Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Teoria das Contingências

No description
by

Lucas França

on 28 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Teoria das Contingências

Teoria das Contingências
INTRODUÇÃO
A Teoria das Contingências é o estudo integrado na teoria da administração, pois ela considera a contribuição de diversas teorias, coordenando os princípios básicos como: as tarefas, as estruturas, as pessoas, a tecnologia e o ambiente.
Para Chiavenato a palavra contingência é algo incerto, duvidoso, que pode funcionar ou não.
ORIGEM
A teoria das Contingências surgiu de várias pesquisas nos anos 60 que pretendiam verificar se a teoria seguia os mesmos princípios da Teoria Clássica.
A conclusão destas pesquisas foram que não há uma forma melhor e sim que o funcionamento das organizações dependem do ambiente externo.

PRINCÍPIOS
No princípio básico da teoria tudo é relativo, varia conforme as condições do ambiente e de como as técnicas administrativas funcionam. Existindo uma relação funcional do tipo “se/então” podendo ser eficaz ou não.
As características da organização são variáveis dependentes e contingentes em relação ao ambiente e à tecnologia.
LAWRENCE E LORSCH
ORGANIZAÇÃO x AMBIENTE
Professores de Harvard, Lawrence e Lorsh pesquisaram sobre a relação entre as caracteristicas estruturais das organizações complexas e as condições do ambiente dessas organizações.
Essa pesquisa organização x ambiente resultou que, os problemas organizacionais básicos são a diferenciação e a integração.
“À medida que os sistemas crescem de tamanho, diferenciam-se em partes e o funcionamento dessas partes separadas tem de ser integrado para que o sistema inteiro seja viável.”
(Lawrence e Jay W. Lorsch)
ORGANIZAÇÃO x AMBIENTE
BURNS E STALKER
ORGANIZAÇÕES MECANÍSTICAS
Estrutura burocrática
Cargos ocupados por especialistas com atribuições bem definidas
Centralização das decisões na cúpula da organização
Hierarquia rígida de autoridade baseada no comando único
Sistemas rígidos de controle: a informação ascendente sobe através de uma sucessão de filtros e as decisões descem através de uma sucessão de amplificadores
Predomínio da interação vertical entre superior e subordinado
Amplitude de controle administrativo mais estreita
Maior confiança nas regras e procedimentos formais
Ênfase nos princípios universais da Teoria Clássica
ORGANIZAÇÕES ORGÂNICAS
Estruturas organizacionais flexíveis e com pouca divisão de trabalho
Cargos continuamente redefinidos por interação com outras pessoas que partici­pam da tarefa
Descentralização das decisões, delegadas aos níveis inferiores
Tarefas executadas por meio do conhecimento que as pessoas têm da empresa como um todo
Hierarquia flexível, com predomínio da interação lateral sobre a vertical
Amplitude de controle administrativo mais ampla
Maior confiabilidade nas comunicações informais
Ênfase nos princípios da Teoria das Relações Humanas.
ALFRED CHANDLER
ACUMULAÇÃO DE RECURSOS
Nessa fase, a preocupação com matérias-primas favoreceu o crescimento dos órgãos de compra e aquisição de empresas fornecedoras que detinham o mercado da matéria-prima. De onde veio o controle por integração vertical, que permitiu o aparecimento da economia em escala.
RACIONALIZAÇÃO DO USO DE RECURSOS
As empresas verticalmente integradas cresceram e precisavam ser organizadas, pois acumularam mais recursos que o necessário, para isso, as empresas se preocuparam com o planejamento, organização e coordenação.
EMERY E TRIST
JOAN WOODWARD
PESQUISA
Nos anos 50 a socióloga inglesa, organizou uma pesquisa que foi uma das mais significativas dentro das teorias, antes dos seus estudos a maioria das teorias tinha ignorado a importância da tecnologia, mas com sua pesquisa ela fez perceberem o quanto era importante, na época ela organizou um pesquisa com varias empresas de que foram classificadas em 3 tecnologias.
AS TECNOLOGIAS
Produção Unitária ou Oficina
: tinha o marketing como a principal atividade
Produção em Massa ou Mecanizada
: é a Fabricação e produção do produto
Produção em Processo Contínuo ou Automatizada
: que a importância é manter sempre o mercado.
ESTUDOS
Com seus estudos ela mostrou que tecnologia adotada para cada empresa é o que determina sua estrutura e seu comportamento organizacional, as empresas que mais se aproxima da tecnologia adequada, são as de mais sucesso.
CONTINUAÇÃO DO CRESCIMENTO
Reorganização geral das empresas na segunda fase gerou um aumento da eficiência, diminuindo a diferença de custo entre as várias empresas.
RACIONALIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS EM EXPANSÃO
Cada linha principal de produtos passou a ser administrada por uma divisão autônoma e integrada. Assim surgiu a necessidade de racionalizar a aplicação dos recursos em expansão, a preocupação com o planejamento a longo prazo, a administração voltada para objetivos e a avaliação do desempenho de cada divisão.
MEIO PLÁCIDO E RANDÔMICO
Concorrência pura, produtos homogêneos e muitas empresas pequenas que não consegue influência no mercado sozinha, essas organizações sobrevivem em pequenas unidades, isoladas, dificilmente se adaptaria a outro tipo de ambiente. Ex: bares, mercearia e pequenas oficinas.
MEIO PLÁCIDO E SEGMENTADO
Concorrência monopolística, produtos diferenciados e organizações de médio porte com alguns controles sobre o mercado. As organizações tendem a crescer em tamanho, tornam-se multifuncionais e muito hierarquizadas e possuem controle e coordenação centralizados.
MEIO PERTURBADO E REATIVO
Nesse ambiente mais dinâmico, desenvolvem-se organizações do mesmo tamanho, tipo, objetivos, dispondo das mesmas informações e mesmas pretenções no mercado. Surgem rivalidades, tornando necessário o conhecimento de reações dos rivais.
Ex.: companhias de petróleo ou de cimento.
MEIO DE CAMPOS TURBULENTOS
Caracterizam-se pela complexidade, turbulência e dinamicidade. Alem da cooperação interorganizacional ocorre neste tipo de ambiente uma contínua mudança associada com inovação, provocando incerteza. Forte impulso para pesquisa e desenvolvimento ou tecnologia avançada.
Full transcript