Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

IRI - Aula 1

IBMEC Belo Horizonte
by

Vladimir Feijo

on 1 February 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of IRI - Aula 1

Prof. Vladimir Pinto Coelho Feijó
vladimir.pcf@gmail.com

Introdução às Relações Internacionais
Temas:
- Do Curso de Graduação:
Projeto IBMEC Belo Horizonte
- Da disciplina de Introdução às Relações Internacionais
- Das Relações Internacionais
Conceito
Do campo de estudo
Da ciência
Projeto IBMEC

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES
Carreira diplomática.
EMBAIXADAS ESTRANGEIRAS
Assessorando-as na realização de pesquisas e em negociações de interesses bilaterais.
ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS
Execução e coordenação dos programas de desenvolvimento mantidos pelos principais
organismos – ONU, OEA, BID, Associação Latino-Americana de Integração, Mercosul.
AGÊNCIAS GOVERNAMENTAIS
No preparo de estudos e levantamentos sobre temas específicos, bem como na assessoria
para elaboração de planos e projetos para a formulação e execução de acordos.
EMPRESAS PRIVADAS E PÚBLICAS BRASILEIRAS E
MULTINACIONAIS
Na pesquisa e análise de mercados e oportunidades de negócios em diferentes países.
UNIVERSIDADES E CURSOS TÉCNICOS
Como docente e pesquisador.
O que é Relação, Significado de Relação
s.f.
Conexão existente entre duas grandezas, dois fenômenos: relação entre causa e efeito. / Narração, notícia, informação: relação do naufrágio. / Analogia; dependência. / Rol, lista. / Lógica. Condição que liga dois ou mais objetos lógicos, como a igualdade ( = ), a diferença ( Ö ), a equivalência ( Ü ) etc. / Matemática. Condição que liga os valores de duas ou mais grandezas. /
S.f.pl.
Pessoas com as quais se cultiva trato de cortesia ou de amizade: tem largo círculo de relações. // Ter relações com, manter convívio social.
Das Relações Internacionais
A disciplina
Bibliografia
... datas importantes
- ALMEIDA, Paulo Roberto de. Os Primeiros Anos do Século XVI. In: Introdução a Teoria e à Política das Relações Internacionais. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

- MAGNOLI, Demétrio. Relações Internacionais: teoria e história. São Paulo: Saraiva, 2004.

- BURCHILL, Scott e LINKLATER, Andrew. Introduction. In: Theories of International Relations. New York: St. Martin’s Press, 1996.
Bibliografia Básica
- GRIFFITHS, Martin. 50 Grandes Estrategistas das Relações Internacionais. São Paulo: Ed. Contexto, 2004.

- GONÇALVES, Willians. Relações Internacionais. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2002.

- NYE, Joseph Jr. Compreender os Conflitos Internacionais. Lisboa: Gradiva, 2002.
Bibliografia Complementar
Estudo Dirigido (5 pontos): dia 28/08
Prova P1 (40 pontos): dia 02 ou 06/10
Debate Avaliativo (5 pontos): dia 12/11
Apresentaçõs Trabalhos (10 pontos): dia 17/11
Prova P2 (40 pontos): dia 01 ou 04/12
Revisão de P2: dia 09/12
Prova PS (40 pontos): dia 11 ou 15/12
Revisão de PS: dia 17/12
Da Profissão

Objeto de estudo e enfoques metodológicos das Relações Internacionais. Os referenciais econômico, político, estratégico-militar e étnico-civilizacionista das Relações Internacionais. O sistema internacional e seus atores. O poder nas relações internacionais. A ação política externa. Introdução às principais correntes teóricas. Prática de um método de pesquisa introdutório aplicado à estratégia, à ciência política e às Relações Internacionais. Exercício da pesquisa com temas de conjuntura internacional.
Espera-se que ao final do primeiro ano os alunos tenham obtido:
- entendimento básico e o domínio de competência do campo das Relações Internacionais e sua articulação com as áreas conceituais e instrumentais da Economia, do Direito, Política, Filosofia e Sociologia
- conhecimento das principais escolas teóricas do campo de estudo das Relações Internacionais, assim como os processos históricos relacionados;
- competência na aplicação dos conceitos básicos de matemática aplicada para ciências sociais com a finalidade de lidar com problemas complexos de caráter abstrato.
- graduação em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2003)
- graduação em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003)
- mestrado em Direito Público, área de concentração de Direito Internacional pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005)

- Atualmente é Professor Assistente do IBMEC/MG
- Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Relações Internacionais. Atuando principalmente nos seguintes temas: Democracia, Direitos Humanos, Integração Regional, Direito Internacional, Direito Comunitário, União Européia
- Advogado desde dezembro de 2003;
Durante a graduação participei das seguintes atividades extra-curriculares:
Membro do Conselho Diretor da Empresa Júnior de Relações Internacionais (EJRI)
Diretor da Editora de Relações Internacionais (ERIN)
Editor-Chefe e Redator do Jornal Observatório Internacional
Editor-Chefe e Redator do Jornal Mirante Cucaracha
Produtor do Programa Televisivo (PUCTV) Mundo em Revista
Realizei estágio acadêmico entre 10/11/2001 e 28/08/2003 junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (3ºSECIV e 2ºGACRI)
http://lattes.cnpq.br/0104840470014832
O curso oferece uma formação sólida e rica, com forte base em ciências sociais. Criado em
harmonia com as demais graduações da instituição, o curso alia os conhecimentos específicos de
relações internacionais a noções de economia, administração e direito, ampliando a capacidade
de análise e tornando o profissional capaz de enxergar soluções além do trivial.
Com discussões sobre poder, segurança internacional, valores e culturas, o aluno é
constantemente estimulado a desenvolver o espírito científico e o pensamento reflexivo e
estratégico na área de relações internacionais, com uma visão voltada para os interesses do
Brasil inserido no ambiente Global.
Espera-se que ao final do curso os alunos tenham obtido:
- capacidade de síntese e de análise crítica em Relações Internacionais;
- entendimento da estrutura e do funcionamento do sistema internacional, de seus agentes e processos, fundamentalmente nas dimensões política, econômica e jurídica;
- percepção multifacetal da realidade brasileira em consonância com a diversidade da realidade internacional e vice e versa;
capacidade de análise, formulação e gestão de projetos com enfoque internacional;
O que é Internacional?
Significado de Internacional

adj.
Que se realiza, que se passa entre nações: comércio internacional. / Que se situa entre duas ou mais nações: ponte internacional.
As
Relações Internacionais são uma ciência política dedicada ao estudo das relações entre Estados
, sejam elas diplomáticas, comerciais, legislativas, etc. Difere-se da antropologia, direito, economia, filosofia, geografia, história e da sociologia, ainda que se valha de diversos conceitos e noções destes.
Um dos problemas básicos das Relações Internacionais, é o estudo da paz, diplomacia e guerra entre os Estados como um ator internacional, assim como o estudo de organizações internacionais, transnacionais e ONGs no Sistema Internacional.
International relations
, is a branch of political science.
It represents the study of foreign affairs and global issues among states within the international system
, including the roles of states, inter-governmental organizations (IGOs), non-governmental organizations (NGOs), and multinational corporations (MNCs). It is both an academic and public policy field, and can be either positive or normative as it both seeks to analyze as well as formulate the foreign policy of particular states.
Foreign affairs
is a synonym for international relations, that is, the activities of a government concerned with foreign relations, foreign policy, diplomacy, and international representation, and the academic study of these activities.
Mais do que a
multidisciplinariedade
, deve-se buscar a
transdisciplinariedade
.

A transdisciplinaridade é uma abordagem científica que visa a unidade do conhecimento.
Desta forma,
procura estimular uma nova compreensão da realidade articulando elementos que passam entre, além e através das disciplinas, numa busca de compreensão da complexidade
.

A transdisciplinaridade não significa apenas que as disciplinas colaboram entre si, mas significa também que existe um pensamento organizador que ultrapassa as próprias disciplinas.
Os chamados "fatos internacionais" são cada vez mais numerosos.

Isso não significa que aumentaram em quantidade, mas sim que sua presença no cotidiano é cada vez maior, especialmente em face da facilidade com que as informações circulam na atualidade.

Por conseqüência, tem-se que uma quantidade crescente de fatores passam a ser considerados importantes, refletindo na necessidade de novas propostas de modelos analíticos e enfoques.
Como pontos positivos das RIs é possível citar:

a própria fragmentação
,
deve ser vista como uma força da disciplina vez que permite compreender o objeto de estudo segundo diversos prismas e de forma abrangente;
a adaptação do profissional
que é capaz de utilizar as diversas temáticas com um olhar voltado para o internacional, para o mundo externo em particular;
a atualização
que se reforma diante das necessidades de ampliação do conhecimento.
Da Ciência e Estudo
Define-se como objeto de estudo das Relações Internacionais os atores, acontecimentos e fenômenos que existem e interagem no sistema internacional, ou seja, além das fronteiras domésticas das sociedades.

As Relações Internacionais consistem em uma forma organizada de pensar as relações sociais que se estabelecem além das fronteiras dos Estados, fornecendo-nos parâmetros e instrumentais para interpretar e compreender este campo de ação externo.
A realidade do mundo prova que os agrupamentos humanos passaram a conviver entre si, através de relacionamentos em
diversos campos como o econômico, político e cultural,
estabelecendo contatos além de seus limites internos
.

Igualmente, ainda que não se relacionassem com outras unidades políticas, estas sociedades poderiam ser afetadas pelos fluxos que aconteciam além de suas fronteiras e que escapavam a seu controle.
Funções da Diplomacia
– Mensageiro
– Mediação e Persuação
– Inteligência e Pesquisa Estratégica
– Interlocução
Ao longo do último século a própria realidade de “sistema internacional” passa a ser reconhecida como um padão de auto-reconhecimento entre os “Estados-nação”.

A principal função das representações diplomáticas passou a ser representar os interesses da “nação” perante o conjunto das demais.
Das Origens
A diplomacia renacentista italiana, em virtude das condições
anarquicas
estabelecidas entre as cidade-Estado da época, adotou viezes de modernidade ao estabelecer vinculos permanentes como referencia em prol da estabilidade.
Nesta época estabeleceu-se a base da
teoria da

extraterritorialidade
bem como foram asseguradas as imunidades diplomáticas.
Em sentido extenso a diplomacia ganhou força e forma durante o período
pós-Tratados de Westfália.
Do campo de estudo
De inicio o estudo limitou-se às escolas inglesas, em especial as destinadas à formação do alto funcionalismo diplomático.
Do campo de estudo
A análise das Relações Internacionais passou a ter sua importância reconhecida no início do século XX, especificamente no período pós primeira Grande Guerra. quando até então o estudo das Relações Internacionais estivera a cargo de diplomatas, historiadores e juristas.
Notáveis esforços passaram a ser realizados no sentido de construir um campo de estudo específico e autônomo definindo, com alguma precisão, os limites da realidade das Relações Internacionais.
Do campo de estudo
As linhas de pesquisa dividem-se basicamente em: política externa,
economia política,
segurança internacional,
legislação internacional,
instituições internacionais e
o processo de globalização.

Como ciência, dificilmente se percebe um objeto de estudo restrito apenas às relações internacionais. Alguns autores propõem vagamente que
os estudos limitem-se aos acordos comerciais, diplomáticos, de paz, etc., bem como
declarações formais de guerra.
Por que estudar Relações Internacionais?
As Relações Internacionais, como disciplina de estudo, é multidisciplinar que, em linhas gerais, significa que é uma disciplina formada por outras disciplinas. É multidisciplinar por se constituir orientada em torno de diversos eixos temáticos das Ciências Sociais, destacando-se como principais a Ciência Política, a Economia, a História e o Direito.

Como ponto negativo temos que a disciplina será sempre em certo ponto fragmentada, composta por outras matérias. É preciso equilibrar essa fragmentação. Muitos chegam a questionar se não seria mero retalho de disciplinas.
Do campo de estudo
Contra essa idéia, argumenta-se que a mera formalidade burocrática não é suficiente para configurar a relação internacional.
Estas questões não impedem as relações internacionais de configurarem uma ciência própria.

What is explicitly recognized as IR theory was not developed until after World War I. IR theory, however, has a long tradition of drawing on the work of other social sciences. The use of capitalizations of the 'I' and 'R' in IR aims to distinguish the academic discipline of IR from the phenomena of international relations.
Desta forma a “profissionalização” e a “racionalização” desta função obviamente gerou demanda pela teorização e estudo das relações mantidas entre as fronteiras estatais.
- TZU, Su. A Arte da Guerra. São Paulo: L&Pm, 2000.
- VON CLAUSEWITZ, Carl. A Campanha de 1812 na Rússia. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2001.
Aula de Reposição: à tarde (de 13h às 15h05)
dias 11/08 e 22/09
A rigor, não se pode falar em origem das relações internacionais nem em teorias absolutamente homogêneas. Tradicionalmente, porém, se considera que o primeiro esforço sistematizado em pensar as relações internacionais ocorreu em 1917 com a fundação na Escócia do primeiro departamento de Relações Internacionais da história., na Universidade de Gales. Pensando numa forma de evitar os males da guerra (tendo em vista os desastres da Primeira Guerra Mundial) os cientistas dessa escola debateram formas de normatizar as relações internacionais. Na véspera do início da Segunda Guerra Mundial, contudo, um estudioso chamado
Edward Carr
criticou pela primeira vez os postulados desses primeiros cientistas em seu livro
Vinte Anos de Crise
, denominando-os como idealistas, por pensarem o mundo na forma como ele deveria ser ao invés de pensarem o mundo como ele efetivamente era.
Apart from
political science
, IR draws upon such diverse fields as
economics
,
history,

law
,
philosophy
,
geography
,
sociology
,
anthropology
,
psychology,
and
cultural studies
.
It involves a diverse range of issues, from globalization and its impacts on societies and state sovereignty to ecological sustainability, nuclear proliferation, nationalism, economic development, terrorism, organized crime, human security, and human rights.
No mundo contemporâneo, resultado da expansão da lógica européia para o restante do globo, estes padrões de relação entre os “Estados-nação” são mantidos, mesmo que muitas vezes como mero simbolo da existência da “
sociedade de nações
”.
Sociedade é um conjunto de seres que convivem de forma organizada.
O conceito de sociedade pressupõe uma convivência e atividade conjunta do homem, ordenada ou organizada conscientemente.
O conceito de sociedade se contrapõe ao de comunidade.
As relações sociais são vínculos de interesses conscientes e estabelecidos, enquanto as relações comunitárias são articulações orgânicas
de formação natural.
Oferecer em um curso de graduação em que os estudantes sejam expostos a um conjunto de diferentes disciplinas é o primeiro passo, porém não alcançará os objetivos de aumento da capacidade analítica.

Como uma novidade transdisciplinar as Relações Internacionais precisaram ser "inventadas", aproveitando das demais disciplinas, moldando seus conceitos em novos conceitos, no pressuposto que o tratamento das questões passem a considerar avanços feitos em outras disciplinas como avanços aproveitáveis nas RIs.

Em última instância, procurar a conversa entre as várias disciplinas nada mais é do que recuperar o motivo pelo qual uma nova disciplina é criada.
Full transcript