Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gêneros Textuais

No description
by

Felipe Andrade

on 31 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gêneros Textuais

Conclusão
A relação Eu - Outro estabelece uma condição de instabilidade no texto (enunciado). Essa instabilidade, por sua vez, é marcada no estilo, no modo composicional e no conteúdo temático. E esses três aspectos marcam o gênero discursivo.
Gêneros Textuais\
Gêneros discursivos

Dialogismo
O enunciado é uma cadeia de vários outros enunciados (BAKHTIN, 1997).
Enunciados são respostas a outros enunciados.
Enunciado
"Unidade real da comunicação verbal" (BAKHTIN, 1997, p. 286) e não verbal

Relativamente Estável

estilo
modo composicional
conteúdo temático
Retrato de Maria Lúcia

Tu vens de longe; a pedra
suavizou seu tempo
Para entalhar-te o rosto
Ensimesmado e lento

Teu rosto como um templo
Voltado para o oriente
Remoto como o nunca
Eterno como o sempre

E que subitamente
Se aclara e movimenta
Como se a chuva e o vento

Cedessem seu momento
À pura claridade
Do sol do amor intenso!

[Vinícius de Moraes, 1959]
CANTO I

Canta, ó Musa, o varão que astucioso,
Rasa Ilion santa, errou de clima em clima,
Viu de muitas nações costumes vários.
Mil transes padeceu no equóreo ponto,
Por segurar a vida e aos seus a volta;
Baldo afã! Pereceram, tendo, insanos,
Ao claro Hiperiônio os bois comido,
Que não quis para a pátria alumiá-los.
Tudo, ó prole Dial, me aponta e lembra.
Da guerra e do mar sevo recolhidos
Os que eram salvos, um por seu consorte
Calipso, ninfa augusta, apetecendo,
Separava-o da esposa em cava gruta.
O Céu porém traçou, volvendo-se anos,
De Ítaca reduzi-lo ao seio amigo,
Onde novos trabalhos o aguardavam.
De Ulisses condoíam-se as deidades,
Mas, sempre infenso, obstava-lhe Netuno.
Este era entre os Etíopes longínquos,
Do oriente e Ocidente últimos homens,
Num de touros e ovelhas sacrifício,
A deleitar-se; e estavam já no alcáçar
Do Olimpo os habitantes, em concílio,
O soberano, a recordar Egisto,
Do Agamemnônio Orestes imolado,
Principia: “Os mortais, ah!, nos imputam
Os males seus, que ao fado e à própria incúria
Devem somente. [...]"

Homero
Diálogo entre o Eu e o Outro no Enunciado
Todo enunciado pressupõe um "Eu"
Todo enunciado pressupõe um "Outro"
Todo "Eu" estabelece uma relação com o "Outro"
O "Eu" só existe perante o "outro"
Quem é o sujeito que enuncia?
Qual o enunciado e como ele se dá?
Quem é o outro do discurso?
http://slidescorepoesia.com/galeria_leighton/index.html
Condessa de Brownlown
Lord Frederic Leighton
Carlos Eraldo Machado • 17 dias atrás
Fico admirado pela quantidade de ofendidos que um simples texto produz...
Quando eu terminei de ler, simplesmente pensei "puta que pariu!" ou como no texto anterior da Helena, "puta merda".
Sim, todo mundo esperava um final bombástico, com música sinfônica e lágrimas (estamos acostumados demais à receita hollywoodianas), mas tudo bem, fui surpreendido e isso é bom.
Gostar ou não gostar, afinal gosto é igual a ( * ), cada um tem o seu.
O que me admira é a quantidade de polêmicas geradas, normas descumpridas, padrões não obedecidos...
Eu entendo da seguinte forma: se não foi lesivo, criminoso ou algo similar, tá valendo!
Parabéns pelo texto, Helena, mas tome cuidado: no próximo seu nome pode ir parar no muro das lamentações do "Reclame Aqui" ou na Delegacia do Consumidor.

http://papodehomem.com.br/mais-um/
Cultura, história e sociedade
O trabalho proposto insere-se no contexto de interesse da linguística seja pelas práticas de escrita na mídia, em especial na internet, seja pelas relações entre oralidade e letramento, principalmente aquelas propiciadas pelo surgimento das novas mídias. O objetivo é analisar: a representação da produção cultural sertaneja, de tradição oral, em comentários de internautas postados em dois sites que tomam por tema essa produção; e a identidade desses sujeitos que postam seus comentários nesses espaços. A contribuição que se deseja fazer é ampliar as reflexões sobre as práticas de escrita em comentários na internet, considerando-se a identidade dos sujeitos nesses enunciados, e investigar como um produto cultural tipicamente oral é representado em manifestações escritas na internet. O suporte teórico da pesquisa são estudos do discurso, particularmente os trabalhos que se centram na proposta dialógica do círculo de Bakhtin. Nessa perspectiva, considera-se que o enunciado é ressignificado pelo outro no diálogo, em determinado contexto sócio-histórico e ideológico. Assim, a identidade do sujeito é concebida como fruto do diálogo entre vozes sociais, no processo de ressignificação da palavra alheia, e a representação é tomada não só como reflexo, mas principalmente refração da realidade sócio-histórica, tal como materializada na linguagem por um sujeito que a interpreta em um horizonte apreciativo específico.
COMENTÁRIO
RESUMO
Full transcript