Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Reações a Gettier a motivação das teorias externistas do con

No description
by

Introdução à Filosofia (D)

on 3 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Reações a Gettier a motivação das teorias externistas do con

Diagnósticos à crítica de Gettier e o surgimento das teorias externistas do conhecimento
Tópicos a serem abordados:
- Quais são as características do problema de Gettier?
- Repostas possíveis à Gettier.
- O surgimento das teorias externistas do conhecimento:
* Armstrong (1973)
* Goldman (1967)
Quais são as características do problema de Gettier?
Estudiosos têm apontado algumas características que definem o problema de Gettier. Hetherington (2005), apontam a fabilidade e o acaso como distintivos do problema de Gettier:

"
Falibidade
- A justificação que é presente em cada caso é falível. Embora ela proveja um bom suporte para a verdade da crença em questão, tal suporte não é perfeito, estritamente falando. Isso significa que a justificação deixa aberta a possibilidade da crença ser falsa. A justificação indica fortemente que a crença é verdadeira, sem provar conclusivamente que é.

Acaso
- O que mais característico dos casos Gettier é que o acaso envolvido. [...] Existe um significante acaso na forma como a crença combina ser verdadeira com ser justificada. Alguma circunstância anormal ou ímpar está presente no caso, uma circunstância que faz com que a existência dessa crença seja justificada e verdadeira seja fortuita." HETHERINGTON (2005).


Repostas possíveis à Gettier
O problema de Gettier recebeu diversos tratamentos nas últimas décadas, que ofereceram respostas igualmente diversas. Uma das mais proeminentes respostas foram as das teorias externistas do conhecimento, surgidas em meados da décadas de sessenta e setenta do século passado, que adicionavam a análise do conhecimento algo que poderíamos chamar de modo não rigoroso de 'condições externas', inaugurando uma ruptura em relação a uma longa tradição na teoria do conhecimento, que remete a nomes como Platão e Descartes.
Armstrong (1973)
Armstrong estabelece uma métafora entre o modo de funcionamento de um termômetro e o modo como temos conhecimento de fatos da percepção (isto é, o que conhecimento de sei que vejo x, sei que sinto calor, etc). O que quer dizer que da mesma maneira que um termômetro que funciona de modo adequado é capaz de nos fornecer informações confiáveis acerca do ambiente, nossas crenças perceptuais (se nos encontramos em condições normais) são capazes de nos fornecer informações confiáveis acerca do ambiente - ou seja, a crença perceptual de que p se mostra como um indicador da confiabilidade de p, como aponta Adams (2005).
Reações a Gettier a motivação das teorias externistas do conhecimento
A teoria causal do conhecimento de Goldman
A teoria causal do conhecimento de Goldman (1967) procura chamar atenção para um aspecto causal envolvido no cálculo epistêmico. Adams (2005) aponta três condições na proposta de Goldman:

(1)
p
é verdadeiro;
(2) S acredita em p;
(3) Existe uma cadeia causal continua entre o fato que faz (1) verdadeiro e (2).

Observe que a análise de Goldman suprime a condição da justificação. No que diz respeito a esse ponto, Goldman faz a seguinte declaração:

"A análise apresentada aqui vai contra uma tradição bem estabelecida na epistemologia, a visão de que questões epistemológicas são de lógica ou justificação e não questões causais ou genéticas. [...] Eu acho que a minha análise mostra que a questão de saber se alguém sabe uma certa proposição é em parte uma questão causal, embora, é claro, a questão de qual é análise correta de 'S sabe que p' não seja uma questão causal". GOLDMAN (1967).
A análise de Goldman, no entanto, foi objetada. A alegação era de que ela estava sujeita a casos Gettier, isto se deu pela demonstração de que as condições de Goldman não evitam os casos de crenças verdeiras acidentais - existem casos onde há uma cadeia causal contínua de fatos, e no entanto, seja acidental que a crença do agente seja verdadeira. Para lidar com este problema adicionou uma quarta condição a (1)-(3), que é:

(4) S deve ser capaz de reconstruir todas as conexões importantes a cadeia causal (3).

A quarta condição proposta por Goldman também foi objetada, uma das críticas foi de que a condição (4) fazia com que o conhecimento não fosse depende unicamente de uma conexão causal adequada, mas também em algum sentido 'justificada', algo que Goldman procurava evitar. Uma objeção mais foi foi a de que mesmo com a adição de (4), os casos Gettier não são evitados. Goldman posteriormente adicionaria outros requisitos a sua teoria, pelo que ficou conhecido como teoria do conhecimento discriminativo. Em seus trabalhos maduros, Goldman, desenvolve uma teoria da justificação epistêmica conhecida como confibilismo, que mantém a ênfase naquilo que estamos designando 'condições externas'.
Armstrong (1973) apresenta uma abordagem externista confialibilista do conhecimento. Segundo sua abordagem, o conhecimento envolve uma relação
nomológica
entre um estado de crença e uma situação que torna a crença verdadeira. No caso dessa proposta, o requisito da justificação é suprimido, sendo que o fator que contribui ao conhecimento é tido como sendo algo externo à perspectiva do agente, a saber, um fato no ambiente que corrobora a crença relevante.

A posição de Armstrong recebeu muitas críticas, como a da artificialidade das soluções oferecidas para deter os contra-exemplos à proposta. Além do mais, tal tipo de abordagem é criticada por não oferecer um tratamento adequado ao ceticismo.

No entanto, essa posição representa uma das principais empreitadas que se opõem ao tratamento tradicional da epistemologia no que concerne ao conhecimento.
Referências Bibliográficas
ADAMS, F. Tracking Theories of Knowledge.
Veritas
, 50, (4), 2005, p. 11-35.
ARMSTRONG, D.
Belief, Truth, and Knowledge
. Cambridge: Cambridge University Press, 1973.
GOLDMAN, A. A Causal Theory of Knowing.
The Journal of Philosophy
, 64 (12), 1967, p. 357-372.
HETHERINGTON, S. Gettier Problems.
Internet Encyclopedia of Philosophy
, 2005. Disponível em: <http://www.iep.utm.edu/gettier>. Acesso em: 01 agosto 2013.
Full transcript