas: guarda, manuseio e segurança

4. Sinistros: enchentes, incêndios, terremotos ...

Fatores ambientais
São aqueles que existem no ambiente físico do acervo:

1. Temperatura e Umidade relativa do ar;
2. Radiação da luz;
3. Qualidade do ar.

Agentes biológicos
Os principais agentes biológicos de degradação do acervo são: os insetos (baratas, brocas, cupins), os roedores e os fungos, cuja presença depende quase que exclusivamente das condições ambientais (temperatura e umidade relativa elevadas, pouca circulação de ar, falta de higiene etc.).

O alimento provém dos papéis, amidos (colas), couros, pigmentos, tecidos etc.
Agentes biológicos
Soluções:

estabelecer política de controle ambiental, principalmente temperatura, umidade relativa e ar circulante;

praticar a higienização tanto do local quanto dos documentos;

manter vigilância constante dos documentos contra acidentes com água, secando-os imediatamente caso ocorram.
Causas
humanas
Manuseio
Intervenções
Acondicionamento inadequado
Vandalismo
Roubo
PRESERVAÇÃO DIGITAL

Os sistemas de preservação de informação de documentos digitais é mais um campo de reflexão da Ciência da Informação

A informação é o objeto primário da preservação
A natureza dos documentos digitais está permitindo ampla produção e disseminação de informação no mundo atual. É fato que na era da informação digital se está dando muita ênfase à geração e/ou aquisição de material digital, em vez de manter a preservação e o acesso a longo prazo aos acervos eletrônicos existentes. (Arellano, 2004)

A preservação dos documentos é determinada pela capacidade de o objeto informacional servir às utilizações que lhe são dadas, às suas atribuições que garantem que ele continue a ser satisfatório às utilizações posteriores.
A preservação digital é “(...) o planejamento, alocação de recursos e aplicação de métodos e tecnologias para assegurar que a informação digital de valor contínuo permaneça acessível e utilizável”. (Hedstrom, 1996)

É necessária a adoção de ferramentas que protejam e garantam a sua manutenção. Essas ferramentas deverão servir para reparar e restaurar registros protegidos, prevendo os danos e reduzindo os riscos dos efeitos naturais (preservação prospectiva), ou para restaurar os documentos já danificados (preservação retrospectiva)
(Arellano, 2004)
Estratégias de preservação
O suporte físico da informação, pode desintegrar-se e tornar-se irrecuperável.

A aplicação de estratégias de preservação para documentos digitais é prioridade, pois sem elas não existe nenhuma garantia de acesso, confiabilidade e integridade dos documentos a longo prazo.

Estabelecer políticas de preservação digital, que incluam recursos financeiros, humanos, tecnológicos, a temporalidade e os direitos autorais.
Políticas de preservação
Requer a colaboração entre organizações e pessoas envolvidas na criação e no gerenciamento.
A preservação começa no design de sistemas que darão suporte à criação de objetos digitais.
A preservação deve ser parte integrante de qualquer estratégia que inclua o uso de Tecnologia de Informação.
Seus métodos deverão estar integrados em todas as atividades ou sistemas que criam ou usam informação digital.
CONSERVAÇÃO/
PRESERVAÇÃO

Métodos de preservação digital
As tarefas relacionadas com a preservação digital são:
manuseio e armazenamento;
a cópia da informação contida;
a migração para novas mídias e
a preservação da integridade da informação digital.
Até a próxima!
Bom final de semana!!!
Full transcript