Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Salas Interligadas - Apresentação preliminar

No description
by

Tiago Borges

on 14 April 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Salas Interligadas - Apresentação preliminar

Xavier(2004) as novas tecnologias têm
tido grande impacto no processo de aprendizagem.

Lévy(1999) Esse impacto modifica o
papel do professor.
Rojo (2007) “a Internet, por sua estrutura hipertextual articula espaços de informação a ferramentas de comunicação, propondo um conjunto de dispositivos interativos que dão lugar a novos escritos”.
*Formação crítica
*Comparação de realidades
*Resignificação
*Respeito à diversidade
*Efeitos do local sobre o Global e vice-versa.
* Aprendizagem de língua de forma significativa.
* Uso da língua no cotidiano.
Conclusão
PROPOSTA PARA O ENSINO DE
LÍNGUA INGLESA EM
AMBIENTE DIGITAL NA REDE PÚBLICA

Quando viajamos, aprendemos
coisas novas, construímos novos saberes, conhecemos novos lugares e os comparamos com o nosso ponto de partida.

CIRLOT (1984) em seu livro Dicionário dos Símbolos menciona que:
A viagem nunca é a mera translação no espaço, mas sim a tensão da busca e da mudança determinada pelo movimento e pela experiência que deriva do mesmo.

mundo globalizado
Sendo assim, trabalhar e vivenciar práticas
educacionais que
priorizam tais atividades que colaboram
para a formação de
cidadãos cada vez
mais conscientes de
tal realidade
é relevante.
Analisar a percepção e aprendizagem
dos alunos do IFMT – Campus Campo Novo do Parecis
na elaboração de vídeos
através do projeto Connecting Classrooms,
verificando como eles se relacionam e constroem significados neste contexto.

O transporte Metodológico
Pesquisa qualitativa de cunho
interpretativista.

O contexto da Pesquisa
Análise
Temática

Transcrição 18/09/13
Aluna 1
Esse projeto, ajudou a gente mais na fala,
porque isso não tem. A maioria dos professores não levam isso tão a serio, a fala. Porque falam que isso não é importante pra gente na hora de fazer o vestibular, e é uma coisa que eu acho que é importante sim, porque na fala, no convívio que você aprende mais do que escrever.

Transcrição 19/09/13
Aluna 4
Agora quando você está na sala, só aprendendo regra, regra, não aprende a falar, não adianta muito porque inglês é uma língua, é para ser usada, para ser falada. Regra não te ensina a falar.

Lankshear & Knobel (2006) falam que:
Havia um campo de longa data conhecido como "leitura". Isto foi principalmente fundamentado na psicolinguística e associado a métodos honrados de instrução para o ensino de novos operadores na escola como decodificar texto impresso e, secundariamente, como codificar texto
A Multimodalidade surge como uma questão importante hoje, em parte como resultado das características da nova informação e meios de comunicação.

Análise Temática
Transcrição ( 19/09/13)

Aluna 3 Eu gosto de inglês, têm outras línguas que eu quero aprender a
falar, mas a principal é inglês. Eu tenho um contato já tem alguns anos,
porque eu escuto muita música, vejo filme e série tudo legendado, justamente
para aprender a falar melhor e porque eu gosto e inglês pra mim é uma coisa que
eu não vejo muita dificuldade pra aprender, meio que vai se abrindo, assim. Eu acho muito mais fácil inglês do que espanhol.
...

Aluna Ah! Eu uso bastante a internet, mas é mais rede sociais e
baixar coisa. No caso eu uso uma rede social que é o tumblr, porque
lá eu sigo a maioria das pessoas, que não são brasileiras ou são brasileiras,
mas tem o site tudo em inglês. Então, também você aprende bastante,
porque às vezes eles postam frases ou alguma coisa sempre em inglês,
normalmente eu entendo. Quando eu não entendo alguma coisa eu traduzo,
e aí lá também eu tenho que saber, porque a gente também escreve em inglês.

Transcrição ( 19/09/13)

 
Aluno 3 – Sempre joguei bastante vídeo game, mexia bastante
no computador, entrei bastante na internet, então pra fazer as coisas eu precisava saber falar, aí conforme você vai precisando você vai se adequando, né? O que acontece no jogo, o que está escrito alí, aí conforme vai aprendendo uma palavrinha, alguma coisa.
Foi assim: eu aprendi mais sozinho lendo e descobrindo o que era, adivinhando o que era uma palavra que você não sabe e indo
pelo contexto. Ah! Mas desde pequeno, desde que eu tinha uns sete anos, eu era envolvido com jogo e coisarada aí...

Análise temática
Segundo Lankshear and Knobel (2006)
“Na escola eles operam em um universo
e fora da escola eles operam em um outro”.

A escola, de certa forma, ignora essas práticas e ao ignorar ela não agrega, levando a desmotivação por parte do aluno.


Análise temática
Tema Colaboração
Transcrição 19/09/13
Aluna 3 - Foi o que teve, o projeto em relação à aula, então quando propôs levar todo mundo pra cozinha, todo mundo a ajudar a preparar, a elaborar o
vídeo, a fazer parte do vídeo, eu acho que prendeu a atenção de todos nós da turma. Então foi uma coisa diferente, todo mundo tava envolvido, todo mundo tava ajudando o outro, quem tinha dificuldade de falar os colegas ajudaram, quem tinha dificuldade de mexer, fazer alguma coisa, tipo... houve não só ajuda do professor, mas dos colegas da turma. Então, foi produtivo os vídeos.

Transcrição 19/09/13

Aluna 4 – Muda, todo mundo fica interessado. A nossa sala, todo mundo ficava interessado em ter aula de inglês, em gravar,
pra conversar, pra falar, pra gente se conectar, pra gente ter uma chance de fazer viagens de conversar com outras pessoas. Aí, todo mundo pensa em se mostrar. Treina, aí um ajuda o outro, aí você vai lá e pergunta, eu não sei falar isso, aí você pede para o seu amigo ensinar, seu amigo sabe outra palavra, ele te ensina também, você ensina o que você sabe pra ele. Aí a gente troca conhecimento com a gente, na sala, e com pessoas de outros países também. É muito bom.

Mudançã de mentalidade.
Lankshear & Knobel (2006)
Oralidade
Práticas de letramento fora da escola
Análise temática
Tema autonomia
Transcrição 19/09/13

Aluna 1 – Depois que eu fiz parte desse projeto. Eu gostei tanto de fazer ele que eu comecei fazer aula de inglês particular, fora daqui. Por me identificar bastante com isso.

Tema
Percepção crítica
Transcrição 19/09/13
Aluno 1 - É, coisa que você faz, pode ser... e aí quando você chega lá fora você vê uma coisa que você é totalmente acostumado a fazer e lá ninguém faz. Entendeu? Aí, você começa a perceber que o mundo vai muito além do que você vê.
Transcrição 17/09/13
Aluna 2
Eles não comem carne, tanto é que a gente teve que interferir isso na nossa receita...
E também, a questão de como eles se vestem, como é a realidade da escola deles.
Se ela tem bastante recurso, se não tem, comparando assim com a nossa. Olhando assim, nosso! Como tudo é muito diferente do que a gente é acostumado aqui.

Já não é suficiente trabalhar, como era no passado, as regras formais e a forma padrão de uma língua nacional
.KALANTZIS e COPE(2011)
Perspectiva de multiletramentos.
New London Group (1994)
A mídia digital acelera uma tendência de um mundo que privilegiou a palavra escrita, para uma em que os modos visuais e outros estão se tornando muito mais importante.
(Kress, 2009).
Dados

- Entrevistas Semi-estruturadas (6horas)
- Transcrição (91 p.)
- Temas recorrentes

Tema 1
Oralidade

Tema 2
Práticas de letramento
fora da sala de aula

Tema 3
Colaboração

Tema 4
Autonomia

Tema 5
Percepção Crítica

Segundo Warschauer (1996),
as novas tecnologias da
informação
proporcionam a
possibilidade
de praticar a língua-alvo
de qualquer lugar
e a qualquer hora.

Levy (1999) menciona
que as modificações trazidas
pela tecnologia modificam
o papel do professor.

Referências
Connecting Classrooms
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE LINGUAGEM
INSTITUTO DE LINGUAGENS – UFMT
DEFESA PÚBLICA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
Connecting Classroms: proposta para o ensino de língua inglesa em ambiente digital na escola pública

Tiago Borges de Lima
Prof. Dr. Dánie Marcelo de Jesus – Orientador (MeEL/UFMT)
Prof.ª Dr.ª Dilma Maria de Mello – Examinadora Externa (UFU)
Prof.ª Dr.ª Divanize Carbonieri – Examinadora Interna (MeEL/UFMT)

We need to travel to places we don't know, to Unravel arrogance that makes us see the world as it is in our minds and not like it could be itself.
We need to see it!
We need to question it!
We need to touch it!
(Version adapted)
(Amyr Klink)
Four elements
1. The suitcase
2. The Theoretical
map
4.Analysis album
3. The transport
Packing
My experiences
What I have been
seeing in this Scenario

The multimodal context of language


New technologies of communication
has had a great impact on teaching
process.
Xavier (2004)
Levy (1999)
These changes can also modify
the role of the teacher.


Despite all the possibilities of work that these technologies may bring, they are still ignored by school environment.
Jesus (2007), Ramal (2002), Lankshear e Knobel (2006)
Connecting Classrooms Project
MY Questions about
the research
1 – Which were the viewpoints of the
participants?

2 – How do they see themselves in this new
context of learning?

Objective

To Figure out and understand the perception
and learning from the students involved in
this project and how they give meaning.
Mapa teórico
Literacy
O Termo “letramento” se origina do inglês literacy, que, ao mesmo tempo que designa a alfabetização, nesse idioma, também se associa a um novo conceito, como abordado por Street (1984).

Letramento se relaciona às práticas sociais relativas à cultura escrita.
A palavra letramento abarca práticas que não ficam restritas apenas ao espaço escolar.
Rojo (2009)
Algo galgado nas práticas sociais da escrita em seus contextos diversificados. Buzato (2007)
Multiliteracies
- New London Group (1996)
- Multiletramentos está relacionado com a variedade das diferenças culturais e sociais em determinadas situações.
- Multimodalidade que a linguagem se apresenta.
Kalantzis e Cope (2011),
A escola tradicional tenta isolar o sistema de criação de sentido da linguagem retomando à escrita. Kalantzis e Cope (2011)
Transletramentos
Termo guarda-chuva que tende compreender
as mudanças provocadas pelo mundo contemporâneo. Tavares e Brydon (2013)
O termo transletramentos é visto como uma habilidade de ler entre as diversas plataformas de sentido. Thomas (2007)
Trabalhos colaborativos - Nova mentalidade
Os novos letramentos são mais participativos e colaborativos. Lankshear e Knobel (2006)
O professor deixa de ser provedor para ser colaborador. Levy (1999)
Tandem e pen pal
Tandem é um trabalho colaborativo e recíproco de ambas as partes. Vassallo e Telles (2006)
Pen pal são atividades centradas em apenas um idioma.
A pesquisa qualitativa é de particular relevância ao estudo das relações sociais devido à pluralização das esferas da vida. Flick (2009)
A pesquisa qualitativa de cunho interpretativista deve levar em conta o contexto e a história dos indivíduos envolvidos no processo em estudo.
Context of the research
IFMT
Campo Novo
do Parecis
Mato Grosso
Hindu
College for Ladies
Sri Lanka
Estados
Unidos da
América
Herrin
High school
Illinois
Culture

Photos
Language
Local reality
Team
Work
List of themes
1 - Orality a path to go?

2 -Literacy practices outside the school.
Parallel roads.

3 - Collaboration.

4 - Teacher as a driver and teacher as a passenger.

5 -Agency through new literacies.

6 - The video. An unknown path.

7 - Critical perception.
Theme 1
Orality
Viajante 1
Esse projeto, ajudou a gente mais na fala, porque isso não tem. No convívio que você aprende mais do que escrever.
(Entrevista realizada em 17 de setembro de 2013)
Viajante 2
Você nunca vai falar alguma coisa em inglês, mas ai fazendo esses vídeos eu falei mais inglês.
(Entrevista realizada em 17 de setembro de 2013)

Viajante 10
Só aprendendo regra, regra, não aprende a falar, Regra não te ensina a falar.
(Entrevista realizada em 19 de setembro de 2013)
New London Group (1996), por isso há uma necessidade, agora, de abrangência dessas novas formas de encarar a linguagem.
Rojo (2013), Há maior destaque para as formas escriturais, e um esquecimento das formas sociais orais.
Theme 2 Literacies practices outside school
Viajante 2
Eu assisto muito seriado...então ajudou muito, então até para fazer esse projeto foi até mais fácil fazer.
(Entrevista realizada em 17 de setembro de 2013)
Viajante 3
Eu uso uma rede social que é o tumblr...o site tudo em inglês.
(Entrevista realizada em 19 de setembro de 2013)
Viajante 7
Sempre joguei bastante videogame...Foi assim que eu aprendi mais sozinho lendo e descobrindo o que era.
...
Então tava moscando a aula inteira...
Ah! Ficava sem fazer nada só observando o professor dá aula.
(Entrevista realizada em 19 de setembro de 2013)
Viajante 5
Tem gente que tem dificuldade e outras pessoas que tem facilidade e estão lá na frente. E aí o professor não consegue manter esse equilíbrio.

(Entrevista realizada em 17 de setembro de 2013)
Lankshear e Knobel (2006) asseveram que, na escola, eles operam em um universo de letramento e fora dela operam em outro.

Cope e Kalantzis (2008) exemplificam que fora do ambiente escolar, a aprendizagem é menos linear, mais livre e inconsciente.
Theme 3
Collaboration
Viajante 4
Você tem que promover uma interação muito maior na sala com o que você faz no livro. Você começa a ouvir mais ideias e trocar mais ideias.
(Entrevista realizada em 19 de Setembro de 2013)

Viajante 8
Quando a gente tinha dúvidas do que a gente ia falar, nós perguntávamos para outros alunos e eles falavam, não... o modo como se fala é desse jeito.
(Entrevista realizada em 17 de Setembro de 2013)
Lankshear e Knobel (2006), de que os novos letramentos são mais participativos e colaborativos por meio de uma nova postura e mentalidade.
Theme 4
Teachers
Viajante 6
Caiu um pouco dessa hierarquia que tem entre aluno e professor. O professor é mais alto o aluno é mais baixo. Meio que igualou.
(Entrevista realizada em 20 de setembro de 2013)
Professora Rebecca ( nome fictício)
Essa relação professor e aluno precisa se estreitar,
(Entrevista realizada em 9 de Janeiro de 2014)
Theme 5
Agency
Viajante 6
Eu posso acessar na escola, eu posso fazer amigos de outros países, de outras culturas, de outras etnias diferentes sem sair de onde estou.

(Entrevista realizada em 20 de setembro de 2013)

Viajante 9
Isso mostra que realmente a gente pode. Que a gente é capaz de aprender e ir lá se socializar com o pessoal.
(Entrevista realizada em 19 de setembro de 2013)
complicado complicado
Theme 6 : The video

Dá vergonha.


Não tenho familiaridade
Ansiedade
Complicado
Theme 7
Critical Perception
Viajante 6
Você acaba que ficando meio alienado achando que tudo é como é aqui no Brasil.
(Entrevista realizada em 19 de setembro de 2013)
Viajante 1
Por exemplo: lá no Sri Lanka, eles não comem carne, tanto é que a gente teve que interferir isso na nossa receita,
Professores podem legitimar a valorização de uma tendência dando ênfase à cultura americana ou inglesa. O que já não é suficiente. O efeito globalização entreabre novos caminhos de como ensinar a língua inglesa. A cultura do falante nativo deixa de ser a norma, possibilitando uma discussão sobre interculturalidade.
Gill e Martin (2013).
Considerações
Finais
Final considerations
Traveling is being outside your comfort zone
- Process of collaboration.
- A teacher's new attitude.
- Add practices outside the school environment
- Experience different cultures
- Working with video.
- Explorers
TEMA
Tema
Qualitative
Research
CONNECTING CLASSROOMS
PROJECT
Prof. Me. Tiago Borges de Lima
Full transcript